iblackbird BlackBird

[2SHOT. TERMINADA] Namjoon e SeokJin mantêm a anos uma amizade com benefícios, mas essa relação começa a ser abalada quando Jin arruma um novo ficante. Namjoon nunca se sentiu tão estranho na vida, ele jamais havia questionado os outros parceiros de seu hyung antes. Quando foi que tudo mudou? Quando ele passou a reparar ainda mais em seu melhor amigo? Quando ele percebeu que não poderia mais dividir SeokJin com ninguém? Jovens e imaturos... Sim, essas palavras parecem perfeitas.


Ficção adolescente Para maiores de 18 apenas.

#BTS #NamJin #SeokJin #Jin #bangtanboys #Namjoon #bangtan # #rm #rapmonster
5
350 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Parte Um ≠ Ciúmes

⚠️Avisos

🎯Isso aqui não é long fic. Não temos muitos capítulos pra desenvolver detalhadamente o enredo, a história vai ser rápida SIM.

🎯Eu quis retratar dois jovens despreocupados e imaturos (extremamente imaturos) pode sim ter alguma fala controversa e com toda certeza as ações deles não são exemplos pra ninguém.

🎯 A história foi revisada e devidamente betada, porém podem apontar algum erro caso vejam.

🎯 Apesar da minha idéia principal ter sido explorar os dois estilos musicais (rock e rap) seria impossível com apenas dois capítulos, então saibam que a história não foca necessariamente nisso.

🎯 A capa e o banner foram feitos por mim então eu não quis colocar os créditos ou algo assim.

🎯 Se possível, comentem. Eu sou carente droga.


Aproveite a leitura~





[🎸🎙]



— Hyung... — não consigo conter o gemido.


— Cala a boca.


Sua voz ofegante me atinge em cheio enquanto sua mão pesada agarra os meus fios de cabelo, me puxando mais uma vez contra sua boca.

Estamos vestidos, mas isso nunca foi

um problema para nós. Eu gosto da agonia que o tecido da calça escolar me proporciona toda vez que Kim Seokjin rebola no meu colo, e sei que para ele é tão bom quanto.


Na verdade, ele gosta de me ver desesperado para senti-lo. O mais velho já tinha me confessado uma vez que minhas mãos em sua cintura se tornavam mais fortes quando eu

não podia tê-lo ao meu gosto, e por conta desse detalhe, faz de tudo para me tirar do sério.


Como agora, que mal havíamos chegado em minha casa e o Kim já me jogara na cama.


Meu quarto está extremamente bagunçado. A colcha azul da cama jogada no chão e várias das minhas revistas de Hip Hop estão embaralhadas perto do guarda roupa. Nossas meias estão em algum lugar perto da porta, e a minha mini caixa de som desligada em uma

prateleira que enfeita a parede cheia de pichações que eu mesmo fiz.


Minha mão escorrega — sim, eu vou fingir que foi isso mesmo — até sua bunda, apertando o local com mais força do que o necessário, o que me faz ter uma resposta imediata e totalmente vocal vinda de Seokjin.

Ah... Eu adoro isso nele, adoro o quão expressivo ele se torna nesses momentos e como ele faz questão de fazer isso rente aos meus lábios, ou rente ao meu ouvido, sempre sendo precavido em relação ao seu volume para meus pais não ouvirem.


— Tira... Tira pelo menos a blusa, hyung. — peço.


Seu olhar brincalhão encontra o meu, sua mão direita desce pelo meu peito até parar na braguilha da minha calça.


Então com sua voz aveludada e com aquela boca gostosa — que eu já tinha aproveitado de todas as formas possíveis — ele diz:


— E o que eu ganho com isso?


Eu juro que tremi aqui embaixo dele.


Selo nossos lábios sem aprofundar o beijo, para logo depois descer minha trilha para seu pescoço e afastar um pouco a gola do seu uniforme para alcançar outras áreas com minhas

carícias.


O ritmo de seu quadril diminui, indicando que ele realmente está afetado com meus toques.

Então, com o ego completamente inflado, o empurro ficando por cima, entre suas pernas.


— Eu posso encher a sua boca... — sussurro agarrando sua coxa direita para encaixar no meu quadril. — Posso encher ela com o que você gosta... Parece justo, hyung?


Aperto seus mamilos eriçados por cima da blusa social. Tal ação tem como consequência a mão do mais velho sendo mordida pelo mesmo, para abafar seus sons de prazer.

Oh, aquilo era no mínimo torturante. Me pergunto como seria esse momento se meus pais não estivessem no andar de baixo. Ele arquearia as costas e deixaria suas pregas vocais vibrarem na frequência involuntária e única que só ele tem? Ou agarraria os lençóis enquanto se contorce, sem se importar caso a estrutura da cama batesse na parede?


Na verdade, vê-lo mordendo sua pele para abafar gemidos, me lembra a primeira vez que o tive em meus braços, quando estávamos em um acampamento organizado pela escola.

Eu nunca tinha imaginado que poderia ter meu melhor amigo daquela forma até aquele dia, mas depois dele... Não conseguimos parar.


É relaxante e recarrega toda a nossa energia, para depois brigarmos sobre de quem é a vez de escolher a playlist que vamos ouvir enquanto nossas respirações normalizam.

Aprendemos tudo que sabemos juntos: primeira amizade, primeiro beijo, primeira vez... Resumidamente, tudo.

E eu não me arrependo nem um pouco disso.


— Responda, Jin-hyung... — quase ronrono passando meu nariz de leve pela sua bochecha.


