lariasaaaaa Lara Ap

Hoseok sabe que entrar em um colégio novo no meio dano não era uma boa ideia, mas nunca imaginou que poderia encontrar algo assim. Yoongi vê nos olhos tensos do aluno novo algo novo com o que brincar, mas não esperava que sua brincadeira poderia ser tão viciante. Taehyung busca âncoras que o prendam a realidade, mas não esperava se prender a elas. _oneshot: Taehyung/voyeur/ Yoongi/bottom/ Hoseok/top/ *O voyeurismo é uma prática que consiste em um indivíduo obter prazer sexual através da observação de pessoas. Seus adeptos são chamados de voyeurs, ou " aquele que vê".*


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#gay #yaoi #BTS #suga #jhope #Yoongi #Hoseok #taehyung #colegial #vhope #taeyoonseok #taegi #voyeur #taeseok #escola # #hoseoktop #voyeurismo #sugabottom
0
672 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Tour pela novidade

{🏫}


Estar nervoso pelo primeiro dia na escola era algo normal que eu já devia ter previsto e me preparado para a muito tempo. A ansiedade era um sintoma normal em qualquer situação nova, ainda mais em mim, para quem essa não passava apenas de uma velha conhecida.


Mesmo assim, não conseguia forçar minhas pernas a se moverem para cruzar o portão de entrada, já que o meu nervosismo havia me congelado a alguns paços de estar oficialmente na minha escola nova. Meus pés haviam freado sem que eu pudesse fazer algo contra, me mantendo preso ao chão e com os olhos vidrados no prédio que se estendia em minha frente.


Estava cedo e por não tinha ninguém na entrada para assistir o meu fracasso em simplesmente andar pelo portão, pensamento esse que eu estava prestes a refutar graças ao sentimento de estar sendo observado que me fazia virar algumas vezes para trás desde que a escola tinha entrado no meu campo de visão.


Pensei que chegando mais cedo eu poderia me situar ao ambiente melhor uma vez que não haveriam outros alunos com quem lidar, mas claramente a pressão de que logo as pessoas começariam a chegar apenas contribuiu para o meu corpo esquecer como funcionar.


Não que eu não fosse sociável ou não conseguisse interagir com outras pessoas.


Na verdade era exatamente isso.


Depois de meus pais cansarem de serem chamado a diretoria por eu não interagir nas aulas ou ter deixado de participar de algumas (muitas) atividades em grupo, eles resolveram que um novo ambiente talvez fosse exatamente o que eu precisava para fazer florescer a borboletinha social que havia em mim.


Isso mesmo pais. Me coloquem em um ambiente novo cheio de desconhecidos que eu vou, com certeza, fazer um milhão de amigos e nunca mais ficar sozinhos nos trabalhos em grupo.


Ideia de merda.


Minhas notas eram impecáveis e eu tinha amigos, só não na escola. Ter o Namjoon e o Jin como melhores amigos virtuais já me bastava. Não tinha razão para eles me obrigarem a isso.


Ainda assim, aqui estava eu: prestes a entrar no meu próprio pesadelo.


E tudo isso para que eu pudesse cursar o que eu quisesse na faculdade, minha única condição para concordar com essa transferência no meio da primavera para aquela escola.


Sai dos meus devaneios quase em um pulo de susto com a mão que tocou o meu ombro de repente.


— Ei, tá perdido ou você só gosta de ficar pardo na frente de portões? — Um ser humano um pouco mais baixo que eu e da pele quase transparente disse, passando para minha frente ainda sem retirar sua mão do meu ombro.


Ele usava o mesmo uniforme que eu, o que me tranquilizou pela possibilidade de ele ser só um aluno como eu, mesmo que o cabelo preto e os três piercings, um na sobrancelha, outro na orelha e o último no lábio; mostrassem uma clara diferença entre nós.


Eu, Jung Hoseok, poderia não ser um exemplo máximo da beleza masculina com o uniforme justo nos ombros mas solto no quadril, o cabelo alaranjado completamente imóvel penteado para trás e as calças sobre medida com um all star surrado para completar, mas sabia disso apenas por estar olhando para o verdadeiro máximo da beleza humana.


Como alguém poderia parecer tão transparente e ao mesmo tempo tão cheio de segredos?


Qualquer um que nos visse ali, nos encarando e tentando descobrir um pouco mais sobre outro só pelo olhar, poderia ter certeza de que aquela era a primeira e última vez que conseguiria ver opostos juntos tão de perto.


Talvez fosse isso que fizesse meu corpo reagir a cada respiração que eu via sair de sua boca, vermelha e brilhosa por algum tipo de gloss, condensada pela temperatura amena que ameaçava cair ainda mais durante o resto do dia.


— A-ah, meio que sim. — Disse, corando pelo rapaz que agora parecia me avaliar enquanto percorria o olhar pelo meu corpo e a língua pelos lábios, revelando mais um piercing atravessando aquele musculo molhado.


