jjmsexie Arthur Venture

Jeon Jungkook é um jovem rapaz que sofre com uma peculiaridade que o faz ter vergonha de sair com seus amigos festeiros. Ele é virgem. Por mais que isso não seja uma prioridade em sua vida, o pobre Jeon se senti diferente por ainda não ter ido para a cama com ninguém. Numa manhã comum na escola, Jungkook está no banheiro pensando em sua vida e acaba descobrindo algo realmente comprometedor do professor de matemática, seu carrasco na terra. Afinal, um segredo sujo pode mudar tudo. Jikook|pwp|clichê


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#kookmin #xprofessor #aluno # #jikook #bts
Conto
2
559 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

O Último Virgem

O sinal para a primeira aula tocou e Jungkook ainda estava correndo pelo corredor que dava acesso a sua sala. O rapaz de madeixas negras e olhar amendoado cruzou a porta parando no meio da sala ao notar o professor escrevendo na lousa e o olhar pequenino dele, por baixo do óculos de grau, cair sobre sua pessoa afobada.

— Professor, eu...

— Sentisse de uma vez, Jeon Jungkook— Volta sua atenção para o que estava escrevendo, ignorando o mais novo completamente.

Jungkook avançou indo até o lugar que costumava ocupar, sentindo o suor escorregar de sua testa, consequência da corrida. Seus amigos apenas lhe olharam de canto e riram discretamente, caçoando do jovem atrasado.

— Pois bem, vamos começar com soluções simples de terceiro grau. Foi o que estudamos na aula passada. Aqui nós temos a equação pronta para ser resolvida. Alguém se voluntaria? — fita todos os alunos, mantendo a postura séria.

Duas mãos levantadas e alguns cochichos entre estudantes do fundo, sendo um deles de Jungkook. Jimin aperta as vistas na direção do garoto e anda até ele, vendo-o muito entretido na conversa com o colega do lado.

— Senhor Jeon, gostaria de saber o que de tão interessante o senhor Kim tem para falar que o faz desviar a atenção da minha aula. — analisa o garoto de cima — vamos, diga.

Nesse momento houve silêncio na sala e Jungkook quase engoliu o chiclete que havia acabado de pôr na boca.

— Ah, não era nada, professor Park. Desculpe. — pediu baixo, evitando olhar o menor nos olhos. Jimin era um tanto intimidador, apesar de possuir um rosto delicado e uma estatura diminuta comparada até a outros alunos.

— Hum. Foi o que pensei. Já que está tão disposto a chamar a atenção sugiro que resolva o problema no quadro.

— O que? Bom, eu não sei muito bem como fazer... — coça a nuca sem jeito.

— Ah, não sabe? Mas como não? O senhor vem em todas as aulas e eu tenho ensinado isso há dias... Vamos, venha de uma vez. — virou-se, andando de volta para sua mesa.

Jungkook respira fundo e levanta seguindo o professor. O Park lhe deu a caneta e ficou ali observando o que era feito. A sala continuava em silêncio e Jungkook quebrando a cabeça para resolver o problema de matemática. Depois de longos minutos o quadro estava cheio de números e somas desnecessárias. Jimin respira profundamente, pedindo que o aluno voltasse para o seu lugar, apagando tudo e resolvendo de forma simples e objetiva os cálculos.

— É assim que se resolve. E o resultado é zero e não quinhentos e vinte três. Não é, senhor Jeon?

Jungkook põe a cabeça sobre o caderno e deseja que aquela aula acabe logo. Park Jimin era o demônio em pessoa e sempre achava uma maneira de lhe ridicularizar, metendo-o em diferentes situações. Não negava que ele era um bom educador. Ensinava tudo direitinho, mas sua forma de agir e encarar os alunos deixava a impressão que ele era o carrasco sem misericórdia e os estudantes seus escravos sem escapatória. Dava calafrios.

Finalmente o término da aula chegou e Jungkook arrumou suas coisas para sair junto com seus amigos. O grupo marchou até a cantina a fim de lanchar algo para depois irem à próxima aula.

— Hoje o professor Park pegou passado com você, hein Jungkook. — debocha Taehyung.

— Por sua culpa, boca de lata. Não consegui ficar um minuto sem falar.

— Olha como fala comigo, coelho da Páscoa. E você me deu atenção porque quis, ninguém te obrigou a nada.

Logo os dois estavam discutindo banalidades.

— Ei, vocês querem parar de cacarejar! Eu hein! — Jin se mete entre ambos.

— Ele chamou a gente de galinha, é isso mesmo? — sussurra um Kim indignado.

— É o seguinte: amanhã vai ter uma festa na casa do Taemin e todos nós fomos convidados. Conto com vocês, seus viados.

— Viado mesmo é só o Jungkook. E eu vou estar lá sim!

— Como é que é? Quem te disse isso? — o Jeon esbraveja inconformado.

Todos reviram os olhos com a lerdeza do mais novo.

— Enfim, todos confirmam?

— Sim!

— Sim!

— Não! — fala Jungkook antes de morder o próprio sanduíche.

— Posso saber porque não? – Os três encaram o Jeon, esperando uma boa justificativa.

— Porque não estou afim. É outra nessas festas rola muita bebida e sexo, e eu não quero passar vergonha...

— Ah, isso de novo... — Taehyung rola os olhos.

— É. Isso de novo. É fácil pra vocês irem a qualquer lugar assim, só que comigo é diferente. Eu não quero mais falar sobre isso. — suspira, saindo de perto dos outros indo ao banheiro.

Jungkook se tranca em uma das cabines e fica sentado pensativo sobre a tampa da privada. Já tinha dezenove anos e até aquele presente momento não havia perdido sua virgindade, sendo motivo de gozação para a maioria das pessoas que sabiam desse fato. Não que ser virgem fosse um terrível destino ou um tormento eterno, só não queria ouvir comentários idiotas sobre si e nem transar com qualquer pessoa. No fundo Jungkook era até um cara romântico e esperava a pessoa certa para desfrutar de um momento tão íntimo, contudo, às vezes, queria copular de uma vez e gritar ao mundo que já não era mais um virgem tímido e otário, que seu Jeon Junior havia entrando em um cu bem molhado... É, Taehuyng estava certo, Jungkook era um viado e daqueles que adorava uma boa bunda carnuda para poder estapear na hora H.

Escutou um barulho e uns resmungos emitidos por uma voz bastante familiar. Sem provocar nenhum barulho, Jungkook abriu um pouquinho a porta e avistou as costas, cobertas por um terno de camurça, do professor de matemática. Park Jimin estava ali e parecia se olhar no espelho, talvez estivesse arrumando algo ou apenas descontando as frustrações contra seu reflexo. O mais novo ficou parado ali por alguns segundos, optando por voltar a seu afazer inicial; pensar besteira, mas quando ia fazer isso o professor fez um movimento lento abaixando suas calças. Naquele momento tudo ao redor de Jungkook parou. O jovem arregalou ainda mais suas orbes já naturalmente grandes e olhou atentamente o monte, aparentemente, macio que o professor exibia. Contudo, talvez, o que Jungkook jamais sonharia era ver aquelas nádegas tão redondas dentro de uma calcinha box, aquelas que imitam o tecido rendado de uma roupa íntima feminina, muito bem moldada naquela área.

A saliva desceu seca pela garganta de Jungkook e ele apenas ficou ali quietinho para ver se ainda descobria mais alguma coisa, além da bunda mais linda que ele havia visto na vida. Jimin parecia ajustar a box de renda fina, soltando baixos resmungos. A calça voltou para o lugar e Jungkook fechou a porta, ficando em silêncio até ouvir a porta do banheiro ser fechada. Pôs a mão sobre seu peito e seu coração estava acelerado, assim como suas pupilas levemente dilatadas.

Olhou para o meio de suas pernas e ali estava uma bela ereção... Muito bem destacada pela calça do uniforme.

Nunca mais olharia Park Jimin como antes...

Andando de volta para casa, Jungkook só conseguia manter a imagem mental do seu professor de matemática.

Mesmo que Jungkook classificasse aquilo como errado, o jovem rapaz não era capaz de afastar a cena ardente do educador. Talvez o choque tenha sido realmente grande, afinal Park Jimin nunca apresentou nada de diferente além de sua efígie séria e pouco dotada de paciência. Todavia, receber um tapa daqueles referente a figura do educador era um pouco demais. Jungkook entrou em casa e foi diretamente para seu quarto se fechando em seu território particular.

Procurou tomar um banho antes de pegar seu notebook e navegar na Internet em busca de informações sobre Jimin. Sim, Jungkook estava stalkeando o professor e no fundo era mesmo uma loucura, no entendo Jungkook estava muito curioso, tão estimulado que nada o faria parar agora. Enquanto digitava o nome do docente no Facebook, Instagram, Twitter e etc a empolgação crescia assustadoramente em seu peito, lhe levando a crer que estava interessado sexualmente em seu professor rabugento de matemática.

Mas será mesmo que uma simples olhada nas partes ocultas de alguém poderia despertar tão assombroso e repentino desejo? Jungkook estava acreditando que sim. Afinal, antes de ver o homem naquelas condições, Jungkook nem mesmo ligava para nada que envolvesse o Park. O achava muito bonito, isso era fato, mas interesse mesmo não tinha.

— Sem redes sociais... Que tipo de ser humano vive sem redes sociais? — sussurra a si mesmo vendo que suas buscas por Jimin estavam sendo frustradas.

Abriu uma aba qualquer e digitou o nome completo sendo direcionado a vários sites aleatórios. Mas aquilo não o ajudaria muito; então foi passando, rolando a tela até achar um bem interessante. Clicou no site de nome “Sex without commitment” era estrangeiro e como Jungkook não sabia muito do inglês foi adiante. Assim que a tela carregou por completo, Jungkook quase caiu da cama com o conteúdo. Eram várias, não, milhares de fotos explícitas de um homem totalmente nu em inúmeras posições de tirar o fôlego. Jungkook até mesmo virou a tela do computador para ver uma em específico, do qual o homem estava de joelhos na cama exibindo seu volumoso traseiro junto a sua entrada rosada repleta de algo brilhoso e transparente. Naquele momento, Jungkook sentiu de novo o batucar desenfreado do seu coração e a sorrateira sensação de calor em seus países baixos.

A mão já tremia e a vontade louca de tocar seu membro crescia.

— Oh, merda. O que é isso! — ficou de boca aberta quando apareceu alguns vídeos na tela. — Será que eu abro um? — sussurra se correndo para ver o que tinha ali. — Ah, que se dane!

Seu dedo clicou no vídeo vendo-o carregar. Correu para buscar um fone e quando conectou e passou a assistir seu coração parecia estar prestes a ter um ataque fulminante. O conteúdo do pequeno filme era tão quente que parecia encher o quarto do mesmo calor abrasador... O corpo sensual movia-se para cima e para baixo sentado sobre um pênis de plástico, bem grosso por sinal, enquanto deixava gemidos dengosos escaparem por sua boca carnuda e coberta de gloss de morango. O jovem Jeon não piscava e sua ereção só crescia diante da cada movimento, sopro, gemido, arfar, rebolada e tapa dado naquela bunda gostosa que balançava provocante.

Jungkook, sem perceber, passou a gemer junto com o rapaz do vídeo, totalmente envolvido pelo belo corpo exposto. Por fim aquele pênis expele algo dentro do homem e este geme alto, escorregando lentamente o objeto para fora de sua entradinha judiada deixando uma quantidade enorme de “sêmen” vazar por ali, fazendo questão de pegar um pouco daquele líquido viscoso e levar até a boca de maneira sensual, chupando dengoso e finalizando a gravação.

— Ah... Ah — Jungkook segurou seu pau com força sentindo o latejar dolorido. Estava tão duro, tão necessitado que teve que abrir o próximo vídeo e ver aquele homem chupando uma rola de plástico, enfiando o negócio grosso até o limite da garganta que dava para ver a ponta sobre a pele. — Ahhh — jungkook jogou a cabeça para trás ouvindo apenas os barulhos molhados produzidos pela sucção do outro. Jungkook desejava que aquela boca farta estivesse devorando seu pau, que estivesse ali enquanto fodia com tesão e desejo cada centímetro de cavidade molhada. — Ohhh, isso... — sorriu, movendo a mão rudemente entorno do membro vermelho, contraindo a barriga violentamente.

Estava quase lá, mas ainda precisava de um estímulo a mais e isso veio quando o ninfeto da gravação bateu com o pau falso na língua, contornando todas as veias não reais deixando um longo e maravilhoso gemido escapar. Provocando em Jungkook um arrepio tão forte capaz de deixar suas pernas bambas. Aquela voz fina e doce acabou totalmente com a sanidade e o controle do Jeon.

Jungkook rosnou e choramingou diante das facetas obscenas do rapaz e gozou em demasia sobre seus dedos longos, perdendo as forças ligeiramente, arfando alto sentindo a testa úmida de suor. Aquele, sem sombra de dúvidas, havia sido o orgasmo mais forte de todos. Já tinha se masturbado várias vezes, mas nunca tinha chegado naquele nível de saciação... Estava nas nuvens, até mesmo um pouco de gala respingou na tela do computador, lhe fazendo rir. Era mesmo um virgem, só sendo um para perder tão desregradamente o controle.

Quando voltou ao “normal” olhou bem o site que era porno, óbvio, e só agora prestando bastante atenção no nome do usuário dono daqueles vídeos e fotos, achando um grande absurdo nunca ter pesquisado antes o nome do seu professor, afinal, bem na parte de cima estava as seguintes informações:

Park Jimin — 24 anos — ninfomaníaco — mora em Busan —Não busca compromisso, apenas sexo.

— Tão fácil encontrá-lo, professor. — Morde o lábio.

Era fácil, mas Jimin sabia que ninguém iria procurá-lo na Internet, afinal, sua pose diante de todos não deixava brechas para isso. Com certeza Jimin achava que seu segredo estava bem escondido e a salvo, contudo ele não contava com a curiosidade e lascívia de um certo aluno seu.

Ah, não mesmo!

Com o sol tímido no céu, Jungkook caminhava para a escola de cabeça erguida e com um sorriso calmo nos lábios. Sua mente estava tão focada no que tinha planejado fazer que nada mais importava. Queria chegar logo e por o começo de seu planejamento em andamento, assim ele teria o que tanto desejava depois de assistir todos os vídeos eróticos do site.

Por mais que fosse um bom garoto e zelasse pela integridade de qualquer pessoa, Jungkook estava embebido pelo calor da luxúria e seus desejos de jovem hormonal começaram a ultrapassar todos os limites que o Jeon classificava como impossíveis de refrear. Assim que entrou pela porta da sala avistou poucos alunos e entre eles estava Taehyung, andou até o outro o cumprimentando com um toque de punhos.

— Onde você estava que não apareceu na festa do Taemin?

— Eu disse que não ia. — sentou em sua cadeira começando a tirar seus materiais da mochila — foi boa a festa?

— Se foi boa? Foi incrível! Você perdeu a maior loucura, sem contar na orgia coletiva que aconteceu entre o Namjoon, Jin e Lisa — levantou as sobrancelhas em um gesto malicioso.

— O que? Na frente de todo mundo? — estava surpreso.

— Uhum... Foi o bicho! Vacilou em não ir, viu. Queria ter te apresentando umas garotas legais... Ou caras, afinal, tu é viado até a raiz do cabelo — ri jocoso, parecia estar um pouco alterado. Talvez fosse o efeito de alguma bebida, Taehyung era estranho. Enquanto todos sofriam de ressaca na manhã posterior à uma festa ele continuava bêbado e parecia não sofrer porra nenhuma. Literalmente um super homem.

O sinal toca e Jungkook vira-se para frente vendo os demais alunos entrarem, e sem sinal de Jin e Namjoon, pelo visto estariam vomitando até as tripas em casa. Não demorou muito para a figura baixa do professor de matemática adentrar a sala segurando sua tão costumeira maleta de couro quase escuro. Jungkook mordeu o lábio observando o andar ensaiado do docente, vendo-o ajeitar os óculos no rosto com o polegar antes de olhar para todos, com tédio. Quis sorrir diante do perfeito disfarce de Jimin, mas se manteve neutro.

Jimin retirou de sua pasta várias folhas e anunciou sua arma secreta: uma prova surpresa. Por essa Jungkook não esperava e o que lhe restou foi praguejar por sua maldita sorte, afinal, não sabia de nada do que estava na prova; eram assuntos novos e passados apenas uma vez, sem revisão. Ficou indignado com isso, e levantou a mão pronto para questionar o professor sobre aquele absurdo, porém, assim que Jimin se virou e andou até sua cadeira, Jungkook viu tudo em câmara lenta e de forma nada pura.

Segundo sua mente afetada o Park tomava diante de si uma postura totalmente provocante. Jimin arrancava aquelas roupas feias lentamente e revelava seu corpo esculpido, retirava os óculos e passava a língua média pelos lábios, descendo as mãos pequenas pelas laterais do próprio corpo, sorrindo para Jungkook. O Jeon ainda fora capaz de imaginar Jimin apenas de cinta-liga preta, com meias ¾ cobrindo as coxas grossas e alvas.

Jungkook apertou bem forte as laterais da cadeira, quase fundindo-se a ela antes de voltar a realidade com a voz duramente irritada de Jimin.

— Jeon Jungkook! Se não me responder agora mesmo terei que mandá-lo para a diretoria!

— Hã? N-não... Eu me distraí pensando na prova, aliás, esses assuntos não foram revisados... — suspirou, encarando o professor.

— E o que isso tem a ver? — demonstra desinteresse.

— Como vamos resolver se não lembramos de nada...

Jimin suspira e anda de volta para sua mesa.

— Os assuntos que vocês tem aí foram sim revisados, a três semanas atrás eu revisei exatamente o que tem aí, mas como existem pessoas distraídas — encarou diretamente Jungkook — não posso me responsabilizar pelo fracasso delas. Só desejo sorte a quem lembra do assunto. Ah, e a prova valerá um terço da nota final de vocês — suspirou “aliviado” sentando-se e indo corrigir algumas provas de outras turmas.

Jungkook ficou imóvel sobre seu acento encarando fixamente Jimin e sua postura despreocupada. Ah como gostaria de derrubar o rei de seu trono, mas ele faria isso.... E faria logo.

...

— Obrigado, senhor Kim, espero que dessa vez seu nome esteja escrito certo.

Jimin estava recebendo todas as provas dos alunos enquanto eles saiam para o intervalo. Por último Jungkook entregou a sua, ficando propositadamente para trás. Queria ficar sozinho com Jimin e confrontá-lo, seria uma manobra arriscada, mas não conseguia mais se conter.

— O que foi? — sussurra Jimin bastante confuso por ver Jungkook ainda ali parado na sua frente — Jeon o que você quer dessa vez? — enche o pulmão de ar, sentindo-se cansado.

Jungkook não diz nada, não queria dizer o que sabia com palavras, poderia se enrolar e passar vergonha. Por isso tirou o celular do bolso e colocou no site que assistiu noite passada, lentamente virou a tela para o mais velho e clicou no vídeo, deixando-o no mudo para ninguém ouvir além deles. Jungkook desejou rir quando contemplou o semblante sempre sério do professor mudar drasticamente. Agora Jimin estava branco e de olhos muito arregalados, só faltava abrir a boca para completar a expressão de pavor.

— C-como você... O que V-você... — os lábios vacilaram e Jimin perderá, pela primeira vez, a fala.

— Pela sua reação o senhor conhece muito bem a pessoa do vídeo... Não é Park Jimin, ou será BabyJ? — sussurrou se divertindo com a situação. Mesmo que algo dentro de si condenasse aquele tipo de coisa, era terrível expor alguém, mas Jungkook só estava mostrando ao próprio autor suas facetas.

— Como você descobriu isso! — Jimin avançou sobre o celular do outro. — Está maluco trazendo isso até aqui! — andou até a porta trancando antes de olhar para ver se ninguém estava à espreita. — me dá esse celular! — rosna.

— Não. E mesmo que eu dê não vai fazer diferença. Esse vídeo está na Internet, para quem quiser ver. — se afasta.

— Moleque insolente! — prensa Jungkook na parede, tentando controlar a vontade de socá-lo.

Aquele garoto poderia acabar com sua carreira de professor, impedindo-o de entrar em qualquer outra escola. Não que amasse ser professor, longe disso, mas precisava manter a fachada de homem responsável para não ser julgado por seu problema.

— O que você quer de mim? É dinheiro? Eu posso tentar arranjar, só não mostre e conte nada disso para ninguém — o Park andou até sua maleta, procurando sua carteira.

— Espera! Eu não quero seu dinheiro...

— Não? Então qual seu propósito me mostrando que sabe sobre isso? — sussurrou trêmulo.

Estava muito nervoso. Tinha medo que todos soubessem de seu problema e as afrontas vinhessem.

Jungkook ficou encarando a face retorcida do menor e por um momento achou ter feito o que era errado, mas já não podia voltar atrás, então seguiria com seus pensamentos e planos.

— Antes de qualquer coisa eu gostaria de saber porque faz isso...

