johnsilas John Silas

Uma antiga cidade com chão de terra batido, longe da agitação das cidades grandes; com a chuva uma carta é encontrada, um sequestro é cometido, e um mistério é iniciado.


Suspense/Mistério Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#]
2
515 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

A cidade

Era exatamente meia noite do ano de 2018, a minha cidade era bem antiga e bem parada, qualquer notícia como roubo, assalto ou algo que mude a rotina faz muita fama, é quase impossível você não ficar sabendo.

Porém.... em um certo dia a cidade recebeu uma notícia que ia mudar completamente o destino da mesma.

A chuva batia na janela, o vento forte balançava as portas, eu estava vendo televisão e escutando a chuva do lado de fora,

o filme estava acabando, a televisão estava com um chuvisco estressante.

Um tempo depois o filme terminou e não se pode escutar mais nada além daquele silêncio matador.

A chuva forte do lado de fora e o silêncio do lado de dentro, foi aí em uma plena sexta-feira que a vizinhança inteira ouviu um grito estrondoso.

Tiago o padeiro local saiu correndo para ver o quê era.

- Quem foi! - Gritou o padeiro

Depois de uns dois minutos as janelas começaram a se abrir e olhares curiosos cortavam a cena.

- Minha filha! - Gritava dona Rosa da casa da esquina.

Os moradores inquietos das casas vizinhas começaram a sair de suas casas e apontarem as luzes de seus celulares iluminando a rua, a chuva e o vento estavam fortes, as pessoas tensas e com um medo desconhecido.

Dona Rosa com o braço no rosto chorando clamando por sua filha.

Os moradores preocupados se juntaram para consolar a senhora.

alguns pais e mães voltaram para suas casas na intenção de proteger seus filhos.

lentamente as pessoas retornaram para suas moradias.

foi aí que eu inquieto e ao mesmo tempo assustado abri a porta da frente.

Whack, fez a antiga porta sendo aberta lentamente.

a luz da minha casa iluminava levemente a frente do meu quintal, a chuva estava fraca porém ainda constante.

Uma carta.... na frente da minha casa, me perguntei o motivo, não tinha ouvido barulho algum do portão abrindo, aquele velho portão de ferro da época Colonial, era impossível algo abrir ele sem se quer fazer um barulho.

Abri a carta peguei ela em minhas mãos e alí mesmo, com minha porta aberta comecei a ler.

" Não leve isso a sério, não pense que é um filme de terror, você talvez seja o único que pode me encontrar, acho que está se perguntando o porquê de você, bem nem eu sei, talvez seja apenas o destino, venha garoto, a filha da senhora rosa está comigo, ela está bem não fique com medo"

Fechei a carta e olhei para a rua de terra, o cheiro de solo molhado e a leve brisa da chuva no rosto me deixava inquieto, será que eu devo revelar a existência dessa carta para os demais?

fechei a porta com a chave, desliguei a televisão e deitei na minha cama, puxei a coberta e dormi.

A chuva do lado de fora, o medo do lado de dentro.


8 de Setembro de 2021 às 16:12 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo O padeiro

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 10 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!