Observo atentamente sua mão se afastar de sua boquinha avermelhada, mas antes que possa falar algo um alarme de celular toca, cortando todo o clima sensual.


— Droga! — Seokjin me empurra com tudo me fazendo quase cair da cama. — droga, droga, droga, droga!


Se levanta às pressas procurando seu celular que estava na minha escrivaninha. Após desligar a sirene irritante, ele joga agressivamente o aparelho dentro da sua mochila e a

coloca nas costas enquanto resmunga um "merda" mais uma vez.


— Eu juro que o último cara que eu fiquei teria mais consideração! — falo revirando os olhos e me deitando corretamente na cama. — E olha que o último cara que eu fiquei foi o

Jackson — ergo uma sobrancelha.


Eu estou completamente duro! "Droga" digo eu!


Correndo como um desesperado, Jin abre meu armário e pega uma jaqueta minha para amarrar na cintura e cobrir sua ereção, mas no mesmo momento o paro.


— Essa jaqueta é do Tupac! Você não vai colocar minha jaqueta do Tupac pra cobrir esse pau murcho aí não! — quase grito.


Ninguém toca na minha jaqueta do Tupac!


— Merda, Namjoon! Colabora, caralho. — ele esbraveja jogando a peça de roupa pra dentro do meu guarda roupa novamente e indo até minhas gavetas para as revirar em busca de algo que pudesse disfarçar seu volume.


—"Colabora" — bufo após imitar sua voz de uma maneira mais fina e intencionalmente irritante — Falou o cara que vai me deixar sozinho e duro aqui.


O outro Kim apenas revira os olhos e tira um moletom do meio das minhas coisas. É de fato o maior moletom que eu tenho. Está um sol muito forte, e eu quase dou risada do rapaz o vestindo, já que diferente da jaqueta, ele dificilmente conseguiria disfarçar seu amiguinho

com as mangas leves de algodão balançando conforme andava.


A única opção é vestir.


— Ai ai, ouvi dizer que hoje pode ser um dos dias mais quentes do ano, sabia? — provoco.


— Melhor morrer na rua de insolação do que acharem que eu sou algum tipo de pervertido — diz terminando de vestir a minha roupa.


Sento na cama. Meu olhar percorre todo o seu corpo, desde os cabelos bagunçados até seus pés descalços.


— Mas você é um pervertido, hyung. — mordo os lábios.


— Mas só você e algumas pessoas precisam saber disso, honey — segura meu queixo pra me dar mais um selinho e ir vestir suas meias ao lado da minha cama.


— Vai se encontrar com o Taehyung ou tem ensaio com a banda? — questiono como quem não quer nada.


Todo rockeiro já tentou montar uma banda, com Jin não é diferente. Depois de passar por uns quatro projetos, hoje em dia ele tem uma banda com Jung Hoseok na bateria, Jeon Jungkook na guitarra, Park Sojin no baixo e ele próprio no vocal. Apesar do nome horrível

— Roses on Fire — até que eles tiram um som maneiro, apesar de eu precisar me forçar a dar atenção, já que não é muito meu estilo.


— Taehyung. — sua voz sai ofegante — Talvez hoje eu tenha sorte e termine com ele, o que comecei aqui com você — brinca de maneira sarcástica.


Forço uma curta risada deitando novamente, acomodado nos travesseiros.


Kim Taehyung... Só de ouvir esse nome me dá asco. Eu e o hyung sempre ficamos com outras pessoas, isso não é um problema, mas é realmente estranho para mim ver Jin com alguém por mais de duas semanas. Eles estão se tornando fixos?


Eu não consigo imaginar

Seokjin namorando, isso nunca nem passou pela minha cabeça. No final das contas, eu acabo pegando todos os meus pensamentos confusos e despejando em formato de antipatia para com o menino.


— Ele não vai fazer como eu, hyung. — falo depois de um tempo.


— Claro que ele não vai fazer como você — o mais velho fica de pé, já calçado — Ele vai fazer melhor.


Me sento na cama indignado e pronto para o dar uma resposta bem mal educada, mas na hora que abro a boca ele já saiu do meu quarto.


Suspirando, apenas volto a me aconchegar na cama, sentindo meu membro clamar por atenção.


— Idiota — resmungo abrindo a braguilha da calça.


Tenho que cuidar disso sozinho.



[🎸🎙]



— Não aguento mais o Hoseok — Yoongi revira os olhos sentando no banco que há no pátio da escola.


— Eu nem quero saber o que houve dessa vez — sou direto, sentindo o canudo da latinha de refrigerante em minha mão ser acolhido pela minha boca.


"Wow, esse refrigerante é bom mesmo, lembrar de agradecer ao Jeon por ter indicado", faço uma nota mental.


— Mas o qu-


Ouço a voz do Min e o desgraçado puxa a porra da latinha de vez da minha mão, fazendo até mesmo com que eu me molhe um pouco.


O olho como se ele tivesse saído do hospício e antes que eu o desse um soco na cara, pergunto com a paciência que não tenho:


— Você quer morrer? Enlouqueceu?! — o encaro como alguém prestes a cometer um crime.


— Você que enlouqueceu! Eu tô aqui falando o quanto odeio o imbecil do Jung e você aparece na minha frente bebendo Sprite?! Você me odeia?! — grita.


Bato a mão na testa e puxo de volta a merda do refrigerante, bebendo o líquido como se não quisesse enfiar aquela latinha na garganta do loiro.


— Foi o Jungkook que falou sobre essa porra — me refiro ao refrigerante — Eu lá sabia que o Hoseok bebia isso. — dou de ombros.


— O Jungkook é a merda do namorado dele! — esbraveja o Min — Não podia ter passado isso pela sua cabeça!?


O encaro pelo o que pareceu horas, os sons das conversas paralelas dos outros estudantes parece até ter diminuído enquanto minha mente trabalha. Eu juro que procuro qualquer sinal de que meu amigo tenha sido trocado por um ET, ou qualquer coisa que demonstre que ele

não está em plenas faculdades mentais, pois pra mim aquilo já é um nível de psicopatia e auto-degradação que me faz querer realmente espanca-lo.


Pego nas suas mãos com carinho, deixo o refrigerante ao meu lado e uso minha esquerda para acariciar seu cabelo e tirar alguns fios que me impedem de ver seus olhos.


Tudo isso para sorrir de maneira compreensiva e amorosa para lhe falar:


— Por favor, se jogue da ponte. — fecho a expressão e o empurro de leve para voltar a dar atenção ao meu refrigerante.


Sinto seus tapas em meu ombro, mas não movo um músculo em sua direção.


— Aish! Você não tem nenhum tipo de consideração? Aquele cara está brincando comigo! — acusa.


— Se você quisesse parar isso, já tinha parado - suspiro ao encara-lo — Ele só quer uma resposta, Yoongi. Se decida, você quer ficar com ele e o Jungkook, sim ou não?


O baixinho desvia o olhar de maneira envergonhada. Pode-se ver suas bochechas serem enfeitadas por uma coloração avermelhada e as pontas de seus dedos apertam a calça do

uniforme.


Um "à três", é isso o que o Jung quer com meu parceiro de rap. Já faz três meses que essa proposta surgiu, e faz três meses que Yoongi enrola. Não diz que sim e não diz que não, para no final de tudo ainda surtar pelas investidas de Hoseok. Qual é?! Se não está a fim

diga um não ou bloqueie, qual a dificuldade?


— Rockeiro de merda — Yoongi resmunga.


Não consigo evitar o riso. Me levanto pronto para o deixar sozinho e jogar a latinha — agora vazia — fora. Dou dois tapinhas em seu ombro e respiro fundo.


— É a filosofia deles, meu caro rapper. "Sexo, drogas e Rock n' Roll", é assim que eles vivem.


— Jin já te ofereceu drogas? — me encara com sarcasmo.


— Ele me fez ouvir o The dark side of the moon¹ inteiro, acho que conta.


O Min também se levanta e passamos a andar lado a lado. Nosso intervalo acaba em exatos dez minutos, mas isso não é um problema, afinal, por que colocariam um muro não tão alto na escola, se não fosse para a gente pular?


Sim, nós íamos matar aula. Já estava previamente combinado. Há uma batalha de rap acontecendo duas ruas atrás da nossa escola, e como grandes fãs de Hip-hop, eu e Yoongi não poderíamos perder.


— Soube que o Jin tá saindo com o carinha do primeiro ano... Qual o nome dele mesmo? Taesuk? Taehoo?


Suspiro. Esse assunto vai mesmo me perseguir?


— Taehyung — corrijo jogando a casca vazia do Sprit no lixo enquanto prosseguimos andando para os fundos da escola.


— Isso! — estala os dedos — O nome é Taehyung! Eles tão ficando mesmo? Aquele moleque é completamente esquisito, ele está sempre com aquele ajudante da biblioteca, e aí do nada ele aparece com o Jin? Aliás, o ajudante da biblioteca não é primo do hyung? -

se refere a Seokjin.


— E daí? - ergo uma sobrancelha encarando o mais velho.


— Me diga você, você que é o namorado dele. — me olha intensamente.

Reviro os olhos.


— Ele não é meu namorado, quantas vezes vou precisar repetir a mesma coisa? Somos amigos que fodem juntos, só isso. Amigos que fodem. Não entende? — respondo de saco cheio.


— Por que não fecham logo essa relação? Vocês funcionam bem juntos! Já viu a maneira que vocês dois se olham? Sinceramente.


Dou um peteleco em sua testa.


— Você está lendo muitos romances. - continuo a andar mesmo parecendo que ele havia ficado parado, sem me seguir.


— Namjoon-ah, seja sincero... O que sente quando vê o Seokjin com alguém?


Paro de andar.

Então é aqui que eu percebo uma coisa: eu nunca realmente vi o meu hyung com outro alguém por muito tempo. Eu sei que ele fica com outros caras, e vez ou outra algumas garotas, mas nunca de fato era algo longo, não como ele está com Taehyung.


Por algum motivo essa informação me deixa balançado e até mesmo enjoado quando tento ilustrar na minha mente Seokjin-hyung beijando o moleque. Mas de qualquer forma, dou de ombros e

volto andar.


— Eu não sinto nada. — respondo.


Não é bem uma mentira. Nada para ver, nada para se sentir. Assim que o sinal toca, meu amigo e eu nos encaramos e vamos direto subir na árvore perto do muro da escola. Yoongi é o primeiro por ser mais leve, e quando ele já está

pulando para o outro lado, eu estou logo atrás, pulando em seguida.

Começamos a correr para sairmos de uma vez daquela região. No caminho, retiramos nossos casacos da cintura para esconder a logo do uniforme que está presente em nossas

camisas, e continuamos o percurso em um ritmo mais apressado para chegar a tempo de ver as batalhas.


Quando chegamos no point, já há muita gente ao redor. Temos que abrir espaço no meio do amontoado de pessoas para conseguir ver a batalha que está rolando. Nesse momento é uma garota contra um cara, e a menina está arregaçando.

Não demora muito para a animação e agitação tomar conta de mim e do loiro ao meu lado.

Nós gritamos, fazemos piadas e até mesmo ficamos em torcida pela tal de Dami.


Em certo momento, Yoongi até entra no meio para disputar com um rapper! Meu amigo é realmente muito bom, mas não tem tanta experiência, então acaba perdendo numa boa.

Quando tudo finaliza, decidimos sentar e comer algo em uma barraquinha antes de voltar para a escola.


Mas uma coisa me chama muito a atenção.


E essa coisa tem 1,79, cabelos pretos e uma jaqueta de couro.


— Hyung? — a palavra foge da minha boca.


— O que foi? — Yoongi me responde com a boca cheia de cachorro quente.


Minha cabeça demora um pouco pra processar tudo, mas quando vi já estava levantando com o cenho franzido.


"Ele tem prova nesse horário, eu tenho certeza que tem."


— Namjoon, cara! Senta aí — o Min segura meu braço.


Eu nem sequer ouço o que o loiro diz em seguida, pois já estou caminhando na direção que supostamente vi Seokjin. Ele sempre me fala quando vai matar aula, eu inclusive avisei que viria com Yoongi para ver a batalha de rap. Então, por que ele não disse nada? Foi algo repentino?


Caminho decidido, ignorando o barulho dos sapatos do meu amigo, que vem atrás de mim e até mesmo grita, perguntando o que está acontecendo.

"Namjoon, inferno! Calma, caralho!"


Atravesso a rua depois de olhar para os dois lados, e continuo a caminhada impulsiva com Yoongi no meu encalço. Estamos chegando em um parque, o que me faz questionar se é realmente Jin-hyung ou só alguém parecido, já que eu ainda não vejo sentido para ele estar

por ali. Meus tênis já tocam a área verde, enquanto olho de um lado a outro procurando meu melhor amigo.


Paro no meio do local e fico observando todos os lados possíveis. Por ser dia de semana está quase vazio, os bancos estão desocupados e apenas algumas barraquinhas de comida ainda se mantêm abertas.


O sol começa a esquentar, fazendo com que estar de moletom seja insuportável, porém não é algo que eu possa interferir, se tirar a peça que cobre minha farda escolar, provavelmente serei pego por algum adulto que me reportará para a escola.


— Namjoon! Você tá louco? O que foi isso do nada? — pergunta Yoongi com a respiração ofegante pela corrida curta.


Sedentário.


— Eu achei ter visto o-


Paro a fala no meio assim que percebo alguém acenando para mim de trás de uma barraquinha de comida mais a frente.

Franzo o cenho criando mais uma peça do meu quebra cabeça.


— Ah, não! Vá se foder. — Yoongi resmunga cruzando os braços.


Eu não o culpo por ter essa reação, afinal, Jung Hoseok está mesmo acenando em nossa direção?


— Vamos. — sentencio arrastando o loiro pelo braço até o Jung.



[🎸🎙]



Eu preciso de algum tempo para organizar os pensamentos assim que chego no local onde Hoseok está. As cenas que eu vejo nesse lugar são... Deveras perturbadoras, e quando eu

uso termos rebuscados é porque estou prestes a explodir.


Jin realmente está ali. Encostado em uma árvore, com uma regata branca e os coturnos sujos de sempre, meu melhor amigo olha para mim com um sorriso divertido nos lábios.


Esse desgraçado...


Sendo bem honesto, não é o sorriso idiota ou a pose de superior do mais velho que me deixa desconfortável. Também não é Jungkook estar sem camisa, sentado no chão enquanto fuma um cigarro, que me desconcerta.


Obviamente não é Hoseok, descaradamente, dando em cima do meu parceiro de rap, e muito menos a forma que eu me sinto cada vez mais sufocado dentro do moletom.


A causa do meu desconforto tem 1,78 de altura, usa óculos e está sentado em um toco de madeira de frente para o meu melhor amigo.


O que Kim Taehyung faz ali? Ou melhor, o que Kim Taehyung faz ali usando a jaqueta de couro intocável de Kim Seokjin?


Já estive perto dos ficantes de Jin várias vezes, a maioria até já era amigo meu. Mas ver aquele pirralho usando a jaqueta de couro do meu hyung é quase uma afronta.


Se minha jaqueta do 2pac é importante para mim, aquela merda de couro é a vida do hyung, e ele a está entregando nas mãos de um cara aleatório?


— O que você está fazendo aqui? — Minha voz sai alta demais enquanto olho fixamente para o mais velho dentre todos no local. — Você não tinha prova?


Eu conheço bem o sorriso desgraçado que Seokjin direciona a mim após minha fala, aquele sorriso diz "Por que está tão interessado? Opa, acho que vou me aproveitar disso."


Eu odeio esse sorriso.


— O marido da minha professora está no hospital. Liberaram minha turma da prova e eu aproveitei que os meninos iam matar aula e vim junto — responde mecanicamente sem mover um músculo do corpo.


— E ele? - aceno com o rosto na direção de Taehyung, o rapaz tem uma cara de vento totalmente ridícula.


Até então eu só o vi de longe, mas parece que ele me irrita muito mais de perto, e ele nem mesmo falou alguma coisa ainda.


O rosto do garoto se vira em minha direção com um sorriso tímido, um tipo de gesto que obfaz parecer adorável para algumas pessoas, mas que para mim é extremamente bizarro e cringe.


— Namjoon, relaxa aí! — Hoseok, que eu praticamente esqueci da existência, diz

colocando uma mão no meu ombro.


— Ele está atacado desde que pulamos o muro da escola — Yoongi resmunga enquanto se senta na grama.


Ainda encarando Jin fixamente, o vejo franzir o cenho como se me perguntasse o porquê de eu estar tão rígido, mas eu só bufo e me sento ao lado do Jeon. Estendo a mão na direção de Jungkook sem o encarar, o rapaz não demora a entender o que eu quero e pega mais

um cigarro de sua carteira, me entregando junto com um isqueiro.


— A gente ia usar esse tempo pra ensaiar — Hoseok quebra o silêncio — Mas a Sojin foi foder com a namorada — revira os olhos indo se sentar bem ao lado de Yoongi.


Jungkook não fica puto com essas coisas? Me pergunto.


— Quando a Sojin-noona não está ocupada com coisas da faculdade, ela está ocupada com a Yura-noona — Jungkook dá uma curta risada, logo voltando a tragar.


— Ainda não sei como uma universitária quis participar da banda mixuruca de- — Yoongi nem mesmo termina de falar antes de levar uma cotovelada de Hoseok.


É, eles tem muito amor por essa banda mixuruca.


— Eu acho a banda de vocês muito legal!


Demoro para reconhecer a voz grave e animada, mas quando percebo se tratar de Taehyung apenas tento focar o máximo possível no cigarro que acabei de acender.


— Somos os melhores — Seokjin responde o rapaz e lhe direciona uma piscadela.


"Babaquice", penso franzindo os lábios, mas guardo aquilo para mim. Eles não podem ficar quietos?


— Ter uma plateia hoje foi legal — Jungkook comenta — A gente só conseguiu tocar um pouco porque o estúdio onde deixamos os instrumentos já estava fechando, mas pareceu

melhor tocar enquanto Taehyung nos assistia.


— É sempre melhor quando tem platéia! — Yoongi diz — Por isso as batalhas de rap são incríveis.


— Você perdeu hoje — o lembro, vendo ele dar de ombros.


— Existem dias de luta e dias de glória — se justifica.


— Yoongi e Namjoon podiam ver nosso ensaio na terça ou na quarta — Jeon sugere.


Eu estou pronto para falar que tudo bem quando Seokjin decide falar por mim.


— Namjoon não vai gostar, melhor nem perder o tempo com isso.


O Kim falou com uma seriedade quase macabra, o que faz com que eu me questione se eu não vou gostar ou se simplesmente ele não quer que eu vá, e a última opção parece suspeita.


O que está acontecendo aqui, e por que eu me sinto tão irritado?


— Taetae ficou tão animado ouvindo nossas músicas autorais! — o Jung comenta depois de algum tempo — Jin-hyung, traga ele mais vezes!


— Talvez Jin se enjoe dele antes do próximo ensaio de vocês acontecer.


Depois disso foi como ver o tempo parar.


Todos olham em minha direção, totalmente surpresos com a minha fala. Sendo bem honesto, eu nem noto que meu pensamento se verbalizou até perceber o silêncio ensurdecedor que se formou.


Seokjin anda em minha direção e para em minha frente checando detalhadamente o meu rosto como se procurasse sinal de que eu não estou bem.

Ele se abaixa para olhar diretamente nos meus olhos, e para mostrar que aquilo não me afeta, apenas sustento o olhar.


— Falei alguma mentira, hyung? — prolongo a última palavra com certo desdém e o observo rir incrédulo.


Ele continua rindo por algum tempo, leva suas mãos aos meus cabelos e bagunça o local antes de segurar o meu queixo.


— É sempre mais fácil se enjoar das coisas que já temos a muito tempo. — dita com calma.


Eu demoro a entender o que ele diz, mas quando todas aquelas palavras fazem sentido na minha cabeça, não posso evitar abrir a boca desacreditado.


Ele está falando de se livrar da nossa relação de anos?



[🎸🎙]



Depois de tomar um banho e vestir uma cueca, eu me jogo com tudo na cama, olhando para o teto por alguns momentos enquanto me questiono o porquê de estar tão inquieto.


Seokjin estava mesmo insinuando que poderia se enjoar de mim? Isso é quase irreal! Ele pode ter todos, mas sempre volta para mim.


Não estou mais me reconhecendo, isso parece algo de uma pessoa controladora, e eu nunca fui assim.

Há muitos motivos pelos quais Seokjin pode ter dito aquilo, em primeiro lugar porque eu deixei um clima desconfortável e fiz pouco caso do garoto de forma explícita na frente de

todos. Em segundo lugar, Jin pode ter dito aquilo pelo simples fato de ser um filho da puta — eu também sou, não o julgo — mas o que mais me assusta é ele ter feito aquilo por ser a verdade. Estaria Kim Seokjin se enjoando de mim?


Balanço a cabeça tentando afastar esses pensamentos e pego meu celular, abrindo o Instagram. Aparentemente tudo estava ok por ali. Fotos de Jungkook com Hoseok, fotos do Yoongi com seu gato preto, fotos da Yura no perfil de Sojin... Tudo normal.

Fecho o aplicativo para checar as minhas mensagens, mas também não tem nada muito importante, uma mensagem da minha mãe mandando lavar os pratos e algumas outras de grupos.


Nem sinal de Seokjin.


Desligo o celular me revirando na cama. O que está acontecendo comigo? Eu não estava assim alguns dias antes de Jin inventar esse rolo com Taehyung, por que eu estou agindo desse jeito? Eu... Eu não consigo nem montar uma linha base de raciocínio. Tudo que me vem à cabeça é Seokjin, Seokjin e Seokjin. Isso não está certo e... Meu coração está

batendo rápido? Eu nunca quis tanto infartar na minha vida.


Vá se foder, Seokjin, eu não preciso de você.



[🎸🎙]



Ao fechar a porta do meu armário, a primeira coisa que vejo são os olhos naturalmente arregalados de Jungkook.


Dou um passo para trás por conta da proximidade e percebo Hoseok estar ali também, o que me leva a perguntar:


— O que querem?


Cruzo os braços me encostando na parede de armários escolares. O corredor está vazio, já que o horário de intervalo foi anunciado a pouco tempo e todos estão na cantina, mas é claro que alguém veio me tirar do sério.

O Jeon me encara de cima a baixo, me avaliando como se estivesse tentando detectar alguma quebra na Matrix ou algo do tipo. Porém o rockeiro apenas coloca uma mão no meu ombro e me olha bem de perto ao questionar:


— Você e o Jin brigaram?


Hoseok também cruza os braços com uma expressão super séria. O que eu perdi?


— Aconteceu alguma coisa com o hyung? — pergunto.


— A gente foi testar umas músicas hoje na entrada do colégio, algo só pra ver o tom de voz mesmo e ele não está conseguindo alcançar algumas notas, e foram notas que ele já tinha

pegado com facilidade. Isso só acontece quando vocês brigam! - o Jung acusa apontando na minha cara.


— Ele não falou comigo depois que saí da rodinha de vocês ontem. — digo impaciente.


Hoseok bufa passando as mãos entre os cabelos. O olhar dele vai diretamente para Jungkook e com uma voz totalmente cansada ele pergunta:


— E agora? O que a gente faz?


Porém, tudo o que tem como resposta por parte do namorado é um dar de ombros.


— Já posso ir embora, ou vão tentar me interrogar? — falo sarcasticamente.


— Tem certeza que não brigaram? — Jungkook me questiona mais uma vez.


— É melhor superar isso. — dou dois tapas no seu ombro e começo a andar em direção ao refeitório.


Os dois idiotas me seguem resmungando a mesma pergunta anterior, mas prefiro apenas ignorar e colocar meus fones de ouvido, entro rapidamente no Spotify e coloco Can I Live do Jay-Z para tocar.

Ando calmamente — fingindo que não estou sendo escoltado — para a lanchonete da escola e espero um tempo na fila até pegar meu lanche e me virar para achar um canto para comer.

Jungkook e Hoseok parecem duas almas tentando falar comigo, enquanto meus ouvidos ainda estão abafados com o som alto das músicas do Reasonable Doubt².

E é andando entre as mesas do refeitório que eu paro de repente, não acreditando no que estou vendo. Tiro os fones de ouvido tentando entender melhor o que está acontecendo, mas não chego a nenhuma conclusão.


Jin está comendo com o Taehyung?


— Ah! Alí está ele! — Hoseok exclama me puxando pelo braço e me levando na direção dos dois Kim.


Quando chegamos e sentamos na mesa, o clima não pode ser mais desconfortável. Isso porque estou sentado ao lado de Taehyung, que está entre Jungkook e eu, enquanto Hoseok se encontra ao lado de Jin.


Os namorados conversam sem notar o enterro que se forma entre o resto, e para completar enchem o vocalista da banda com frases tipo "Falamos com o Namjoon e ele disse que vocês não brigaram", "Tem certeza que nada de estranho aconteceu com vocês?", "Nunca

vi sua voz assim normalmente".


Seokjin nem olha para eles, da mesma forma que Taehyung só olha para o próprio prato. O pirralho parece intimidado, e bem, talvez eu seja o culpado disso, mas não é como se eu

me importasse.


Eu percebo as olhadas esporádicas que Jin manda na direção de Taehyung, como se quisesse verificar que o moleque está bem o tempo inteiro, e aquilo me deu muita, mas muita, muita vontade de me levantar e ir embora.

O que é aquilo? Um showzinho para o qual eu não fui convidado? Nem mesmo a voz alta de Hoseok faz efeito na missão "me distrair", e ele fala alto pra caralho.


Acho que Jungkook percebe que não estamos dando feedback, já que não ouço mais a voz do rockeiro por certo tempo. Ao contrário do namorado, o mais novo é mais cuidadoso e depois de um tempo deve ter sacado o funeral que acontece fora da bolha "Jung Hoseok".


O barulho dos adolescentes no refeitório me irrita, me fazendo batucar na mesa com os dedos apenas para tentar tirar minha tensão, o que eu já vou logo avisando que não dá certo.

Me dá raiva a expressão fingida de tranquilidade do meu hyung mais velho, eu o conheço bem para não acreditar naquele semblante, e talvez o que mais me tira do sério é que ele também sabe que eu não vou cair nesse papinho de que "está tudo bem".


Não está nada bem! Mesmo que não tivéssemos brigado verbalmente, a partir do momento que ele me confrontou no meio de todo mundo para defender Taehyung, uma rachadura se fez em nossa relação. Era como se aquele idiota tivesse alguma real importância na vida

dele, e ele nunca tratou um ficante assim.


Já vi Jin defender várias pessoas, mas nunca um ficante, eles não tinham relevância, afinal de contas.

Isso está ficando ridículo, essa situação é ridícula! Eu conheço esse palerma a vida toda para que ele me troque por um idiota que exala virgindade.

O que ele tem com Kim Taehyung? O que Taehyung dá para ele que eu não posso dar? Se Jin sempre volta para mim depois de todos os caras que ele já esteve, o que esse pirralho tem para que Jin demore tanto a voltar?

Isso está-


— Você vai continuar me olhando igual um maníaco, tremendo como um pinscher, ou vai comer? — a voz de Seokjin me desperta.


