patykastanno Patricia Kastanno

[Vmin • Taehyung Top • Jimin Bottom • Drama • Darkfic • ABO • Longfic] Park Jimin é um rapaz ômega que após ser maltratado por seu namorado alfa Jeon Jungkook em uma festa, acaba sendo salvo por um suposto desconhecido chamado Kim Taehyung. O alfa lúpus é misterioso e se diz ser ex-policial, no entanto, depois de conseguir a atenção de Jimin, o homem se mostra ser um verdadeiro bandido com uma natureza perversa e uma promessa de vingança séria contra a família Park.


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#jimin-bottom #taehyung-top #bts #jimin #park-jimin #pjm #kth #kim-taehyung #taehyung #v #vmin #yaoi #abo #sequestro #vingança #au
2
3.4mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

O Vilão que Virou Mocinho



Notas Iniciais:


Olá leitor(a), seja bem vindo(a)!
Aqui estou eu com uma nova fanfic VMin :)
Bom, essa traz uma temática mais madura, drama e universo ABO. Cansei de criar Tae's bonzinhos, agora teremos um mais malvadinho xD

Observações:
* Tradução do título: Desejo por Vingança;
* Trilha Sonora: Perfect Enemy de T.A.T.U;
* Baseada no universo fictício ABO com suas respectivas características (dúvidas serão respondidas nos comentários);
* Focada no ship VMin, portanto se você não gosta, NÃO LEIA;
* Menção à Jikook e triângulo amoroso;
* Conteúdo sensível para público menor de dezoito anos, contendo violência, estupro, relacionamento abusivo e linguagem imprópria;
* Esta fic não tem a intenção de fazer apologia aos crimes ou relacionamentos abusivos aqui mencionados;
* Também não tem por objetivo denegrir profissões e/ou condutas citadas;
* Narrada na terceira pessoa pelo(a) autor(a);
* Atualizações semanais;
* Comentários serão sempre respondidos;
* Plágio é crime, portanto não copie ou adapte o conteúdo desta fic que é de minha total autoria intelectual;
* Também postada nas plataformas Wattpad e Spirit;

Certo, isso é tudo.
Espero que goste, boa leitura!


***


Capítulo 1 - O Vilão Que Virou Mocinho


A música tocando ao fundo mascarava a situação desconfortável que Jimin enfrentava. Tudo havia começado da forma mais inesperada possível, quando o ômega dançava na pista de dança junto ao namorado e eis que de algum lugar, um beta apareceu com ousadia demais para a visão aguçada de Jeon.

Após o ocorrido, a briga já estava iniciada e depois de distribuir diversos xingamentos ao desconhecido, a culpa também recaiu sobre o parceiro, este que se sentia injustiçado, afinal ele não imaginava que seria assediado na frente do seu alfa de maneira tão óbvia. Mas infelizmente, as suas explicações já não convenciam e a discussão perdurava.

- Jungkook, se acalma. Você está assustando ele. - pontuou a voz de Jung Hoseok, o possível único impecilho para que Jungkook já não tivesse desferido algum soco ou tapa no mais novo, com todos os seus rosnados e gritos.

- Me acalmar? Você não viu o que eu presenciei, Hobi. Jimin estava praticamente rebolando na cara do alfa com essa roupa chamativa. Uma digna vadia! - bradou chamando a atenção de alguns presentes que fitaram a situação como perfeitos curiosos.

E não seria pra menos, visto que Jeon prosseguiu ditando várias palavras ofensivas ao namorado, que chorou copiosamente encolhido no balcão e num súbito ímpeto, se levantou, pronto para se afastar, mas...

- Onde pensa que vai? - apergunta veio ácida, seguida por um aperto possessivo no braço alheio.

- Talvez p-para um bordel, já que s-sou uma vadia. - redarguiu o mais baixo com amargura e certo deboche. Ele sabia que Jeon odiava afrontas e com essa simples provocação, o olhar do outro se encheu de fúria.

- Oras, seu... - antes que a mão erguida em punho pudesse alcançar o rosto delicado num violento agressão, que nem mesmo os dois amigos de Jeon poderiam impedir pela distância que estavam, um milagre aconteceu.

