Problemas técnicos - estamos enfrentando alguma sobrecarga do servidor, causando grande lentidão no desempenho - seja paciente enquanto resolvemos os problemas.
sou_well_ Dreams_Cabello

Camila Cabello, uma estudante que se torna modelo de sua cidade natal, Miami. mesmo com pouco idade a nível já demonstrava um grande talento e um futuro promissor para sua carreira. Mas em um belo dia em uma casa noturna conhece a uma senhora, sócia de uma das maiores e mais conceituadas agências de moda de Los Angeles. A partir daí tudo estava indo muito bem, mas o que Camila não sabia é que na verdade, que ela era uma traficantes de pessoas que usava da ingenuidade e incidência para atrair pessoas como ela, de ser uma modelo de prestígio e sucesso ao redor do mundo. Entretanto esse sonho está quão longe de ser realizado graças à ela e sua gangue .Nem mesmo o FBI sabe a exata localização de onde ela e sua córdia se escondem, será que Camila aguentará todo esse sofrimento?


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#sexo #camren #camila-cabello #lauren-jauregui #fifth-harmony #narcotráfico #amor #THE-Empire-Jauregui's #trafico-humano
0
2.8mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

PRÓLOGO


Point of View Camila Cabello

Inferno.
Era assim que minha vida se encontrava em tal momento, desilusão, conflito, confusão e muitos, muitos hematomas em minha pele. Aonde era para ser um sonho de toda uma vida acabou se tornando um sofrimento sem fim.

Um simples encontro, e um simples sim eu aceito, transformam a vida de muitas pessoas, se eu soubesse que em uma noite de curtição com minha melhor amiga me traria a um caminho sem volta, eu preferia ter ficado em casa assistindo Bob esponja, infantil? Sim. Mais pelo o que eu estou passando eu não pensaria duas vezes a voltar a ser aquela estudante do ensino médio que quando discutia na escola ia correndo para casa se esconder nos braços de minha mama.


- Dez minutos para o banho vadias. - Me encolhi em meu lugar ao escutar a voz grossa de Zayn Malik.


Se em meu corpo ainda tinha lágrimas eu não sei, porque meu estoque acabou nas primeiras duas semanas que cheguei aqui.


- Ei pequena, não fica assim. Tudo vai se resolver logo, logo. - Michelle falou em meu ouvido tentando apaziguar aquela sensação angustiante que se apossava em meu corpo.


Não lhe respondi, não com palavras. Lhe dei um curto sorriso em agradecimento, ela estendeu sua mão me ajudando a me levantar. Fomos em direção aos chuveiros.


Nem isso tínhamos liberdade, o local do banho parecia aqueles banheiros de penitenciária, vários chuveiros para todos tomarem banho juntas, sete minutos era o limite para cada banho. Tínhamos que nos virar em lavar o cabelo e enxaguar, o pior era quando tínhamos que nos depilar. Pelo menos os barbeadores eram individuais, mais isso não diminuía a humilhação.


Michelle me ajudou a me despir com todo o cuidado do mundo, meu corpo ainda sentia o vestígio da última surra que tomei, o motivo? Eu tinha menstruado e não poderia cumprir com minhas obrigações. Como se meu período fértil ligava para isso.


Todas as meninas eram obrigadas a tomarem injeção para suspender a menstruação e a idiota aqui se esqueceu de tomar a última dose da injeção, resultado. Uma das maiores surras que já levei em toda a minha vida.


-Quer ajuda com ela? - Demi perguntou a Michelle, ela estava tendo um pouco de dificuldade em me banhar, já que meu corpo parecia uma geladeira de tão pesado que estava.


- Pode deixar que eu cuido dela. - Demi deu um sorriso de incentivo e saiu nua em direção ao seu chuveiro. - Vamos lá pequena me dá uma ajuda. - Apoiei meu braço em seu ombro me dando sustentação para ela me lavar adequadamente.


- Eu juro por Deus que quando sairmos daqui eu vou matar esses filhas da puta um por um. - Ela esbravejou passando o sabão em meus seios, é nem sabonete a gente tinha.


- Do jeito que você fala parece que vamos sair daqui logo. - Falei extremamente baixo, até para abrir a boca doía.


- É porque nós vamos, isso é uma promessa. - Ela deu um beijo em minha bochecha e prosseguiu me lavando.


-Acabou o banho gostosas, Morgado para de se esfregar na Estrabão. Deixa para vocês fazerem isso quando acabar o expediente. - Mais um vez o infeliz do Malik falou, só escutar a voz daquele endivido fazia meu estômago embrulhar.


