thaymonike thayla Morgado

Talentoso, inteligente e festeiro, Dean Di Laurentis sempre consegue o que quer. Sexo, notas altas, sexo, reconhecimento, sexo… É sem dúvida um galanteador de primeira, e ainda está para encontrar uma mulher imune ao seu charme descontraído e seu jeito alegre de encarar a vida. Isto é, até ele se envolver com Allie Hayes. Em uma única noite, essa jovem atriz cheia de personalidade virou o mundo de Dean de cabeça para baixo. E agora ela quer que eles sejam apenas amigos? Dean adora um desafio, e não vai medir esforços para convencer essa mulher tão linda quanto teimosa de que uma vez não é suficiente. Mas o que começa como um simples jogo de sedução logo se torna a experiência mais incrível e surpreendente de sua vida. Afinal, quem disse que sexo, amizade e amor não podem andar de mãos dadas?


Romance Erótico Para maiores de 18 apenas.

#rock #universidade # #Amoresimprovaveis
2
266 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Toda semana
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo 01

ALLIE


Vamos conversar?

Pfvr???

Q merda, Allie. Depois d td q a gnt passou, eu mereço mas q isso.

Vc não tava falando sério qdo disse q acabou, né?

Responde, porra!

Quer saber? Q se foda. Quer continuar me ignorando? Td bem. Vc q sabe.


Na sexta à noite, na saída da academia do campus, dou uma olhada no meu celular e vejo seis mensagens esperando por mim. São todas de Sean, que desde ontem é meu atual ex-namorado. E, embora eu não deixe de notar a progressão emocional de pidão a furioso, me pego fazendo cara feia para o erro de ortografia.

Eu mereço mas q isso.

“Mas”, e não “mais”. E duvido que seja culpa do corretor ortográfico, porque Sean não é exatamente nenhum prêmio Nobel.

Tá, isso não é totalmente verdade. Sean é muito esperto para algumas coisas.

Beisebol, por exemplo — sério, o cara sabe tudo de beisebol, consegue até listar resultados dos anos 60. Mas inteligência formal não é o seu forte. Namorado perfeito também não está na sua lista de qualidades, pelo menos não recentemente.

Nunca quis ser daquelas que terminam e fazem as pazes com o mesmo cara milhares de vezes. Achei que fosse mais forte que isso, mas, desde o primeiro ano na Universidade Briar, Sean McCall me pegou de jeito. Ele me conquistou com aquela cara de mauricinho e o sorriso de menino. Um sorriso lindo, todo torto, cheio de covinhas e promessas.

Olho para a tela do celular de novo, e um receio toma conta de mim tal qual a hera que se espalha pela fachada do prédio às minhas costas. Droga. Sobre o que ele quer conversar? Já dissemos tudo o que tinha que ser dito ontem à noite. Quando decretei que para mim tudo tinha acabado e fui embora da república dele, estava falando sério.

Para mim, chega. É a quarta vez que a gente termina em três anos. Não posso continuar fazendo isso comigo, esse looping doentio de alegria e dor de cotovelo, principalmente quando a pessoa com quem eu deveria estar construindo um futuro está empenhada em me sabotar.

Ainda assim, estou sofrendo. É difícil deixar para trás alguém que foi tão importante na sua vida por tanto tempo. É ainda mais difícil quando essa pessoa se recusa a deixar você.

Suspirando, desço apressada os degraus que levam ao caminho de paralelepípedos que corta o campus. Em geral, tiro um tempo para admirar a paisagem — os maravilhosos edifícios antigos, os bancos de ferro e as árvores enormes —, mas hoje só quero correr de volta para o meu alojamento, me enfiar debaixo das cobertas e esquecer o mundo. Por sorte, posso fazer exatamente isso, porque Hannah, a menina que mora comigo, vai viajar no fim de semana, o que significa que não vai estar por perto para me passar um sermão sobre os perigos emocionais de chafurdar na tristeza.

Ontem, no entanto, Hannah não me deu sermão. Não, o que ela fez foi digno do troféu de melhor amiga da história. No instante em que entrei pela porta do alojamento depois de terminar com Sean, Hannah já estava me esperando na nossa sala de estar com um pote de sorvete, uma caixa de lenços de papel e duas garrafas de vinho tinto, e depois ficou metade da noite me passando lenços e me ouvindo balbuciar coisas sem sentido.

Fim de namoro é uma merda. Me sinto um fracasso. Não, me sinto uma fraca. O último conselho que minha mãe me deu antes de morrer foi nunca desistir do amor.

Na verdade, ela colocou essa ideia na minha cabeça muito antes de adoecer. Não sei todos os detalhes, mas não era segredo lá em casa que o relacionamento dos meus pais esteve por um fio mais de uma vez nos seus dezoito anos de casados. E eles perseveraram. Eles se empenharam para resolver os problemas.

Toda vez que penso em como deixei Sean ontem, sinto um enjoo. Talvez eu devesse ter lutado mais por nós. Quer dizer, sei que ele me ama… Se ele te amasse, não teria dado um ultimato, me assegura uma voz rouca. Você fez a coisa certa.

Minha garganta se fecha assim que reconheço a voz em minha cabeça. É o meu pai, meu maior fã. Aos seus olhos, não erro nunca.

Uma pena que Sean não seja capaz de me enxergar por essa mesma perspectiva.

A cinco minutos da Bristol House, onde divido um alojamento de dois quartos com Hannah, meu celular vibra.

Merda. Outra mensagem de Sean.

E merda de novo, porque a mensagem diz:

Foi mal pelo palavrão, amor. Ñ foi por mal. Só tô chateado. Vc é tudo p mim.

Espero q saiba disso.

E outra mensagem aparece: Tô indo praí dps da aula. Aí a gente conversa.

Paro de supetão, uma onda de pânico me invadindo. Não tenho medo de Sean, pelo menos não no sentido físico. Sei que ele jamais encostaria um dedo em mim nem teria um ataque de fúria. Mas tenho medo da sua capacidade de me persuadir.

Ele é tão bom nisso. Basta me chamar de amor e abrir aquele sorriso bonito, e sou um caso perdido.

Releio as mensagens, enquanto a raiva, o pavor e a irritação batalham dentro de mim. Sean está blefando. Ele não apareceria sem ser convidado, apareceria?

Puta merda.

Com os dedos trêmulos, abro o contato de Hannah no celular. Dois toques depois, e a voz tranquilizadora da minha melhor amiga ecoa na linha. “E aí, tudo bem?”

Ouço outras vozes ao fundo. Uma delas, feminina — Grace Ivers, namorada do Logan. O que significa que Hannah e seu namorado, Garrett, já partiram para o fim de semana em Boston. Ela me convidou para ir com eles, mas achei melhor recusar, porque não queria ficar de vela. Dois casais loucamente apaixonados e eu? Não, obrigada.

Agora, queria ter aceitado o convite, porque vou passar o fim de semana sozinha, e Sean quer conversar.

“O Sean tá vindo pra cá hoje à noite”, deixo escapar.

Hannah leva um susto do outro lado da linha. “O quê? Não! Por que você deixou…” “Não deixei nada! Ele nem me perguntou se podia. Só mandou uma mensagem dizendo que tá vindo.”

“Mas que inferno!” Ela soa tão contrariada quanto eu me sinto neste momento.

“Eu sei, tá?” Deixo o pânico transparecer. “Não posso encontrar com ele, Han. O término ainda tá muito recente. Se ele vier, posso acabar voltando atrás.”

“Allie…” “Será que, se eu apagar as luzes e fechar a porta, ele vai achar que não estou em casa e vai acabar indo embora?”

“Você não conhece o Sean? Ele vai passar a noite toda na frente da nossa porta.”

Hannah solta um palavrão. “Sabe de uma coisa? Eu não devia ter concordado em assistir a esse jogo do Bruins. Devia estar em casa com você. Espera, vou falar para o Garrett pegar o retorno…” “De jeito nenhum”, interrompo. “Você não vai cancelar a sua viagem por minha causa. É a última chance que você tem de se divertir.”

Hannah namora o capitão do time de hóquei da Briar, e isso significa que a agenda dele vai estar lotada de treinos e jogos agora que começou a temporada. O que, por sua vez, significa que Hannah não vai ter mais muito tempo livre com ele. E me recuso a ser a pessoa a arruinar um raro fim de semana de liberdade para os dois.