Jimin esperou pelo baque em sua face, mas este não veio e ao contrário disso, o braço antes fazendo pressão no seu se afrouxou e um rosnado soou, mas não provindo do moreno e sim... um alfa lúpus. Era alto como Jungkook, feições muito sérias e bonitas, além do cheiro diferenciado pela classe rara e... ele havia salvo Park de um hematoma doloroso.

- Não toque nesse ômega. - a voz grave refutou ao indignado Jeon, que bruscamente agarrou-se mais ao companheiro, como gesto territorial.

- E quem é você pra se meter com isso? - rebateu irado, duelando as orbes com as do estranho que sorriu ladino.

- Quem eu sou não te interessa, o que faço aqui é te advertir da sua estupidez. Solte-o. - exigiu carrancudo e com um resquício de cinismo também. Estava evidente que queria provocar também e... conseguiu.

Num movimento deveras brusco, o corpo esguio do ômega foi solto e jogado para o lado, caindo diretamente nos braços de Namjoon e Hoseok que lhe acolheram preocupados. As outras pessoas também pareciam muito entretidas no que acontecia e até mesmo a melodia eletrônica já havia cessado. Não tardaria à chegar os seguranças e expulsá-los.

Mas antes que essa solução pudesse apareceu à tempo, os alfas já haviam se atracado numa feroz briga, com chutes, socos e sangue aparecendo nas expressões franzidas em puro ódio de Jeon e de contentamento e ousadia do desconhecido, este que era um tanto mais forte nos golpes que o namorado ciumento, dada a sua natureza lupina de dominância.

E se os amigos do alfa já estavam aflitos com tudo ocorrendo diante deles, sem sequer poderem interferir sem quebrar um nariz, o pobre Jimin estava atônito, chorando em desespero pela confusão que se desenrolava por sua causa. Mas como se fosse um bálsamo, os seguranças apareceram, apartando tudo e sendo ajudados por Kim e Jung.

- Pára com isso, Jungkook. - repreendeu o mais velho dos três, que havia segurado o Jeon consigo. Já do outro lado do bar, estava Hoseok, com o rapaz de voz grossa que apenas negou algo com a cabeça e se afastou.

- Imbecil maldito. Se está defendendo tanto esse ômega imundo, fique com ele! Foda-o até não andar mais, não tô nem aí. - disparou o moreno duramente.

- Já chega, cala essa boca! - broncou a voz de Hoseok dessa vez e então se voltou aos dois homens fortes ali dispostos. - Nós vamos sair. Jimin, tudo bem? - inquiriu ao lúpus que assentiu num silêncio magoado por toda a cena e também humilhação.

Dois anos de relacionamento de repente pareceram-lhe não fazer mais sentido algum. Jeon ssempre se mostrou um desgraçado egocêntrico e explosivo, mas destratá-lo na frente de todos assim foi uma atitude muito mais grave que o amor de Park pudesse suportar. Deveria por um fim em tudo e com isso, já do lado de fora da boate...

- Ele tá bêbado, vou levá-lo pra casa. Namjoon, leve Jimin para casa. - elucidou a voz de Hoseok ao passo que escoltaram o mais novo ainda se debatendo em protestos ofensivos para dentro do carro.

- Não. - Park verbalizou sucinto. - Podem ir com ele, eu vou ficar bem. Pegarei um táxi. - destacou por fim num sorriso forçado.

- Tem certeza? Não é seguro para ômegas. - certificou-se o Kim com desconfiança.

- Vão, eu tenho que agradecer ao cara que me ajudou. Não se preocupem. - salientou para o par de rapazes que pareceu ligeiramente temeroso, mas por fim acataram, se distanciando.

O carro partiu depressa e num suspiro pesaroso, Park fitou o céu de estrelas acima de si. Aquela noite havia destruído por completo suas estruturas e tudo que queria era sumir dali o mais rápido possível, contanto ainda tinha o seu salvador lá dentro com alguns machucados e uma pendência de agradecimento que Jimin daria com gosto.

Jamais imaginou que fosse precisar ser salvo de Jungkook. Apesar de alfa e temperamento forte, o moreno nunca havia tido qualquer exagero como aquele antes, apenas palavras e gelos. Simplesmente doía pensar nas ofensas ouvidas.

E com os devaneios ainda acesos em sua memória, Jimin caminhou em passos vagarosos até o balcão em que avistou o moreno de antes, este com um saco de gelo na testa e a expressão vincada numa notório desconforto.

- Machucou muito? - indagou se sentando no banco ao lado do homem, que assim que o fitou, sorriu ladino, desviando o olhar.

- Sim, mas posso sobreviver. Já apanhei antes, nada demais. - deu de ombros, bebericando um líquido alcoólico de seu copo que o ômega julgou ser forte, dada sua careta.

- Vim te agradecer por... bem, seria eu agora com um roxo na cara, se não fosse você. - sibilou encarando a multidão que dançava dispersa um pouco afastada dali. Parece que a festa voltou à todo o vapor depois da confusão.

- Era seu alfa? - questionou erguendo os ombros após a sentença.

Talvez a definição de "era", se encaixasse com maestria ao que Jimin sentia naquele momento, pois estava mais que claro que não conseguiria perdoar o namorado por sua atitude. Implicar com sua roupa, culpá-lo por um gracejo e agredí-lo, eram motivos mais que convincentes para dar um basta ao que tiveram.

- Não mais. - soltou ríspido e o moreno gargalhou divertido com a visível revolta do mais baixo.

- Está tomando uma sábia decisão. Caras como ele sugam sua energia e só te colocam pra baixo, além das baixarias e seus surtos de "razão" e atos grotescos. Não vai querer que isso aqui se repita, certo?! - viu Park lhe negar em aceno e sorriu, tomando mais um gole da bebida para então levantar-se rumo à saída, antes de deixar as notas do pagamento, contudo...

- Está indo? - o ômega espelhou a ação, se pondo paralelo ao outro, de quem notou ter uma graúda diferença de altura e isso claro, porque eram alfa e ômega, opostos naturais da alcatéia e sociedade, portanto características seguiam o padrão.

- Acho que já tive o suficiente por hoje. - entonou irônico e logo direcionou o olhar ferino ao moreno, que engoliu seco, disfarçando seu rubor ao ser flagrado encarando. Não que de fato fosse a intenção, apenas estava curioso com as madeixas castanhas caindo nos olhos e o aroma amadeirado do estranho. - Ouch! - um grunhido partiu dos lábios alheios ao passo que Jimin percebeu já estarem do lado de fora da boate, com o vento frio batendo e...

- V-você está sangrando, meu Deus! - alarmou o mais baixo vendo o sangramento que maculava a bochecha do alfa.

- Hum, merda... acho que vou precisar de uns pontos. Seu alfa é bom de direita, tenho que dizer. É raro um alfa comum ter tanta força assim. - ciciou com a mão grande sobre o ferimento que ainda vertia rubro, apavorando mais Park, que sem demora agarrou o punho do outro. - Vem, vou chamar um táxi. - findou solícito, entretanto...

- Sabe dirigir? - interrogou para o lúpus que parou não entendendo a pergunta aleatória e quando estava prestes à questionar, uma chave com um logo bonito e um pesado chaveiro foi arremessada para si. - Aqui. Pega meu carro. Mais rápido. - ditou apontando com o queixo o humilde assim automóvel que piscou os faróis após o mesmo acionar o controle na chave.

- Uau! - Jimin ruidou boquiaberto, ao se deparar com a Ferrari vermelha ali disposta no estacionamento. Aquele alfa lúpus deveria ter bons milhões na conta bancária para ter um veículo assim, certo? Bom, isso pouco importava agora, pois Jimin tinha de se apressar e levá-lo à um pronto-socorro.

E com esse objetivo em mente, apressou-se em conduzir-se para dentro daquele belíssimo carro que até tinha cheiro de novo ainda. O banco confortável que se moldava tão perfeitamente com suas costas causou-lhe certo receio por alguns instantes. Temia dirigir e acabar amassando aquela beleza em uma guia que fosse.

- E então? Vamos? - soltou o moreno ao seu lado lhe lançando um sorriso simpático.

- S-sim. - gaguejou miseravelmente ao responder e logo girou a chave na ignição, ouvindo o ronco daquele motor lhe dar as boas-vindas. Até um arrepio conseguiu ter com o pequeno vislumbre da potência e logo fitou o alfa com nariz sangrando. Ele deveria mesmo ser rico, bastava olhar aquele rosto, era bonito e atraente, bem cuidado e agora se atentando, suas roupas não eram nada modestas em elegância.

