atherabeckman Ruana Aretha

Em meio há um turbilhão de pensamentos de Hanna, Benjamin surgiu com a sua misteriosa cúpula. Ambos continham um mundo que girava em torno do vazio de cada um, mas será que vão descobrir sobre o mistério do coração de cada um? juntos? E o tempo esperará por isso?


Drama Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#romance #drama #juvenil
3
519 VISUALIZAÇÕES
Em progresso
tempo de leitura
AA Compartilhar

O meu drama

''Em meio a multidão te encontrei, mas te perdi há um passo de palavra, talvez não fosse a hora de me resguardar, fosse a hora de te dizer sim''.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Numa manhã fria e chuvosa, me preparava para chegar no colégio, estava na 8ª série, a chuva parecia conversar comigo, andava em passos lentos até a porta de casa, pois a minha mãe me levaria na escola naquele dia, mas os dias estavam tão ruins em casa, passávamos por crises terríveis quanto ao relacionamento dos meus pais. A chuva que chovia lá fora, havia dentro de mim e o pior era no coração da minha mãe, ela dizia que não sofria mas eu sabia que a tempestade não passaria tão rápido assim, talvez um dia o sol viria mas demoraria muito, a minha mãe sempre foi orgulhosa e mandona, embora tivesse que viver para o trabalho, se preocupava muito com a minha educação.

As manhãs na minha casa não tinham sentido, era acordar, a mesa estava posta, todos os dias iniciavam as 6 da manhã, embora o meu colégio fosse próximo de casa, mas nunca tive a mania de acordar além do ponto. Sabe, era robotizado, não havia palavras, parecia uma casa fantasma e o meu coração foi sendo dominado por isso, como se treinasse alguém para ver que doar o seu coração não tivesse sentido. Eu era uma menina robô.

Eu estudava naquele colégio desde que eu me entendia por gente, conhecia todos por lá, porém sempre fui antissocial, de poucos amigos e quando não, apenas fazia as minhas coisas e ia embora, no entanto, muito ligada a movimentos sociais e ambientais, se houvesse algum protesto eu estaria por lá, ser revoltado por questões é complicado, você também se doa e depois se zanga, porque apesar de tudo os fatos não mudarão, o que muda é apenas a sua mente que evolui e intensifica o seu poder de decisão, até sobre a escolha de uma pequena sobremesa.

Na entrada do colégio eu já sentia uma energia diferente, parecia que aquele dia seria diferente da indiferença dos meus dias. Sim, meio negativa, em meio a pensamentos atordoados Julia me chamava.

-Hanna! Hanna! Hoje temos uma nova! Julia parecia uma bambi na minha frente pulando.

-Julia, não sou cega, o que foi? Respondia com aquela cara de 'aham' diga.

-Vamos ter aqueles shows de boas vindas aos novos alunos no colégio, e vem banda de pagode, aquele banda que a gente gosta...Julia dizia com os olhos brilhando.

-Julia, no meu mp4 não tem banda de pagode, você sabe muito bem sobre o meu estilo gótico trevoso de quem não tem coração, e nenhum tipo de veia ou ventrículos. Ria no fundo do meu ser 'muahaha'.

-Hanna sendo chata! Mas você me acompanha, não é? Perguntava Julia.

-É claro, somos amigas ... Mostrava a pulseira que eu, Julia e Agnes tínhamos.

Sentíamos um abraço vindo por trás.

-Muitas saudades de vocês, mais um ano juntas. Agnes dizia com o seu sentimentalismo sempre aflorado.

Ao longe eu via um ser alto e com uma alma boa passar, aquilo me chamou a atenção, parecia que o meu coração me dizia algo, porém desconversei o coração e retornei a conversas aleatórias com as minhas amigas e fomos para a sala. Sentando na segunda cadeira perto da porta, arrumando todos os meus cadernos para a aula de redação, literatura e português, uma energia se sentava na terceira fileira e aquilo me atraiu, olhei vagamente como se fosse doida , e olhei para o quadro.

- É, oi! Aquela alma dizia.

-Oi, tudo bem? Me sentei bruscamente olhando para o lado e super vermelha.

O garoto deve ter se assustado com o meu jeito de maluca e sentou enquanto os seus amigos chegavam e se sentavam ao lado dele. Agnes e Julia estavam fofocando lá fora sobre o pagode que elas tanto ansiavam. E então chegou um amigo dessa alma.

-Fala e aí tudo bem? Um garoto falava.

-Oi, e aí? Já estudava aqui não é? Me recordo malmente de ti, mas acredito que já estudava em outra turma... Respondia.

-Tem memória boa de garotos bonitos. Ele ria.

-Me chamo Ethan e esses aqui são Alex, Iuri e Benjamin. Deu um breve sorriso.

-Prazer em conhecê-los meninos. Sorria sem olhar para o Benjamin.

As meninas retornavam na sala e apresentei elas a eles, então as amizades iniciavam naquele grupinho de pessoas um pouco diferentes mas sorridentes. Uma hora ou outra olhava para o Benjamin, de alguma forma ele instigava em mim pensamentos e sensações diferentes. Como rainha do horror deveria negar esse tipo de sensação, e isso me forçava a ter palavras na ponta da caneta, honestamente eu não sabia que eu tinha o dom de escrever.

Menina, seja taciturna ! Seja o teu vislumbre! Repetia na minha cabeça diversas vezes. A aula ia terminando, e já organizava as minhas coisas para retornar para casa, mesmo que fosse algo que doesse, voltar para casa não tinha sentido, eu estaria sozinha lá. As meninas ficaram conversando com os meninos e eu iria esperar a minha carona na frente do colégio, andando com os pensamentos no outro mundo, alguém tocou no meu ombro.

-Oi de novo, é o Benjamin, caso não lembre do meu nome. Esfregou a cabeça.

-Oi? Ri do nada e super tímida.

-Vai esperar a sua carona também? Perguntei.

-Sim, posso esperar contigo? Perguntava Benjamin.

-Pode sim. Respondi com o coração super palpitante.

As conversas aleatórias com ele fluíam tranquilamente, parecia que o mundo encerrava naquela cúpula que a gente tinha criado.

''Naquele mundo vazio, por um talvez, eu tivesse encontrado a alma que precisava completar no vazio que havia no meu coração, por um instante eu sabia que o meu coração estava feliz, queria ser grata por aquele simples momento, não queria que a cúpula fosse extinta.''


22 de Fevereiro de 2021 às 13:16 0 Denunciar Insira Seguir história
3
Continua…

Conheça o autor

Ruana Aretha Um mero ser neste planeta que escreve o que vem a mente, aprecia o pequeno ao maior ser puro, protetora da sociedade fofinea, temida entre eles, pois quer apertar todos, possui grande amor pela natureza , sempre ao dispor dos sonhos e da fantasia. *Ps. Espero que sigam e curtam as histórias e poesias, agradecida por toda gentileza.

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~