alyssamorningstar Alyssa Morningstar

Determinado a parar Thanos matando-o antes que ele colete todas as pedras, Tony viaja de volta no tempo e procura a única pessoa que pode ajudá-lo: Dr. Stephen Strange. Faltando menos de uma semana para as naves de Thanos aterrissarem na Terra, Tony e Strange formam uma aliança - e, talvez, comecem a se apaixonar.


Fanfiction Filmes Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#MantodeLevitçãoProtetor #ProtetorStephenStrange #TonyStarktemPTSD #ptsd #Ataquesdepânico #Tonyprecisadeumabraço #viagemnotempo #DoisMantosdeLevitação #DoisTonys #ironstrange
2
1.0mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Sábados
tempo de leitura
AA Compartilhar

Chapter 1

Fazia cinco meses, vinte e quatro dias, oito horas e vinte e nove minutos desde que Thanos estalou os dedos e 50% do universo foi quebrado.

Nesse curto espaço de tempo, Tony Stark tinha certeza de que envelhecera vinte anos. Foi quase engraçado, de certa forma. Ele podia se lembrar de como sua ansiedade e depressão estavam fora de controle antes de Thanos. Tudo parecia fácil de lidar em comparação com a vida agora. Não se passava um dia em que Tony não conhecesse alguém que o culpasse pelo que havia acontecido; a dor estava por toda parte ao seu redor e dentro dele, apodrecendo em seu coração, engolindo-o inteiro.

Ele se recostou na cadeira, esfregando as mãos nos olhos cansados. Ele se acostumou com a dor de cabeça maçante que pulsava na parte de trás de sua cabeça. Lentamente, sabendo que era melhor não se mover muito rápido para não ficar tonto, ele olhou para seus companheiros. Bruce, Shuri, Nebula e Jane pareciam tão cansados ​​e exaustos quanto Tony se sentia, mas pela primeira vez em semanas, Tony pôde ver uma centelha de esperança em seus olhos. Ele olhou de volta para o que eles estavam trabalhando desde a batalha com Thanos. O pequeno relógio parecia tão inócuo.

-O que você acha? – Ele perguntou, sua voz soando excessivamente alta na sala silenciosa. - Quem deve voltar?

Embora fosse a pergunta óbvia, ninguém a havia feito até agora. Tony odiava ser o único a criar o elefante na sala, mas agora que eles descobriram a viagem no tempo - viagem no tempo! - eles tiveram que eleger alguém para usá-lo. Entre a escassez de materiais (alguns dos quais Nebula teve que ir ao espaço para encontrar), o quão perigoso era trabalhar com eles e a quantidade de trabalho delicado envolvido, eles tinham apenas um relógio. Isso significava que apenas uma pessoa era capaz de voltar. Eles literalmente tiveram que colocar todos os ovos na mesma cesta.

-Thor? – Jane arriscou. Foi uma sugestão lógica. Com o Stormbreaker ao seu lado, os poderes de Thor cresceram exponencialmente. Tony começou a acenar com a cabeça, mas Shuri já estava balançando a cabeça.

-Isso não é uma boa ideia. Nós sabemos o quão instável esta tecnologia é e os poderes de Thor são uma variável imprevisível. Ele pode acabar em qualquer lugar. Ou ele pode quebrá-la completamente. – Shuri parecia muito pequena, aninhada em si mesma com os braços frouxamente em volta da cintura. Tony não a conhecia antes da morte de T'Challa, mas ele ouviu que ela se tornou uma pessoa completamente diferente.

Todos eles tinham.

Bruce colocou a mão em seu ombro. -Shuri está certo. Tem que ser outra pessoa. Steve?

Algo no coração de Tony se torceu, mas ele não conseguia encontrar palavras para argumentar, embora sentisse fortemente que Steve não era a escolha certa para isso. Não se podia confiar em Steve para tomar decisões claras quando se tratava de Bucky Barnes. E desde que Bucky havia desaparecido, Steve havia voltado ao homem frio e afiado que era quando saiu do gelo pela primeira vez. No fundo de sua cabeça, Tony imaginou um novo futuro em que Steve sacrificou todos os outros pelo bem de Bucky e não pôde deixar de estremecer.

