blueapous solitude

O dia em que o corvo devorou a sua presa.


Conto Impróprio para crianças menores de 13 anos.
Conto
8
6.1mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

O Corvo.

Lembro-me perfeitamente de suas feições amaldiçoadas. O corvo. Ele possuía penas grandes e escuras como a noite. Frias. Intensas. Mortas. O bicho tinha em seus olhos o desejo soberbo de matar. Devorar. Comer. A ave me encontrou no chão, morrendo de angústia e desespero. Gritando alto, ditei: "MATE-ME, SENHOR CORVO!". Então o corvo fez o que pedi: devorou a minha pele, os meus olhos, o meu coração. A minha carne podre permaneceu no chão gélido, o corvo não se deu o trabalho de terminar a sua refeição. Deixou-me ser devorada por pragas pequenas e nojentas. No momento de meu óbito, o corvo cantou alto anunciando uma nova morte. O corvo havia ganhado.

20 de Julho de 2021 às 00:02 2 Denunciar Insira Seguir história
6
Fim

Conheça o autor

solitude Escrevo contos.

Comente algo

Publique!
NíngYì Mèng NíngYì Mèng
Intrigante e misterioso, muito bom!
June 19, 2021, 23:37
Gustavo Machado Gustavo Machado
Conta mais!
June 14, 2021, 17:23
~