Já eram quatro perfurações, não que eu estivesse contando claro.


Quantos mais ele deveria esconder por baixo das roupas grandes de mais para o seu corpo, não que eu quisesse descobrir claro.


— Min Yoongi. — O estranho me deu seu nome, largando meu ombro para estender a mão em um aperto repentino no qual ele parecia incerto.


— Jung Hoseok. — Eu disse colando nossas mãos e só então percebendo que essa havia deixado de suar. — Eu sou do 3° A. E você?


Da onde tinha surgido toda aquela coragem?


Talvez fosse as bochechas coradas pelo frio da manhã do tal Yongi, ou talvez a sensação de ainda estar sendo observado que continuava queimando minha nuca.


— Também. — Yoongi disse dando as costas para mim sem pronunciar mais nada.


Ótimo, a única pessoa com quem eu já tive coragem de falar na escola não gostava de conversar. Boa Hoseok.


Com alguns segundos, em que eu apenas observei suas costas adentrando o portão, ele se virou para mim outra vez.


— Vai continuar parado ai ou está esperando um convite formal? — Yoongi disse olhando para os próprios pés, com as mãos nos bolsos, apesar das palavras rudes sua imagem só passava vergonha.


— Ah, eu posso entrar com você? — Eu falei, como se fosse o necessário para faze-lo voltar ao caminho original.


— Taehyung não deve se incomodar. — Ele usou isso como resposta por mais que eu claramente não soubesse do que ele estava falando.


— Taehyung? — Perguntei baixinho, obtendo como resposta apenas um dedo apontando para alguém apoiado em uma árvore do pátio, já dentro da escola.


Então que percebi que era ele quem me observava. Eu deveria estar certinho na linha do seu olhar, parado no portão enquanto o loiro, provavelmente a espera de algo ou alguém, apenas me olhava com os braços cruzados.


— Meu namorado. — Yoongi disse assim que nos aproximamos o bastante para, quem eu supus ser o tal Taehyung, nos ouvir.


— A-ah, sim. — Falei baixinho, mais para mim mesmo do que uma resposta para ele.


O pequeno calor que eu senti me esquentar por dentro durante aquela quase conversa morreu assim que Yoongi foi puxado pela cintura até estar com o corpo colado ao de Taehyung.


No lugar dele, eu passei a sentir outra coisa.


Mesmo que as mãos do loiro agora apertassem possessivamente a cintura de Yoongi, ao passo que esse parecia se enrolar no namorado e se encaixar perfeitamente em seu pescoço, seus olhos ainda estavam sobre mim, aparentando curiosidade sobre como seria minha reação a cena.


Nisso um pequeno relógio se acendeu no meu interior, cantando uma contagem regressiva lenta mas constante.


— Esse é o Hoseok, Tae. Ele é o aluno novo da nossa turma que falaram que ia chegar hoje lembra? — Yoongi sussurrou no ouvido de Tae, mas por causa do silêncio absurdo que preenchia o pequeno pátio óbvio que aquilo chegou perfeitamente aos meus ouvidos.


Quase como se fosse de propósito.


— Não vou fingir que lembro por que você sabe que não. Mas eu até que gostei da surpresa. — O até-pouco-tempo-estranho disse me assustando com sua voz grossa com que ele respondeu enquanto seus olhos ainda mantinham-se fixos nos meus. — Você deveria convidar ele.


Taehyung desconectou nossos olhos se virando para o namorado dessa vez e juntando seus lábios rapidamente ao mesmo tempo que eu corava pela vergonha de estar sendo praticamente excluído ali.


Não que eu quisesse ser incluído pelos dois naquela troca de carinhos, em que os dois pareciam profissionais mas eu era inexperiente demais para sequer ser capaz de me imaginar ali.


— Ainda não Tae. — Yoongi respondeu me deixando confuso se eu deveria deixa-los ou perguntar para que o Taehyung queria que ele me convidasse. — Vamos entrar logo, está frio e daqui a pouco não vai ter mais lugar longe da janela.


Com sua fala direcionada a nós dois, já que o baixinho olhava de mim para seu namorado, Taehyung deu o primeiro passo para se soltar de Yoongi e esperar que algum de nós tomasse a frente do caminho até a sala.


Por eu estar mais que perdido naquela situação, apenas sinalizei que o menor fosse na frente ao que ele deu de ombros e atendeu prontamente.


Sai logo atrás assim que Yoongi se virou para ter certeza de que eu o estaria seguindo, sentindo que ele indiretamente também avaliava Taehyung que deveria estar logo atrás de mim.


Sentia seu olhar queimar minha nuca e me atrevi a repetir o ato de Yoongi.


Dei de cara com seu olhar penetrante em minha bunda, enquanto Taehyung mantinha os lábios pressionados um no outro como se estivesse se segurando para não falar algo, e, apesar da vergonha que deixou minhas bochechas rubras, a contagem regressiva acelerou no meu interior e eu quis mais do orgulho que senti em tê-lo me observando tão descaradamente.


Entramos na escola sempre seguindo Yoongi e ,entre olhar suas costas cobertas pela camisa branca solta do uniforme e sentir que Taehyung fazia o mesmo, percebi que o baixinho havia se mantido a frente de propósito e o sorriso que vi quando entramos no elevador era, na verdade, por saber estar sendo observado pelos dois.


Na pequena caixa de metal, que subia devagar até o andar onde deveria ser nossa sala, eu me mantive ao lado do moreno enquanto o loiro de posicionou logo atrás de nós.


Eu colei meus olhos na tela que indicava os andares já que Yoongi, com as mãos nos bolsos, brincava descaradamente com os pirecings em sua boca ao meu lado. Cada vez que um raspava no outro e o tilintar dos aços se tocando alcançava meus ouvidos eu tremia pela for/ca que fazia para não desviar o olhar dos números e não segurar sua mandíbula com as mãos, que seguravam (quase rasgando) a alça da mochila que eu mantinha nos ombros, para faze-lo parar.


Não resisti e troquei um olhar com o baixinho que mesmo durando um segundo me fez virar completamente para ele suplicando qualquer confirmação dele de que eu poderia atender o pedido que piscava em minha mente, de beija-lo.


O meu relógio interior foi a loucura quando Yoongi se virou para mim também e prendeu o piercing do lábio inferior entre os dentes com os olhos colados nos meus.


Mas aquela contagem estupida voltou alguns segundos assim que ouvi um arranhar de garganta vindo de Taehyung.


O que eu estava fazendo desejando o namorado de alguém?


E por que ser lembrado da presença dele nos observando apenas me deixou com mais vontade de provar os lábios vermelhos do baixinho?


— Taehyung... — Yoongi disse para o loiro, deixando escapar seu nome como um pedido manhoso.


Ah como eu queria ouvir meu nome desse jeito.


— Yoongi não. Tem câmeras aqui. — O mais alto entre os três respondeu, apontando para o pequeno aparelho no teto.


— Mas você foi você quem falou para mim convidar ele. — O baixinho retrucou, se voltando para o namorado com um bico e olhando para mim de relance.


Eu apenas permaneci parado. Minha ansiedade dizia para correr dali assim que as portas abrissem mas minha curiosidade no casal foi o que me fez continuar ali mesmo quando chegamos ao andar e a luz do corredor nos iluminou melhor


— Para a sala vazia, não para o elevador. — Taehyung segurou a mão de Yoongi e o puxou para fora passando por mim, o fazendo parar no corredor de costas para o elevador onde eu continuava estático. — E nós não sabemos nem se ele quer alg...


Usei toda a coragem que restava no meu ser para atravessar as portas e alcança-los no corredor.


— Eu quero. — Interrompi a fala de Taehyung, recebendo a atenção dos dois como resposta imediata. — Eu não faço ideia do que vocês estão falando. E sinceramente? Eu não dou a mínima também.


— Você sabe que vai estar matando aula com dois desconhecidos no primeiro dia né? — Yoongi falou, se soltando do namorado e caminhando em minha direção sobre o olhar atento de Taehyung.


— Não tava mesmo a fim de ver aula e qualquer coisa que envolva vocês parece mais divertido no momento. — Respondi com um sorriso de coração que se espelhou no sorriso gengival dele e no sorriso quadrado do mais alto que também se aproximava.


— Então deveríamos nos divertir um pouquinho. — Yoongi se virou rapidamente para Taehyung recendo um aceno confirmativo antes de voltar a me olhar. — Sabe, eu e o Tae geralmente vamos para uma sala que sempre tá vazia nessa andar. Você quer ir com a gente?


Ele estendeu uma mão para mim e eu olhei para Taehyung atrás dele. Com os olhos dos dois sobre mim, tomei um segundo apenas para agradecer mentalmente aos meus pais por terem me transferido e uni minha mão a dele, suando frio em expectativa do que iria acontecer após aquilo.


Yoongi segurou em minha mão forte e, trocando um olhar com Taehyung, disparou pelo corredor me levando no processo.


Apesar de estarmos praticamente correndo eu sentia que o loiro andava calmamente atrás de nós, se mantendo distante mas perto o suficiente para que eu ainda sentisse sua presença dominante ao nosso redor.


Ao virarmos uma esquina por pouco não trombamos com um cara, que eu assumi ser um professor pela pilha de papéis que ele carregava e a roupa formal que trajava.


— Professor Jimin! — Yoongi o cumprimentou com uma reverência curta, a qual eu imitei apesar de ficar quieto.


— Eu posso saber por que você estava correndo no corredor? E de mãos dadas com...— O homem mais velho olhou para mim me avaliando e talvez tentando me reconhecer.