-Não. Deve ser Tony. – Disse Nebula.

Tony se virou para ela, surpreso. -O que?! – Ele exclamou. A capa se agitou ao som de sua voz, ondulando em seus ombros como se tivesse sido soprada por um vento invisível. Bruce olhou para ela com cautela enquanto ela envolvia a parte superior do corpo de Tony em uma pantomima de um abraço.

-De nós cinco, você é o melhor guerreiro. Com sua armadura, você é mais forte do que eu. – Disse Nebula. Pareceu doer para ela admitir, mas ela seguiu em frente. -Você também tem mais conexões na Terra, além de Bruce, mas você não tem os mesmos problemas em batalha que ele. Não conheço Steve. Não me sinto confortável em dar a ele a tecnologia que trabalhamos, então difícil para.

-Ele é o Capitão América. – Disse Bruce, como se isso significasse alguma coisa, e talvez antes tivesse. Mas o mundo mudou enquanto Bruce estava fora. Tony não se incomodou em informá-lo. Não achou que Bruce se importaria. Além disso, toda a "guerra civil" parecia tão distante e distante agora. Centenas de rostos preenchiam seus dias, e a cada manhã vinha a descoberta de uma nova pessoa que havia se perdido. Não apenas Peter e Strange e os Guardiões, mas Pepper e metade do conselho das Indústrias Stark e o novo assistente pessoal de Tony e aquele barista que fazia seu café perfeito e seu alfaiate favorito. Você pensaria que depois de um tempo a dor deixaria de ser tão aguda e recente, mas nunca diminuía.

Nebula olhou por baixo do nariz. -O que isso significa para mim? Eu não sou de seu planeta. Ele não nos ajudou. Tony despejou tudo nisso. Meu voto é para ele.

-O meu também. – Disse Jane. Tony piscou para ela estupidamente.

-E o meu. – Shuri disse com um aceno de cabeça.

Bruce encolheu os ombros. -Funciona para mim. – Ele tentou sorrir, mas era como se tivesse esquecido como.

Tony olhou para eles com espanto. -Você quer que eu vá? Mas ...

-Faz sentido. – Disse Nebula. Ela pegou o relógio e o entregou a ele. Embora não pesasse mais do que um relógio de pulso normal, era impossivelmente pesado na mão de Tony. Ele olhou de rosto em rosto, tentando ver até mesmo uma sugestão de dúvida. Notavelmente, não havia nenhum. Jane, que era uma casca de si mesma desde que perdeu Darcy, encontrou os olhos de Tony com confiança e assentiu.

-Você pode fazer isso. – Disse ela.

-Tudo bem. – Disse Tony. Parecia outra pessoa falando. -OK. – Sua mão esquerda tremia um pouco quando ele tocou a adaga pendurada ao lado do corpo. Thor havia desaparecido por dois meses após Thanos. Quando ele voltou cerca de cinco semanas depois, ele trouxe presentes para dois dos Vingadores: uma adaga para Tony e uma espada para Steve. Thor disse a eles que as armas eram feitas de Uru, um metal divino. Normalmente, tal coisa nunca teria sido dada a um mortal, mas Thor parecia pensar que era importante que os Vingadores carregassem mais de uma arma que poderia derrotar Thanos. Por que ele escolheu dar uma arma a Tony e não, digamos, Bruce ou Natasha ou Sam não era uma pergunta que Tony teve a coragem de fazer.

-Você deve ir agora. – Shuri disse suavemente. -Antes que alguém descubra. Não quero que eles tentem nos impedir.

-Há uma boa chance de todos vocês deixarem de existir assim que eu chegar no presente. – Tony apontou. Por um momento, ele desejou ter sido capaz de construir mais dispositivos. Ele teria apreciado a companhia de Nebula, ou mesmo a de Jane. Ambos tinham a cabeça fria e Nebula era um lutador extremamente competente. Mas simplesmente não havia material suficiente. Nebula havia dito a eles que fazer mais levaria meses, talvez até anos, de busca, e nenhum deles queria esperar tanto tempo.

-Bom. – Jane disse categoricamente. -Espero que sim. Espero que todo este mundo miserável desapareça e seja pavimentado com as mudanças que você fizer. – Os outros concordaram com a cabeça e Tony não poderia culpá-los.

-Tudo bem. Eu farei isso. – Disse Tony, surpreendendo-se com a súbita onda de determinação que o percorreu. Ele tinha a capa, a adaga e o reator de arco que abrigava os nanobots e, portanto, sua armadura. Ele estava tão pronto quanto poderia.

-Seis meses, lembre-se. – Disse Bruce. Ele parecia preocupado, mas Bruce sempre parecia preocupado agora. -Isso é o mais longe que você pode ir.

-Seis meses. Isso ainda é um pouco menos de uma semana antes que Thanos chegue. É tempo suficiente. – Disse Tony, esperando que soasse mais confiante do que realmente se sentia. Mais uma vez, ele se arrependeu: mais materiais e mais tempo significavam que ele poderia viajar mais para trás. Ele esperou um segundo para desejar ter voltado para antes da "guerra civil", ou mesmo antes de Ultron. Teria dado a eles mais tempo para se preparar.

Mas se uma semana fosse tudo que eles tivessem, Tony faria isso.

Ele pegou o relógio e prendeu-o no pulso. "Assistir" não era realmente uma descrição justa: a face branca estava em branco, com um ponto preto no meio. Abaixo do rosto havia um trabalho intrincado de tecnologia humana e alienígena que os cinco trabalharam longa e arduamente para fundir em um dispositivo de viagem no tempo funcional. Eles não se preocuparam em calibrá-lo por um tempo específico; não havia sentido em voltar depois que Thanos estalou os dedos e destruiu metade do mundo. A nebulosa havia dito que seis meses era o máximo e, portanto, seis meses era o que seria.

Antes de apertar o botão, ele olhou ao redor. -Se eu morrer, cuide de SEXTA-FEIRA e dos meus 'bots, ok?

-Nós vamos. – Disse Jane. Seus olhos estavam cheios de lágrimas.

Tony olhou fixamente, tentando fazer seu cérebro exausto memorizar seus rostos, e então acenou com a cabeça uma vez. Ele apertou o botão. O mundo explodiu ao seu redor. A maneira mais próxima que ele poderia descrever é que alguém mudou de canal. Num momento ele estava de pé nas entranhas do palácio de Wakanda e no momento seguinte ele estava na cidade de Nova York. Ele cambaleou com a mudança inesperada e caiu com força sobre um joelho, sentindo-se terrivelmente fraco, manchas pretas dançando na frente de seus olhos e seu pulso queimando algo horrível.

Provavelmente demorou uns bons quatro ou cinco minutos antes que Tony parasse de sentir que ia desmaiar ou vomitar. Ele respirou superficialmente enquanto levantava lentamente a cabeça, percebendo que os espectadores se afastavam dele como se ele fosse uma bóia no meio de um desfile de barcos. Nem uma única pessoa olhou para ele. Tony ficou bastante grato pelo anonimato. Independentemente de que dia fosse, a última coisa que ele precisava era de alguém notando Tony Stark no meio da calçada. A última vez que isso aconteceu, ele mal escapou de uma multidão furiosa.

