somnas André Pithon

Por séculos, Argenia foi o farol da humanidade, régia e gloriosa, erguida sobre ancestrais tumbas divinas. Imponente, intocável, bastião da poesia, da arte, da filosofia. Sem os deuses para lhes julgar, recaiu aos homens governar a terra. Interpretar o futuro. Construir os novos sonhos. Até ruir, de dentro pra fora.


Fantasia Épico Para maiores de 18 apenas.

#fantasia #32816
1
481 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 10 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Antes da Queda

– Você chegou a conhecê-la?

– Eu lembro da risada. Eu sei que eu não deveria, mas lembro.

– Isso é mais do que a maioria tem.

– Não sei se isso é bom ou não.

Silêncio.

– Quanto tempo você quer ficar aqui? Precisamos voltar logo. Illiana não pode ficar sabendo.

– Nada na Promessa me proíbe de visitar os mortos.

Sabia que deveria estar sentindo algo. Via o monólito branco que florescera tão cedo do chão, marcando o ponto exato da acrópole onde sua mãe jazia enterrada. Centenas deles se espalhavam pelo terreno, âncoras para as almas, protegendo-as da mitológica fome dos Noninfernos. Ajoelhou-se, por mais difícil que fosse o fazer em sua armadura pesada, sentindo o nome gravado em baixo relevo na pedra. Seus dedos demoraram-se nas crevices, passando do nome para a família. Vlacha. Nunca ousara usar este, colocar depois do seu, assumir o passado. Para renascer, teve de abrir mão.

A mão tentou lhe confortar, acariciando seu ombro, por mais que as placas de metal bloqueassem o calor humano.

– Maya, eu sinto muito, mas isso não te faz bem. Melhor sair daqui, de verdade. Nós somos sua família. Eu sou sua família.

Sabia que era verdade. Trombara com sua mãe três vezes desde que proclamara a Promessa. Na primeira tinha doze anos, e a viu cruzando a Rota Dourada dentro de uma nobre e cintilante carruagem divina; que era apenas comum, mas reluzia na mente infantil. Chorou no travesseiro aquela noite. Na segunda, dezessete, e a percebeu na multidão enquanto escoltava o monarca de Argenia, Corydon. A rigidez do ferro se manteve. Mas a terceira fora cinco dias atrás. Os olhos se cruzaram, a mulher que achava ter enterrado fundo nas Mandíbulas de suas entranhas até sorriu de volta. Achou ter ouvido a risada que nunca existiu. Podia ter se aproximado. “Se lembra de mim? Sua filha? Consegue me reconhecer?”.

Uma Prometida não tem família.

Uma Prometida não tem amarras.

Uma Prometida não tem amores.

Uma Prometida não tem nada além de Argenia, pois isso é tudo que ela precisa. Assim foi visto, assim foi escrito, assim sempre foi. Ela pois então não se aproximou, não correu para o imaginário gargalhar sem saber que era a última chance de entender, a única pessoa que compartilhava de seu rubro licor sanguíneo.

Levantou-se, retirando do rosto o cacheado cabelo negro que cobria tão céticos olhos, que nada deixavam fluir. Queria estar sentindo mais, queria chorar. No fundo, achou que estar frente a frente com o túmulo despertaria algo a muito adormecido, ecoando dentro de si. Não o fez.

– Você está certa, claro. Vamos embora.

– Eu sempre tô certa.

– Certo, e eu ia agradecer, já desisti da ideia. Parabéns.

Alexandra deu de ombros, o riso tossido acompanhando o tilintar metálico tão característico. Ofereceu a mão, e alçou Maya para cima quando ela aceitou, colocando a amiga de pé. O sol já ameaçava se por, lançando os últimos reluzes dourados enquanto sumia por detrás das muralhas oeste. Haviam nuvens no horizonte, o profético aproximar-se da tempestades. Deveria estar sobre Argenia em alguns poucos dias.

Caminharam lado a lado em silêncio, nenhuma das duas ousando comentar. As pessoas abriam espaço nas largas ruas enquanto completavam seus afazeres diários. Deveriam seguir direto para o grande centro da Promessa, mas ninguém sabia que estavam fora. Ninguém sabia onde estavam. Ninguém se importava.

