sandra-longbottom24 Sandra Longbottom

Neville acordou mais cedo para preparar uma surpresa a Luna, mas o surpreendido é ele. #capa criada por stiles_stilinsk_007


Conto Todo o público.

#harry-potter #neviluna #nuna
Conto
0
233 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

Nota da Autora: Os personagens, lugares e citações que forem reconhecidos como sendo da saga de Harry Potter são da prioridade de J. , Scholastic Books, Bloomsbury Publishing, Editora Rocco ou Warner Bros. Entertainment. Nenhum lucro foi auferido pela criação desta fic.

S.L.


Neville abriu lentamente os olhos e olhou para o teto de seu quarto. Vendo o teto branco embaçado, piscou algumas vezes, até o conseguir ver normalmente. Percebendo que estava suficientemente acordado, se ergueu da cama e se virou para sua mulher, Luna, que dormia serenamente a seu lado, com seu longo cabelo loiro lhe cobrindo parte do rosto e sua respiração ritmada. Sorriu carinhosamente para a mulher adormecida e ergueu sua mão. Com cuidado, para não a acordar, acariciou de leve seus cabelos sedosos. Luna se remexeu, fazendo Neville retirar automaticamente a mão, mas não acordou. O moreno suspirou, aliviado, e se virou na cama. Ligou o candeeiro, olhou para o relógio, que estava em cima do criado mudo, e viu que era sete e meia da manhã. Embora fosse sábado, era um dia especial. Eles faziam sete anos de casados. E já namoravam há onze.

Desligou a luz e afastou os lençóis roxos. Sem fazer – muito – barulho, se levantou e pegou na varinha, que estava pousada no criado mudo. Apontou para janela e, com um movimento sutil, abriu as persianas, deixando a claridade entrar pelo quarto. Vestiu o roupão castanho, calçou umas pantufas vermelhas e se dirigiu para a porta. Sem fazer barulho, abriu lentamente a porta e saiu do quarto. Desceu as escadas e se dirigiu para a cozinha. Parou na ombreira na porta, pensando no que iria fazer. Queria fazer uma surpresa para sua mulher. E o que era melhor do que levar o café da manhã á cama? Entrou na cozinha, acenou com a varinha e os ingredientes para as panquecas saíram dos armários e começaram a ser feitas em uma frigideira, em cima do fogão. Se dirigiu para um armário e retirou uma bandeja de madeira e dois copos de vidro, colocando tudo em cima da mesa. Foi em direção á geladeira e abriu a porta, pegando em uma garrafa de suco de laranja natural. Fechou a porta e colocou a garrafa e os copos em cima da bandeja.

Pensou um pouco: "Luna ama minhas rosas. Vou colher uma." Abriu a porta que dava para o jardim e olhou para o céu. Estava limpo, sem nuvens, com o sol brilhando timidamente. Observou as árvores, que baloiçavam suavemente suas folhas e a grama verde que brilhava com as gotas de orvalho. Um vento frio e suave bateu em seu rosto e o moreno estremeceu com o contato. Caminhou por cima das pedras negras até chegar á estufa e abriu a porta. A estufa era ampla, de cor branca, para refletir melhor os raios solares, tinha grandes janelas, que estavam abertas para deixar entrar o ar, tal como balcões, onde se encontravam seus materiais. Em volta da estufa havia vários vasos com flores e plantas das mais variadas espécies e tamanhos. Uma brisa suave passava pelas janelas, fazendo com que as folhas se movimentassem suavemente. Neville pegou em uma tesoura de poda e se dirigiu para uma pequena roseira, que se encontrava a seu lado. Com cuidado, para não se machucar, cortou uma rosa vermelha pelo caule. Retirou os picos da rosa, para que não o machucassem e a cheirou. Cheirava maravilhosamente, um aroma suave e delicado. Sabia que Luna ia adorar sua surpresa. Pousou a tesoura e fechou a porta da estufa. Se dirigiu para a cozinha e reparou que as panquecas estavam prontas. Desligou o fogão e, com um aceno da varinha, fez aparecer um jarro com água, onde colocou a rosa. Abriu uma gaveta e retirou duas facas e dois garfos, colocando em cima da bandeja. Voltou a acenar com a varinha e dois pequenos pratos saíram do armário, indo em direção do fogão. As panquecas foram levitadas, caindo suavemente nos pratos. Neville pegou nos pratos e os pousou. Se dirigiu para a geladeira e retirou um frasco de chocolate líquido. Olhou para uma pequena taça com morangos, que estava em cima do balcão e pegou neles. Colocou tudo na bandeja, arranjando o melhor que pôde, pegou nela e saiu da cozinha. Subiu as escadas lentamente, para não cair, e entrou no quarto. Reparou que sua mulher ainda estava adormecida. Pousou a bandeja em cima do criado mudo e retirou o roupão, ficando só de cueca box. Colocou o roupão no fundo da cama, se sentou na beirada da cama e abanou suavemente sua mulher, enquanto a chamava:

-Luna? Meu amor, acorde. – A mulher abriu seus olhos azuis e se espreguiçou. Olhou para o marido e se ergueu da cama. Deu um pequeno sorriso e disse:

-Bom dia.

