liafersa Lia Fersa

Você é meio-veela e meio-bruxa, que carrega o sangue azul da realeza Delacour e o sangue-puro dos Malfoy. Apesar de toda a história radicalista da segunda família, em relação a linhagem pura, seu pai, Castiel Malfoy (primo de Lucio), a quem você puxou a aparência, se casou com Ariana Delacour (prima de 2° de Fleur), sua mãe, e pouco depois você veio ao mundo. Infelizmente, ela morreu após seu nascimento, devido a gravidez de risco que teve por uma doença que, felizmente, você não contraiu. Anos se passaram e enfim você fez 11 anos e sua carta para Hogwarts chegou. . Primeira Temporada: Completa Segunda Temporada: ...Em andamento... Terceira Temporada: Quarta Temporada: Quinta Temporada: Sexta Temporada: Sétima Temporada: . História inspirada em Harry Potter, com partes retiradas dos livros/filmes, mas de resto, tudo 100% de minha autoria. Comentários ajudam a motivar os autores e eu amo ler e responder os comentários. . Plágio é crime!! . Adendos: Qualquer um pode ler, mas a história utiliza os pronomes Ela/Dela. Há spoilers e pode haver muitas mudanças em relação a obra original. A classificação pode ser mudada.


Fanfiction Livros Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#fanfic #fred-weasley #draco-malfoy #malfoy #princesa #hogwarts #sonserina #hp #harry-potter #interactive
29 / 29 CAPÍTULOS História interativa
1
1.0mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Bem-vinda a Hogwarts

POV S/N

— Se cuide e seja uma boa garota.— Disse Castiel, meu pai, sorrindo para mim e acariciando meus fios.
— Eu sou uma ótima garota.— afirmei e ele riu, concordando.
— É, sim.— disse ele, se inclinando sobre mim, com seus fios platinado tocando meu rosto e se misturando aos meus, beijando minha testa.— Eu te amo, S/N, não faça nenhuma besteira.
Sorri para ele e o abracei apertado, ele era o melhor pai do mundo.
— Eu também te amo, papai. — disse e ele me ajudou a entrar no trem, acenando para mim.
Enquanto eu andava pelo trem, com vários e vários alunos passando de um lado para o outro, escutei uma voz conhecida me chamar.
— S/n!— chamou, e eu olhei para trás, vendo meu primo de segundo grau, Draco Malfoy.
— Olá, Draco.— disse, me aproximando dele, sorrindo pequeno.
— Venha, sente-se com a gente. Minha mãe pediu para que eu cuidasse de você.— disse ele, indicando a cabine, onde havia dois garotos da nossa idade.— Esses são Crabbe e Goyle.
— Prazer, S/n Malfoy.— disse, sorrindo sem graça, vendo que meu primo não iria me deixar ir para outro lugar. Entrei na cabine e me sentei no canto, com Draco entrando em seguida e trancando a porta, sentando ao meu lado.
Ele começou um papo chato sobre ser superior e os outros dois concordavam fielmente. Parei de prestar atenção e fiquei observando o percurso do trem para Hogwarts, me questionando como seria meu primeiro ano.


Saí da cabine para poder trocar de roupa e colocar o uniforme todo preto dos novatos. Eu me questionava em qual casa eu cairia, eu estava ainda mais nervosa e ansiosa com a expectativa.
Terminei de me vesti e segui caminho para voltar para a cabine — apesar de eu não querer. No meio do percurso, acabei por me esbarrar com alguém, que pediu desculpa e observei quem era. Era uma garota, fios castanhos e cacheados, vestida com o traje do primeiro ano.
— Desculpa.— disse ela, me olhando.
— Tudo bem.— respondi, sorrindo de leve, olhando-a.
— A proposito, viu um sapo por ai? Um garoto chamado Neville perdeu o dele.— disse ela e eu inclinei a cabeça, foi uma mudança de assunto tão repentina.
— Não, desculpe... — falei e sorri de leve.
— Tudo bem.— disse ela, parecendo que ia embora.— Ah, aliás, me chamo Hermione Granger.— disse se virando para mim de novo e estendeu a mão.
— Prazer, S/n Malfoy.— respondi, sorrindo e apertando sua mão.
— Bem, agora vou indo. Foi bom te conhecer, s/n.— disse sorrindo para mim e saiu.
— Você também... — disse baixinho, sabendo que ela não estaria mais prestando atenção.
Suspirei e voltei para a cabine, entrando e me sentando ao lado de Draco, vendo os três já vestidos com o uniforme do primeiro ano.
— Você demorou.— Reclamou Draco e eu revirei os olhos.
— Eu sei.— disse para ele, sorrindo amarelo.
Draco começou mais um discurso chato e falando sobre um boato de que Harry Potter estaria no trem.


