verazz IzzA

O mês era junho, sendo ele o mês do orgulho LGBTQIA+, e todos iam comemorar na parada que estava tendo no centro de Paradis. Armin estava pronto para rebolar a raba e beijar na boca até não sentir mais seus nervos; isso se seu melhor amigo, Marco, não tivesse um namorado tão corno ao ponto de fazer com que todo mundo sumisse do nada, e sua amiga, Historia, não seguisse o exemplo do Bodt.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#anime #fanfic #comédia #snk #aot #shingeki-no-kyojin #attack-on-titan #jeanmarco #eremin #reibert #mikannie #ymirhisu
Conto
0
962 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

.Pride

Armin, Historia, Ymir e Marco desciam do ônibus lotado junto aos outros passageiros, sendo o último ponto que o veículo pararia. Todos os amigos estavam muitíssimoanimados e trajavam seu melhor 'look' de "vagabunda".

O mês era junho, sendo ele o mês do orgulho LGBTQIA+ e todos iam comemorar na parada que estava tendo no centro de Paradis. Armin usava seu shortinho preto com estampa de flamingo e uma blusa de botões azul-bebê, acompanhado de uma pochete laranja-neon; estava pronto para retornar para casa com as pernas doloridas de tanto rebolar. Historia usava um cropped rosa com seus shorts jeans e Ymir uma bermuda jeans e um top preto, ambas seguravam uma bandeira lésbica. Marco estava simples, um short semelhante ao de Armin, com uma blusa das "meninas malvadas" e sua bolsinha lateral da marca Adidas.

Praticamente corriam juntos ao local onde de longe já se era possível escutar as músicas e vozes que estavam nos trios elétricos; o objetivo do dia era ficar o mais bêbado que conseguiam e aproveitar cada minuto daquele dia, mas primeiro teriam que encontrar o bendito do namorado de Marco. Jean não conseguiu encontrar o grupo antes, pois disse que iria com seus amigos e logo apresentaria todo mundo lá no meio da muvuca mesmo.

Chegando mais perto do centro, viam a multidão e inúmeras bandeiras agitavam com o vento,e diversos vendedores ambulantes gritando a promoção de suas bebidas; até viram dois jovens vendendo brisadeiro.

Seguravam um na mão do outro em uma fila para não se perderam quando entraram no meio das pessoas; precisavam gritar para se comunicarem, já que a voz de Gloria Groove ecoava por todos os lados, e gritos eram o que mais escutavam.

— Marco, o maconheiro do teu namorado deu notícias?— Armin gritou perto do ouvido do amigo, para queele o escutasse. Mas logo recebeu um "não" sonoro do Bodt.— Então faz o seguinte, 'cêis fica aqui que eu vou bem ali no tiozinho comprar corote. Não é para sair daqui 'tá me ouvindo? Para procurar três viados no meio disso tudo é complicado.

Os outros três concordaram com a cabeça e riram da fala do loiro. Armin soltou os amigos e foi em direção ao senhorzinho que gritava "Três corote por 10 reais", abrindo sua pochete e procurando o dinheiro;tomando cuidado para não amassar o beck já bolado que levava.

— Oi, tio! Me vê 3 aí.

— Vai querer de quê? Tem de morango, azul, limão e maracujá— O homem respondeu com um sorriso, mexendo no lugar onde as bebidas ficavam no gelo, averiguando quais sabores ainda possuía.— Tem pirulito "big big" também.

— Me da o de maracujá, morango e limão— Por mais que o de morango fosse o puro álcool, pelo menos não teria o gosto de morte do azul.— E 5 pirulito.

— Vai querer sacolinha, moço?— Entregou os doces para o jovem, que logo os colocou dentro de sua bolsa.

Armin acenou com a cabeça e pegou a sacola fina de plástico com as bebidas, agradecendo ao senhor. Voltando rapidamente para o local onde seus amigos deveriam se encontrar; mas não estavam ali mais. O loiro faltou gritar um "Puta que pariu" bem alto! Porra, qual era a dificuldade dos três em ficarem no mesmo lugar por um tempo? Não havia demorado nem 5 minutos para comprar o que precisava.

Puto da vida olhou para todos os lados em busca da esperança que eles não tivessem ido tão longe, mas nem sinal de qualquer um deles. Saiu em busca de um lugar menos movimentado para conseguir mandar mensagem para sua amiga sem medo de à qualquer momento ser assaltado.

Achou um espaço mais vazio perto dos banheiros químicos, onde alguns grupos cuidavam de seus companheiros que já estavam dando "PT". Sentou no meio-fio, colocando a sacolinha ao seu lado e pegando seu celular na pochete, vulgo bolsa da hermione, poderia guardar até um corpo ali dentro se ajeitasse direitinho.

Procurou pelo grupo "Bonde das maravilhas" que tinha com seus amigos, vendo se eles haviam mandado alguma mensagem naquele meio tempo, mas não tinha nada além da conversa do dia anterior. Apertou o botão de gravar áudio para eles poderem sentir o ódio que emanava do corpo pequeno do loiro.