-Bom dia. – Respondeu o moreno e aproximou seu rosto no dela, lhe dando um beijo suave. Luna estremeceu o beijou de volta. Se separaram e Neville pegou na bandeja e a colocou no colo da mulher, que ficou admirada pelo gesto do marido. Não que ele não lhe fizesse surpresas, mas não estava contando com aquela. Sorriu e pegou na rosa, a cheirando. Acariciou com seus delicados dedos as pétalas vermelhas e olhou para a bandeja, exclamando de seguida:

-Oh, Nev! Que surpresa maravilhosa! Obrigada, meu amor! – Neville sorriu com a felicidade que irradiava de sua mulher e Luna se esticou para beijar os lábios suaves de seu marido. Desfizeram o beijo e a mulher colocou a rosa em seus cabelos loiros. Pegou na faca e no garfo, cortou um bocado da panqueca e deu ao moreno, que comeu deliciado. Neville se colocou ao lado da mulher, pousando suas costas nas almofadas fofas e rodeou seu braço em redor da cintura de Luna, a abraçando carinhosamente. A loira pegou no frasco com chocolate e colocou o líquido em cima da panqueca. Molhou um pedaço da panqueca no chocolate e levou á boca, ficando com um bocado do chocolate no canto dos lábios. Neville se apercebeu e lambeu o canto da boca, fazendo com que sua mulher se risse. De vez em quando, Neville roubava uns selinhos a Luna, a fazendo rir. O moreno, com o garfo, espetou em um morango e o molhou no chocolate. Ofereceu a Luna, que trincou um pedaço e gemeu, ao sentir a mistura de sabores em sua boca. Voltou a molhar o morango no chocolate e trincou, suspirando de seguida.

E ficaram os dois saboreando calmamente o café da manhã, entre beijos roubados, chocolate e morangos.

Quando terminaram de comer, Neville retirou a bandeja do colo da mulher e a colocou em cima do criado mudo. Luna abraçou seu marido, o trazendo mais para si e ouviu o bater compassado de seu coração. Neville, com um sorriso no rosto, acariciava de leve seus cabelos, brincando com os cachinhos loiros. A mulher suspirou, afastou seu rosto do peito musculado e sussurrou em seu ouvido:

-Eu te amo. – Neville sorriu com a declaração de sua mulher e respondeu:

-Eu também te amo. – Luna sorriu e se afastou do marido com delicadeza. Neville sentiu falta do calor do corpo dela contra o seu, mas estava curioso para saber o que ela ia fazer. Fitou a mulher abrindo a gaveta do criado mudo e retirando um pergaminho. A loira segurou o pergaminho com as duas mãos e disse, com os olhos brilhantes:

-Eu tenho andado cansada e com alguns enjoos e decidi ontem ir a St. Mungus. – Neville empalideceu com a menção ao hospital, mas continuou a escutar – Os medibruxos me fizeram uns exames e tenho aqui o resultado.

-O que você tem, Luna? – Perguntou o moreno, preocupado, tocando em seus cabelos – É grave? Porque não me contou mais cedo?

-Calma. – Pediu a loira, tocando com sua mão no rosto de Neville, que suspirou com o toque e se acalmou um pouco – Não é nada de grave.

-Então, o que você tem? – Perguntou o moreno, curioso – Se não é nada de grave, porque anda cansada e enjoada?

Luna deu um enorme sorriso e entregou o pergaminho a Neville, que pegou nele com receio. Com suas mãos tremendo de leve, abriu o pergaminho e leu o que dizia. Fitou o pergaminho, abismado e olhou para sua mulher, querendo confirmação. A mulher acariciou os cabelos do marido e confirmou:

-É verdade. – Neville sorriu, emocionado com a notícia. Puxou Luna para si e a beijou sofregamente, fazendo com que os dois caíssem na cama. O pergaminho caiu no tapete azul e dizia o seguinte:

Hospital St. Mungus para Doenças e Acidentes Mágicos

Cara Srª Longbottom,

Recebemos os resultados dos exames que realizou. Temos o prazer de a informar que está grávida de dois meses de um menino. Terá de marcar uma consulta com o nosso medimago para ver o estado do bebê.

Atenciosamente,

Annabeth Cartwright,

Diretora de St. Mungus


E tinha uma ecografia agrafada ao pergaminho.


FIM


Nota da Autora: Oi! O que acharam? Espero que tenham gostado da fic. Eu amei a escrever. Comentem dizendo o que acharam. Bjs :D

25 de Setembro de 2021 às 18:09 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Sandra Longbottom Sou Sandra Longbottom, mas podem me chamar de Salily ou Sandy. Sou fã incondicional da saga Harry Potter, mas também leio outras fics que me interessem, como Hunger Games, Divergente, Senhor dos Anéis, The Walking Dead, Thor, Teen Wolf, entre outras… Gosto de ler de tudo, principalmente yaoi e romances. Adoro ler e tenho uma estante enorme de livros no meu quarto, e se eu pudesse, teria uma biblioteca inteira apenas para mim. E sei lá, acho que você só precisa saber isso.

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~