roberto-ornelas1608100811 Roberto Ornelas

Uma narrativa simplista da vida de paixão, sofrimento, desejo, e a renuncia e desprezo. O amor que anda só, platônico.


Drama Todo o público.

#paixão #castigo #desejo #sentimentos #separação #amor
Conto
0
2.3mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Eu e o Homem do Espelho

Eu e o Homem do Espelho


Hoje estava falando com o homem do espelho:

— Como o tempo passa rápido, hem Amigão? Outro dia, nós éramos jovens, cheio de sonhos, esperanças, energias… estamos ficando velho amigo é mentira? Ficando sábio talvez e um pouco mais tolerante, saudosista também, como viver sem lembrar de bons momentos, afinal nem tudo foi ruim.

O homem do espelho me olhava intrigado, admirado com minhas palavras, mostrando no rosto os excessos de rugas, acumuladas pelos anos de luta… os olhos um tanto avermelhados e talvez cansados, sem aqueles brilhos de antes. Foram passando várias nuvens de lembranças já perdidas no tempo em minha cabeça…

E o questionei de surpresa:

— Como pude deixar tantas coisas pela metade, amigão? E outras que simplesmente deixei acontecer talvez por ingenuidade e comodismo, e de tantas outras que ficaram pelo caminho sem a minha atenção e importância devida, sem o valor merecido… Elas foram mesclando-se a outras situações que nem comecei com medo de errar e errei por não tentar.

Ouvi do homem do espelho:

— Talvez seja tarde demais para lamentarmos, o importante é seguirmos e deixá-las em seus lugares de origem, procurar esquecer, é difícil. Alguns vãos dizer que nunca é tarde… mais sabemos que não é bem assim, não é amigo? Não somos mais os mesmos, os anos pesam…

Ele completou, me deixando emocionado.

— Como seria bom se pudéssemos retornar e retomar de onde paramos? Reparar os nossos erros e tropeços? Perdoando o que achávamos imperdoável hoje parecem sem sentido, sem valor algum. Será que seriamos mais felizes? Teríamos a consciência mais tranquila hoje? Não sei te responder amigo e com toda certeza nunca vamos saber.

Eu ouvia o homem do espelho atento, falei convicto, tentando ser forte. O que era tarde demais!

— Eu tentaria ser mais delicado com as minhas palavras e decisões, menos arrogante em certos momentos e mais amoroso com os que me arrodeavam, os que realmente me amaram, agradeceria mais e reclamaria menos, não me queixaria do café frio e do leite quente demais, pois era só misturá-los, como uma boa melodia e uma bela letra de amor, não reclamaria pela cama estar revirada à tarde, que foi nós mesmo que as desforramos em nossa manhã de amor…

— Não reclamaria por vê-la descansando, deitada… Pois, era a posição que mais gostava em tê-la em meu deleite. Não seria tão egoísta com o meu tempo sempre precioso e ao meu belo prazer, amaria mais muito mais, com todas as minhas forças e paixão, aproveitaria cada instante como se não houvesse outro amanhã.

— Tentaria não blasfemar tanto do frio, hoje sinto estar mais frio ainda, ouviria mais os meus pais, mesmo acreditando que eu estava coberto de razões, brincaria mais de criança com as minhas crianças, ao invés de trabalhar e me cansar tanto por nada…

— Faria tudo com mais paciência e redobrada dedicação, com a visão do presente e a voz da experiência. Também faria um grande álbum da minha vida, iria tentar registrar todos os meus bons momentos em fotos coloridas, que mesmo mofadas e desbotadas pelo tempo, mas que me serviria hoje para minha grande retrospectiva solitária.

— Tiraria da parede da memória os retratos da vida, jogando fora as suas molduras podres e as lembranças ruins, ficando com os momentos bons que jamais voltarão. Isto é o que conta, o que levamos da vida, não é isso amigo?

Ainda tive alguns lampejos das lembranças já esquecidas e das saudades eternas, que foram ficando inconstantes e confusas na minha mente. Olhei para o homem do espelho, esperando sua aprovação ou um comentário contrário.

Ele estava em silêncio e cabisbaixo:

Reparei um par de lágrimas teimosas que escorriam de seus olhos agora bem vermelhos, deslizando vagarosamente pelo seu rosto enrugado, dando lugar a outras tantas, e como gotas de chuva, que caíam ao chão dissipando-se aos seus pés.

O Homem do Espelho chorava!

Roberto Ornelas

7 de Janeiro de 2021 às 23:36 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Roberto Ornelas Sou um escritor amador, adoro contos, escrevo por hobby. Minha página Facebook/Contos/Livros https://www.facebook.com/robertoornelasmeusebooks http://payhip.com/b/pkjc Paixão Animal (Livro Digital em PDF) http://payhip.com/b/48ya A Virgem do Manguezal (Livro Digital em PDF) http://payhip.com/b/efG4 Traição Trocada (Livro Digital em PDF) http://payhip.com/b/9Kos A Potranca Negra a Galope (Livro Digital em PDF) Roberto Ornelas

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~