lourocosta Laura Manuelly

Antes do fim da humanidade diversos monstros, aqueles que só encontramos em nossos piores pesadelos, apareceram e se multiplicaram. Tropas foram criadas para combate-los, todavia existia apenas um único caminho para salvar a humanidade: Vampiros. Maravilhosas criaturas, sedentas por sangue, força sobre-humana e com alto nível de inteligência. Confiança, palavra forte de mais para descrever a relação entre humanos e vampiros, eu diria interesses em comum: Eles precisam de nosso sangue e nós? Nós precisamos de proteção, mesmo que sejamos apenas gado para eles.


Pós-apocalíptico Todo o público.

#exercito #vampiros #amizade #traicao #guerra #familia
1
1.2mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Sextas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Morte iminente

Eu caminhava com dificuldade, minha respiração estava falhando e pude sentir o sangue escorrer por meus machucados (muitos deles). Meus olhos, cansados por não dormir a muito tempo, trêmulos me faziam cambalear por entre a estrada cheia de destroços. Antes de perder a consciência pude ouvir duas pessoas se aproximando. Eu acabei caindo de cara no chão, um tanto vergonhoso, eu sei, no entanto meu corpo perdera toda a força que um dia possuiu, nesse momento ja não identificava nenhum ruído ou luz. Estava inconsiente.


°○○°○○°○○°○○°○○°○○°○○°○○°○○°○○°


Senti o ar entrando em meus pulmões e o oxigênio se espalhar por meus membros doloridos, minha cabeça girava (mesmo antes de eu tentar abrir os olhos). Ouvi alguém falar comigo mas não processei o que essa pessoa queria comunicar.

Meus olhos ardiam mas ainda assim eu os forcei a abrir, queria descobri onde estou, quem me resgatou e o porquê. Não que as pessoas não possam ser gentis umas com as outras, mas (na situação que a humanidade se encontra) gastar remédios e ataduras para resgatar e tratar alguém desconhecido não era o mais comum.

— Se acalme, é melhor você ficar deitada, faz alguns dias desde que te encontramos nas redondezas... Seus ferimentos ainda não foram curados totalmente. – Era a voz de um rapaz, não pude observa-lo pois meus olhos ainda não haviam se acostumado a claridade da sala (e talvez porque eles continuavam trêmulos de modo que nada estava parado).

— Qu-Quem... – Tentei formar uma frase mas minha garganta estava seca e as cordas vocais se recusaram a fazer seu trabalho. Nenhum som saiu.

— Se acalme, tudo vai ser explicado, você só precisa se recuperar antes. Descanse e deixe seu corpo se recuperar, durma mais um pouco e, quando você acordar, lhe explicaremos tudo. – Mesmo que eu quisesse, não pude ficar acordada meu corpo decudiu que eu precisava de mais um periodo de tempo até que estivesse forte o suficiente para enfrentar a situação. Meu coração, antes acelerado, foi diminuindo o ritimo e minha respiração também acalmou, mas meu cérebro continuou a trabalhar (incansavelmente) até que eu me recuperasse.


15 de Maio de 2021 às 00:36 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Família, amigos e persistência

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas