luna-guedes1632191648 Luna Guedes

O que há no quarto ? Por qual motivo é tão vago? O pensamento de alguém pode custar tão caro? Descubra conosco o quanto é simples este enigma.


Drama Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#
2
481 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Quintas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

1° DIA

São exatamente 8:00 da manhã, o tempo está ótimo para um passeio lá fora, porém aqui dentro está frio, parece que choveu a noite toda e o sol não se preocupou em sair.

Ouvindo passos e risadas, está na hora de sair para o trabalho, aparentemente o dia será longo e calmo,mas não vou ter esperanças, não pretendo criar expectativas. No corredor há crianças de uniforme, indo para a escola sorrindo e brincado, parecem felizes, descendo as escadas, a rua está bem movimentada, como de costume o ponto de ônibus está cheio, em 10 minutos o meu ônibus chegará e terá outra multidão em foco, não vejo com frequência as pessoas que sempre estão no ônibus mas sinto a falta quando alguém não está, apesar de não conversar com ninguém.

E aí vem ele, entro no ônibus e procuro um local próximo a janela e a porta para me sentar, parece que hoje tem mais pessoas.

"Sente-se aqui, eu irei descer logo"... A voz daquele rapaz me fez olhar em sua direção, agradeço com a cabeça e noitei marcas no seu pescoço, provalmente por briga, quem diria que iria analizar alguém no caminho hoje, 35 minutos foi o tempo da minha viagem, ao descer do ônibus a chuva me pegou desprevenida" calmo... não parece mais tão calmo esse dia".

Cheguei no escritório, meu chefe Richard Leffes estava abrindo a porta e como sempre falando no telefone com alguém ,possivelmente um paciente que deseja "furar" a fila de espera ,que cá entre nós é bem cheia, mas ele sempre dá um jeito de encaixar mais alguém, afinal a esposa chega sempre depois dele em casa e seu filho não costuma procurá-lo se não for por dinheiro.

Na minha mesa tem uma caixa de tamanho duvidoso com o remetente * para Sr.Sallares... Obrigado por não me deixar cair*. Ler aquilo me deu enjou, ajudar meu chefe é mais que natural afinal eu vim para este escritório aprender e crescer nessa área, mas como em qualquer outra é bem mais fácil falar do que fazer.

"ALLANA, TRAGA OS RECEITUÁRIOS",( velho louco, existe um telefone na mesa para que você não precise gritar) me levantei e levei metade da pilha de documentos (14 RECEITUÁRIOS) para a mesa dele, "pode sair, obrigado,( bom ao menos ele sabe agradecer, poderia usar a gentileza ao pedir também), o dia passou rápido e ja são 14:45 pm, 5 dos nossos clientes mudaram sua consulta para outro dia, o último viria as 15:20 pm, o Dr. Halleus, advogado criminalista do governo, por conta de uma audiência não pode adiantar seu horário, nesse tempo pude desfrutar do livro de estudos que o Sr.Richard me deu na semana passada, a prova final está chegando e parece mais confuso estudar que responder as questões.

Dr.Halleus: -Ola senhorita Sallares, boa tarde.

Ele chegou, mais cedo, provavelmente conseguiu ganhar desta vez, mas a tremedeira no lábio inferior levemente perceptível diz que o jogo foi bem acirrado.

Allana: -Por favor entre, o Doutor está esperando o senhor.

A sessão durou 2 horas, parece que o assunto foi mais longo do que o calculado, alguns dos clientes são mais de falar outros de ouvir, mas todos precisam de um "ei ... acorda que o caminho não vai ser fácil" e o meu chefe adora essa parte, ele sempre dá a eles algum chá, geralmente tem cores estranhas e ele mesmo prepara, diz que se sente melhor se faz sozinho e os clientes pensam em segurança quando é ele quem entrega, mas ainda sim, falta algo.

Aquela caixa ainda está aqui, não parece ter algo vivo dentro, que é um alívio, mas não sei o que tem então como tantas outras irá para o lixo. Dia terminado, meu chefe me leva ate um ponto do meu caminho para casa, de onde ele me deixa ando mais 5 minutos e estou em casa, as crianças de mais cedo agora estão brincando ou assistindo algo bem barulhento, entro em meu apartamento, o frio toma conta, o ar pesa e está tudo escuro, acender as luzes é atormentador então apenas uma vela, o jantar é congelado, o tempo de descongelamento é o tempo de um banho simples e calmo, as roupas do dia são lavadas com álcool para não estragar nada que os olhos não estão vendo, minha cama fica embaixo da janela que é iluminada pela luz da rua. O cheiro de flor está invadindo o quarto, parece que a um novo convidado ao lado, vamos esperar algo pode ser interessante.


24 de Setembro de 2021 às 18:47 1 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo 2° DIA

Comente algo

Publique!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 6 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!