Ele lentamente se levantou e cambaleou para fora da calçada, cambaleando em um beco onde poderia encostar as costas em uma parede de tijolos e apenas respirar. Suas mãos tremiam muito e ele podia se ouvir ofegando de pânico. A capa o envolveu novamente, apertando-o com tanta força que doeu, mas a restrição era estranhamente reconfortante. Tony deslizou lentamente para o chão e fechou os olhos, concentrando-se na sensação da capa. Ele ainda não sabia como a capa escapou de ser desintegrada junto com Strange, mas Tony ficaria para sempre grato por isso. A capa tinha sido sua companheira constante nos últimos cinco meses e meio, e às vezes ele pensava que o conhecia melhor do que ele mesmo.

Strange. Concentrando seus pensamentos no feiticeiro, Tony pôde se acalmar. Ele respirou fundo várias vezes e finalmente abriu os olhos, olhando para o céu azul acima, antes de olhar para o relógio. Pelo menos isso explicava a sensação de queimação: o relógio explodira e não passava de uma bagunça fumegante. Tony o tirou, estremecendo ao ver a queimadura por baixo. Ele precisaria encontrar algo para tratar isso, mas -

Ele não deveria estar em Nova York, certo? Ninguém disse nada sobre o relógio transportar a localização do usuário ao mesmo tempo. Talvez não tenha funcionado. Talvez eles tenham descoberto o teletransporte em vez de viagem no tempo. Tony reprimiu uma risada histérica e se arrastou para cima, cambaleando de volta para a entrada do beco. O sol estava dolorosamente forte depois de semanas escondido no palácio, mas ele não se importou muito. Ele se juntou à multidão e deixou-se levar, olhando em volta atordoado, até que chegaram a uma nova arquibancada.

Abril de 2018.

Suas pernas quase cederam novamente quando seus olhos se encheram de lágrimas de puro alívio. Tony piscou de volta, olhando para o jornal até que alguém tropeçou nele. Ele caminhou atordoado, a cabeça girando. Eles fizeram isso. Ele não sabia como ou por que estava em Nova York, mas isso realmente não importava. Eles fizeram isso. Eles ainda tinham cinco dias e meio até Thanos coletar todas as Pedras do Infinito e mudar todo o universo para sempre. Cinco dias e meio para se preparar, e maldita seja, dessa vez Tony estaria preparado.

O primeiro passo foi garantir que todos os outros estivessem preparados também. Ele olhou em volta até encontrar um nome de rua que reconheceu vagamente. De lá, ele voltou para o Central Park e depois para o oeste em direção ao "santuário interno" ou como Strange o chamou. A primeira viagem de Tony lá foi por um dos portais laranja brilhante de Strange. Mas sair do santuário e caminhar direto para o ataque de Maw estaria para sempre gravado na mente de Tony. Ele sabia exatamente onde ficava o santuário.

A capa esvoaçava com entusiasmo à medida que Tony se aproximava, o que não era uma coisa ruim, seu poder de levitação estava na verdade ajudando a manter Tony de pé. Ele não estava fora de forma de forma alguma, mas também não dormia há dias e não conseguia se lembrar da última vez que comera ou bebia. Comida e sono pareciam necessidades insignificantes quando sua equipe estava tão perto de descobrir a viagem no tempo. Tony lamentou isso agora, enquanto o suor escorria por suas costas e as manchas pretas voltavam aos olhos. Ele estava ofegante e desejando ter a ousadia de usar um de seus cartões de crédito quando chegasse ao santuário, mas fazê-lo seria o risco de alertar certas pessoas de sua presença antes que estivesse pronto.

Ele cambaleou escada acima. Antes que ele pudesse bater, a capa se enrolou na maçaneta e girou. Tony gaguejou quando a porta se abriu, revelando uma visão que era ao mesmo tempo familiar e não. Ele só tinha visto isso na vida real uma vez, mas tinha sonhado com isso inúmeras vezes. Ele ficou lá por um momento, sem saber se deveria entrar, antes que a capa se cansasse de esperar e voasse, arrastando Tony para dentro. Então, uma vez que ele estava totalmente dentro e fora do caminho da porta, ele bateu e fechou a porta. O som ecoou e Tony congelou.

-Que diabos está fazendo? – Ele assobiou.

-Eu poderia te perguntar a mesma pergunta.

Oh. O coração de Tony disparou enquanto ele se virava lentamente, olhando para as escadas. O Dr. Stephen Strange estava parado ali, vestido com o mesmo uniforme de que Tony se lembrava, capa vermelha em volta dos ombros. Ao contrário de Tony, a capa que Strange usava nunca tinha sido rasgada - ou pelo menos, ainda não tinha sido rasgada. A capa de Tony tinha perdido 1/4 da parte inferior do material durante a luta com Thanos. As bordas irregulares haviam se alisado, mas a capa nunca recuperou o que havia perdido. Foi bom, porque Tony era baixo o suficiente para que a capa se encaixasse perfeitamente nele.

-Strange. – Tony respirou, sentindo-se subitamente trêmulo.

As sobrancelhas de Strange se franziram. -Já nos conhecemos, Sr. Stark?

-Sim. – Disse Tony, e então. -Não. – E então - Deus o ajude - ele riu. Ele não pôde evitar. A risada durou apenas um ou dois momentos antes de Tony perceber que ele não estava rindo; ele estava chorando, soluços profundos e amargos saindo de seu peito e deixando-o sem fôlego. Ele teria caído se a capa não tivesse se erguido acima dele, segurando-o. Os olhos de Strange se voltaram para ele e, mesmo em meio à histeria, Tony viu seus olhos se arregalarem de espanto.

-Como? – Strange sussurrou.

Tony balançou a cabeça e cobriu o rosto, envergonhado e em pânico ao mesmo tempo. Não era para ser assim. Ele sacudiu quando sentiu um toque inesperado, cambaleando para trás e erguendo as mãos defensivamente. A capa o deixou afundar no chão enquanto Strange colocava suas próprias mãos para cima, mostrando que ele não segurava nenhuma arma. O que era ridículo, francamente, porque Tony sabia exatamente de que tipo de dano Strange era capaz. Você não precisava de uma arma quando podia fazer o tipo de coisas que Strange fazia com as mãos.

-Você está tendo um ataque de pânico, Sr. Stark. – Strange disse. Sua voz profunda estava muito calma. -Eu sou um médico. Posso ajudá-lo. – Ele se ajoelhou na frente de Tony.

Não havia espaço para humor com o maelstrom* de emoções girando por ele, mas Tony ainda soltou uma risada amarga. -N-ninguém p-pode. – Ele gaguejou. Ninguém poderia.

Strange franziu a testa e fez menção de se levantar, e de repente Tony percebeu que não suportaria se Strange - essa prova viva de que o mundo não morrera afinal - desaparecesse. Ele cambaleou para frente e passou os braços ao redor de Strange com um soluço desesperado. Foi constrangedor e invasivo, mas Tony simplesmente não conseguiu evitar; ele pressionou o rosto nas vestes de Strange e inalou o cheiro daquela colônia familiar que se agarrou à capa por semanas após o desastre. Tornou-se um cheiro reconfortante e Tony foi esmagado quando finalmente desapareceu. Ele procurou por um longo tempo, mas nunca foi capaz de encontrar.

O pânico frio que o estava sacudindo de dentro para fora diminuiu um pouco seu controle.

-Sr. Stark. – Strange disse, parecendo ao mesmo tempo confuso e estranho.

-Sinto muito. – Tony sussurrou. Lágrimas queimaram seus olhos. -Sinto muito, sinto muito, estou - porra, sinto muito -

Algo tocou sua cabeça. A onda de tristeza e medo foi engolida por uma grande exaustão. Tony caiu no sono e foi como cair em um rio de água fria. Ele não dormia bem há mais de cinco meses. Nenhum deles, não mais: havia uma razão para que eles trabalhassem até tarde da noite, porque somente quando você estava realmente exausto você poderia dormir sem sonhar. E mesmo assim, ele ainda estava propenso a acordar gritando ou engasgando com desculpas que não significavam nada agora.

Desta vez, ele acordou sem fazer barulho. Ele congelou ao perceber que estava deitado em uma cama, a capa estendida sobre ele. Por um momento, a dor em pânico agarrou seu peito e ele pensou que tinha sido apenas um sonho - mas então seus olhos se acostumaram com a escuridão e ele viu que não estava sozinho. Strange estava parado do lado de fora da porta, falando com alguém em um tom baixo demais para ser ouvido. Wong, provavelmente. Tony o havia procurado algumas vezes para fazer perguntas sobre viagem no tempo, mas a informação que Wong havia dado a eles não era confiável, na melhor das hipóteses.

Strange se virou imediatamente quando Tony se sentou, encerrando a conversa, e entrou na sala. Enquanto ele caminhava em direção à cama, seus dedos se moviam. Uma bandeja apareceu no colo de Tony em um spray de faíscas douradas. Mesmo sabendo que eles não o queimariam, o pensamento de queimaduras ainda o fazia olhar instintivamente para o braço. Não doía mais e agora ele viu o porquê. Alguém - provavelmente Strange - limpara enquanto Tony dormia. Seu antebraço, do pulso quase até o cotovelo, agora estava coberto por curativos brancos.

-Isso não era tecnologia humana. – Disse Strange. Era uma maneira estranha de iniciar uma conversa, mas Tony dificilmente se importou.

-Não totalmente. Em parte, era alien, em parte mágico, em parte humano. – Ele se sentiu um pouco mais calmo agora, o suficiente para que pudesse pegar o copo de suco de laranja. Sua mão tremia muito quando ele levou o copo aos lábios e bebeu. O gosto do suco o fez estremecer. A comida e a bebida tinham gosto de papelão por tanto tempo que ele quase se esquecera de como tudo podia ser vibrante.

-Para qual propósito? – Strange perguntou. Ele parecia estar disposto a não julgar, desde que obtivesse as respostas que desejava.

-Era para - minha adaga! – Tony de repente percebeu que sua adaga havia sumido. Ele olhou em volta, frenético. -Não! Eu preciso disso para matar Thanos!

-Quem? – Strange disse.

-Thanos! Ele - ele vai destruir 50% do universo. Ele está atrás das Pedras do Infinito- – Tony estava praticamente hiperventilando. Ele já tinha fodido tudo.

-Eu tenho sua adaga. Eu a coloquei em algum lugar seguro. Se você me contar mais, eu a pego para você.

-Você tem isso? – Tony repetiu.

-Eu tenho.

Isso estava bem. Tony confiava nele para manter a adaga segura. Ele se desenrolou lentamente, tardiamente percebendo que havia virado a bandeja e que havia torradas e suco nos lençóis. –Desculpa...

-Está tudo bem. – Disse Strange suavemente, um olhar ilegível em seus olhos. -Por que você não toma banho? Podemos conversar mais depois.

Um chuveiro. Quando foi a última vez que ele tomou banho? Parecia maravilhoso, mas também significaria deixar Strange. Algo em Tony se recusou a isso. Ele esfregou ansiosamente a capa, sem olhar para o companheiro, mas também sem se mover. Ele não podia deixar de sentir que perder Strange de vista significaria que nada disso realmente aconteceu, e isso seria insuportável.

Strange parecia perceber qual era o problema. -Você pode deixar a porta aberta se quiser. Não vou sair da sala.

Tony hesitou por mais um momento, mas finalmente concordou. -OK.


________________________________________________________


* Maelstrom, moskoëstrom, mælstrøm, mailström ou também moskstraumen é um grande turbilhão de água. Um dos primeiros usos da palavra escandinava se deu no conto "Uma descida ao Maelström", de Edgar Allan Poe. A palavra nórdica tem origem na língua neerlandesa, a partir da palavras "malen" e "stroom".


15 de Maio de 2021 às 19:42 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Chapter 2

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 13 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!