tink_yo Yo Mendes

Park Jimin e Park Jimmy, irmãos gêmeos praticamente idênticos. Enquanto Jimin era o "Nerd" Jimmy era o "Bad Boy" Jimin está em Busan há um ano, cuidando de sua avó, mas com a melhora da mais velha, retorna a Seul e assim que chega, é surpreendido com um pedido do irmão. Jimmy se vê sem saída quando recebe um sermão do seu treinador, dizendo que se ele não melhorar suas notas, irá sair do time de basquete – no qual ele é capitão – Ele vê uma saída quando descobre que seu irmão estaria voltando para Seul, assim lhe pedindo um "pequeno" favor. E é assim que a maior confusão em dose dupla começa, com os gêmeos trocando de lugar e Jimin tendo que lidar com o professor de matemática do seu irmão.


Ficção adolescente Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#sope #Taejin #romance #colegial #yaoi #kookmin #Jikook
5
492 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 2 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Os gêmeos

— Ou você dá um jeito nas suas notas, ou sairá do time. Até que suas notas melhorem, não irá participar dos treinos, Jimmy — Avisou, claramente nervoso. E saiu do vestiário.

E quem é esse que deixou o treinador irritado? Eu, Park Jimmy, também conhecido como a ovelha negra da família… Tá, talvez eu esteja exagerando, mas tirando a minha mãe e o meu irmão, ninguém mais da minha família gosta de mim. Paciência.

Eu sou aquele que é comparado com os orgulhos da família, mas não é como se eu me importasse.

O que importa agora é que se eu não melhorar minhas notas, vou ser expulso do time de basquete, onde sou o capitão. E ainda não vou poder treinar. E agora?

Sabe nos desenhos quando aparece uma lâmpada na cabeça do personagem mostrando que ele teve uma ideia? Então, foi assim comigo.

Lembrei do que seria a minha salvação. Park Jimin, a ovelha negra da família junto comigo… Ok, também não é assim. E quem é Park Jimin? Ninguém menos que meu querido irmão gêmeo.

O meu querido gemeozinho se mudou para Busan há um ano, para cuidar da nossa avó. Aparentemente a vovó está melhor e o Jimin vai voltar para terminar a escola aqui. Logo, ele é minha salvação.

Depois do sermão do treinador, voltei para o refeitório e me juntei a meus amigos, que faziam uma bagunça, como sempre.

— Ei Jimmy, o que o treinador queria dessa vez? — Taehyung me perguntou assim que me aproximei. O Kim além de amar uma fofoca, é aquele que nas brigas está gravando.

— Ele queria dizer que se eu não melhorar minhas notas vou ser expulso do time, e também que até eu melhorar, não vou poder participar dos treinos — Contei bufando. Admito que nunca fui alguém que gosta de estudar e tudo mais — diferente do meu irmão — porém minhas notas não eram tão ruins, pelo menos não até agora. Confesso que ano passado foi quando elas começaram a cair e o treinador vêm pegando no meu pé por isso, não só ele. Desde que o ano começou, ele está atrás de mim dizendo pra mim melhorar as minhas notas. Acho que como ele percebeu que nada havia mudado, decidiu me "ameaçar"

— E o que você vai fazer? — Namjoon perguntou, ele parecia preocupado. Todos ali sabiam o quanto jogar basquete significava pra mim.

— Vou dar um jeito nisso — Respondi sorrindo. Se tudo desse certo, minhas notas melhoraram e eu não vou ter que sair do time e vou poder voltar a participar dos treinos, mas claro que tudo vai depender do meu irmão. Como a vovó já está melhor, ele vai voltar e terminar o ano aqui, então ele se transferiu para cá.

— E como você vai fazer isso? Olha garoto, tu não me inventa de repetir que te taco o chinelo! — Óbvio que ele iria soltar uma dessas, caso contrário não seria Kim Seokjin.

— Negócio tá feio pro teu lado, Jimmy. Se eu fosse tu dava um jeito nisso logo — E claro que Yoongi não perderia a oportunidade de tirar com a minha cara. Desgraçado.

— Deixem ele, ele vai conseguir. — Como sempre, Hoseok é a minha salvação neste grupo.

— Te amo, Hobi — Falei lançando um beijo pra ele.

O sinal tocou avisando o fim do intervalo e todos vamos para a sala de aula, onde nem vale a pena dizer como foi, vou os poupar disso ok?

Finalmente as aulas chegam ao fim e eu posso feliz da vida ir buscar o meu gemeozinho.

Peguei a minha moto e fui em direção ao aeroporto. Me sentei e esperei o meu salvador. Em meio a tantas pessoas, enxerguei a cabeleira loiro, piercing e algumas tatuagens, pois é, esse é o meu irmão.

Assim que o vi, abanei em sua direção, ele quando viu que era eu veio em minha direção.

— E aí, curtiu o tempo com a vovó e com saudades de mim?

— Não se ache tanto, Jimmy. O seu "gemeozinho" que te salvava ficou longe por um ano, sem poder te salvar, você deve ter morrido de saudades — Sorriu zombeteiro pra mim. Ambos caímos nas risadas e nos abraçamos.

— É bom ter você de volta — Confessei. Eu senti saudades desse mala.

— É bom estar de volta — Ele também deve ter sentido falta se Seul, de mim claro e da mamãe. — Mamãe não pode vir? — Eu neguei. Nossa mãe trabalhava de enfermeira em um hospital perto da nossa casa, isso desde que nosso pai foi embora — Sério que você ainda não se desfez disso? — Arqueou as sobrancelhas, parecia chocado. E estava se referindo a minha moto, que já era velhinha — eu admito — mas ainda queimava pneu no asfalto.

— Pare de implicar com a minha bebê e sobe logo.

— Você continua chato — Ouvi ele murmurar enquanto subia na moto. Eu não respondi nada, apenas liguei a moto e dei partida. Jimin arregalou os olhos, assustado com a velocidade em que eu andava

— Park Jimmy! Se eu morrer, volto pra te buscar! — Ameaçou. Eu ri. Que saudades que eu estava desse ser.

(...)

— Eu sabia que era estranho demais você ir me buscar até o aeroporto e não me mandar pegar um táxi — Foi a primeira coisa que ele disse quando o pedi que me ajudasse, isso quando já tínhamos chegado em casa e ele tivesse desfeito suas malas — Diz logo o que tu quer.

— Eu vou ser expulso do time de basquete, se eu não melhorar minhas notas, fora que até que minhas notas melhorem, não posso participar dos treinos — Ele fechou a cara.

— Você não tem jeito né? Já conversamos sobre isso, Jimmy — Ele não parecia bravo… Apenas frustrado?

— É, eu sei, mas eu me empolguei por ter virado o capitão e tudo mais. Eu preciso da sua ajuda — Pedi. Ele suspirou e assentiu.

— Eu te ajudo, só que tu sabe que estudamos em escolas diferentes e que eu estou atrasado um ano por conta deeu ter ido cuidar da nossa vó, né? — Agora era a parte em que eu teria de o convencer a fazer parte do meu plano.

— Então, eu já tenho algo em mente.

— Tipo?

– Vamos trocar de lugar, Jimin — Ele arregalou os olhos.

— 'Cê pirou é? Só pode tá doido — É, eu sabia que não seria uma tarefa fácil

— Olha, você me ajuda com as minhas notas e eu faço o que você quiser pelo o ano inteiro — Tentei entrar em um acordo com ele.

— Você já tá indo mal na própria escola, o que tu vai fazer na minha? Fora que isso é loucura. Uma coisa é fazer isso quando criança, outra é fazer isso agora. — Às vezes odeio esse lado certinho dele que às vezes aparece.

— Por favor, Jimin. Eu preciso melhorar minhas notas e quero continuar no time. E como já é uma matéria que eu já vi, é mais fácil. Você aprende super rápido e é inteligente. Não vai me dizer que já não sabe sabe já a matéria que eles passariam pra você? Você não perdeu um ano coisa nenhuma, sei que estudava por conta própria — Minha cartada final, se ele não aceitasse depois disso, já era. Ele pareceu pensar e ao chegar em uma resposta suspirou.

— Ok, mas ai de você se minhas notas caírem — Eu concordei.

—E aliás, você não vai ter de participar dos treinos de basquete, mesmo que seria engraçado ver você jogando — Jimin era uma tristeza com esportes.

— Continua assim que não te ajudo, peste — Ameaçou.

— Ah, Jimin, e os nossos cabelos? Tem as tatuagens também, elas são diferentes — Perguntou. Ele pintou o dele de loiro, enquanto o meu está castanho. E nossas tatuagens não eram iguais, tirando a que fizemos de um garotinho sentado em uma árvore e um fio saindo de seu dedo, enquanto está apontando algo. O que poucos sabem, é que um completa a tatuagem do outro, o fio dele no caso se juntaria com o meu, fofo né? Tínhamos quinze anos quando fizemos.

— A maioria das minhas tatuagens estão cobertas e só daria pra ver a que fizemos juntos, já que fizemos acima do peitoral, daí dependerá da roupa. Que merda, ainda tem o piercing — Ótimo, tinha essa também. Jimin tinha um piercing no lábio, um na sobrancelha e no mamilo, já eu tinha um no nariz, sobrancelha e mamilo — Ah, na hora eu invento algo. E em relação ao cabelo, no meu caso é só eu dizer que decidi mudar, ué — Deu de ombros. Realmente.

— Está bem. Amanhã nós trocamos. Mas antes, tenho que te explicar algumas coisas — E foi assim que a nossa confusão em dose dupla começou.


9 de Maio de 2021 às 14:00 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Troca

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 2 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!