sweetie_lovejikook Moon

Jeon Jungkook um híbrido de lobo Alfa com instintos dominantes e fortes feromônios. Seu corpo enorme e robusto era de assustar qualquer um. Menos á Park Jimin, um adorável híbrido de ovelha. Uma presa suculenta e perfeita. Mas, e se o predador começasse a criar sentimentos por sua própria presa? Park Jimin+Jeon Jungkook • Romance Híbrido, +18.


Fanfiction Seriados/Doramas/Novelas Para maiores de 18 apenas.

#abo #mpreg #yaoi #gay #Jikook
36
3.0mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 10 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

01: Predador [💋]

• Sejam bem-vindos à Instintos de Predador, boa leitura, xuxus! 🐦


Um intenso predador, facilmente levado pelos instintos de um lobo alfa. Todos o encaram com pudor. Os feromônios emanados pelo corpo exageradamente robusto eram intensos e altamente alarmantes para qualquer ômega que estivesse à quilômetros de distância. Entretanto, apesar do cheiro irresistível de seu lobo seu tamanho era de assustar qualquer ômega, inclusive os de sua própria espécie. Seus cabelos eram naturalmente negros e sedosos, com um comprimento mediano, chegando quase ao fim das maçãs de sua esplêndida e bonita face. Íris negras, intensas e brilhosas. Os lábios róseos e finos, também soavam extremamente atraentes. Sua derme era branquinha e macia. E no forte abdômen e braço direito, tatuagens espalhavam-se, deixando seu corpo ainda mais fascinante. Este era Jeon Jungkook, aos 22 anos. Considerado um lobo horripilante, incapaz de viver em harmonia com os demais híbridos. E tal denominação obviamente o magoou, transformando-o numa verdadeira fera, as enormes presas extremamente afiadas amedrontava qualquer um, fazendo com que muitos preferisse manter a distância. Mas, as enormes presas e rosnados abrangentes, na verdade, escondiam um coração em pedaços.

— Jeongguk-ssi, anime-se!

— Eu não quero ficar dando trabalho á ninguém, hyung. Só estamos indo embora porque ninguém me quer aqui.

— Somos uma família, Jungkook. Se um está com problemas, todos nos ajudamos. Sabe que o papai só quer te ver bem. — O mais velho ditou de forma serena.

O moreno apenas negou com a cabeça, o olhar vago. Sentia-se culpado. Seu pai acabou comprando um casa em uma cidade mais distante, apenas para que Jeon tivesse uma oportunidade de viver e ser feliz.

— Pense bem, Kook, você terá a chance de conhecer um ômega, amoroso e gentil. E com sorte, podem até se casar. — Um sorriso sereno serpenteou pelos lábios alheios, fazendo com que os olhos do lobo se fechassem quase que por inteiro e adoráveis covinhas se fizessem presente em seu bonito rosto.

— Joonie, não fique me dando falsas esperanças. Sabe que todos os ômegas fogem de mim. — Respondeu-lhe convicto. A voz soou fria e carregada de mágoas. Jungkook estava cansado de ficar sozinho, sem amigos, sem alguém que gostasse verdadeiramente de si. Apenas podia contar com seu irmão mais velho, Kim Namjoon.

— Sabe que não estou te dando falsas esperanças, Jeongguk-ssi. Você vai ter a chance de voltar para o colégio, fazer novos amigos e talvez conhecer alguém que queira passar o resto da vida junto com você. — Disse, com simplicidade e preocupação. Não gostava de ver o irmão daquela forma, isolado. — Relaxe um pouco. Sairemos amanhã cedo. — Disse, olhando para Jungkook uma última vez, direcionando-se à porta do quarto. — Durma bem. — E então, ele saiu.

No outro dia de manhã, Jungkook ajudou o irmão a colocar algumas das poucas malas que ainda restavam em seu carro, preparando-se para partirem.