- O que está fazendo? - não entendeu o mais alto, ao ver as mãozinhas ágeis digitarem algo no próprio celular, que havia tirado do bolso segundos antes.

- É o GPS. Estou procurando o hospital mais próximo. - elucidou compenetrado no pequeno mapa na tela, todavia... - Ei! - de súbito, o aparelho foi tomado de si pelo outro, que apenas tratou de digitar algo e colocá-lo no apoio.

- O endereço da minha casa. - notificou ameno.

- Mas... - Jimin o fitou duvidoso. Que história era aquela de casa? Estava óbvio que precisava ir para um hospital. Que espécie de maluco era aquele lúpus?

- Posso ser sincero com você? - entonou ao mais baixo que acenou em positivo, vendo o outro suspirar pesado e sorrir curto. - É que... eu sou um alfa lúpus como pode ver. Não acho que seria muito legal ir para um hospital com esses hematomas. É meio... vergonhoso, entende? - tentou convencer com o desconforto evidente perante os olhos castanhos em si o analisando. - Aish, eu... desculpe. Você deve pensar que sou um pervertido, que só está inventando isso pra te levar pra minha casa, né? Tudo bem, podemos ir ao... - sua fala foi interrompida.

- Não, eu entendo. - emplacou o ômega com um sorriso fechado. - É que... acho que estou escaldado pelo que... aconteceu à pouco. - detalhou sem jeito.

- Bom, se serve de algo... fique com isso. - indicou retirando do casaco um frasco. - É spray de pimenta, para o caso de não se sentir seguro ou se eu fizer ou falar algo que te deixe chateado. - finalizou num adorável sorriso quadrado que só agora Jimin havia reparado. Haviam muitos detalhes naquele alfa e droga... o rapaz não podia confiar tanto, mesmo que ele parecesse ser um cara gentil e que lhe ajudou. E justamente quando espantava de si aqueles divagos indevidos, um objeto polêmico foi avistado por si, bem dentro do casaco do moreno, mas que era visível.

- I-isso... isso é-é...? - aponta o dedo trêmulo para o interior da roupa do alfa e imediatamente sua reação é tentar destravar as portas e correr dali, mas...

- Espera, calma! - pediu o alfa segurando-lhe pelo braço antes que pudesse sair. - Não é o que parece. Eu... era policial. - explicou firme e o temor de antes foi se dissipando no mais baixo, que se permitiu respirar em alívio, recostando no assento, no entanto...

- Era? - repetiu incerto.

- Deixei de ser, fui afastado. - detalhou pensativo e o assunto parecia ser complicado para o mesmo.

- Por que? - se arriscou em perguntar Jimin, mesmo correndo o grande risco de ser respondido com um "não te interessa" ou levar um tiro mesmo, porém...

- Você não vai querer saber e… acho que estou sujando tudo de sangue por aqui. - segredou numa risada tímida e Park logo se atentou que de fato, o moreno ainda jorrava seu sangue do ferimento, mesmo que com menor intensidade.

- Omo! Desculpe. - numa sequência de atos alvoroçados e sem familiaridade com a máquina, Jimin arrancou o carro cantando pneus e dando dois trancos que causaram os risos do outro e nisso... - Desculpa de novo, ãn...? - fitou o moreno que lhe sorriu entendendo que queria saber seu nome.

- Kim Taehyung. - volveu tranquilo.

- Prazer, Park Jimin. - respondeu encarando o outro num sorriso amistoso, mas que foi atrapalhado por uma buzina frenética quando tirou os olhos da pista, causando uma nova onda de risos ao Kim, que não pareceu ligar para a série de desastres feito pelo percurso até sua casa.


***


Notas Finais:


E aí, gostou? Se sim, comente aqui embaixo :3 Ficarei feliz em responder.

Bom, venho deixar uma observação importante:
A próxima atualização será o mais breve possível, porém estarei dando prioridade à outras fanfics já postadas e por isso, esta história ficará em hiatus.
Mas não se preocupe, eu logo estarei de volta, conto com sua compreensão.

Um beijo e até mais!

25 de Maio de 2021 às 00:36 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo O Mocinho que Virou Vilão

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 45 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!