Michelle rosnou mais não disse nada, e eu nem deixaria, ou ela poderia sofrer as consequências também. Ela me enrolou em uma toalha que parecia mais uma pano de chão e começou me enxugar.


- Mimi você não se lavou devidamente. - Me dei conta que ela não tinha tomado seu banho direito, pois passou os sete minutos ocupada comigo.


-E eu me importo com banho Karla? Você no momento é minha prioridade. - Fomos juntas para o "quarto" onde todas dormíamos, ela me vestiu com uma camisola bem confortável e me ajudou a me deitar em meu colchonete.


... -Vou buscar seu almoço. - Ela disse já se levantando.

- Você sabe que não vão deixar você trazer. - Outra regra, quem quiser comer que vá até o salão principal, ninguém tinha a mordomia de comer no dormitório.


- Eu vou falar com Zayn, eu já volto. - Deu um beijo em minha testa e saiu.


- É fofo o jeito que vocês se tratam. - Normani uma das meninas que estava com a gente falou.


- Me dei bem logo de cara com a Michelle, se tivéssemos nos encontrado em situações diferentes tenho certeza que seriamos melhores amigas. - Falei para a Mani me ajeitando melhor no colchonete.


- Lembre-se Kaka a esperança é a última que morre, talvez ainda sairemos daqui para encontrar o nosso príncipe encantado. - Ela falava com um ar sonhador.


- No meu caso princesa. - Comecei a rir fazendo uma careta devido as pontadas em minas costelas.


- Como é ir para cama com uma mulher? - Ela me perguntou fazendo meu sorriso morrer.


- Não sei, nunca fui para cama com nenhuma. - soltei um suspiro de indignação. - Melhor dizendo eu ainda seria virgem se não tivesse vindo parar aqui. - Ela arregalou os olhos se dando conta o que eu quis dizer.


- Você está me dizendo que perdeu sua virgindade quando chegou aqui? - Afirmei com a cabeça e abaixei a cabeça devido as lágrimas que invadiram meus olhos. Lembra quando eu disse que tinha se esgotado minhas lágrimas? Pois é voltaram com força. - Eu sinto muito Karla. - A negra mostrava pena diante meu sofrimento.


- Eu nunca pensei em perder minha virgindade com romantismo, com pétalas de flores e velas, essas coisas. Eu queria perder normalmente sabe? Com a pessoa que gostamos e na hora certa, na hora que meu corpo queimasse e pedisse por isso, não da forma que perdi. - Falei limpando os vestígios das lágrimas e soltando um gemido de dor.


- Pequena trouxe seu almoço, vai comendo que eu consegui cinco minutos para tomar meu banho. Eu já volto. Mani fica de olho nela. - A negra ao meu lado assentiu pegando a marmita da mão de Michelle, ela me deu um sorriso lindo mostrando todos os seus dentes e foi para seu banho.


- Sabe, eu não entendo essa coisa da Michelle com o Zyan. - A mulher do meu lado soltou me pondo uma pulga atrás da orelha.


- Como assim? - Franzi o cenho não entendo o que ela quis dizer.


- Pensa comigo, desde quando ela chegou ela foi a única que nunca apanhou. Ela foi buscar seu almoço coisa que é extremamente proibida, tirando que ela conseguiu um horário para o banho depois do horário. - Ela terminou de expressar seus pensamentos.


- Não sei Mani, talvez eles se deem bem. - Virei minha cabeça de lado pensando sobre o assunto.


- Não sei Kaka, minha última menstruação eu me melei toda e mesmo assim não consegui dois minutos para me lavar, o Malik me deixou suja de sangue até o dia seguinte para poder me banhar.


- Isso realmente era verdade, ela tomava a injeção também, mais devido alguma coisa a menstruação dela veio sem aviso no meio do salão, e para piorar ela estava de banco. Então ela teve que esperar até o dia seguinte no horário habitual de tomar banho.


- Pelo amor de Deus Mani, fala o que você acha? - Me exaltei com a mulher.


- Ou ela tem um caso com ele pelas costas de todos e tem certas mordomias, ou ela está no meio dessa merda toda. - Arregalei meus olhos espantada com tamanha suspeita.


Mais o que eu sentia ou pensava não pode ser completados, Michelle entrou pela porta já devidamente banhada e sorrindo para mim, eu não posso acreditar que esse ser maravilhoso tem alguma coisa haver de eu estar aqui neste inferno. Não, não pode ser.


- Mani, vai almoçar eu fico com ela. - Ela disse se ajoelhando ao lado do colchonete e se sentando ao meu lado.


- Ok, bejos para vocês. -A negra saiu nos deixando novamente a sós.


- Não vai almoçar? - Perguntei levando a colherada daquela comida de cachorro para dentro de minha boca.


- Estou sem fome. - Ela deu um sorriso sem humor.


- Vem, come comigo. - Lhe convidei e assim fizemos.


Michelle era um mulher maravilhosa, um ano mais velha do que eu. Assim como eu ela foi tirada de Miami para vir para cá, só que a única diferença é que ela consegue engolir certas coisas, ela consegue ter sangue frio diante de algumas situações, eu já não consigo.


Depois de terminarmos de almoçar, ela me dando comida na boca, deitamos juntas em meu colchonete, e assim passamos a tarde.


Hoje graças a Deus não haveria expediente então eu poderia tentar descansar o corpo, a alma e a mente.


Depois de quatros dias que eu tinha chegado aqui ela chegou, de um jeito prepotente, quem via realmente pensava que ela estava relacionada a alguma coisa aqui dentro, mais não. Ela veio na mesma situação que a gente. Ela veio parar aqui pela mesma mulher que me trouxe, Tara Robert. A esposa do diretor de meu curso de moda. Ai eu me pergunto será que ele sabe o que sua esposa anda fazendo por suas costas? Acho que não.


Michael Robert é um senhor extremante simpático, quando cheguei em seu curso com uma mão na frente e outra atrás foi ele que se empenhou a me ajudar, eu não tinha condições financeiras de arcar com as despesas do curso, então ele me deu meia bolsa e a metade eu ajudava professores e o próprio diretor a organizar festivais e até mesmo desfiles. Então eu pagava com meu trabalho a outra metade do curso, tudo porque ele dizia que eu tinha potencial para a profissão.


Foi em um desses trabalhos que eu conheci pessoalmente Tara sua esposa, uma mulher aparentemente educada e muito sociável, só que uma cobra ou o próprio diabo em outras.


Quantas meninas será que ela já fez passar por isso, porque em uma noite eu estava em uma badalada boate de Miami com minha melhor amiga Dinah e dois dias depois eu estava em um avião vindo para Los Angeles realizar o meu "sonho".


E Dinah? Como será que minha amiga está, nunca me esqueço de seu grande sorriso no aeroporto quando ela foi me levar, e nunca vou esquecer suas palavras.


"Vai em frente Chancho, corra atrás de seus sonhos que não demoro muito vou te encontrar"


Se ela soubesse que meu sonho virou o meu maior pesadelo.


E meus pais? O que será que eles pensão agora? Eles nunca foram a favor dessa viagem, uma garota de dezenove anos indo para longe dos pais para viajar a trabalho? Besteira. Se eu tivesse escutado os conselhos deles uma horas dessas não estaria aqui passando por isso, não estaria aqui com quase uma costela quebrada e um supercílio inchado devido as surras.


Eu estava quase pegando no sono quando eu escutei a voz rouca de Michelle sussurrada em meu ouvido.


- Eu vou te tirar daqui, é uma promessa. - Sorri involuntariamente.


- Eu acredito em você. - Eu não sei o porquê ter respondido isso.


Toda vez que Michelle falava algo nesse sentindo eu sempre ficava calada, a esperança é como uma jarra de água, se você não vai enchendo uma hora ele vai secar, e quando cheio ele pode até transbordar. E minha esperança estava assim no momento.Cheia.


Eu não sei se é por estar conhecendo a cada dia a grande mulher que Michelle é, ou por estar me apegando a essa amizade rapidamente.


Eu sinceramente não sei, mais uma coisa sei com toda e real certeza, cada vez que ela fala isso minha esperança se renova e eu sinto em meu interior que sim. É verdade.

Que sim, ela vai me tirar daqui.

Bem eu não me apresentei.
Sou Karla Camila Cabello Estrabão, ou aqui como sou chamada Karla Estrabão.


Sou naturalmente Cubana/Mexicana, tenho dezenove anos e estava estudando moda para ser uma grande estilista, mais o destino resolveu entrar no meio e mudar meus planos e meus sonhos.


Meu sonho anterior era ser uma grande estilista, ajudar vários modelos a ter um grande desfile e produzir uma marca de roupa com meu nome.


Meu sonho atual é sair daqui.
Para quem ainda não se deu conta de onde estou, isso é fácil.


Estou em um bordel.
Sou Karla Estrabão e sou vítima do tráfico Internacional de pessoas.

Cometem aí. Isso é muito importante pra nós dois, e um grande beijo!!

1 de Janeiro de 2021 às 19:09 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo First Day As Call Girl

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 23 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas