diannayara Dianna Yara

Sinopse E, se, talvez, etc… São palavras que podem mudar todo o contexto de uma frase, de um livro, uma série, até mesmo de uma pessoa. Elas têm o poder de em segundos tornar algo melhor, ou, muito, muito pior. São assim na nossa vida, quando penso: E se eu tivesse…. Bom, já passou! Agora se eu continuar seguindo em frente, talvez eu possa construir um futuro onde as minhas suposições se tornem as melhores certezas, e a única que tenho é que se (- olha ela a palavrinha de novo!) não arriscar, nunca terei vivido. 


Romance Romance adulto jovem Impróprio para crianças menores de 13 anos.
0
678 VISUALIZAÇÕES
Em progresso
tempo de leitura
AA Compartilhar

E ses

O Início

Eu corria feito louco para tentar alcançá-la, mas minha vista estava tão embaçada pelas lágrimas, que tropecei e caí de joelhos, apesar de estar de noite fazendo muito calor. Sentei no chão, e me dignei a fitar o céu e permitir que o som das ondas do mar lavasse minha alma junto com as lágrimas que insistiam em cair. Já não ouvia os passos dela correndo. Talvez eu não iria ouvir mais sua voz.

10 meses antes

  • Filho levanta! Primeiro dia, não vá se atrasar!

O sol ainda nem batia no vidro, já eram seis da matina, bendito horário de verão! Levantei meio grogue e me mantive sentado na cama

  • É isso aí Dimitry, primeiro dia de aula. Reclamei mentalmente.
  • Filho, se você não se apressar, você vai de ônibus! gritou minha mãe pela escada.

Okay, aquilo me despertou, não há muito que me assuste, mas o transporte público do Rio de Janeiro era uma das poucas coisas que me causava terror! Levantei da cama em um átimo e fui para o banheiro, assim que olhei pelo espelho, só conseguia pensar o como mudaria a minha cara de derrota do primeiro dia, mas é superável! Certamente teria gente bem pior que eu lá. Enfim, coloquei o uniforme do colégio novo, peguei minha mochila e desci as escadas e fui em direção a cozinha.

  • Pensei que você não ia tomar café, estava demorando tanto!

Bronqueou ela.

  • É a boa vontade de me despedir das férias, mas já estou pronto!

Disse com a cara mais deslavada de todas, escancarando um sorriso enorme. Ela revirou os olhos ,abriu um sorriso, fazendo graça disse:

- Claro né! Primeiro a viagem para França, depois quase morou na praia quando voltou; seu café está aí! O material está todo na mochila?

Ela insistia em garantir que tudo fosse dar certo, mas apesar de fazer toda essa casca grossa ela era uma mantega, minha rainha mantega, a vida não passou a mão na cabeça da minha mãe e por isso ela me dava seu melhor… e eu fazia meu melhor por ela.

  • Sim, a senhora fez eu conferir, tipo umas centenas de vezes.

Disse ainda brincando.

  • Já terminou?
  • Já!
  • Okay, então vamos!

Eu e minha mãe entramos no carro e partimos sentido Botafogo, as ruas começavam a ficar cada vez mais claras, era algo que eu amava e odiava no horário de verão. Amava porque os dias eram mais compridos e eu podia ver o sol nascer e se por; odiava porque de manhã perdia a noção de tempo. Meu colégio de carro era a uns 15 minutos de casa. Assim cheguei com antecedência, aproveitei o tempo que me restava, e fui a uma cafeteria próxima ao Colégio, ela era localizada próxima a avenida principal, então era fácil conseguir as coisas.

Assim que pisei na cafeteria o cheiro dominou meu cérebro, como uma bebida podia cheirar tão bem? Entrei na fila e fiquei aguardando a minha vez

  • Bom dia Dimitry! O mesmo de sempre?

Disse a garçonete sorridente que me conhece desde que comecei com a obsessão por cafeína, Andreia ganhará o emprego um pouco antes de eu entrar pra essa fase.

  • Bom dia Andrea, sim o mesmo de sempre obrigado, capricha no café.
  • O Primeiro dia é hoje?
  • Yes!
  • Humm, entendi. Vou mandar caprichar, aguardarei um pouco.
  • Obrigado!

Andreia é dois anos mais velha que eu; trabalha aqui todas as manhãs, e depois vai pra faculdade, aos poucos por vir aqui todos os dias no mesmo horário, ela passou a entender o que eu sempre pedia e acabou sobrando mais tempo pra conversar aos poucos fomos nos conhecendo e acabamos virando meio que colegas.

  • Pronto!

Ela disse, e veio em minha direção com meu pedido.

  • Obrigado!
  • Disponha e até amanhã!
  • Até...

Saí da cafeteria e voltei para o colégio, o pátio que antes parecia um cemitério, agora estava lotado. Fui entrando procurando onde ficar. Eu moro pelas redondezas há anos, mas minha mãe subiu de cargo no emprego e decidiu em meu último ano do ensino médio me por em um novo colégio alegando que era o melhor da região. Sei que ela quer o melhor pra mim por isso não debati com ela, aceitei de boa, a maioria dos meus amigos moram perto de mim, é fácil manter contato quando se vai dar um mergulho sempre que possível. Já era quase sete horas e parti em busca da sala da direção, eu não conhecia o prédio nem onde ficava os lugares, só lembrava da direção porque precisei trazer meus documentos para fazer minha inscrição com minha mãe, e é o único lugar do colégio que realmente me lembro.

Bati na porta da sala da diretora com cuidado pois era de vidro, ela se virou e assentiu com a cabeça em direção a porta me dando coragem pra entrar, timidamente abri a porta e fiquei em frente a ela. Respirei fundo e comecei:

  • Bom dia, meu nome é Dimitry, sou aluno novo. Ainda não conheço o colégio, estou perdido, gostaria de saber minha turma, onde fica a sala e onde é no mínimo o banheiro pra início.

Ela sorriu e pôs-se de pé, e a única coisa que disse foi:

  • Siga-me.

E assim saímos da sala da diretoria. Atravessamos diversos corredores, quando enfim ela disse toda gentil:

  • Esta é sua turma, vou lhe apresentar a todos e no final de cada corredor tem banheiro e bebedouro, mas lhe aconselho a trazer uma garrafa ou copo, é mais prático!

E assim abriu a porta e ela entrou, mas eu ainda estava um pouco nervoso e fiquei aguardando no corredor enquanto a Diretora falava com a turma.

13 de Maio de 2021 às 06:29 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo O primeiro olhar

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 9 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!