Assim que descemos do trem, um homem grande, muito grande, nos guiou para os barcos.
— Vamos, crianças. Deixem suas malas aí e me sigam. Vocês podem me chamar de Hagrid.— disse ele, auxiliando nossa entrada nos barcos.

Subimos as escadas e no topo dela havia uma mulher.
— Seja todos bem-vindos e bem-vindas. Eu sou a professora Minerva MacGonagall e irei acompanhá-los. Antes de entrarem no salão para serem divididos entre as casas, vocês devem esperar um pouco aqui. — disse ela, foi quando um garoto gritou "TREVO" e se abaixou para pegar um sapo, acho que esse era o Neville.
Minerva o olhou com repreensão e ele pediu desculpas, se encolhendo. Meu primo riu, junto a seus novos amiguinhos e eu neguei de leve.
A professora se ausentou por alguns instantes e meu primo não perdeu tempo.
— Então é verdade... Harry Potter está em Hogwarts.— disse ele, se afastando de mim e indo até o garoto de cabelo escuro e óculos.— Prazer, sou Draco Malfoy.— disse sorrindo e olhou para o ruivo.— Você nem precisa se apresentar... Cabelo ruivo, roupas de segunda mão... Você é um Weasley.— disse com desprezo, se voltando para Harry de novo.— Você vai aprender que algumas famílias são melhores que as outras, assim como companhia. — disse e estendeu a mão para ele.— E eu posso te ajudar.
— Eu posso ver sozinho quem é uma péssima companhia.— respondeu o Potter, ignorando a mão de meu primo e eu sorri por isso.
Minerva retornou e tossiu de leve, indicando que Draco deveria voltar ao seu lugar e ele o faz, a contragosto.
— Bem, agora iremos entrar no salão, organizadamente.— disse Minerva, nos guiando para as grandes portas atrás dela.


Passamos pelas portas e vi um enorme salão, com um teto magico — escutei Hermione falando disso. Sorri maravilhada e entusiasmada. Minerva apresentou o chapéu seletor e aos poucos foi chamando um por um.
Ronald Weasley, o garoto a quem meu primo destratou, foi para a Grifinória, assim como Hermione. Draco, claro, foi para a Sonserina, não demorando nem um segundo na cadeira para que o chapéu o colocasse lá.
Quando chamaram Harry Potter, o salão ficou em silêncio. O chapéu parecia divagar muito sobre onde o colocar. Notei os lábios de Harry se movendo várias vezes e tentei entender o que ele dizia, mas sem saber ao certo. Enfim, o chapéu gritou Grifinória e todos da mesa vermelha e dourada vibraram, com ele sorrindo e indo para ela.
— S/n Malfoy.— chamou Minerva e eu respirei fundo, indo até a cadeira e me sentei, recebendo o chapéu em minha cabeça.
— Interessante. Apesar do sobrenome, vejo lealdade e empatia, talvez a lufa-lufa seja para você. Ou quem sabe a corvinal? Vejo inteligência e uma estrategista nata aqui... Ou então a Grofinória... Coragem e altruísmo. Ainda há a Sonserina, lar dos astutos e criativos.— escutei o chapéu dizer em minha mente.— Deixe-me ver, deixe-me ver.
Eu não sabia o que eu queria de fato. Minha mãe não estudou em Hogwarts, mas na França em uma escola da família, enquanto meu pai foi da Sonserina, para onde eu gostaria de ir?

19 de Outubro de 2021 às 20:07 0 Denunciar Insira Seguir história
1

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 28 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!