— O aluno novo, professor. — Yoongi soltou minha mão, eu senti falta de seu calor e quis voltar a segurar sua mão mas o olhar de reprovação do professor me impediu. — Eu só estava mostrando para ele a escola. Acabamos nos empolgando um pouco.


A expressão do homem suavizou-se com a explicação mas ainda parecia nos repreender por algo com aqueles olhos pequenos e os óculos menores ainda.


— E eu suponho que você estava seguindo os dois por acaso?— O senhor falou olhando além de nós, onde eu acreditei Taehyung estar se aproximando.


— Certamente professor. — O loiro respondeu colocando uma mão no ombro de cada um de nós, causando arrepios gêmeos em cada um de nós e nos calando.


— Deveriam ir logo para a sala.


— E era exatamente para onde estávamos indo professor. — Taehyung disse antes que qualquer um de nós pudesse formar uma frase, o que eu havia desistido de tentar já que sua mão pressionando meu ombro tinha tirado metade dos meus sentidos.


Pela cara de Yoongi, que observei com o canto do olho, ele também estava bem longe de tentar formular uma frase assim como eu.


— Para a sala de aula eu imagino, senhor Taehyung. Não aquela vazia no fim do corredor, certo? — O homem olhou outra vez com reprovação para nós dois, não que eu realmente estivesse prestando atenção nele com meu ombro esquentando ao toque de Taehyung.


— O senhor se incomoda de nós usarmos ela um pouquinho? — Yoongi falou depois de ser soltou por Tae, que passou seu toque em mim para minha cintura apertando-a. — Ou você quer que a gente deixe ela livre para você ir lá com o Diretor Jungkook?


As bochechas do homem ficaram vermelhas em um instante e eu sai do transe ao perceber a chantagem implícita em sua fala. Ele pareceu chocado e seus olhos se arregalaram um pouco mais enquanto passeavam de Yoongi para Taehyung e depois para mim.


— Só... não digam que me viram se pegarem vocês lá. — O professor disse desviando o olhar e se afastando lentamente na direção de onde nós tínhamos vindo ao mesmo tempo que Taehyung acenava para ele contendo um sorriso.


— Nós nem sabemos quem é o senhor, não é Yoongi? — Taehyung disse alto para que o homem, já um pouco distante, ouvisse bem.


— Exato Tae. Mas tenha uma boa foda, quer dizer, reunião com o diretor, professor Jimin. — Yoongi falou e rimos quando o homem gritou ''igualmente'' ao entrar em uma sala qualquer.


Taehyung foi quem me puxou pela mão e Yoongi quem nos seguiu dessa vez, mas não fomos muito longe já que com alguns passos estávamos no final do corredor e de frente para a última porta ali.


O loiro me soltou assim que cruzamos a porta e passou por mim indo sentar na cadeira mais perto da mesa de professor no canto da sala vazia.


Parecia uma sala normal na verdade, só que as carteiras e a mesa do professor estava sem nenhum material e algumas luminárias pareciam ter lâmpadas faltando deixando o ambiente mais escuro pela iluminação que vinha apenas das janelas cobertas com uma cortina quase transparente.


Me aproximei da onde Taehyung havia sentado, mas sem tocar nada e apenas deixando minha mochila em uma mesa qualquer enquanto lutava para retribuir o olhar que ele mantinha sobre mim. Por isso, e por estar de costas para ele, não notei que Yoongi acabara de trancar a porta e agora caminhava na minha direção.


— Sabe Seok, o TaeTae é um voyeur. — Yoongi falou no pé do meu ouvido, deixando beijos em minha nuca enquanto suas mãos passavam pelas minhas costas em contato direto com a minha pele por dentro da camiseta. — Você sabe o que é isso?


Não tinha certeza se algo decente sairia da minha boca então apenas acenei que não, sempre trocando o olhar com Taehyung conforme ele parecia se ajeitar na cadeira de madeira com as pernas bem abertas.


Evitei até quando pude olhar para sua virilha, onde sua mão passeava lentamente.


— Explica para ele Yoon. — O loiro falou, com a mesma voz grossa que tinha usado lá no pátio antes.


— Voyeur significa ''aquele que observa''. — Conforme as palavras do baixinho chegavam aos meus ouvidos e suas mãos ao meu abdômen tenso, eu sentia minha cueca encolher da mesma forma que olhava o membro de Taehyung crescer em sua própria mão. — Significa que ele adora assistir. — Yoongi passou para minha frente, fazendo eu o olhar com as mãos em meu rosto. — Agora, nós precisamos saber se você esta confortável com isso. Se não, não tem problema nenhum e nós podemos só ficar aqui conversando. Apesar de que não é isso o que voc6e parece estar precisando.


O baixinho levou uma das mãos até o meu membro por cima da calca, e eu fiquei tão duro quanto acreditava ser possível, sentindo sua mão aperta-lo entra os dedos finos.