Aquilo pegou Jimin de surpresa... Ninguém nunca tinha o perguntado o porquê de fazer aquilo. Encarou suas coisas e guardou sua carteira em meio a um suspiro. Encostou o quadril na mesa e tirou os óculos, massageando a têmpora. Teria muito o que explicar e teria que começar pelo início de tudo...

— Quer mesmo ouvir?

— Sim. Estou curioso, até. — sorriu o jovem Jeon.

Jimin continuou a olhar o chão e começou a contar sua trágica história. Jungkook acabou sentando à medida que a história ganhava níveis mais sórdidos e surpreendentes. Jimin contava tudo com calma, mas podia ver que às vezes a voz dele vacilava e talvez a vergonha de algumas partes fosse a causa disso. Depois que tudo foi dito, Jungkook estava de olhos arregalados e massageava seu lábio inferior com os dedos pensando em cada palavra dita.

— Então, depois disso decidi não esconder mais meus desejos doentios e assumir minha ninfomania de uma vez. Por isso faço esses vídeos. Sabe, quando estou fazendo eles eu não me identifico como Park Jimin o homem com problemas, mas sim como um Jimin livre e que não pode ser julgado por mostrar ao mundo quem ele é de fato. — suspira.

— Você sente que não precisa ser esse cara durão vinte e quatro horas quando está posando para os vídeos...

— Sim. É isso. Bom, agora que você já sabe, o que pretende fazer? – ergue o olhar até Jungkook.

Jungkook sugou o lábio inferior e sorriu de forma indecifrável aos olhos de Jimin. O mais novo levantou de onde estava e lentamente se aproximou, Jimin ficou confuso, mas não deteve a ação do outro. O Jeon ficou frente a frente com o professor e inclinou o corpo para poder falar o que queria, roçando as bocas.

— Não vou mentir, professor, eu fiquei louco com seus vídeos. Fiquei excitadíssimo com o seu corpo… — esfregou o lábio no superior de Jimin — queria me vingar de todas as vezes que me faz passar vergonha na frente da turma, esse era meu plano inicial, mas, então acabei mudando de ideia depois de ver sua boca trabalhar tão bem em um caralho... Mesmo sendo de borracha. — encarou o olhar pequenino, vendo um misto de sensações ali.

— O que você quer de mim, diga de uma vez, Jeon Jungkook? — soa autoritário.

Jungkook desceu uma mão pela cintura bem marcada de Jimin escondida por debaixo daquelas roupas largas, levou os lábios até a orelha fria e sussurrou lento, rouco e baixo...

— Quero te foder, professor Park. — até mesmo sentiu um arrepio com as próprias palavras.

Inconscientemente, ou não, Jimin mordeu o lábio suspirando. Havia gostado do tom sensual que o garoto usava. O problema era que Jungkook era muito novo e aquilo, se descoberto, poderia dar uma confusão daquelas. Disposto a provocar um pouco o garoto, Jimin passou as mãos pelo peitoral dele e sussurrou de volta:

— Não sou como as garotas que você está acostumado a comer, Jeon. Sou quente, exigente e inesquecível — sorri.

Naquele momento, Jungkook encarou o olhar miúdo...

— E se eu disser que sou inexperiente e que adoraria que você me ensinasse o jeito que você gosta...

Jimin ficou confuso novamente, mas logo sua feição empalideceu... Seria possível Jungkook estar falando de...

— Você é virgem? — sentiu um arrepio só de imaginar a possibilidade.

Muitos imaginavam que Jimin adorava os bem dotados e de currículo extenso, sim ele gostava, mas ter a oportunidade de se divertir com um virgem era muito melhor. Jimin poderia moldá-lo à sua maneira e o prazer de receber um virgem era triplo. Diante do silêncio de Jungkook, Jimin acreditou que a resposta era sim... Sorriu e levou novamente os lábios até a orelha do moreno.

— Jeon, Jeon... Você não sabe com quem está se metendo... Mas se você quiser mesmo minha ajuda eu posso até aceitar. Contudo, tem que me prometer que não vai mostrar esses vídeos a ninguém e muito menos falar que estou nesse site.

Jungkook quase gemeu quando as unhas curtas de Jimin escorregaram pela sua nuca.

— Uhum... Pode ficar tranquilo. Não vou dizer nada, afinal, eu seria idiota se falasse... —

Jimin aproveitou e beijou a orelha do outro deixando o corpo alto bem arrepiado.

— Hum... Descobri seu ponto fraco— sensualmente lambeu o lóbulo — me encontre em um velho apartamento aqui perto, é lá que gravo todos os vídeos — pegou uma caneta e um pedaço de papel anotando o endereço – aqui. Esteja nesse lugar às sete horas de hoje. Se não aparecer é melhor desistir de ter algo comigo... E continuarei a pegar no seu pé — vira o rosto.

— Estarei lá. — segurou o rosto do menor e passou o dedão nos lábios carnudos — essa boca... — sussurra.

— Jimin? Ainda está aí? Por que essa porta está trancada? — era a voz do diretor.

Rapidamente ambos se afastam e Jimin anda até a porta, abrindo-a.

— Achei que já tinha ido. — O homem olhou de Jimin para Jungkook meio confuso.

— Diretor eu só estava tirando umas duvidas com o professor Park, mas já estou indo. Até mais professor, diretor — reverência saindo.

— Alunos, sempre cheios de dúvidas — comenta Jimin fazendo pouco caso, assumindo seu papel de frio.

Enquanto saiam da sala e andavam pelo corredor, o diretor falava sobre certas situações recorrentes na escola, e Jimin fingia ouvir, mas na verdade estava com os sentidos bem longe... Dobrou o corredor entrando no pátio vendo alguns alunos e Jungkook, comendo algo com seu amigo. Como um ímã seus olhares se encontram e Jimin apenas passa a língua nos lábios, um gesto natural, mas que afetou Jungkook de forma indecente. A tensão sexual entre eles estava no ar e só muita água para apagar o incêndio que Jungkook e Jimin sentiam dentro de si mesmos.

— Por que está olhando tanto o direito e o professor Park? — pergunta Taehyung.

— Hã? Ah, nada. Só achei que o professor me olhou feio... Afinal ele me odeia — disfarça.

— Olha ele pode ser o que for, mas que tem uma bunda bonita, ah isso tem. — Taehyung ri.

Por mais que Jimin usasse aquelas roupas enormes, ainda podia-se ver uma protuberância nítida na calça... Jungkook sentiu arrepios de novo. Pensar no traseiro divino de Park Jimin era pedir para ficar duro no meio do pátio e não era isso que queria. Pelo menos não agora.

...

Naquela noite de inverno em que todos andavam pelas ruas bem agasalhados buscando alcançar um lugar quente e agradável como um café ou qualquer outro estabelecimento aberto, Jungkook avançava pela calçada, mantendo as mãos no bolso da calça colada. O jovem respirava leve vendo a fumaça de frio formar-se a cada arfada mais bruta. Seus dedos, por mais que estivessem enluvados, pareciam prestes a congelar e assim como todo seu corpo.

Parou em frente a um prédio pichado e velho, pegando o papel com o endereço do Park e constatando que ali era o local. Respirou fundo, fungou levemente olhando para os lados e por fim entrando. O lugar parecia ser inabitável há anos e talvez os únicos a se refugiar ali fossem os mendigos e homens como Jimin, em busca de privacidade e liberdade para realizar seus desejos mais íntimos.

Enquanto subia as escadas, ouvia o ranger da madeira e isso lhe fazia questionar se o ambiente era realmente seguro. Chegou no terceiro andar na porta de número 7 e ficou olhando para ela, sem saber exatamente o que fazer. Entendia que o primeiro passo seria bater, mas pensou um pouquinho e achou que Jimin poderia estar brincando consigo e que ter ido até ali havia sido uma perda de tempo, contudo, quando estava prestes a dar meia volta a porta se abriu revelando a figura enigmática de Park Jimin em um roupão vermelho, segurando uma taça de vinho pela metade.

Jungkook queria decifrar aquela imagem, mas nada explicaria realmente aquela outra face de Jimin.

— Não estava pensando em ir embora, né? — sorriu.

— Ah, talvez... — coçou a nuca meio sem graça. Estava começando a ficar nervoso na presença do homem.

— Não. Você não vai a lugar nenhum... Vem. — puxou o outro pelo casaco grosso obrigando Jungkook a entrar — está um frio terrível e nada melhor que um vinho para esquentar as coisas... — pega outra taça com o líquido vermelho pela metade e entrega ao garoto.

— Obrigado. Mas por que esse lugar? — sussurrou bebericando da bebida doce.

— Sei que é um local estranho e muito velho, porém, é um bom refúgio para dias difíceis. — andou até um sofá preto sentando lentamente, mirando Jungkook no meio da sala. — não tenha medo, nada disso vai desabar — revira os olhos colocando a mão sobre a própria coxa, subindo um pouco o roupão...

Jungkook encarou a efígie desinibida de seu professor e automaticamente seus olhos foram atraídos para a parte exposta do corpo alheio... A coxa alva e, aparentemente, macia era um deleite.

— Então, por onde começamos? — Jimin mordeu o lábio deslizando dois dígitos pela superfície carnuda.

Bebendo todo o conteúdo do recipiente, Jungkook deixou a taça sobre uma mesinha e andou até Jimin lentamente, como um predador indo para o abate. Aos poucos ele tirou o casaco de camadas e foi desabotoando sua camiseta, parando apenas quando Jimin levantou sorridente, parando perto de sua orelha roçando a boca farta na pele do seu pescoço...

— Você parece querer me fazer um showzinho... Eu amei a ideia. — fita os lumes negros, segura o queixo bem modelado de Jungkook e dá a sentença — tire tudo para mim, Jungkook, tudo... — sorri, voltando a seu acento.

Disposto a se desprender de todas suas amarradas e se doar de corpo inteiro naquele ato libidinoso, Jungkook mirou intensa e determinadamente os mirantes quentes do Park. Começou por sua camiseta branca de botões que foi retirada gradualmente até que seu tronco definido ficasse à mostra, revelando sua tez alva e macia. Depois foi a vez de sua calça preta apertada que Jungkook relutou um pouquinho antes de abrir o botão e abaixar o zíper, escorregando a peça até seus pés, tirando por completo, ficando apenas de box azul.

— Hum... Você tem coxas belíssimas, Jungkook. — suspira Jimin, olhando descaradamente aquela área do corpo alheio, vendo ralos pelos ali. — falta uma peça...

Jungkook fita o chão por alguns segundos e resolve se impor naquela situação, afinal de contas ele também queria ver o corpo monumental do Park.

— Agora é sua vez, professor...

Jimin arqueia uma sobrancelha, rindo levemente antes de desfazer o nó do roupão e abri-lo, revelando sua quase nudez. Jungkook engoliu a seco analisando cada pedaço de pele lisa chegando até a cinta liga preta e as meias brancas que ocupavam metade da coxa farta...

— Então... Era isso que queria? — sussurra, levantando e andando novamente até o maior — Acho que já vi o suficiente e pra falar a verdade eu não estou aguentando de vontade... — deixa a peça escarlate cair a seus pés, deixando Jungkook um pouco ofegante.

O clima estava quente, Jimin naquelas trajes mínimos parecia querer enlouquecê-lo, a pouca luz do local colabora para a enlouquecia do momento atingir níveis mais altos; então Jungkook não esperou muito e segurou a cintura do outro trazendo para si, ambos apreciam a imagem satisfatória que possuem e Jimin é o primeiro a avançar sobre os lábios bem feitos do parceiro.

Jungkook gemeu logo no primeiro alto, fincando as unhas na pele frágil, puxando bruscamente Jimin contra si de novo, abrindo a boca para que ambos sentissem a textura das línguas. Não demorou muito para estarem em um empate para saber quem ficaria com o domínio do beijo, e como Jimin era mais experiente ele acabou ganhando e dando a Jungkook o melhor e mais quente beijo da vida dele.

Afoito e muito excitado, Jimin tratou de segurar as laterais da roupa íntima de Jungkook, descendo a peça e libertando o pênis já quase totalmente duro... Jungkook se assustou quando a mão gélida de Jimin entrou em contato com o órgão quente, masturbando gostosamente enquanto mergulhava no beijo ardente. Jimin fazia questão de apertar o pau longo e grosso, sentindo cada veia, salivando na boca alheia com vontade de provar daquele caralho. De repente Jungkook o pegou no colo jogando-o sobre uma mesinha que tinha ali, enfiando-se entre as pernas bonitas, devorando a boca adocicada enquanto apalpava todo o corpo bem feito.

— Hum, C-calma, bebê, calma — sussurrou recebendo mordidas e chupões no pescoço, Jungkook penetrou a calcinha fina e tocou suas negadas de forma rude... — ahhh! — gemeu audível, sentindo aquela mão grande esfolando sua bunda.

— P-professor... Não consigo me controlar... — admite o mais novo, ofegante e completamente fora de si.

Jimin segura o rosto vermelho e deixa vários selinhos na boca inchada.

— Não precisa se controlar, Jungkook, eu quero seu lado selvagem... Quero seu pênis toda dentro de mim, me rasgando por inteiro — soa animalesco.

Escutando o rosnado de Jungkook, Jimin tratou de escorregar até o chão e ficar frente a frente com o pau duro e melado do mais novo, Jimin colocou o falo na cavidade quente, apenas a metade, enchendo a boca de saliva para lubrificar melhor. Seus movimentos de empurra e puxa estavam deixando o Jeon louco, tanto que ele segurou os cabelos bagunçados do docente e forçou seu pênis fortemente contra a boca alheia, sentindo a ponta tocar o limite da garganta do outro. Jimin chiou com falta de ar e deixou-se ser guiado no boquete, sentindo a boca ser fodida sem dó pelo maior. Deixou saliva escorrer por todo o pau já brilhoso e forçou o corpo para trás, buscando se apoiar em algo.

Jungkook estocava insano a boca que o acomodava, liberando resmungos, chiados, cochichos difíceis de entender e gemidos necessitados. Sendo a primeira vez a receber um oral, Jungkook estava nas nuvens, usufruindo do livre acesso que obtinha na cavidade alheia. Sentiu as unhas de Jimin rasgarem a carne de sua coxa e isso lhe deu mais tesão... Olhou para baixo vendo seu pau sumir dentro da abertura bucal do Park e o mesmo estar de olhos fechados e com pequenas gotículas de água no canto deles, denunciando o prazer que sentia com sua brutalidade. Jungkook deslizou para fora o membro dolorosamente duro, ouvindo o respirar alto do menor.

— D-desculpe... — achou ser necessário dizer aquilo, afinal, Jimin parecia prestes a morrer ser ar.

— Vem... — apenas disse isso ao levantar e pegar sua mão puxando-o para o sofá.

Jimin se posicionou de quatro no centro do móvel e levou dois dedos até a própria boca molhando-os de saliva. Jungkook acompanhou cada movimento do outro sem nem piscar; aqueles dedos molhados foram parar atrás do Park, no qual Jimin abriu uma pequena fenda que possuía na calcinha e esfregou a própria entrada, massageando o local enquanto soltava palavrões obscenos.

O Jeon engoliu a seco e passou a bombear seu pau diante do quadro à sua frente. A bunda grande do professor se moveu para trás assim que o primeiro dedo entrou, Jimin parecia buscar mais contato, por isso rebolou no próprio dedo olhando diretamente Jungkook nos olhos.

— Vem aqui... Jungkook... — gemeu o nome do garoto.

Prontamente Jungkook chegou perto e Jimin pediu que ele colocasse o pau dentro de sua boca, e assim o Jeon fez. Gemendo enquanto era sugado de novo pelos lábios gulosos do outro. Aproveitando que estava tão perto daquele monumento de bunda, Jungkook apalpou o local e tirou o dígito de Jimin dali, substituindo pelo seu próprio, afundando três dedos dentro do outro até tocar um feixe de nervos que fez Jimin praticamente gritar.

