leonardo-gabriel1574481710 Leonardo Gabriel

Pequenos relatos sobre a vida de Thomas Cadarn, um rapaz tentando encontrar seu lugar em um mundo cheio de mistérios .


Drama Todo o público.

#345 #258 #288 #horro #378
Conto
2
415 VISUALIZAÇÕES
Em progresso
tempo de leitura
AA Compartilhar

O diário

A única coisa que Thomas carrega de lembrança dos seus pais é o pequeno diário que pertencia ao seu pai. Quando Thomas tinha seus 5 anos de idade, um dia com sua curiosidade que provavelmente herdou de seus pais, foi até a mesa onde ficavam os materiais de serviço de seu pai Ezequiel e lá encontrou esse livro entreaberto, o livro nada possuía escrito, apenas imagens, imagens que ficaram guardadas na mente do pequeno Thomas, eram criaturas, mas nada se assemelhava a nenhum animal que ele conhecesse, eram horripilantes, tiradas diretos de um pesadelo, mas algo naqueles desenhos despertaram o interesse da pequena criança, era estranho, mas Thomas sentia que já conhecia aquelas criaturas, como se elas fossem visões de um passado distante, aquele era um sentimento novo para a pequena criança, que apesar da pouca idade, ao ver aqueles horrores rabiscados no caderno de seu pai sentiu como se a eternidade houvesse penetrado sua mente. Apenas uma coisa o incomodava, todos os desenhos eram em preto e branco, então o pequeno Thomas foi correndo ao seu quarto, pegou seu kit escolar e começou a colorir aquelas criaturas, mas quanto mais ele pintava mais frustrado ficava, pois nenhuma cor o agradava, ele tinha uma ideia de como seriam aqueles seres se eles possuíssem uma cor, mas novamente um sentimento estranho o atingiu, pois nenhuma cor que ele conhecia ou conseguia enxergar se assemelhava a ideia que ele possuía em sua mente, com isso um terrível calafrio atingiu seus pensamentos e ele começou a chorar, pois eram frustrantes e perturbadores aqueles pensamentos. Ezequiel que estava dormindo no sofá da sala escutou o choro do garoto e correu até seu quarto da onde vinha o barulho do choro e ao chegar encontrou seu filho debruçado sobre sua escrivaninha e com seu diário aberto e rabiscado com várias cores, ao chegar mais perto percebeu o que seu filho havia feito, por um momento a insanidade tomou conta de seu corpo, ele agarrou o braço do garoto chorando e quando ergueu a mão em fúria para dar um tapa no pequeno menino, o rosto cheio de lagrimas de seu único filho o trouxe de volta a sanidade, Ezequiel sempre foi um homem bom, justo e altruísta, e apesar de estar cada vez mais obcecado por suas recentes descobertas arqueológicas, ainda era um homem bom, e com isso largou o braço do menino aos prantos e começou a chorar junto de seu filho enquanto o abraçava.

Após um momento de paz junto de seu filho, Ezequiel perguntou ao menino o que ele havia tentado fazer, e o garoto explicou, e apesar de jovem Thomas sempre demonstrou uma inteligência fora do normal, era um garoto eloquente, sabia utilizar das palavras muito bem, talvez resultado de ser filho de um arqueólogo e uma professora de história que passavam a maior parte do seu tempo discutindo fatos históricos. O pai ficou um tempo sem palavras, tentando colocar as ideias no lugar, o que seu filho o havia dito coincidia com aquilo que ele sentiu ao desenhar aquelas criaturas que vinham em seus sonhos todas as noites depois da expedição que o levou a descobrir o que parecia ser um templo submerso nas Bahamas no ultimo inverno. Aquelas criaturas o perseguiam vindo de longe, de algum lugar que havia sido esquecido, mas que aos poucos pareciam estar acordando de um longo sono, e seu pequeno e precioso filho havia de certa forma presenciado aquilo, e pensar em seu garoto que era o que o mentia são junto com aquelas criaturas do além parece ter afetado ainda mais sua mente, depois daquele dia Ezequiel começou a trancar a porta do seu quarto para que Thomas não pudesse ver o que ele fazia lá dentro, e escondeu seu diário de baixo de uma ripa do chão de madeira do sótão uma noite enquanto todos dormiam, mas ele não esperava que o seu filho tivesse visto o que ele fazia, uma semana depois Thomas foi até o sótão e pegou o diário de seu pai onde havia tido contato com aquelas criaturas malditas pela primeira vez e guardou em seu esconderijo secreto que seus pais nunca achariam, mas mal sabia ele que isso não seria necessário já que na semana seguinte ele nunca mais os veria.

4 de Abril de 2021 às 01:19 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo A cidade

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 3 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!