aicodaiko aico daiko

A dupla estrela da delegacia, eu e meu parceiro somos encarregados de nos infiltrar em uma família de criminosos notória para derruba-lo por dentro. Trazido por baixo da asa de um líder carismático, o que eu descobri é longe do que eu esperava . Neste criminoso submundo, é difícil saber em quem eu posso confiar...


Ação Todo o público.
0
1.0mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 30 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capitulo 1

Esta não é a primeira vez que a minha presença foi solicitada pelo Chefe da Policia. Acxa e eu ja passamos por isso antes. Nós estamos de pé em frente à mesa de Matt , esperando pelo discurso que ele preparou para nós. Matt está ocupado observando pela janela de seu escritório. Creio que esteja praticando as falas em sua cabeça. Enquanto isso eu olho de relance na direção de Matt. Ele parece estar preparando e confiante orgulhoso. Ele sabe que merece isso. É claro que sabe. Acxa é uma policial incrível. Tem sido uma honra trabalhar ao lado dela. E o melhor de tudo, não importa quantas vezes o trabalho dela seja reconhecido, ela nunca deixa que isso lhe suba à cabeça. Ela sempre teve o pé no chão, sempre encarando o próximo desafio de frente. Se eu consigo olhar para ela e saber tudo isso, eu também deveria saber que eu mereço estar aqui. Nós estivemos trabalhando juntos por um tempo. Eu sei que Acxa acha que eu mereço isso. E isso deveria tornar as coisas mais fáceis para mim. Mas por alguma razão, isso não me fez sentir menos desconfortável. Eu não sei dizer se algum dia irei me acostumar a ser parabenizado dessa forma. Eu não gosto dessas pequenas cerimónias.
-Você está bem?
Ela sussurra pra mim sem olhar em minha direção. Felizmente, Matt não nota. Eu respondo que sim com a cabeça para tranquilizar minha parceira e tento focar no Chefe. Com Acxa aqui esses momentos são mais agradáveis. Eu não sei com lidaria com essa situação se eu estivesse sozinho.
-Foi mais um otimo trabalho, cavalheiros.
Nós dois acenamos com a cabeça e respondemos com um "Obrigado" baixinho.
-Juntos vocês preparam mais um caso sólido. Não tem como o nosso suspeito se livrar da prisão desta vez.
Acxa fala primeiro; ela sempre fala. Normalmente é um alívio ja que isso me dá alguns segundos extras para pensar no que eu quero dizer. As vezes eu queria poder ser tão impulsivo quanto ela.
-Chefe como todo o respeito, Keith foi o motivo de termos fechado esse caso.
(O quê?!)
Não era com esse tipo de impulsividade que eu estava contando. O que é que eu digo depois disso? Se este é o jeito dela de me forçar a sair da zona de conforto, não é nem um pouco engraçado. Eu chego brevemente o rosto de Acxa, buscando a expressão que eu sei que estará lá. Ela está escondendo um sorriso.
-E o que você tem a dizer, Keith?
-Eu apenas fiz o meu melhor, senhor.
-Ele é um perito no assunto, Chefe. É até inspirador.
Eu sinto o meu rosto ruborizar de vergonha.
(Pare já com isso, Acxa!)
-Vocês dois são grandes exemplos para os seus colegas. No entanto, eu acho que devíamos reconhecer cada um de vocês pelas suasqualidades individuais. Keith, pelo sua prudência e habilidade de agir sob pressão, você será favorecido com o Título de Condecoração.
(Uau.)
Eu já fui elogiado antes, mas premios formais não são entregues com frequência. O Chefe deve estar preparando algo grande para nós. Ele quer nos motivar.
-Acxa,você irá receber o mesmo prémio que o Keith. Será entregue a você pelo reconhecimento da sua bravura e compromisso com os ideias da força policial.
Eu vejo um franzido na sobrancelha de Acxa. Ela parece não ter concordado com a ultima parte, eu acho. Acxa sempre foi mais uma policial do tipo " as vezes são apenas um guia". Ela nunca passou dos limites com civis, é claro. Mas ela fica um pouco inconsequente sob ataque.
-Obrigado, Chefe.
-Obrigado, Chefe.
Matt ergue uma mão, como se dispensando a nossa gratidão.
-Não me agradeça ainda.
(E lá bem.)
-Eu estou com a próxima missão de vocês. Vocês irão continuar trabalhando como parceiros... porém desta vez vocês irão atrás de um alvo muito maior.
(Não faça suspense, Chefe.)
-Quem?
-Eu estou pedindo que vocês dois se infiltrem na Família Voltron.
(Espera...)
-Os Voltron?
-Isso mesmo.
Isso não faz sentido. Pelo que eu sei, os Voltron nem estão no nosso radar. Eles podem ser um pouco violentos, mas nem de longe a família mafiosa mais perigosa da cidade. Na verdade, eles tem uma reputação de ajudar as pessoas. Algo não me parece certo. Nós precisamos de mais informação.
-E assim que entrarmos?
(Espera, porque nós vamos nos infiltrar, pra começo de conversa?)
-Você deve coletar informações sobre o líder do grupo em que você entrar. Nós ficamos sabendo que o Voltron começaram a movimentar narcóticos pela cidade. Se pudermos ligar um dos grupos a distribuição de drogas, nós vamos conseguir pegar todas eles.
(Drogas? Desde quando?)
Eu queria que a Acxa tivesse pedido mais detalhes.
-Devo lembra-lo de que o Voltron nunca estiveram ao lado da lei. O líder deles, Shiro , defende abertamente a justiça pelas próprias mãos. Alguns podem idolatra-los até mesmo chama-los de heróis. Mas será que podemos nos dar luxo de passar essa mensagem? De que a polícia não é o bastante?
-Não, Senhor.
Eu balanço a cabeça em silêncio.
-Exatamente. Não podemos. Nós somos os defensores desta cidade desde a sarijeta mais funda até o prédio mais alto. E nós precisamos que essas organizações criminosas entendam que não faremos vista grossa para ninguém. A reputação dos Abbaglio(Voltron) não os tornam uma exceção aos olhos da justiça. Nós iremos fazê-los responder por suas ações, não vamos?
-Sim, senhor.
-Sim, senhor.
-Nós já preparamos os seus disfarces, caso vocês sejam pressionados por informações. Vocês dois terão uma chance de dar uma olhada nisso até o fim do dia. Eu sugiro que memorizem.
-Condecoração, hã? Não esperava que nos tornassem celebridades do departamento por causa dessa ultima prisão.
-Eu duvido que iremos recebe-la publicamente até terminamos esse novo caso. Nós não podemos revelar os nossos rostos ao público antes de nos infiltrarmos.
-Verdade. Mas ainda assim... não é como se fôssemos os únicos indo bem. E nós certamente não somos veteranos
-Tenho certeza de que você poderia recusar.
-Oh, sem chance. Pode continuar mandando essas medalhas, Chefe.
Esse é a Acxa. Ele é animado, empenhado. Embora esse tipo de energia esteja reservado para os momentos em que estamos nos aproximando de um suspeito. Matt o deixou aitado e pronto para derrubar o Voltron.
-Só tente não me atirar aos lobos na próxima vez.
Acxa ri e eu dou um sorriso.
-Mas é a única hora em que consigo te ver apreensivo. Nós estamos sendo enviados para uma das maiores famílias criminosas da cidade e eu acho que você nem está nervoso.
-Eu deveria estar? É a Abbaglio(Voltron). Eu nem sabia que eles estavam no nosso radar.
-Você acha que tem alguma coisa aí?
Como devo dizer?
-Tudo o que já ouvi sobre a Voltron diz que eles são um grupo benevolente. Eles não são do tipo cruel e desonesto como a maioria das gangues acabaram se tornando. Nós já até tivemos casos em que civis pagaram a fiança de mebros azarados da Voltron que foram presos.
-O chefe disse que agora é diferente.
-E você acredita nele?
-Você sabe que eu não acredito em nada até ver com meus próprios olhos. Mas você não acredita. Isso não é do seu feitio.
-Não é que como se eu pensasse que o Chefe esteja mentindo. Ele não nos enganaria Eu só quero saber se estamos fazendo a coisa certa. Vá com calma, Acxa .
Agora que estamos aqui, ele não sabe bem como agir. Esta é a primeira vez que estamos entre criminosos sem os nossos distintivos. Pra ser franco, eu também não sei ao certo como agir. Matt nos contou sobre esse local de encontro onde a Abbaglio(Voltron) pega seus novos candidatos. Nós esperamos por quase quinze minutos. Finalmente uma van preta grande surge e alguns homens bem vestidos descem dela. Cada um desses homens parece ter passado por poucas e boas. Quando cada um deles termina de nos revistar, o último membro chega.
-O que temos aqui?
A voz dele é suave como seda. É um tom de voz treinado e intencional. Eu estava esperando algo mais ríspido.
-Sangue novo.
Os homens dele acenam com a cabeça.
-Seja novo ou velho, o nosso sangue é o mesmo. Esta cidade nos tornam irmãos, vocês não acham?
Desta vez somos eu e a Acxa acenando em concordância. Tem algo em Lance que te deixa relaxado. Eu já consigo sentir a minha guarda se abaixando. Eu tento focar. Não estou aqui para ficar impressionado pelo seu carisma. Eu tenho um trabalho a fazer.
-Mas irmãos... às vezes brigam. De vez em quando nós discordamos. É por isso que, esta noite, para provar que a sua ambição se alinhe com a nossa, vocês irão nos ajudar.
Uma forma de testar a nossa lealdade, de nos provar. Eu devo ter exprssado o meu entusiasmo porque o líder se vira para mim.
-Assim que tiver provado o seu valor...
(Ele está falando diretamente comigo?)
O Capitão ainda não desviou o olhar.
-Nós poderemos conversar mais intimamente.
(Intimamente? O que isso quer dizer?)
Acxa parece um tanto desconfortavel ao meu lado.
-Por hora, lembrem-se que esta noite vocês nos representam, o Voltron. Vocês representam as pessoas. Vocês representam proteção, segurança e justiça pura a todos.
(Justiça pura?)
Esse termo ecoa em minha mente.
(Ele acha que a polícia é corrupta?)
-Esta noite, vocês fazem parte da minha equipe. O meu nome é Lance. Não me decepcionem.
(Isso está acontecendo rápido demias!)
Eu preciso de mais informação.
-Você está no comando aqui?
-Você estava esperando outra pessoa?
-Eu estava esperando alguém mais velho.
-Eu poderia dizer o mesmo de você. Disseram que vocês eram dois veteranos das ruas. Porém olha pra você...
(Nós não parecemos ter experiência?)
Ainda é tão difícil entende-lo. Eu não consigo dizer se ele está impressionado com a nossa reputação ou decepcionado pela nossa idade.
-Não se preocupe. Eu irei cuidar de você.
Acxa coloca uma mão sobre meu peito e me afasta do olhar dos Voltron. Mesmo sem ter dito nada eu posso ver que ele parece irritado. Ele deve ter notado que eu estava inseguro. Isso não é comum a meu respeito...
-Vamos lá, vamos trabalhar. Eu não gosto disso.
-Eu sei.
Juntos, Acxa e eu já passamos por todo tipo de confusão. Sinceramente, sem ele aqui eu não sei como eu duraria esta noite. Nós seguimos o Voltron até uma estaleiro próximo. Estamos no litoral assim me deixa desconfortável. Se tivermos que fugir, com o oceano às nossas costas, só poderemos ir em frente. Eu espero que não chegue a esse ponto.
-Aqui estamos!
O tom dele não parece apressado ou contido. Ele deve estar confiante de que edtamos sozinhos. Ele aponta sobre ombro, para o depósito mais perto.
-Você sabe que lugar é esse?
-Não.
Acxa não está mentindo. Nós não conseguimos descobrir nada antes de chegarmos.
-Os nossos inimigos tem feito um bom trabalho então. Este depósito aqui é o ponto de chegada de mais de trinta por centro das drogas que são enviadas pra dentro da cidade.
(Trinta por centro?!)
Eu quase fico de boca aberta. Porque nós não sabemos nada sobre este depósito?
-Você quer que movamos tudo para outro lugar?
-Não. Certamente que não. Nós vamos destrui-lo.
Isso não se parece nem um pouco com o que Matt nos contou.
Lance tem que estar mentindo.
-Se é tão grande quanto você diz, não estará bem guardado?
-Alguns lugares são protegidos por coisas alem de homens armados.
-O que isso quer dizer?
-Quer dizer que haverá repercussões, porém não na forma de armas e balas.
Acxa e eu trocamos olhares, hesitantes. Os homens começam a descarregar a van, entregando um galão de gasolina paa mim e Lotor. A nossa fonte não poderia estar assim tão errada, poderia? Destruir narcóticos antes deles se quer circularem pelas ruas não soa exatamente como a Voltron que o Matt nos descreveu. A caminhada até ao depósito é como o Lance disse que seria. O lugar está completamente desprotegido. Quem na cidade tem o poder de deixar um carregamento como este desprotegido?
-Aqui estamos, cavalheiros. Sangue novo, cubram os caixotes deste lado.
-E o outro lado.
Alguns dos outros homens da Voltron desapareceram. Eles não tinham nada em mãos. Ou eles planejam destruir o resto de depósito com algo além de fogo... ou Lance não tem sido completamente honesto sobre o objetivo dele aqui. Talvez eles estejam levando algumas das drogas para si.
-Nós iremos cuidar disso. Encontre-nos na fachada assim que terminarem.
Nós acabamos de conseguir alguns segundos sozinhos...
-Isso é estranho, não é?
-Muito estranho.
-Eu não irei reclamar sobre esta parte.
Eu aceno que sim com a cabeça e junto a Acxa, encharcando as caixas com gasolina. Assim que terminamos, o som de pneus surge do lado de fora.
-Movam-se!
-Aí vem as repercussões...
Enquanto nós corremos para a fachada do prédio, eu vejo Lance cambalear. Ele joga a seu isqueiro pra trás e pragueja enquanto homens adentram o local. Ele pula rápidamente para trás de um dos caixotes. Os homens sacam suas armad e abrem fogo. O resto do Voltron buscam proteção.
-Acxa, eu vou lá.
-Não é uma boa ideia.
(Não, não é. Mas eu vou assim mesmo.)
Acxa dispara para me dar cobertura enquanto eu corro até ao isqueiro de Lance. Eu o pego e sigo até ao próprio Capitão. Ele sorri e pega a pequena caixa metálica de meus dedos.
-Bom trabalho.
Eu me sinto bem com a aprovação dele, é como receber o reconhecimento do Chefe. Desta vez, Lance acende o isqueiro e o lança deslizando pelo chão. Eu não posso evitar em espiar de tras das caixas. A pilha de drogas se enceideia quase que imediatamente. A fumaça e densa. Os nossos agressores começam a gritar.
-Este lugar vai explodir! Eles estão mortos. Vamos dar o fora daqui.
Nós os ouvimos dar início a uma retirada às presas antes de ouvir aqueles mesmos pneus de antes derrapando na pista noite a fora.
-Vamos sair daqui!
Lance me lança um olhar de surpresa. Ele não deve ter gostado de me ouvir dando ordens aos homens dele. Mas eu tenho certeza de que ele sabe que não podemos desperdiçar mais tempo.
-Vocês ouviram ele!
Qualquer medo que temos sobre cair em uma armadilha é superado pela fúria crescente das chamas. Conforme prateleiras começaram a cair e o calor se torna insuportável, um dos homens tropeça. Eu agarro o braço dele e o arrasto para fora do prédio, justo quando o teto desaba. Enquanto caminhamos de volta aos veículos, Lance se aproxima de mim.
-Ei sangue novo, sertefique-se de nos seguir. Nós temos algo para discutir.
É difícil dizer se é algo bom ou ruim. Nós chegámos até os nossos carros, damos a partida... BOOM!
-Nós seguimos eles?
É arriscado mas...
Eu quero ouvir o que Lance tem a dizer.
-Tenho certeza que quer.
Há um toque de amargura no seu tom de voz.
-Apenas tenha cuidado para que essa conversa "intima" não tire o seu foco. Com esse tipo de pessoa... você abaixa a guarda uma vez e acabou.
-Obrigado Acxa.
Eu sei que ele está cuidando de mim. Eu só espero que as suas preocupações sejam infundadas.
-Eu acho que seja lá o que eles tenham planejado, não pode ser pior do que o Matt fará se voltarmos agora.
Eu dou um sorriso e passo a mão pelo meu cabelo. Essa noite foi um pouco mais intensa do que eu esperava.
-Apenas me faça um favor e fique atento.
É um bom conselho. Nós ainda não sabemos o que relamente está acontecendo aqui.
-É isso aí, rapazes.
Os homens de Lance nos guiam até um escritório bem decorado. Eles fecham as portas atrás de nós. Somos só eu, Lance e Acxa agora.
Acxa está tensa.
-Sua nova casa longe de casa. De sangue novo a um novo irmão, meus parabéns.
Eu me pergunto se todos os candidatos foram promovidos assim tão rápido.
-Enrique irá fazer com que façam o juramento é claro, mas enauanto isso...
Aí está o nome que estivemos esperando ouvir. Se conheço bem o Acxa, ela está animada quanto eu com a menção do líder do Voltron.
-Achei que deveria confessar uma coisa.
Eu vejo Acxa tensionar o queixo pelo canto do olho. Lance me encara diretamente e o meu coração congela em meu peito.
-Eu sei quem você é.

2 de Agosto de 2021 às 15:57 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Capitulo 2

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 9 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!