Olhei para Taehyung, que ainda nos observava mas não se tocava mais enquanto buscava alguma coisa na minha expressão.


Talvez ele achasse que eu fosse pedir para que Yoongi me soltasse ou que eu só saísse correndo dali.


Não posso negar que uma parte de mim realmente estava considerando essas opções mas como a outra parte era um virgem com muito tesão acumulado pelos dois homens mais gostosos que eu já havia visto na vida, deixei que a última tomasse uma atitude.


Decidi que se eu já havia chegado até ali por vontade própria não devia deixar insegurancas idiotas me tirarem essa oportunidade.


— Eu estou muito mais que confortável. — Os dois sorriram para mim, mas quando perceberam que falaria mais voltaram a ficar sérios. — Só tem um coisinha. Eu nunca...


— Você é virgem Seok? — Yoongi falou ao que eu só consegui responder assentindo.


— E você tem certeza que quer fazer isso? — Taehyung completou, atraindo minha atencão para ele, que havia voltado a sua posição ''confortável'' de antes.


— Tenho, absoluta. — Concordei sustentando seu olhar para transmitir a confianca que eu sentia que eles esperavam de mim.


— Então você quer me ajudar a fazer o Tae gozar nos assistindo Hobi? — Yoongi sussurrou, de volta a tarefa de cobrir meu pescoco de marcas que ele havia iniciado antes e posicionando sua mão no meu membro outra vez.


Mantive o olhar em Taehyung quando apertei sua cintura fina por baixo do tecido e soltei um arfar pesado que nem sabia que estava segurando.


Yoongi, em resposta, abandonou meu pescoço para colar seus lábios nos meus pela primeira vez. Foi como encontrar algo que você nem sabia ter perdido. Encaixávamos perfeitamente enquanto nossas línguas lutavam por quem dominaria o beijo e consequentemente bagunçavam tudo ao seu alcance.


Abacaxi era o sabor de seu gloss, azedo mas com a promessa de um doce no final que me fazia implorar em sussurros pesados no meios do beijo por mais, mesmo que sua boca já estivesse colada a minha.


Ao mesmo tempo que sua mão desabotoava minha camisa, eu colocava o piercing de seu lábio inferior entre meus dentes e puxava apenas para ouvi-lo arfar em aprovação. Taehyung não estava diferente de nós e, quando Yoongi terminou de tirar minha camisa e passou a se dedicar ao fecho do cinto de joelhos no chão, marcando meu abdômen na altura perfeita para sua boca, eu pude desviar o olhar para o loiro, notando que ele também já havia retirado sua camiseta mas não copiava o namorado em desabotoar sua calca.


Encarei o teto, tentando focar em como Yoongi arrastava o tecido da calca, junto da minha cueca, pelo meu membro e logo em seguida pelas minhas coxas e assim em diante até eu estar nu, sendo observado pelos dois vidrados em passear seus olhos por cada pedaço de pele disponível.


Quando senti o gelado do piercing de Yoongi contra minha glande soltei um gemido rouco ao voltar a olhar Taehyung e vê-lo observando o trabalho que seu namorado agora fazia em lamber completamente minha extensão desde a fenda até a base, o9nde ele deixava um chupão forte pele da minha virilha com alguns pelos rasos.


— Tae...— Gemi o apelido quando nossos olhos se encontraram mais uma vez.


— Sabe Seok, o Yoongi fala de mim mas na verdade é ele quem adora ser observado, ter toda a atenção em si e saber que todos os gemidos vem do que ele esta fazendo. — Taehyung falou grosso enquanto retirava o pau negligenciado e pingando de sua cueca e iniciava uma masturbarão lenta, espalhando o pré-gozo abundante. — Ele gosta que olhem para ele e nunca quebra o contato visual.


Taehyung apontou para o baixinho ajoelhado e desviou o olhar de mim para ele, me instigando a olhar para baixo enquanto ele acelerava os movimentos e gemia rouco.


Quando olhei para baixo e me deparei com Yoongi engolindo meu pau inteiro na primeira vez, com os olhos colados nos meus e lágrimas escorrendo pela bochecha, me arrependi de não ter o olhado antes.


— Yoon... — Gemi o apelido do outro quando nossos olhos se encontraram.


Ouvi o gemido de Taehyung em uníssono com o meu e jurava que iria gozar quando senti a língua de Yoongi continuar a me lamber, com o piercing de sua língua deixando tudo melhor, sem tirar um centímetro meu da cavidade molhada e quentinha que eu tanto queria foder.


Yoongi pareceu ler meu pensamentos e colou minha mão sobre seus cabelos enquanto se afastava um pouco e cobria com a mão o que não estava em sua boca, como para estabelecer um limite.