— Historia pelo amor de Deus, você não sabe andar em Paradis! Eu já te ensinei mil vezes e você não sabe, você não aprende! Toda vez que eu saio com você e com o Marco é isso, eu falo "não vai para aquele lado" e você vai!— falava com entonação alta, quase gritando.— Agora vocês sumiram! E seu pai, o Rod, vai me ligar perguntando "cadê a Historia?" e eu não sei onde vocês estão!

Mandou o áudio, esperando que eles visualizassem logo. Achou melhor ficar por ali mesmo, até que um deles falassem onde estavam. Aproveitou para abrir um dos corotes e acender o baseado para pelo menos se acalmar um pouco; estava quase chorando de frustração naquele momento.

— Ei, 'tá tudo bem? Eu escutei você gritando.

Armin se assustou com a voz grave que falou perto de si, virou-se dando de cara com um homem moreno, os cabelos presos em um rabo de cavalo e uma bandeira bissexual desenhada em sua bochecha. Ele estava com uma bermuda de tactel preta e sua camisa sobre o ombro, mostrando toda glória que o seu tanquinho esbanjava; o loiro estava se segurando para deixar sua baba escorrer.

— Tá, tá sim! Só meus amigos que sumiram— Riu vendo o outro sentar ao seu lado.

— Ah, você também? Meu bonde todo sumiu e nem sequer me mandaram mensagem, tô aqui na fé daquele bando de vagabundo sair do inferno que eles estão— respondeu, rindo de sua desgraça.— Posso?

Armin demorou um pouco para entender do que o moreno falava, até ver ele apontando para o fino em seus dedos.

— Claro! Toma aqui— Passou o baseado, logo recebendo um "obrigado".— Quer um pouco também?

Entregou a garrafinha de corote que já estava aberta e pela metade, logo sendo aceita. Ficaram por um tempo apenas bebendo e fumando, conversando brevemente sobre algo que acabavam vendo, como uma garota vomitando em cima do amigo.

Logo a bebida acabou e a maconha também. Ficaram em silêncio apenas olhando o lugar. Armin pensava se seria uma boa voar em cima daquele cara; o garoto era um gostoso e o loiro não teria nada a perder beijando um homem igual aquele. Chamou a atenção do moreno que olhou desatento para o novo amigo, logo sendo surpreendido pelos lábios quentes e com gosto de morango.

Ficaram apenas no selar, mas logo Armin foi afastado e olhou confuso para o outro, acreditando que talvez ele não tenha gostado disso.

— Qual seu nome?— O moreno perguntou.

— Armin, e o seu?

— Eren.

Logo foi puxado para outro beijo, esse mais profundo.

Eren não negava ter achado o garoto uma gracinha, estava doido para ficar com ele, mas ficou com vergonha de pedir logo de cara. Aproveitou a boca entreaberta do loiro e enfiou sua língua, movendo-a com destreza e deixando o corpo pequeno mole. Colocou sua mão na cintura fina e a puxou, para que Armin fosse para seu colo.

O loiro se moveu para cima de Eren, deixando uma perna de cada lado, logo retornando o beijo. Suas bocas trabalhavam com volúpia e suspiravam discretamente com a conexão dos lábios alheios, esquecendo-se por alguns momentos que estavam no meio da rua sentados no meio-fio. Se separam para recuperar o fôlego, mas Armin foi rápido em abaixar sua cabeça e deixar um chupão forte no pescoço liso do outro, fazendo-o suspirar em deleite. Retornaram a se beijar e assim permaneceram por mais algum tempo.

— Caralho Eren— Escutaram um grito e logo se separam olhando para o local onde a voz ecoou.— A gente te ligou uma porrada de vezes, para tu tá aí enfiando a língua na garganta do moleque.

Armin levantou rapidamente do colo do moreno, que levantou do chão também, batendo a mão em seu short para tirar a sujeira. O joelho de Armin ardia por ficar tanto tempo apoiado no chão de cimento desregular. O loiro logo se espantou ao ver Marco e suas duas amigas ali com aquelas outras pessoas.

— Marco, sua puta! Eu te liguei, mandei mensagem e tu ficou fazendo cu doce depois de sumir desse jeito, caralho!

— Oh nem vem, que a gente respondeu o teu surto lá no grupo, mas tu tava comendo o Eren— Ymir respondeu, em defesa do amigo.

— Jean na moral, na próxima a gente encontra teu namorado primeiro viu— Eren chegou perto do grupo e rodeou a cintura de Armin, que olhou para ele com uma cara debochada em felicidade e chegou mais perto de seu corpo.

— Ih rapaz, na primeira ficada já vão casar— Jean disse, segurando a mão de Marco.— Já vi que o Armin conheceu o corno do Yeager, o resto aqui é o Reiner e o Berthinho, que é um casal de velho. A tua cunhada, Mikasa e a namorada dela, a Annie.

— Oi, eu sou a irmã mais nova do Eren— A tal Mikasa, disse rindo.

Após conversarem um pouco, logo voltaram para o meio da comemoração, tomando cuidado para que ninguém mais sumisse. Nem é preciso dizer que Eren e Armin passaram o resto do dia juntos; Armin dançava com vontade enquanto empinava em direção ao ficante, na batida do funk. Depois trocaram seus números e já acharam um dia para um novo encontro.

5 de Agosto de 2021 às 00:23 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

IzzA Escrevo por pura diversão, mas coloco cada pedacinho de meu ser em todas essas palavras.

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~