O mais velho bate com força os cheot-garak na mesa, atraindo a atenção de todos os presentes para nós dois enquanto me olha intensamente.

Ajeito a postura, reunindo todas as minhas células para ser o mais cínico possível ao responder:


— Ah, agora você tá falando comigo? — ergo a sobrancelha.


Pode-se ouvir murmúrios de Hoseok e Jungkook como "mas eles não tinham dito que não haviam brigado?" e coisas do tipo, mas essas interferências são completamente ignoradas.


— Infelizmente você é o único palhaço aqui — o rockeiro conclui.


— Parabéns, está ficando melhor nas suas ofensas — sou sarcástico.


— Oh! — ele põe a mão no peito — Eu me esqueço que você é do rap! Já que anda com essas gangues que só falam de sexo, mulher e dinheiro, você deve ter um vocabulário marginal muito extenso — diz cinicamente.


Ergo minhas mãos e bato palmas sorrindo para ele com toda a falsidade que habita em mim nesse momento.


— Isso é tão contraditório vindo de um rockeiro, e você mesmo sabendo disso se arriscou em ser hipócrita, parabéns, Jinnie! — limpo uma lágrima falsa do meu olho.


Ele dá risada. Apoia seu cotovelo na mesa e põe seu queixo sobre sua palma.


— Você se acha muito esperto, não é? — me pergunta.


— E você me acha muito otário, não é? — imito seus movimentos colocando o cotovelo na mesa e apoiando a cabeça na mão.


— Talvez devesse ter medo disso, eu nunca errei meu julgamento sobre uma pessoa antes, Joonie. — ele abre um sorriso.


— Pra tudo tem uma primeira vez, Seokjinie — também o dou um sorriso.

Ouvimos uma tosse forçada e quando olhamos na direção, percebemos se tratar de Taehyung.


Ah claro, tinha que ser.


O garoto está evitando contato visual e aperta as próprias mãos uma na outra totalmente inquieto. Eu posso notar seus óculos meio sujos quase caindo do rosto, mas neste momento tudo o que eu vejo nele me fazia querer criticá-lo. Apenas reviro os olhos para toda essa comoção.


— Jin, eu... Eu acho melhor ir embora — diz se levantando no mesmo momento.


— Eu vou com você — declara o cantor ao que se prepara para segui-lo.


É isso? É realmente isso?

A princesinha vai ficar desconfortável e o gado irá atrás? O que meu melhor amigo se tornou?

Aliás, por que eu estou tão irritado?

Em um ato de impulsividade, vendo os dois se afastarem aos poucos eu digo:


— Se for com ele nunca mais olha na minha cara.


Seokjin para no lugar e se vira devagar para me olhar, em sua cara está estampada a surpresa. Ele ri e nega com a cabeça resmungando um "idiota" e isso só me irrita ainda mais.


— Não é um blefe. — alerto.


O mais velho para na minha frente e me puxa pelo braço, fazendo com que eu me levante e atraia a atenção de todos no refeitório.


Em seus olhos eu posso ver sua irritação, eu posso sentir o quão ele quer me bater e gritar comigo, mas não é isso que ele faz. No último segundo, é como se ele tivesse reparado algo que eu não notei, então com a voz baixa e os olhos vidrados no meu rosto, Jin-hyung perde toda a pose de antes. Ele fala com cuidado e me pergunta com atenção:


— Você está bem?


Mas eu só puxo meu braço com agressividade e murmuro desgastado, em um tom tão baixo que penso ser impossível de ser escutado:


— Eu não aguento mais. — me viro para ir embora quando ele me segura de novo.


— Vamos conversar! — ele grita.


— Me deixa em paz, Seokjin. — o dou uma cotovelada e saio da cantina recebendo olhares de todos os lados.


Enquanto eu ando para sair dali, percebo o motivo de Jin não ter me atacado, pois sinto algo descer pela minha bochecha, e noto finalmente que estou chorando.


[🎸🎙️]


Geralmente, quando eu coloco Goosebumps do Travis Scott para tocar, ao chegar na parte do "You ease my mind, you make everything feel fine" eu costumo fazer uma alusão ao Jin.

Mas neste momento está tudo ao contrário. Ele não está fazendo tudo ficar bem, ele está fazendo tudo ficar péssimo!


Meus pais viajaram. Não me pergunte para onde, não é como se eu soubesse do que acontece nessa casa. Apenas cheguei do colégio e vi um bilhete na geladeira escrito "Houve um imprevisto. Não sabemos quando vamos voltar para casa. Use seu cartão de emergência." Essa é a vida de um filho de detetives, uau!


Alguns adolescentes no meu lugar fariam uma festa com a casa vazia ou transariam por todos os cômodos, mas a única "loucura" que faço é deixar de ir à escola.


Eu estou me desgastando muito e ver Seokjin para cima e para baixo com Taehyung não vai ajudar. Apenas bloqueio meu melhor amigo de todas as formas possíveis nas redes sociais e fico em casa. Eu não estou depressivo ou algo assim — por incrível que pareça — eu só quero me poupar um pouco e tentar pôr a cabeça no lugar. Tento sair de casa, beber alguma coisa ou até mesmo me encontrar com alguém, mas isso me deixa vazio. Então, a melhor opção é ficar no meu quarto ouvindo os meus álbuns de rap favoritos.


Porém, obviamente, alguma coisa vai perturbar a minha paz, e essa coisa se chama Min Yoongi.


— Cara, você tá tomando banho? — o loiro de farmácia diz após bocejar e se esparramar na cama.