Ele olhou para mim e piscou um vez em afirmação e eu passei a meter entre seus lábios vermelhinhos, sempre respeitando o limite que ele tinha estabelecido. Sendo sugado por suas bochechas ao mesmo tempo que ouvia a mão molhada de Tae percorrer seu membro e seus gemidos roucos preencher a sala completamente, gozei, em um gemido mudo, bem em cima do piercing no meio de sua língua.


Enquanto eu recuperava a minha respiração apoiando as mãos na mesa do professor atrás de Yoongi, o moreno que estava ajoelhado levantou e ficou entre meus braços quase sentado no móvel de madeira.


Yoongi foi soltando botão por botão de sua camiseta encarando Tae sentado ali de camarote, com sua boca aberta mostrando que havia engolido tudinho para o namorado. Assim como eu, Taehyung gemeu quando a calca de Yoongi alcançou o chão e ele ficou tão nu quanto eu, se deitando na mesa e exibindo o corpo esquio mas delicado sobre o móvel de madeira.


A primeira coisa que notei foram os dois piercings em seus mamilos e mais um em seu umbigo.


Eram sete no total e agora eu tinha coragem de admitir que contaria até o infinito se isso significasse descobrir mais sobre seu corpo.


— Tae...Você precisa dizer o que ele tem que fazer. — Yoon falou com o rosto virado para o Tae, que em algum momento também havia se livrado da calca e agora se mantinha de pé ao lado da mesa.


— Seok, você precisa prepara-lo antes se vai comer esse cuzinho apertado. — Tae disse com olhos nos meus mas com uma mão apertando a coxa de Yoongi, provocando um gemido manhoso no moreno. — Sabe como fazer isso?


— Sei, vou cuidar muito bem do cuzinho do seu namorado. Não se preocupe, Tae. —Falei posicionando minha mão em cima da dele e apertando com mais forca.


Yoon gemeu outra vez, nos fazendo desviar o olhar para o seu rostinho que parecia uma bagunça de prazer e necessidade. Seu membro expelia em sua própria barriga e eu levei minha mão para bombeá-lo ali enquanto me abaixava para prender os piercings recém descobertos nos mamilos durinhos entra meus dentes.


Deixei chupões fortes já que ele parecia tão sensível naquela área e apenas passei para o do umbigo quanto todo seu peito estava vermelho e molhado. Yoongi mantinha suas mãos no meu cabelo, mas ao olhar para ele notei que ele exibia um bico pidão para o namorado que se masturbava tão perto de si.


Passei por seu membro, deixando um selinho bem na ponta enquanto ainda o bombeava e fui direto a sua entrada.


Não era mentira que eu era virgem mas eu acumulava muitas tentativas falhas para me dar pelo menos uma luz do que seria o melhor para deixa-lo confortável em me receber.


Por isso, usei minha língua para lambuzar todo o local e depois de algumas chupadas mais fortes, ao som de seu gemidos abafados pelos dentes mordendo seus próprios lábios, ele estava mais relaxado e isso foi o suficiente para eu conseguir penetra-lo com um dedo, também molhado no processo.


Ele não expressou muito incomodo mas quando ameacei move-lo em seu interior, senti uma mão no meu ombro e olhei para cima. Tae me dizia para colocar mais um antes de mover por que o Yoongi já estava ''preparado'' da noite anterior.


Segui seu conselho e continuei lambendo a região para relaxa-lo. Quando a pressão nos meus dedos diminuiu passei a move-los devagar, em busca de sua próstata o que não demorou muito para achar já que em madrugadas sozinho aquilo havia se tornado a minha especialidade.


Assim que ele gemeu em aprovação, surrei aquele local algumas vezes mais, conforme colocava a camisinha estendida por Taehyung, antes de tira-los de seu interior, com a reprovação de ambos em gemidos roucos pelo barulho molhado cessado, e voltar a ficar de pé. Meu membro já estava completamente duro e eu mantive minha mão direita entrelaçada na esquerda de Yoongi enquanto a outra posicionava meu pau em sua entrada.


Me abaixei para beija-lo lentamente e olha-lo nos olhos conforme meu membro o penetrava, sua expressão de dor me fez questionar se aquilo estava certo mas a mão de Taehyung em meu ombro e os sussurros de ajuda que ele deixava no pé do meu ouvido me fizeram não desistir e apenas me empenhar em beijar Yoongi com a esperanca de distrai-lo.


Tae me instruiu a ficar parado por que Yoon iria se mover conforme seu incomodo fosse passando. O moreno rebolou com uma calma surpreendente para sua situação enquanto eu apenas me apoiei em seu pescoço para depositar ali todo o prazer que sua entrada esmagando meu membro estava me causando.


— Seok. — Yoon parou os movimentos e chamou por mim.


Vi de canto de olho Yoon entrelaçar sua outra mão à direita de Taehyung e, com a que estava conectada a mim, me empurrar até que estivesse em pé mas ainda dentro dele.


Taenhyun aproximou o pau do rosto de Yoongi e ele se virou para encarar o membro teso pingando tão próximo de si.


Ele se virou para mim mais uma vez de engolir o pau de Taehyung completamente com a boca e o meu com sua bunda apertada para um caralho.


— Mete, Seok. — Yoon falou antes de iniciar o boquete no namorado.


— Mete Hoseok. — Taehyung falou agora olhando o que seu namorado fazia por si.


Então, como um menino obediente que sempre fui, segui suas ordens e meti em Yoongi. Por causa da força que eu usava o pau de Taehyung se movia naturalmente na boca vermelhinha.


Cada vez que Yoongi gemia sua garganta reverberava no membro do loiro fazendo o gemer em cadeia, por consequência eu acabava gemendo e acelerando os movimentos em resposta causando mais gemidos até que o ciclo se fechasse e se repetisse de novo.


Com nossos gemidos, implorando por mais e chamando nomes em frases desconexas, preenchendo a sala e o olhar penetrante de Taehyung sobre nós, eu e o Yoon fomos os primeiros a gozar, em conjunto e anunciando em gritos para qualquer um que quisesse ouvir.


Taehyung nos pediu para ajoelhar no chão e entendendo a missão nós passamos a trabalhar em conjunto para vê-lo atingindo seu ápice, ele matinha uma mão nos cabelos de cada um ditando os movimentos.


Tae também gozou chamando nossos nomes e Yoongi engoliu o jato enquanto eu terminava de limpar seu membro lambuzado.


Ele se ajoelho com a gente e nos puxou para um beijo triplo coberto com seu gosto, Tae nos soltou deixando um selinho em cada um e nos ajudou a levantar até que estivéssemos os dois sentadinhos na mesa.


Taehyung buscou por nossas roupas e ajudou Yoongi a se vestir. Yoon me ajudou e eu ajudei Taehyung, fechando assim um círculo em que os três tentavam deixar uns aos outros apresentáveis para irem de fato para a sala de aula dessa vez.


Quando estávamos devidamente vestidos, Yoongi e Taehyung trocaram olhares antes de me encararem o mesmo tempo.


Percebi magoado que eles queria que eu fosse na frente ou algo do tipo e assim que cruzei a porta enterrei a vontade de olhar para trás, me derramando em lágrimas quando a fechei e corri pelo corredor.


Lembrava que tínhamos passado por uma plaquinha de Banheiros depois de encontrar com o tal professor Jimin, e logo que entrei fui direto me trancar na última cabine.


Que merda que eu estava pensando?


Que eu ia transar com um casal e instantaneamente virar parte deles? Que só por que eles haviam sido tão cuidadosos e atenciosos comigo isso significava que eu seria incluído? Que só por que...


Não, foda-se.


EU havia feito por que EU queria e sabia muito bem que ia ser só uma ficada.


Igual daquela vez que o Namjoon e o Jin quiseram me incluir mas eu acabei sozinho no final. Viu, tudo certo. Agora para de chorar, merda.


Eu sabia que ia acabar assim, cada um pro seu lado.


Então por que eu não conseguia segurar as lágrimas dessa vez?


Não é possível que na minha primeira vez eu ia acabar assim.


Assim sozinho.


Eu e a minha mania de me enfiar no meio de casais. Por que eu não consigo me contentar com uma pessoa só?


E ainda sempre sou eu quem me machuco.


Quer saber foda-se.


Só... preciso ficar longe e esquecer.


Esquecer aquele casal que me fez parecer tão perfeito com eles. Esquecer o contraste entre a pele amorenada para o branco quase leite. Esquecer cada palavra doce, cada toque, cada beijo...


Merda.


Encarei o espelho daquele banheiro e limpei o que prometi serem as últimas lágrimas que derramaria por pessoas que já tinham terminado o queria fazer comigo. Terminei de ajeitar minha aparência, mesmo que tenha ficado uma bagunça desisti de tentar ainda mais.


Sai dali com as minhas coisas e, ao ouvir o sinal da segunda aula, corri para onde eu acreditava ser minha sala. Entrei pedindo desculpas ao professor Jimin, que me olhava com certa pena enquanto eu andava até a única carteira livre.


Taehyung e Yoongi não voltaram para a sala e se não fosse o professor me reconhecendo eu até consideraria que eles tinham sido um sonho, ou melhor, um pesadelo.


As aulas foram tranquilas tanto por ser o primeiro dia quanto por eu nem estar ouvindo e não ter a mínima noção do que acontecia ao meu redor já que minha mente insistia em focar nas memórias de algumas horas atrás.


Quando percebi o último sinal, para a saída, tocou e todos a minha volta se levantaram, deixando a sala e a mim também.


Ótimo, poderia chegar em casa e falar que essa transferência não havia servido de nada e assim poderia fugir deles, quer dizer, voltar para sua antiga escola. Foda-se, só não queria ter que olhar para eles mais uma vez.


Porém o universo tinha outros planos para mim.


