fallxvia Livia G.

“Estou sozinho”, ele pensou. Era apenas uma criança de doze anos, mas ninguém parecia se importar com isso.


Conto Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#original #angústia #violência #infância #criança
Conto
17
4.3mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Único

Estavam gritando novamente. Mais especificamente, consigo. Diziam alguma coisa sobre algo que ele não queria escutar. Ou talvez ele estivesse ocupado demais concentrado no próprio choro para conseguir distinguir o que quer que dissessem.

Estou sozinho, ele pensou. Era apenas uma criança de doze anos, mas ninguém parecia se importar com isso.

“Meninos não choram!” foi o que ele escutou. Passos pesados e gritos femininos entraram por um ouvido e saíram pelo o outro. Ele estava escondido sentado dentro de um armário abraçando as próprias pernas. Quando sentiu a presença de mais alguém, o garotinho pensou que seu coração fosse sair pela boca. Prendeu a respiração como ninguém, sufocando o choro, até escutar um estrondo vindo de outro cômodo.

Ele não sabia se isso era bom ou não, até que ouviu alguém gritar: “Apareçam! É a polícia!”

A ligação havia dado certo, então. Ele escutou alguém correr e uma mulher chorar, mas ele se recusou a sair do armário, com medo do que poderia acontecer; com medo de sair na hora errada.

E então, alguém abriu a porta. Ele olhou para cima, encontrando os olhos de um policial baixinho e um pouco velho. Esse mesmo homem se abaixou e esticou uma mão.

“Vai ficar tudo bem” ele sorriu para a criança, que esticou os braços e se deixou ser pegado no colo. “Foi você que fez a ligação?” Ele murmurou de volta, sem força de vontade de sequer dizer alguma palavra.

Enquanto era carregado, ele viu seus pais sendo algemados e empurrados para o lado de fora. A criança apertou os ombros do policial e não demorou muito até que a farda estivesse se tornando úmida.

Os olhos estavam inchados demais para se manterem abertos por mais tempo. Sendo assim, antes de apagar, a última coisa que ele viu foram diversas pessoas encarando-o com pena.

Mas mais especificamente, os hematomas que ele possuía no corpo parcialmente coberto.

2 de Agosto de 2021 às 01:35 6 Denunciar Insira Seguir história
21
Fim

Conheça o autor

Livia G. Apenas uma garota sonhadora cursando o ensino médio e se aventurando no mundo da escrita desde os doze anos.

Comente algo

Publique!
Rael Souza Rael Souza
Ansioso para os próximos capítulos 😁
August 13, 2021, 16:55

  • Livia G. Livia G.
    é um capítulo único 🥺 August 13, 2021, 17:27
nathalia freitas nathalia freitas
por deus, lembrei-me apenas do Gabriel Fernandes..que tristeza.
August 12, 2021, 02:01

  • Livia G. Livia G.
    eu não sabia desse caso quando publiquei-- tô chocada agora August 12, 2021, 02:10
NíngYì Mèng NíngYì Mèng
Por Deus, que pobre criança! Às vezes, me pergunto, como pessoas que deveriam amar um filho incondicionalmente, podem se comportar desta forma? Será que podem ser almas condenadas a praticarem o mal, ou algum tipo de maldição? Eu realmente não sei, mas o que quero saber (e espero ter certeza) é que esse garoto irá encontrar alguém que o ame (seja pela adoção ou por algum parente decente) e que vai viver uma merecida vida de amor e respeito.
August 11, 2021, 03:19

  • Livia G. Livia G.
    exatamente! penso da mesma forma porque isso simplesmente não entra na minha cabeça. nunca passei por algo parecido, mas sinto muito por todos aqueles que sim. deve ser traumatizante ser tratado desta forma por quem deveria te apoiar........ obrigada pelo comentário, a propósito! ♡ August 11, 2021, 20:38
~