Sim, ele está deitado na minha cama enquanto eu sento na ponta do colchão como se fosse a verdadeira visita ali.


— Você só tinha que me dar as matérias novas da escola, não precisava nem ter vindo aqui — reviro os olhos.


Bufando, o baixinho se senta com as pernas cruzadas no meio da cama e me encara seriamente depois de respirar fundo.


— Jin tá louco atrás de você — informa.


— Se tivesse louco de verdade, ele teria vindo me procurar aqui em casa — rebato.


Uma risada sarcástica é ouvida, e um sorriso, que quase rasga a pele, é estampado na cara de Yoongi.


— Oh... - leva a mão ao próprio queixo em uma atuação ridícula - Agora entendi! É isso que você quer! Que Seokjin corra atrás de você — bate palmas — Parabéns, Namjoon. Você é um idiota!


Pego um travesseiro que está perto e jogo bem na sua cara, na tentativa de desmanchar a expressão cínica e a postura de falsa superioridade. Estamos falando de Min Yoongi, não é como se ele tivesse moral para me dizer alguma coisa.


— Se foi pra isso que veio aqui, vá embora. — digo pausadamente para que ele entenda.


Está sendo cansativo para mim, eu não sei ao certo o porquê, mas está sendo. Então ver esse panaca querer tirar sarro de mim em um momento assim é um pouco demais, eu não posso permitir. O loiro parece se tocar disso, já que para na minha frente, vindo mais preparado para me abordar.


O Min coloca suas mãos em meus ombros e me fita intensamente antes de me balançar e dizer:


— Acorda pra vida, você gosta dele! — é o que fala, antes de ser empurrado por mim.


— Sério, você tá querendo ser expulso daqui de casa. — reviro os olhos.


Corajosamente ele para mais uma vez na minha frente e até mesmo aponta o dedo na minha cara, o que sem dúvida nenhuma é o ato mais audacioso que ele já teve na vida, porque todos os meus sentidos estão mandando quebrar a cara desse infeliz.


— Mano, você tá sendo CUZÃO — frisa — tratou mal o nerd que tá saindo com o Jin por nada. Pelo o que me contaram, tu fez uma cena no refeitório e agora tá dando uma de princesinha faltando aula e desligando o celular. — fala tudo isso ainda metendo o dedo na minha cara — Você não sabe lidar com seus sentimentos e tá sendo um puta de um CUZÃO!


— E o que você sabe sobre o que eu estou sentindo? — me levanto o puxando pela gola da camisa — Você não sabe absolutamente nada! — o empurro com força na direção da cama, fazendo-o cair como um saco de batata.


Sentando novamente no colchão e tirando o cabelo da cara, meu parceiro de rap me olha entediado mais uma vez.


— Se você tá putinho o suficiente por causa disso, eu quero te recomendar um psicólogo. — cruza os braços.


— Mano... Só vai embora, amanhã te devolvo suas anotações — abro a porta do quarto.


Mas, claro, ele não vai embora. Ao invés disso ele pega o próprio celular no bolso da calça e fica um tempo procurando algo, até que virou a tela para mim.


Ele está realmente me mostrando uma publicação onde tinha um anúncio sobre um concurso de bandas? O que eu tinha a ver com isso?


— Tá, e? - pergunto depois de um tempo.


— A banda do seu melhor amigo vai participar da seleção pra tentar entrar no concurso amanhã! E você, ao contrário de dar apoio a ele, está aqui parecendo um fã de diva pop dramatizando sobre a vida! — sua voz sobe algumas oitavas no final.


Ok, eu fiquei bolado agora. É meu melhor amigo e eu não sabia que ele estava prestes a ingressar em um concurso que, o conhecendo bem, devia ser algo importante para ele. Isso justifica também o porquê ele não veio aqui em casa, deve estar focado 100% na banda. Yoongi, mais uma vez, vem na minha direção tentando me fazer focar no que ele diz.


— Eu já chequei com a Sojin, Taehyung não vai estar lá. — fala como se tivesse resolvido todos os meus problemas — Essa é a sua chance! Vamos amanhã ver a audição deles, Hoseok coloca a gente pra dentro, você dá um migué falando que veio só demonstrar apoio pro Jin e no final vocês conversam! É perfeito!


Isso não me dá muita confiança, mas é realmente algo a se considerar. Em uma coisa Yoongi está certo: eu estou sendo dramático. Nem eu mesmo entendo o motivo de estar agindo assim, mas é verdade. Quem sabe se eu resolver logo essa questão com Seokjin tudo não volte ao seu devido lugar?


O problema é apenas que eu não me entendo, então... Como eu vou resolver minha questão com Seokjin se eu nem sequer sei qual é a questão?



[🎸🎙️🎸🎙️🎸🎙️🎸🎙️🎸🎙️🎸🎙️]


Referências presentes na primeira parte:


1) The dark side of the moon é um álbum do Pink Floyd lançado em 1973.


2) Reasonable doubt é o álbum de estreia do Jay-z lançado em 1996. Nele está incluída a faixa "Can i live" que é considerada uma das músicas de rap mais importantes.


3) Tupac/2pac Foi um dos rappers mais importantes da história. Viveu de 1971 até 1996.



11 de Maio de 2021 às 13:45 1 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo Parte dois ≠ Resolução

Comente algo

Publique!
Duca Duca
Mano- ISSO É A PERFEIÇÃO EM FORMA DE PALAVRAS PQP! nossa, nunca imaginei o Jin Rockeiro da maconha, mas quero um desses pra mim Kkkkk Jin dando lacrada, perfeito!
May 13, 2021, 02:20
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!