Assim que o elevador chegou ao térreo comigo e suas porta se abriram eu dei de cara com a imagem dos dois naquela árvores do pátio. Havia esperado bem mais para descer com a esperança de que eles já teriam ido embora, mas parece que não tinha sido o suficiente.


Seus olhos encontraram os meus antes que eu pudesse correr ali com a desculpa de ''estar atrasado'', e logo vi os dois vindo em minha direção já que eu mais uma vez havia paralisado no lugar. Nem fingir que não os tinha visto eu conseguia, só encarava cada passo que eles davam para mais perto.


Eles devem querer me dizer para ficar longe ou para esquecer que aquilo por que havia sido um erro.


É isso. Eu fui só um erro e já é hora de apagar esse erro da história deles.


A mesma coisa tudo outra vez.


Tudo bem, você consegue. Só 5 minutinhos e depois você pode correr de volta pra quando isso ainda não tinha acontecido.


Para quando você ainda não tinha...


— Oi Seok. Como foi a aula? — Yoon falou assim que estava a um passo de distância.


— Normal. Olha, sobre mais cedo...


— É exatamente sobre isso que temos que conversar. — Tae disse me cortando e recebendo um tapa franco no ombro dado pelo Yoon.


— Falamos que iriamos fazer isso com calma, Tae. — Yoon completou com mais um tapa antes de se virar para o namorado.


— Não, tá tudo bem Yoon...gi — Tentei consertar, interrompendo a mini discussão com a esperança de que assim seria melhor. — Eu vou esquecer e voltar para minha antiga escola, não precisam se preocupar com isso.


— Não Seok! Você entendeu tudo errado.


— Tá de boas Yoongi. Eu não vou atrapalhar vocês e... — Apesar das palavras parecerem enganar bem os dois assustados, quando eu comecei a chorar eles perceberam que eu não queria dizer aquilo de verdade.


— Hoseok, para de falar merda. — Taehyung segurou meu rosto com as duas mãos e deixou selinho em meus lábios enquanto limpava minhas lágrimas. — Eu só pedi para você sair um pouquinho aquela hora para mim conversar com o Yoon.


— Mas você sumiu. — O citado completou sobre o olhar de reprovação do Tae. — A gente só queria certeza se um tinha sentido a mesma coisa que o outro antes de fazer isso.


— Hoseok, você quer ir em um encontro com a nós dois? — Taehyung roubou de volta minha atenção, recebendo uma careta de Yoon.


Entrei em um transe onde milhares de perguntas rodeavam minha cabeca, em muitas dúvidas mas aquilo respondia tantas outras perguntas de antes que eu nem ligava para as novas.


— Seu chato, eu que queria pedir. — O baixinho se irritou.


— Ai amor tanto faz, o importante é ele aceitar. — Tae se voltou para um Yoon emburrado e de braços cruzados, com as costas para mim.


— Mas quando a gente tiver discutindo quem chamou quem primeiro no nosso casamento a resposta sempre vai ser você, seu chato. Foi você quem me chamou também e ai vão ficar falando que você que juntou a gente. — O moreno argumentou.


— Yoon você vai assustar o Seok falando de casamento assim. — Os dois riram juntos alheios a estátua que ainda estava em transe, observando-os em seu mundinho e desejando participar.


— Eu aceito. — Respondi assim que minha boca teve forças suficientes para se mover, me jogando no meio dos dois enquanto derramava novas lágrimas, mas de felicidade dessa vez.


— Se casar com a gente? — Tae perguntou com os olhos arregalados.


— Não, aquele outro negócio. Do encontro lá. -- Falei me afastando tímido pela ideia que já fulminava em minha mente. — A gente pode se casar um dia, mas vamos com calma ok? É a minha primeira vez.


— Achei que a gente tivesse sido calmo o suficiente na sua outra primeira vez de hoje. — Tae me contradisse.


— Onde que me fazer gozar duas vezes em uma sala vazia da minha nova escola é calmo? — Falei sussurrando para que só eles ouvissem, mesmo que não tivesse ninguém ali além de nós três.


— Tá, tá. Que tal só um sorvete então? — Yoon sugeriu nos puxando pela mão para a saída.


— Eu quero de morango. — Taehyung falou olhando para o Yoon.


— Eu quero de baunilha. — Yoon respondeu olhando para mim.


— Eu quero de menta com chocolate. — Disse baixinho, já me preparando para o que viria seguir.


— Esse encontro está cancelado. Como assim menta com chocolate Seok?


E assim o caminho até a sorveteria seguiu: em discussões e pedidos de desculpa com beijinhos carinhosos.


Mesmo que fosse para não dar certo no final, tentaria.


Mesmo que tivesse um relógio contando os segundos para que aquilo tudo acabasse, tentaria.


Tinha que tentar.


28 de Julho de 2021 às 02:20 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Fim

Conheça o autor

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~