Conto
0
559 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

ANTE SOCIAL

Então, deste que eu fiquei um pouco maior uns 10 anos, eu não gostava de me intusiasmar com as outras crianças, pois ela não gosta de brincar comigo, eu tbm não sabia o qual era o problema, eu sabia joga futebol e até jogar carimba, mais sempre que eu pedia para jogar em times, as outras crianças me recusava, até que eu dia uma professora minha, chamado "Glaucia" me viu sentadinho no canto de cabeça baixa e ela me fez um pergunta. Oi meu pequenino, porque você não está brincando? está com alguém problema? simplesmente a criança começou chorar e ela não sabia o quê está havendo, então desesperada ela chamou a diretora, ficou ele e a professora, então ele disse, ngm querer brincar comigo, o quê eu fiz de errado? "disse o menino chorando" a diretora calada sem reação, sentiu quê aquela criança estava passando, então lhe perguntou se a outras crianças chamava de nomes estranhos, ele disse que não, ngm me chama de nada, ngm chama nem o meu nome, os meninos (a) me chamar de "ei bixin" e assim era a rotina.

A professora sentiu o pouco da dor daquele menino, então ela de comoveu e disse com a professora Glaucia, olha (professora) vamos fazer uma palestra sobre isso, pois eu não quero alunos meus e em meu colégio agindo desse jeito, então ela fez a palestra, e no final o menino pegou o microfone e disse, ( vocês não tem noção, o quanto eu queria brincar com voces, a minha foi ficar sozinha, minha mãe é usuário e meu pai é um alcoólatra que bate em me em o meu irmão, eu tô vindo de maquiagem no rosto pra não amostrar os roxos só sobre a minha face ). chegando em casa, o menino e irmão mais velho vê a sua mãe apanhando, e o pai deles dps bateu nele, o meneino com olhos cheio de lágrimas disse ao seu pai ( papai, não sei o quê eu fiz ao senhor, você nunca brincou comigo, e eu nunca reclamei de você, então porque você me colocou neste mundo!?) então sem parar, o pai dele continuava a socar e bater, até que o coração de seu filho parou de bater de tanto murro no tórax, e seu olho foi fechando devagar com as lágrimas.—





14 de Outubro de 2021 às 13:58 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~