— Ah, faz de novo... — pedi manhoso, outra faceta envolvente de Park Jimin.

Jungkook enfiou mais um dedo e mergulhou fundo na entradinha do Park, saindo e entrando, fodendo o menor duramente. Jungkook fazia tudo que Jimin mandava, obedecia cegamente, afinal, Jimin era quem sabia das coisas e ele só reproduzia o que via e lhe era dito. Passou a tremer violentamente sentindo a língua travessa do mais velho esfregar-se contra as veias salientes do seu pau, não iria aguentar por muito tempo e Jimin sabia disso, por isso, rapidamente, Jungkook foi deitando no sofá e Jimin montou no colo dele, deixando sua bunda e sua entrada preparada em cima do pau vibrante e prestes a gozar.

— A-ah, Jimin... Ah... — Jungkook geme desesperado, revirando os olhos quando sente a cabeça do seu membro entrar no buraquinho apertado do professor. Estava prestes a derreter, e Jimin passou a subir e descer no colo de Jungkook, buscando sentir o pau alheio lhe arrombando antes de gozar — Ah! Ahhh — arqueando só sofá e sentindo o deslizar do ânus de Jimin sobre seu membro, Jungkook suava como nunca, abrindo a boca e se entregando ao incêndio que era aquele sexo.

— Você vai gozar, Jeon, vai espirrar gala dentro do seu professor... Vai me deixar arrombadinho de porra... — suspira Jimin, aumentando o ritmo, indo o mais rápido que conseguia, ouvindo o barulho molhado causado pelo sobe e desce — Aí, Jeon! — gritou, tremendo em cima do corpo alheio, sentando mais algumas vezes até sujar o peito de Jungkook com seu sêmen.

Praticamente berrando de prazer, Jungkook sentiu o cuzinho do menor latejar e apertá-lo em demasia, ocasionando o clímax. Jungkook despejou sua gala dentro de Jimin, enchendo o interior dele inteiro, deixando escapar um pouco assim que o membro escorregou para fora quando Jimin saiu de cima de si bambo, buscando um espaço ao seu lado e deitando.

O corpo de Jungkook tremia muito e seu abdômen se contraia assustadoramente. Jimin tratou de esfregar as mãos no peito e na barriga do maior, buscando acalmá-lo do recente orgasmo.

— Foi demais pra você, bebê? — sussurrou, passando uma perna por cima do tronco alheio.

Diante do silêncio do ambiente e das arfadas ainda altas de Jungkook, Jimin fechou os olhos e ficou ali sobre o peito do outro até ele se recuperar. Não costumava fazer isso, mas Jungkook não era um simples ficante, aliás, nem isso ele era. Jimin só estava ali por culpa do que Jungkook descobriu e Jungkook só estava ali para perder a virgindade e virar “homem” para se gabar com os amigos depois.

— Uau...

Jimin ri.

— Uau? É só isso que diz depois de transar comigo? — faz bico e recebe os olhos de Jungkook sobre si.

— N-não, é que eu não sei como dizer, mas, uau... Você é incrível! — sorri adorável.

— Eu sei — pisca — bom, é melhor você ir... — ameaça levantar, porém, Jungkook segura-o pelo braço. — O que foi, Jeon? — arqueia a sobrancelha.

— Não quero que acabe aqui e assim... Eu quero mais — avança sobre os lábios do outro, mas Jimin recua.

— Pode parar, Jeon. Eu já dei o que você queria... E você prometeu não contar a ninguém sobre meu segredo. Não vamos repetir isso, é errado. Você é meu aluno e é muito jovem... — suspira.

— Eu já tenho dezoito anos e não acho que essa seja a desculpa, afinal, você estava bem perdido no material aqui — apontou para si mesmo e Jimin revirou os olhos — e a questão de você ser meu professor pode ser resolvida... Esse é o último ano e a formatura está chegando. Jimin-Hyung, eu realmente gostaria de ter você mais vezes... — cheira o pescoço alheio, Jimin se arrepia, mas acha a ideia um absurdo — você aceita?

— Não. Não é tão simples assim, Jeon. E como pode estar encantando comigo assim tão rápido? — pega seu roupão no chão e vesti. Jungkook o abraça por trás, parecia totalmente solto agora.

— Simples: você desperta em mim o que ninguém conseguiu despertar até hoje... Eu já tentei transar com outras pessoas, mas nunca consegui sequer passar dos beijos, mas com você eu senti o fogo me dominar, meu instinto mais primitivo aparecer... Professor, eu quero sentir isso de novo e não vou desistir tão fácil — beijou a nuca, virando Jimin para si.

Jimin já estava mais do que acostumado a ser desejado, afinal, seus vídeos rendiam vários comentários e propostas, mas nunca vira tamanha intensidade de desejo direcionado a si como Jungkook mostrava naquele momento. Os olhos negros do Jeon pareciam cintilar como a luz da lua sobre o mar... E por alguns instantes Jimin queria mergulhar naquele sorvedouro escuro.

— Ah, Jeon... — Jimin apenas solta um logo suspiro, já sabendo que não conseguiria se livrar de Jeon Jungkook tão cedo.

FIM____

13 de Junho de 2021 às 19:50 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Arthur Venture Apaixonado por Scorpions - futuro psicólogo - amante de jikook

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Histórias relacionadas