maxrocha Max Rocha

A trajetória sobrenatural do faraó menino, através dos séculos...


Horror Para maiores de 18 apenas.

#mitologia-egipcia #mitologiaegípcia #mumificação #maldição
Conto
2
3.5mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

EMBALSAMADO






Não fazia ideia há quanto tempo estava ali. Parecia estar meio que adormecido há algumas horas, mas podia ao longe perceber sons disformes, que às vezes simulavam vozes. O que não conseguia entender, porém era o motivo de não conseguir acordar plenamente: suas pálpebras se revelavam pesadas, teimando em não se abrir e seus membros não respondiam aos seus comandos mentais, permanecendo inertes.


Enquanto lutava para se libertar daquele estranho sono, passagens de sua vida lhe vinham à mente: de como fora preparado para reinar, desde os seus primeiros anos de vida; o fardo de ter se casado aos 10 e assumido o trono aos 12, enterrando para sempre sua infância... agora aos 19, as dores ósseas o perseguiam e lhe dificultavam o caminhar; e esta estranha febre recorrente que o havia consumido nos últimos dias? Um turbilhão de pensamentos que não condiziam com sua angustiante imobilidade.


Como discípulo de Amon-Rá, amava o sol e toda espécie de vida, não conseguindo entender o que fazia ali, naquele local desprovido de luz e calor. Imaginava então o quão difícil teria sido a vida dos inúmeros dissidentes que havia mandado ao calabouço, simplesmente por não comungarem dos mesmos ideais político-religiosos de seus mentores e verdadeiros governantes, Ay e Horemheb. Quando acordasse, com certeza iria rever tais condenações e permitiria a muitos desfrutar o ano vindouro de 1324 em liberdade, mesmo sob oposição de seus correligionários. Tebas iria orgulhar-se de suas ações!


As horas iam se passando intermináveis, e um desespero latente começava a ascender em sua alma; onde estariam seus súditos? Tinha que acordar e reassumir seu nobre posto, orgulho da XVIII dinastia. Em certos instantes acalmava-se, pois sabia que tudo não passava de um pesadelo, que brevemente se encerraria. Mas ordenaria aos sábios reais que não o deixassem adormecer tão profundamente, ou sua ira seria sentida por aqueles que negligenciassem suas ordens.


Aquele mês de novembro de 1922 tinha sido o mais difícil para ele, Howard Carter e sua equipe: o calor intenso, as inexplicáveis mortes em inúmeros membros do grupo e a dificuldade dos recursos financeiros que minguavam, iam paulatinamente minando o moral de todos. Mas em seu íntimo sabia que aquela região a leste do antigo Vale dos Reis lhe reservava alguma grande descoberta; não era possível que estivesse enganado, depois de tantos anos de dedicação à causa.


Qual não foi então a surpresa de todos e a singular alegria de Carter e Lord Carnarvon, mecenas entusiasta da causa, ao se depararem com a profanada antecâmara, após o que se seguiu a descoberta da real câmara funerária... o sarcófago retangular ali jazia repleto de divindades; no seu interior, no último dos três caixões, o jovem corpo embalsamado e sua maravilhosa máscara mortuária, decorada pela cobra e pelo abutre.


Nos meses seguintes, mortes misteriosas começariam a ocorrer entre todos os participantes da monumental descoberta, unidos pelo fato de terem profanado o antiquíssimo santuário egípcio.


Março. 1939. Londres. Carter, acometido por uma moléstia que lhe fazia inchar os gânglios e despertar com fortes suores noturnos, acordou mais uma vez pela madrugada, incomodado com as vestes molhadas. Talvez pela febre, pensou estar alucinando... ainda divisou a criatura grotesca, envolta em bandagens podres, movimentos lentos e pesados, surgir diante de seu leito. Tentou gritar, mas teve seu pescoço estilhaçado por uma força descomunal.


Olhos profundos, cadavéricos, destilavam ódio incontido...

20 de Março de 2021 às 20:15 1 Denunciar Insira Seguir história
4
Fim

Conheça o autor

Max Rocha Um Fantasma literário ou alguém que apenas gosta de escrever... me interesso por ficção histórica e científica, suspense, misticismo e mistério com um toque de humor. Às vezes enveredo pelo tom crítico e motivacional do cotidiano. Escrevo ouvindo música instrumental relacionada com o tema no Spotify, ao lado da Duda, minha cadela australiana de 5 anos. The Phantom (O Fantasma) foi criado por Lee Falk, em 1936.

Comente algo

Publique!
Rodrigo Cerqueira Rodrigo Cerqueira
Legal!! Espero a continuação
April 03, 2021, 14:48
~