“Só quero um conselho.” Engulo em seco. “Então, por favor, o que eu faço? Ligo para a Tracy e peço para dormir no quarto dela?”

“Não, com o Sean vagando pelos corredores, é melhor você sair da Bristol House.

Talvez a Megan… Não, espera, o namorado novo dela vai passar este fim de semana na cidade. Eles provavelmente vão querer ficar sozinhos.” Hannah parece pensativa. “E a Stella?”

“Tem uma semana que ela e o Justin estão morando juntos. Eles não vão querer uma hóspede de última hora.”

“Espera um segundo.” Mais uma longa pausa. Ouço a voz abafada de Garrett, mas não consigo distinguir o que está dizendo. Então Hannah volta à linha. “Garrett disse que você pode passar o fim de semana na casa dele. O Dean e o Tuck vão estar lá, então se o Sean descobrir e aparecer, os dois colocam ele na rua.” As vozes ressurgem ao fundo. “Você pode dormir no quarto do Garrett”, acrescenta ela.

Fico em dúvida. Quer dizer, isso é ridículo. Não acredito que estou considerando fugir do meu próprio alojamento por causa de Sean. Mas, em minha mente, vejo-o esmurrando a minha porta. Ou pior, colocando um rádio debaixo da janela para tocar “Say Anything”. Ai, e se ele vier com a música do Peter Gabriel? Odeio aquela música.

“Certeza que não tem problema?”, pergunto.

“Claro. Problema nenhum. O Logan tá aqui mandando uma mensagem para o Dean e o Tucker, para avisar. Pode ir a hora que quiser.”

Sinto uma onda de alívio e uma pontada de culpa. “Coloca no viva-voz? Quero falar com o Garrett.”

“Tá. Só um segundo.”

Um instante depois, a voz profunda de Garrett Graham surge na linha. “Tem lençol limpo no armário, e talvez você queira levar o próprio travesseiro. A Wellsy acha os meus fofos demais.”

“Eles são fofos demais”, protesta Hannah. “É tipo dormir num marshmallow encharcado.”

“É tipo dormir numa nuvem macia”, corrige Garrett. “Vai por mim, Allie, meus travesseiros são o máximo. Mas mesmo assim é melhor você levar o seu.”

Eu rio. “Obrigada por avisar. Mas tem certeza que não tem problema? Não quero atrapalhar.”

“Relaxa, Allie. Basta uma piscadela com esses seus olhões azuis, e o Tuck vai te dar um belo de um jantar. Ah, e o Logan mandou o Dean não dar em cima de você, então não precisa se preocupar com isso.”

Até parece. Dean Heyward-Di Laurentis é o cara mais abusado do planeta. Toda vez que me vê, tenta me levar pra cama. E nem posso me sentir especial por isso, porque ele tenta levar todo mundo pra cama.

Mas não ligo. Sei lidar com Dean, e Tucker vai ser um bom contrapeso entre mim e o pervertido do colega de república dele.

“Obrigada mesmo”, digo a Garrett. “Sério. Te devo uma.”

“Que nada.”

Hannah volta a falar. “Me escreve quando chegar lá, tá? E depois desliga o celular, assim o Sean não enche o saco.”

Já falei o quanto amo minha melhor amiga?

Desligo me sentindo muito melhor. Talvez seja uma boa ideia passar um fim de semana longe do alojamento. Posso encarar isso como um retiro agradável, alguns dias para limpar a cabeça e me reorganizar. E com Tucker e Dean por perto não vou me sentir tentada a ligar para Sean. Precisamos de um tempo afastados desta vez. Sem contato nenhum, pelo menos por algumas semanas. Ou meses. Ou anos.

Para ser sincera, não sei se vou sobreviver a esta separação. Amei esse cara por anos. E Sean tem seus momentos gentis. Como todas as vezes em que apareceu na minha porta trazendo sopa quando eu estava doente. E quando… Cuidado, olha a recaída!

Um alarme dispara em minha cabeça, me alertando para a minha estupidez.

Não.

Não vou ter uma recaída. Não importa que Sean seja capaz de ser gentil — porque ele também é capaz de não ser gentil, como a última noite prova.

Aprumo os ombros e caminho mais depressa, determinada a seguir com o plano.

Sean e eu terminamos. Não posso vê-lo, escrever para ele nem fazer nada que me coloque em seu caminho agora.

O primeiro dia da minha existência sem Sean está oficialmente iniciado.

DEAN É sexta à noite e estou deitado no sofá da sala, tomando uma cerveja, enquanto duas louras — muito gostosas e muito nuas, diga-se de passagem — dão um beijo de língua na minha frente. Minha vida é demais.

“Melhor noite da história”, comento, com a voz arrastada. Meu olhar está fixo na trajetória das mãos de Kelly em direção aos peitos empinados de Michelle.

Kelly aperta, e solto um gemido. “Ficaria melhor ainda se as senhoritas trouxessem a festa pra cá.”

Sem fôlego, elas interrompem o beijo e olham para mim, rindo. “Diz um motivo pra gente fazer isso”, provoca Kelly.

Arqueio uma sobrancelha e, em seguida, seguro o pau duro feito pedra. Faço um carinho lento. “Isto aqui não é motivo suficiente?”

Michelle é a primeira a vir na minha direção, os peitos e a bunda balançando, enquanto senta no meu colo e aperta a boca contra a minha. Um segundo depois, Kelly está ao meu lado, os lábios quentes e macios grudados ao meu pescoço.

Meu.

Deus. Estou tão duro que dói, mas as duas deusas estão determinadas a me fazer implorar. Elas me torturam com beijos. Longos, inebriantes e molhados, com línguas maldosas, lambidas estratégicas e mordidas suaves, projetadas para me enlouquecer.

Queria poder dizer que este pequeno momento de perversão a três é uma experiência nova para mim, ou que o rótulo de pegador que meus colegas de time me deram é um exagero. Mas a experiência não é novidade, e o rótulo é bem preciso.

Gosto de sexo. Transo muito. Me julgue.

Quando os dedos de Kelly me envolvem, solto um grunhido. “Caramba, como fui me dar tão bem assim?”

“Você ainda não se deu bem”, diz Michelle, jogando o longo cabelo por sobre o ombro. “Só pode gozar depois da gente, lembra?”

Ela está certa — fiz uma promessa e pretendo cumpri-la. Ao contrário do que meus amigos idiotas pensam a meu respeito, para mim, sexo é se dedicar à mulher.

Ou, neste caso, às mulheres. Duas mulheres lindas e sedentas, que não só têm tesão por mim, como uma pela outra.

Ei, céu? Dean Di Laurentis aqui. Obrigado por me deixar entrar.

“Bem. Então é melhor começar”, anuncio, deitando-a sobre a almofada e levando a boca aos seus seios.

Pego um dos mamilos e chupo com força, e seus quadris se erguem do sofá, enquanto ela geme. Percebo um movimento pelo canto do olho. Kelly se debruça ao meu lado e lambe o outro mamilo de Michelle. Minha nossa. Solto um gemido alto o suficiente para acordar os mortos.

Kelly abre um sorriso para mim. “Achei que você precisava de ajuda.” Em seguida, ela deixa um caminho de beijos pela barriga lisa de Michelle em direção ao ponto em que as coxas da amiga se encontram.

Céu coisa nenhuma! Isto aqui é o nirvana.

Sigo o mesmo caminho que Kelly, os lábios viajando sobre a pele bronzeada e as curvas macias, até chegar ao lugar que me deixa com água na boca. Kelly já está lambendo. Puta merda. Não sei se vou conseguir me controlar por tempo suficiente para fazer as duas gozarem. Já estou perto demais.

Ignorando a pulsação que sinto lá embaixo, umedeço o lábio inferior, aproximo a boca, e… a porcaria da campainha toca.

Merda. Ergo a cabeça para a televisão. O relógio digital do aparelho de Blu-Ray marca oito e meia. Tento me lembrar se disse para algum dos caras que eles podiam passar aqui esta noite, mas não falei com ninguém além dos meus colegas de república hoje, e todos eles saíram. Garrett e Logan foram para Boston com as namoradas há uma hora, e Tucker ia levar uma garota ao cinema.

“Já volto.” Dou uma lambida provocante na coxa de Michelle, em seguida me levanto do sofá e procuro minha cueca.

Com o pau escondido, me apresso pelo corredor para atender a porta. Quando vejo quem está de pé na entrada, estreito os olhos.

“Chegou atrasada, gata”, aviso à melhor amiga de Hannah. “Sua amiga já foi.

Volta domingo.” Começo a fechar a porta. Isso mesmo, sou um babaca sem educação.

Infelizmente, a loura enfia uma bota preta de neve entre a porta e o batente.

“Deixa de ser grosso, Dean. Você sabe que vim passar o fim de semana.”

Minhas sobrancelhas se arqueiam. “Hmm, o quê?” Olho melhor para ela e só então noto a mochila estufada pendurada num ombro. E a pequena mala cor-de-rosa de rodinha aos seus pés.

Allie Hayes solta um longo suspiro. “Logan mandou uma mensagem avisando.

Agora me deixa entrar. Estou com frio.”

Deito a cabeça de lado. Então empurro seu pé para fora sem muita gentileza.

“Espera aqui. Já volto.”

“Tá me zoando…” A porta se fecha no meio da sua exclamação indignada.

Lutando contra o aborrecimento, corro de volta para a sala, onde Michelle e Kelly nem sequer notam minha reaparição — estão ocupadas demais se pegando.

Levo quase um minuto para encontrar meu celular e, quando finalmente o alcanço no chão, descubro que a amiga de Hannah não estava brincando comigo.

Há cinco mensagens não lidas, que é o que acontece quando você é a carne num sanduíche de gostosas. Sexo a três é bem mais interessante que conferir o celular.

Óbvio.

Logan: E aí, mano, a Allie, amiga da Wellsy, vai ficar em casa este fds.

Logan: Mas guarda esse pinto dentro da calça. G. e eu nem ligamos se vc aprontar alguma coisa. Mas a Wellsy pode estar a fim d violência. Então: seu pau = dentro da calça = ñ perturbe nossa convidada.

Hannah: Allie vai ficar com vcs até domingo. Ela tá meio vulnerável agora. Ñ se aproveite dela, senão vou ficar triste. E vc ñ quer me ver triste, quer?

Solto uma risada. Hannah, diplomática como sempre. Repasso depressa as duas últimas mensagens.

Garrett: Allie vai ficar no meu quarto.

Garrett: Seu pau pode ficar no seu quarto.

Nossa, que obsessão é essa que todo mundo tem com o meu pau?

E eles podiam ter escolhido hora pior para isso? Lanço um olhar pesaroso para o sofá. Os dedos de Kelly estão exatamente onde queria que os meus estivessem agora.

Limpo a garganta, e as duas meninas me fitam. Michelle está com uma expressão vaga por causa da atenção especial que a amiga está lhe oferecendo.

“Odeio ter que dizer isso, mas vocês precisam ir embora”, anuncio.

Dois pares de olhos se arregalam. “Hã?”, exclama Kelly.

“Tenho uma convidada inesperada esperando lá fora”, resmungo. “E isso significa que esta casa acabou de se tornar território de censura livre.”

Michelle solta uma gargalhada. “Desde quando você se importa que alguém te veja transando?”

Verdade. Normalmente não dou a mínima se tem alguém por perto. Na maioria das vezes até prefiro. Mas não posso expor minha libertinagem para uma amiga de Hannah. Aliás, nem para Hannah ou para Grace. Não estou nem aí para os caras. Eles já me conhecem. Mas sei que Garrett e Logan não curtiriam que eu saísse por aí corrompendo suas namoradas. Assim que começaram com essa história de relacionamento sério, meus parceiros de noitada ficaram caretas. É bem triste.

“Essa hóspede é uma flor delicada”, digo, secamente. “Do tipo que cairia dura se visse nós três juntos.”

“Cairia nada”, rebate Allie irritada, parada na porta.

Estou tão irritado quanto ela. A garota chega entrando como se fosse dona da casa?

Nada disso.

Olho feio para ela. “Falei que era pra esperar lá fora.”

“E eu falei que estava com frio”, devolve Allie. Ela não parece ter nenhum problema com o fato de haver duas garotas nuas a três metros de distância.

Minhas convidadas avaliam Allie como se ela fosse uma cultura de bactérias em seus microscópios. Em seguida, franzem o nariz e a ignoram como se ela fosse, bem, uma cultura de bactérias em seus microscópios. Mulheres costumam ficar competitivas quando estou por perto, mas está na cara que essas não veem Allie como concorrência.