— Céus, meu filho, onde está seu casaco? — Ao retornar para dentro de casa uma última vez, Dong-sun, o pai ômega de Jungkook questionou, aproximando-se do filho transbordando preocupação e instintos paternos. — Seu rostinho está tão frio. Ande, vá pegar um casaco grosso, vá, vá! — Pediu, dando uma última conferida no filho.

Desde cedo, Jungkook teve que aprender a lidar com seus problemas sozinho e amadurecer mais rápido. Após Dong-sun descobrir que estava esperando Jungkook, fôra deixado pelo companheiro alfa, sozinho, com dois filhotes para criar. Mas, Namjoon e Jungkook não conseguiam alegar que não tinham um pai alfa; Dong-sun era um ômega forte e valente, cumpriu os dois papéis, cuidando de sua família sozinho. O homem foi embora antes mesmo de seu segundo filho nascer, para que pudesse ao menos assumi-lo. O ômega não aguentava mais ver seu filhote mais novo sofrendo. Estava cansado de ouvir todos falando como seu pequeno garotinho semelhava-se à uma fera horripilante, e que era um descontrolado. Eles machucaram e quebraram o coração de seu pobre Jungkook. Foi assim que o pai do alfa acabou retirando-o do colégio, impedindo que o mesmo concluísse o ensino médio, porque ele passou a chegar em casa todos os dias chorando, porque apontavam para ele, implicavam e o excluíam de todas as atividades. E aos dezesseis anos, teve sua primeira transformação na escola, acabando por deixar um garoto em estado grave com uma mordida quase que fatal. Dong-sun apenas deseja um dia receber seu Jungkook em casa depois de um dia cheio de trabalho e ouvir sobre como estava apaixonado por alguém, ou que em breve o daria netinhos. O ômega era capaz de tudo para ver um sorriso no rosto de seu filhote, até mesmo daria sua vida se necessário.

O resto da mudança seria feita nos próximos dias, restavam poucas coisas para serem levadas para a nova casa.

— Filhote, adivinha só! — O ômega ditou, animado. Seu sorriso atingiu Jungkook, fazendo-o dar atenção ao pai. — Eu te matriculei em um dos melhores colégios de Busan, já resolvi tudo. Você começará amanhã mesmo! — A alegria do Dong-sun quase não lhe cabia no peito.

— Eu não quero ir à escola.

— Filho, por favor...

— Appa, eu já disse que não quero ir. — Seus olhos vazios desviaram do ômega, direcionando-os para a janela, observando sem muito interesse as casas e árvores passaram com rapidez diante de seus olhos.

— Eu achei que seria bom para você retornar à escola, por isso te matriculei, filho. Para que termine os estudos, e faça amigos. — O peito de Jeon se apertou ao ouvir a voz do pai tão reprimida e chateada. Não queria vê-lo daquela forma. Por isso, mais uma vez se culpava. — Mas, se você realmente não se sentir confortável com isso, vou procurar te entender, meu filho...

O moreno apenas balançou a cabeça levemente, com o olhar ainda perdido. Talvez, não se sentisse pronto para enfrentar tudo outra vez. Ainda estava muito chateado e sentia medo de tudo acabar piorando.

Namjoon dirigia com calma, pararam algumas vezes para descansar e comerem algo. E quando chegaram em frente a nova casa, já era fim de tarde. O céu estava num tom alaranjado bonito, com pequenos rastros dos raios de Sol já sumindo pela imensidão do céu.

— Tudo bem, appa. Entre e vá descansar, Jungkook e eu levamos o resto das coisas para dentro. — Namjoon murmurou. E sem conseguir lutar contra o cansaço, o ômega apenas concordou, destrancando as portas e entrando.

— Aqui é lindo, não é? — Após observar o pai adentrar em casa, o mais velho perguntou, serenamente. Ele e Jungkook apenas encararam-se por breves segundos, mas, nada foi proferido pelo mesmo.

A rua parecia calma. Em frente a casa, havia uma pequena varanda de aparência aconchegante, um pequeno jardim a frente deixava um leve aroma da natureza recepcionar os novos moradores. As paredes brancas transparecia uma paz incomum, pequenos e poucos degraus na varanda dava acesso a porta principal.

Jungkook pegou duas malas e entrou, deixando-as na sala, que já se encontrava totalmente decorada, com um ar reconfortante. Seu pai cuidou de tudo há semanas para poderem permanecer quando tudo já estivesse em ordem dentro da pequena casa.

— Bom, cada um terá seu quarto. Subam e escolham com qual vão ficar. — Dong-sun anunciou ao notar todas as malas já dentro de casa. — Tomem banho e desçam para jantar. Como estamos todos cansados, pedirei uma pizza. — Concluiu, com um sorriso pequeno habitando seus lábios.

Nenhuma conversa se estendeu, apesar do ômega insistir em puxar algum assunto na hora da janta, o silêncio de Jungkook deixou o clima cabisbaixo, e após tentativas falhas de tentar faze-lo se distrair um pouco, todos ficaram quietos. Segundos após deixar o prato na pia, o moreno anunciou que já iria dormir. Mas, seu pai não o deixou subir antes de um beijinho de boa noite. Algumas coisas simplesmente nunca mudariam.

— Kook-ssi. — Ao sair do banheiro depois de escovar os dentes, sentindo o forte aroma do irmão mais velho e sua presença no cômodo de seu quarto, Jungkook lhe ouviu dizer seu apelido de forma paciente. — Pense bem sobre voltar ao colégio. E se decidir mudar de idéia, te levarei á aula de manhã cedo. Boa noite. — Desejou, assim saindo do quarto. Deixando um Jungkook pensativo.

O alfa que trajava tecidos inteiramente negros apenas calçou um par de tênis qualquer, saindo discretamente da casa. Decidido a adentrar no bosque que lhe chamou a atenção, este que se encontrava um pouco mais atrás de sua nova casa. Havia o visto mais cedo, ainda dentro do carro. Precisava respirar.

Péssima idéia. Talvez...

Assim que seus pés adentraram o bosque, algo bagunçou sua mente, desestruturando a sanidade de seu lobo interno. Melhor dizendo, um forte aroma. O cheiro se estendia no ar, harmonizando-o. Era doce e irresistível. As pupilas de Jeon dilataram, e suas pálpebras pesaram por breves instantes o forçando a fechar os olhos, no intuito de farejar com precisão e curiosidade aquela criatura. Era um ômega. Porventura, parecia ser diferente, podia senti-lo a uma enorme distância, sem sequer se esforçar, com excitação e fome. O corpo robusto vibrou. Só pelo cheiro, parecia suculento.

Sua derme formigou, e um calor inevitável tomou todo seu corpo. Seus pés foram lhe guiando cada vez mais depressa por um caminho incerto para o alfa, mas certeiro e preciso para seu animal interno. Alguns minutos foram necessários para avistar entras as folhas, uma criatura pequena sentada sobre uma pedra, de frente para um lago.

Um rosnando baixo fugiu de sua garganta, e seu instinto animal destruiu naquele instante, qualquer resquício de racionalidade ainda presente em seu corpo. Só queria avançar na criatura frágil e desprotegida, alí, sozinha.

O aroma tão mais específico de perto, denunciou sua linhagem: Híbrido de ovelha ômega. A presa perfeita. O lobo alfa estreitou os olhos, preparando-se para avançar no pequeno híbrido. Seu último resquício de controle se dissipou, e então os pelos de seu corpo se arrepiaram.

De repente, o corpo pequeno mexeu-se de forma atenta e rápida ao notar os fortes feromônios do predador se espalhando pelo ar, notando estar sendo marcado para ser a próxima presa. Então, os pés delicados começaram a correr, sem sequer olhar para trás. O peito subindo e descendo de forma irregular e intensa, enquanto sua respiração saía de forma árdua. Mas, sequer teve tempo de sair do bosque, foi agarrado com extrema força, caindo no chão, sentindo um enorme corpo sobre o seu. Era tão grande que por um momento, o ômega sentiu que fosse ser devorado de uma vez só. Por isso, no segundo seguinte se encolheu como pode, fechando os olhinhos com força, já esperando o pior. Sem negar seu trágico destino. Mas, nada lhe aconteceu. E isso o encorajou a abrir os olhos e encarar seu possível predador.

As íris de Jungkook voltavam ao normal, enquanto ainda ofegava sobre o pequeno corpo. Suas grandes mãos encontravam-se posicionadas uma de cada lado da face, que estranhamente, desejou tanto ver. E só naquele instante, o moreno percebeu que havia caído em uma armadilha de seu próprio animal interno.

E então, o pênis do alfa pulsou repetidas vezes dentro da calça, começando a aumentar de tamanho numa rapidez absurda. O ômega tinha a face tão esplêndida e bonita, semelhava-se a um verdadeiro anjo. Os olhinhos brilhantes expressando o medo e esperança que sentia em demasia naquele momento tão tenso. Enquanto os lábios carnudos e avermelhados encontravam-se entreabertos, atraindo o olhar de Jungkook, enquanto lufadas de ar abandonavam a boca tão chamativa, ainda tentando recuperar o fôlego. O forte aroma ainda o enlouquecendo, fazendo com que sua derme fervesse cada vez mais em excitação e seu membro duro viesse a pulsar dolorosamente. A imagem do ômega parecia tão obscena e satisfatória, que Jeon jurou sentir o gozo se expelindo lentamente por sua uretra sem esforço algum.

As mechinhas douradas agora encontravam-se bagunçadas e caídas em alguns pontos do rostinho angelical do outro. Fazendo com que o alfa apenas quisesse observa-lo mais e mais. Sentia-se estranhamente estático, paralisado com tamanha beleza do ômega. Talvez enfeitiçado.

A escuridão da noite impedia que o híbrido de ovelha identificasse o rosto do enorme homem em cima de si, juntamente de suas mexas escuras e medianas dos cabelos. O coração batia loucamente dentro do peito do loiro, parecendo que pararia a qualquer instante sobre o olhar aparentemente obscuro do alfa. Diferente do mesmo, que tinha uma visão privilegiada e aprimorada de seu rosto com a iluminação da lua.

Notando a calmaria envolto de si, o enorme lobo sentiu uma timidez absurda tomar-lhe. De repente, só queria poder fugir e se esconder em um lugar que o garoto abaixo de si nunca mais pudesse encontrá-lo. Seu lobo interno o encorajou, mas ao colidir com o pequeno corpo, seu instinto predatório pareceu nunca ter existido, dando espaço inteiramente para Jeon Jungkook, que apesar de todo tamanho era tímido.

Sequer teve coragem de perguntar se o ômega estava bem, saindo correndo do mesmo. O coração batendo tão rapidamente, que parecia que a qualquer minuto fosse atravessar o peito do outro e fugir por si próprio. Apenas conseguindo reproduzir a imagem do bonito rosto do loiro em sua mente bagunçada e confusa, se perguntando que sensação avassaladora era aquela, tentando chegar em casa o mais rápido possível.

Ao fazer isso, trancou-se no quarto e jogou o corpo quente sobre a cama, tentando pensar em diversas coisas broxantes, no entanto, falhando miseravelmente ao que sua própria mente insistia em continuar pensando perdidamente no garoto. Naquele instante, tornando-se uma presa fácil, a mercê daquela estranha sensação em seu corpo, nunca sentida por si antes. O cheiro doce e agradável do baixinho estava impregnado em suas roupas, fazendo com que a cada segundo, pensasse cada vez mais no híbrido pequeno e loirinho até adormecer.

17 de Maio de 2021 às 15:59 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo 02: Ômega [💋]

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 15 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!