lucie Lucianealves

Durante o período de caça às bruxas na Europa quase um terço da população feminina foi caçada e torturada por pessoas que se diziam estarem "livrando suas almas do mal". Uma época cruel e desumana que acabou resultando em milhares de mortes de pessoas inocentes. Para Seline, os "purificadores" reservaram algo especial. Trancada em uma sela subterrânea, seu único destino era a solidão eterna. Mas diferente das vítimas inocentes que confessavam seus crimes apenas para cessarem com a tortura, ela possuía a verdadeira magia. Mesmo assim, seu coração puro não permitia que usasse seu poder para o mal. Isso a tornaria pior do que seus perseguidores. Mas o tempo presa em meio à escuridão e agonia a fizeram ver que não podia se deixar vencer. Liberta, ela busca por vingança, em um mundo totalmente diferente, mas com partes do seu passado insistindo em atormentá-la mesmo após séculos terem se passado. Ao mesmo tempo Alessandra leva sua vida de maneira calma e sob controle. Mas com a chegada de estranhos, essa tranquilidade acaba com seus dias contados. Bruxos, magia e perseguições assustadoras a colocam em um mundo no qual ela apenas conhecia nos livros que tanto amava ler. Apesar de serem totalmente diferentes em todos os aspectos, ambas possuem coragem e força necessárias para enfrentar todos os problemas impostos pelo caminho. Isso faz com que suas escolhas as aproximem e interligue suas vidas de maneira imutável. No decorrer do período, um mundo de magia se abre e revela seus segredos a essas duas exploradoras, permitindo que cada uma aprenda a conviver com o conhecimento do seu próprio modo e assim possam florescer em uma nova era, não de caça ou condenações, mas a era da ascensão das bruxas!


Fantasia Fantasia urbana Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#romance #magia #mitologia #bruxas #misticismo # #paganismo
3
1.4mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 30 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo

Castel Del Monte, Abruzzo, Itália, 1565





As luzes mal iluminavam a descida difícil. O estreito túnel de pedra seguia íngreme cada vez mais fundo na escuridão. O cheiro forte de musgo sugeria que apenas as pedras úmidas seriam minhas companheiras pela eternidade.

Meus pés tropeçavam e doíam, descalços sobre as pedras tomadas pela erosão causada pela água e pelo tempo. Mesmo assim, eu seguia em silêncio, escoltada por brutamontes e capangas daquele maldito padre.

Chegamos à uma porta de ferro gigantesca. O único detalhe era a tranca grossa e estranha em formato de escotilha na lateral.

ㅡ Vocês não podem fazer isso comigo! ㅡ falei. Mas por mais que pedisse, era inútil.

ㅡ Pare de se lamentar bruxa. ㅡ Reverendo Marco fez um sinal para abrirem a porta da sala subterrânea. ㅡ Ficarás presa aí por toda a eternidade.

Num momento de desespero e fúria, me lancei na direção dele e arranhei o braço do Reverendo, arrancando pedaços de pele e sangue com as unhas.

Fui jogada sem delicadeza alguma na sala vazia. O lugar era apenas um espaço amplo de rocha fria. Sem nada, nem mesmo uma tocha acesa na parede. O barulho de uma forte tranca de ferro fez-se ouvir e a porta foi trancada e eu fiquei imóvel por um momento, sozinha no escuro.

ㅡ Me passem o livro. ㅡ o Reverendo pediu, limpando o sangue em seu braço.

Ítalo lhe entregou o livro.

O Reverendo começou a ler:

ㅡ Repraesentat malum, tu pure malum

(Representas o mal, tu és pura maldade)

Et quocumque introierit, folia inutiles vastitas et contritio et dolor

(Por onde passas, deixas um rastro de destruição e sofrimento.)

Tu, nefarias, sceleratorum repraesentativum Satan,

(Tu, infame, nefasto representante de Satã,)

Hit fuerat adhaesit in aeternum.

(Ficarás preso aqui por toda a eternidade.)

Usque ad consummationem saeculi, immúndus spíritus tuus pati.

(Até o fim dos tempos, teu espírito impuro sofrerá.)

Agonia solitudinem erit vobiscum pariter et cruciatum aeternum.

(A solidão e a agonia serão seu tormento e companhia eternamente.)

Et in nomine Dei nostri sanguinis, ego te condemnabo nobilis creatura.

(Em nome de Deus e com meu sangue, condeno-te, criatura infame.)

Por um instante, ouvi as palavras atentamente. Talvez houvesse um jeito. Afinal, seu castigo não havia sido tão cruel. Ouvira muitas histórias que várias de suas irmãs foram decapitadas, enforcadas, afogadas ou pior, queimadas vivas. Mas poderia haver uma chance. A prisão era pior do que a morte, mas diferente dela, ainda não era o fim.

E Matteo? O que teriam feito com ele? Talvez tivesse sido morto.

ㅡ Eu vou sair daqui. ㅡ prometi baixinho. ㅡ E farei com que todos paguem pelo que fizeram às minhas irmãs e a mim.

Infelizmente, apenas as paredes de pedra foram testemunhas dessas palavras.


25 de Outubro de 2021 às 15:59 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Capítulo 1

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 6 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!