Não sei se chego a culpá-las. A menina está usando um casaco preto estofado, botas e luvas, e o cabelo louro está escapando de um gorro vermelho de tricô. Estamos na primeira semana de novembro — não tem um floco de neve no chão, o ar mal está frio, e não tem nada que justifique se agasalhar tanto. A menos que você seja louco. O que estou começando a desconfiar que Allie Hayes seja, porque ela caminha descaradamente pela sala e se deixa cair na poltrona em frente ao sofá.

Ao abrir o casaco, lança um olhar na direção de minhas convidadas e em seguida se volta para mim. “Por que você não transfere essa festinha para o segundo andar?

Vou ficar aqui e assistir a um filme ou qualquer coisa assim.”

“Ou você pode ir para o quarto do Garrett e assistir a um filme lá em cima”, digo, enfaticamente. Só que, no fundo, não importa mais. Ela já acabou com o clima, e não me sinto confortável de pegar duas meninas com a melhor amiga de Hannah em casa.

Suspirando, me volto para as meninas. “Vamos deixar para a próxima?”

Nenhuma delas faz muita objeção. Aparentemente a srta. Allie não só acabou com o clima, mas arrasou a merda da terra e cobriu com cal para evitar que o tesão jamais brotasse novamente.

Allie mal presta atenção às meninas se vestindo. Está muito ocupada despindo milhares de camadas de roupas de inverno e pendurando-as no braço da poltrona. Ao terminar, parece substancialmente menor, em uma legging preta e uma camiseta listrada grande demais, e não perde tempo em se acomodar na grande poltrona de veludo.

Acompanho Kelly e Michelle até a porta, onde as duas praticamente engolem o meu rosto antes de dizerem que vão me cobrar a promessa. Quando elas enfim saem, meus lábios estão inchados e meu pau está duro de novo.

Volto para a sala de estar com uma carranca que se recusa a desaparecer.

“Satisfeita?”, pergunto.

“Satisfeita com o quê?”

“Em empatar a minha noite.”

Allie ri. “Tem algum motivo para você não ter levado as louras para o segundo andar? Não precisava expulsar as meninas por minha causa.”

“Você acha mesmo que eu ia transar lá em cima sabendo que você tá sentada aqui embaixo?”

Isso a faz dar outra risada. “Você transa em público. O tempo todo. Que diferença faz se estou na casa?” Ela me encara, pensativa. “A menos que o problema seja o seu quarto. A Hannah disse que você tá sempre atracado com alguém na sala. Me explica essa história. Sua cama tem percevejo ou alguma coisa assim?”

Cerro os dentes. “Não.”

“Então por que não faz suas festinhas lá em cima?”

“Porque…” Paro de falar, e a carranca volta para o meu rosto. “Não é da sua conta.

O que você tá fazendo aqui, afinal? A Bristol House pegou fogo?”

“Tô me escondendo”, responde ela, como se eu tivesse que entender do que está falando. Então olha ao redor. “Cadê o Tucker? Garrett falou que estaria em casa.”

“Saiu.”

Ela faz beicinho. “Ah, que pena. Tenho certeza que ele assistiria a um filme comigo.

Mas acho que você dá pro gasto.”

“Você empata a minha foda e agora espera que eu fique aqui fazendo companhia?”

“Vai por mim, você é a última pessoa de quem quero companhia, mas estou no meio de uma crise agora, e você é o único por aqui. Você tem que ficar perto de mim, Dean. Senão vou fazer alguma merda e arruinar a minha vida inteira.”

Acho que me lembro de Hannah dizendo que Allie gosta de um drama. É. Acho que é verdade.

“Por favor?”

Sua expressão de súplica não fraqueja. E sempre tive uma queda por olhos azuis grandes. Principalmente quando eles pertencem a louras bonitas com uma comissão de frente de respeito.

“Tá bom”, cedo. “Vou te fazer companhia, beleza?”

Ela se anima toda. “Que filme a gente vai ver?”

Um gemido se instala na minha garganta. Minha noite de sexta foi de sexo a três para babá da melhor amiga da namorada do meu melhor amigo.

Ah, e ainda estou duro feito pedra graças aos beijos de despedida de Kelly e Michelle.

Que maravilha.

25 de Setembro de 2021 às 17:41 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Capítulo 02

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 6 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!