– Quer ir ver o mar? – Maya não queria voltar. Não queria olhar nos olhos de Illiana e perguntar se havia alguma ordem. Por um momento, queria acreditar que Argenia seria capaz de sobreviver sem seu olhar vigilante. Sobreviveu por séculos, gloriosa desde a queda dos deuses. Não seria um dia de folga por parte de duas de suas guardiãs que destruiria a ordem das coisas.

– Você não sossega?

– Não é um crime ir pra costa.

– Porque ando com você mesmo? Se eu fosse esperta, e saísse em patrulha com Cybele e Korrina, eu…

– Estaria morrendo de tédio. Vamos lá, por favor. Eu preciso, de verdade. O som das águas me faz bem.

– Acho que ou os Oráculos erraram ao te trazer pra nós, ou o destino gosta de foder comigo.

– Tu me adora.

– Cala a boca e acelera o passo. Meia hora, máximo. Quero estar de volta pro jantar.

O oceano Vatílico sempre tinha um tom esverdeado, abraçando e protegendo o sul de Argenia, seu cheiro salino forte e característico. Alguns poucos barcos terminavam de mover mercadorias no movimentado porto, aproveitando os últimos momentos de luz do dia. Gritos, xingos, tropeços, bêbados e suas garrafas. Som da vida.

Sussurros de respeito, reverências desajeitadas, o terror tão familiar no rosto daqueles tentando esconder um contrabando ou outro. Alexandra proferiu algumas respostas rápidas, sempre violenta, sempre ao ponto, permitindo que Maya só andasse, pensando forte no próximo passo e apenas nele, pois ideias doíam tanto. Apenas ousou andar até tocar a areia e deixar o frenesi humano para trás.

As botas impediam que sentisse os grãos contra sua carne. Sentou-se, sabia como era a sensação, mas apenas sabia. Não usava apenas uma couraça.

Sua companheira se manteve em pé, braços cruzados, olhos travados na amiga que flertava com o horizonte infinito. Maya era dois anos mais velha, tinha uma patente mais alta, mas era a pessoa mais infantil que conhecia. Era maleável demais, era resistente à forja, recusava-se à assentar. – Você vai ficar bem, né? – Mas mesmo assim, não conseguia não se importar. – As pessoas morrem. O mundo assim foi feito. Existem coisas mais importantes para se pensar. Argenia precisa de nós. – Nada – Maya, se tu não me responder eu vou esmurrar sua cara.

Conseguiu arrancar um sorriso furtivo. Era o suficiente.

– Você nunca quis ir atrás da sua família?

– Gente simples da Fissura. Não sangue heroico como você. Ter sido escolhida por Grigorios foi uma benção.

– Eu comecei a me perguntar como eu estaria se ele não tivesse me visto.

– Nojentíssima. Declamando uma poesia pior que a outra na Casa Celeste. Fomos todos salvos de mais uma intelectual inútil.

Riu. – Talvez.

O sol já havia sumido, o verde escurecia, as ondas tão calmas que todo o mar parecia morto. Morto como ela. Morto mas vivo. Morto mas ecoando.

Sentiu o corpo sentar ao seu lado, o ombro contra ombro, metal contra metal, égide contra égide. Não realmente sentiu nada. O mar continuava a lhe chamar, as águas começavam a prometer muito. Mas ela era a Promessa. Quem prometia, quem se entregava, quem carregara o bastião daqueles que outrora mataram os divinos e construíram a humanidade por cima de suas tumbas.

Daqueles que ceifaram Ssyvos, e sobre ele fundaram Argenia.

Sobre ele fizeram a Promessa.

Sobre ele mataram os sonhos.

2 de Março de 2021 às 00:11 2 Denunciar Insira Seguir história
2
Continua… Novo capítulo A cada 10 dias.

Conheça o autor

Comente algo

Publique!
Niten Musashi Niten Musashi
Salve, Camarada Pithon! Vou deixar pra comentar essa no Spirit!!!
March 02, 2021, 01:30

~