F
Fabiely


Sophie Bittencourt é uma mulher que muitos julgam ser minada mimada e também a herdeira de um império, seu pai desde que era pequeno construiu tudo o que tem. apesar de tudo, Sophie sempre gostou de trabalhar e tudo o que mais ama é seu pai e administrar a empresa de moda, Robert Bittencourt perdeu a mulher no nascimento da filha e desde então decidiu que ela era tudo para ele, mas a chegada de uma nova madrasta deixa Sophie de cabeça quente e pra completar, vem de brinde o sobrinho de Carola. Sophie terá que amadurecer e descobrir que nem tudo na vida é como ela quer, e no meio disso ela terá que amadurecer seus relacionamentos.


Drama Para maiores de 18 apenas.

#Romance
0
1.4mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Sextas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Sophie Bittencourt




No mundo da moda, você tem que se impor em tudo. Desde escolher sapatos à arrumar o cabelo, eu cresci sem minha mãe e por mais que eu quisesse uma presença feminina em casa, não fui menos feliz sem ela. Minha mãe morreu me dando a luz, e meu pai sempre pensou que eu não aguentaria viver sem minha mãe, por isso me deu tudo o que eu sempre quis. E quando eu completei 18 anos, ele me deu também sua empresa de mãos beijadas. Eu não suportava trabalhar, mas me apaixonei por essa profissão e ela é o meu refúgio, sempre foi eu e meu pai.....

Até hoje de manhã quando me mandou uma mensagem dizendo que precisávamos conversar muito sério, ele tinha acabado de voltar da viagem para Grécia, e com muito sério eu entendo que — ou pegou uma doença lá e está morrendo, ou finalmente arrumou uma namorada— nenhuma das duas opções me agrada, eu não quero uma madrasta e muito menos que meu pai morra. Mas se for a segunda opção, eu posso muito bem convencer meu papai que isso é um erro e poderemos voltar a viver nossas vidas normalmente. Eu sei que todas as mulheres só querem o dinheiro dele, e isso eu não vou aceitar. Meu pai merece alguém que o ame de verdade, e acho que não existe ninguém além de mim. Sai da empresa correndo para chegar às sete na mansão Bittencourt, cheguei em casa e coloquei a primeira roupa que achei, não preciso me preocupar tanto com roupas porque tudo o que eu uso é da minha própria coleção. Coloquei um vestido bege, que tem o formato de v nas costas, saltos de um rosa claro e o cabelo preso em um coque com a franja solta. E É lá vamos nós.......

~

Cheguei na mansão às sete em ponto, nossa governanta, que sempre cuidou de mim, avisou que meu pai estava me esperando na sala de estar. Fui pra lá e a primeira coisa que vi foi uma bolsa de mulher, eu já posso cair para trás ou está cedo?

—Coloquei os olhos em cima de uma mulher da mesma altura que eu, aparentava ter uns 37 anos, a pele clara e os cabelos castanhos, ela estava ao lado do meu pai e com as mãos em seu ombro.

— Papi! — fui correndo da um abraço no meu pai e tirei a mão da mulher de cima do ombro dele — como você está?

— estou ótimo, pensei que você não conseguiria vir.

— assinei alguns papéis e deixei o resto por conta da Emily— puxei meu pai para o sofá e fingi que não tinha mais ninguém na sala.

Meu pai se levantou assim que sentamos e chamou pela mulher que estava com ele, ela chegou perto e me deu um sorriso cínico.

— está é Carola, nos conhecemos na viagem. — Carola chegou perto de nós e se sentou ao lado do meu pai, os ficaram de frente para mim e eu só sabia olhar aquela mulher, eu estava avaliando ela. As roupas pareciam baratas e de mal gosto, quem é que mistura azul com rosa? — você não vai dizer nada?

— não é um prazer te conhecer, Carola! — meu pai se espanta com o que eu falo mas Carola mantém a postura de golpista.

— Sô! Esses não foram os modos que eu te dei, então por favor, comprimente minha namorada educadamente.

— sua namorada? Isso só pode ser piada— me levantei e comecei a andar de um lado para o outro — ela não pode ser sua namorada, olha para ela!

Carola que não tinha dito uma palavrao tempo todo, resolveu falar justo agora que eu estava nervosa.

— sou Carola Torres, prazer em te conhecer Sô.

— meu nome é Sophie Bittencourt, então nunca mais me chame de sô.

—perdão....— antes mesmo que ela continuasse a falar, a governanta entrou na sala.

— o último convidado acabou de chegar, senhor Carlos.

— pode mandar ele entrar, Luana.

Tentei me acalmar, eu espero que as surpresas dessa noite já tinham acabado. Eu só precisava falar com meu pai por um minuto e ele entenderia o erro que está cometendo. Um homem entrou na sala e eu cravei meus olhos nele, calça jeans preta e uma blusa branca de mangas. O homem é lindo, cabelos loiros bagunçados ao vento, e os lábios tão perfeitos, os olhos......um verde tão intenso.

— esse é Henrique Dawson. — não suporto a voz dessa mulher, mas esse homem faz tudo ficar suportável — ele é meu sobrinho, sophie.

— prazer em te conhecer, Henrique. Sou......

— Sophie Bittencourt, eu ouvi você gritando seu nome— me surpreendi com a audácia desse homem, ele nem sequer deixou eu falar direito.

— sô, Henrique irá trabalhar com você na empresa, ele cuidará da parte administrativa e ele também é fotógrafo.

— empresa? Por que ele está trabalhando na parte administrativa, está tudo certo.

— filha, Henrique veio de muito longe e eu decidi que ele iria trabalhar na nossa empresa. Espero que vocês se dêem bem.

Chega! Foi o meu limite, eu sabia que essa mulher queria alguma coisa do meu pai. Ela já conseguiu colocar o sobrinho na empresa, o que vem depois?

— depois disso ele vai ser vice presidente? — todos se chocaram comigo menos o meu pai— eu não vou deixar você da um golpe no meu pai, e eu não aceito esse homem na minha empresa!

— Sophie!

—não, não! Você não percebe que ela é só uma prostituta que quer tirar seu dinheiro?

— chega! Venha comigo agora para o meu escritório, e de boca fechada!

Peguei minhas coisas e fui para o escritório do meu pai, ele iria me ouvir e tudo ficaria bem. Não olhei para trás mas ouvi um pouco de choro de mulher, essa é a verdadeira cobra! Entrei no escritório e meu pai veio logo atrás fechando a porta.

— não gostei que gritou comigo na frente deles, ela é uma oportunista e eu não vou deixar você ser enganado.

— chega disso Sophie Sloan Bittencourt!

— não gosto quando você fala meu nome todo.

— pensei que você gostasse de saber quem é, já que você faz questão de esfrega-lo na cara de todo mundo. Você vai voltar lá e pedir desculpas para a minha namorada e o sobrinho dela, e vai trabalhar com Henrique!

— mas é claro que não, o que ela fez com você? Papi, abre os olhos por favor!

— você está me irritando, Sophie.

— não é possível que você não veja, eu cuidei de você por todo esse tempo e......

— JÁ CHEGA! eu sempre peguei leve com você, mas agora as coisas vão mudar. Sempre deixei você ter essas atitudes porque você nunca teve uma mãe e eu não queria ser um pai ruim, mas você já tem 24 anos — meu pai respirou fundo e se sentou ao meu lado — eu gosto de Carola, e quero ela como minha namorada. A ideia de Henrique vir trabalhar na empresa, foi totalmente minha e ela até tentou me convencer do contrário.

— Papi....— nunca vi meu pai assim, nós nunca brigamos e agora ele gritou comigo para defender sua namorada. — eu não quero ninguém dizendo o que eu tenho que fazer no meu trabalho, isso é tudo o que eu mais amo depois de você.

— não precisa se preocupar, você é a presidente e ninguém vai tirar isso de você. Será que agora podemos ir jantar, para que você se desculpe pelas ofensas?

— tudo bem, vamos! — me dirigi até a sala com meu pai ao meu lado, Carola se levantou do sofá e eu vi que ela estava enxugando uma lágrima.

— Sophie, eu não queria......— meu pai me soltou e foi para o lado de Carola.

— eu...... aí meu Deus— começou a encenação!— Papi, não estou me sentindo bem— meu pai veio correndo e me colocou no sofá.

— o que está acontecendo?

— não sei, eu me senti mal mais cedo e agora isso voltou, eu ia falar com você mas com tudo...... aí! — eu deveria ser atriz!

— vou te levar ao hospital, precisamos chegar o que é isso.

— não se preocupe, eu só preciso ir para casa. — tentei pegar minha bolsa mas Carola já estava com ela nas mãos.

— Henrique te levará para casa, não queremos que nada aconteça com você no meio do caminho. — o sorriso cínico estava presente de novo, eu posso ser uma bela atriz mas essa mulher também é.

— mas e o jantar? — perguntei e fiz uma cara de culpa— eu sempre estrago tudo.

— não se preocupe, marcaremos para outro dia e você só precisa ir para casa descansar — meu pai se virou para Henrique que não parecia estar bem — pode levá-la para casa?

— é claro, senhor Carlos, eu nunca deixaria sua filha passando mal. — que sorriso maravilhoso, mas é bem cafajeste.

— me chame só de Carlos, e obrigado.

Eu e Henrique nos olhamos, ele sabia que eu não estava sentindo dor coisa nenhuma. Mas eu não iria sair do papel, as coisas sempre foram do jeito que eu quero,então, por que não pode continuar?

Meu pai me ajudou a ir até o carro, não era grandes coisas mas dava para o gasto, Henrique dirigiu em silêncio Ele não ia falar nada então eu tive que ser a primeira.

— nós vemos amanhã? — tirei o cinto e abir a porta, mas voltei a fechar quando ele não me respondeu. — Dawson?

— escuta bem, Sophie. Você ofendeu eu e minha tia de todas as maneiras possíveis, então o que te faz pensar que eu vou sorrir para você e dizer "até depois, chefinha?"

— gostei do apelido— ri dele e Henrique agarrou meu pulso que eu cheguei a soltar um "aí" — me solta!

— eu vou te soltar, mas antes...... Não pense entre nós dois haverá alguma coisa, sei que todo aquele show na mansão foi para não pedir desculpas, você é mimada demais. E toda vez que tentar algo contra minha tia, eu estarei lá e irei devolver 100 vezes pior! — Henrique soltou o meu braço e se jogou por cima de mim para abri a porta do carro — agora sai do meu carro.

— seu idiota! Você e sua tia são uns golpis......— Henrique se soltou do cinto e saiu do carro, fiquei em choque e não consegui entender o que estava acontecendo, ele parou ao meu lado e me pegou no colo— me solta! — não adiantou muito, Henrique me tirou do carro e me deu as costas.

— tenha uma boa noite, chefinha!

Henrique me deu as costas e entrou no carro, quando eu ia gritar ele pisou no acelerador e fez um barulho enorme.

— ISSO NÃO VAI FICAR ASSIM, SEU FILHO DA PUTA!

25 de Junho de 2021 às 18:19 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Explosão

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 10 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!