layula ludmilla rodrigues

Victorine e Antony eram apenas pessoas comuns, até descobrirem que seus corpos eram feitos de sentimentos únicos, amor e ódio. Essa é a história das gêmeas que representam a vida e a morte, consequência do romance proibido entre o amor e o ódio.


Ação Impróprio para crianças menores de 13 anos.
0
2.8mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 10 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

O Começo De Um Todo

Antes de sermos sentimentos… Éramos meros humanos! Quem diria que, sentimentos além de uma expressão sensível, de ser algo que nos comove e muitas vezes nos muda, não seria apenas uma expressão e sim uma pessoa, mostrarei a vocês… Que sentimento é algo vivo, bem, vivo.
Era uma vez… Alguém, duas pessoas diferentes dos outros, completamente fora do normal.
Victorine é uma mulher de coração calmo e tranquilo, cabelos negros e olhos castanho-escuros, de uma melanina da cor do pecado, que se encantava com tudo ao seu redor. Todos se perguntavam o motivo de ela ser sempre sorridente, para alguns, era adorável, para outros, estranho, mas nem ela mesma sábia ou entendia, só gostava de ser ela mesma.
Já Antony é um rapaz de pele clara, olhos, cor de mel e cabelos lisos, completamente o oposto da dama, ele era mais irritado com tudo ou todos, muitas vezes era motivo de falatórios, sem nem conhecer, as pessoas o julgavam ou muitas vezes o provocavam, ele não sorria tanto, nem mesmo demonstrava afeto, mesmo ambos morando no mesmo vilarejo, raramente se encontravam, ou melhor dizendo, se desencontravam, talvez ainda não fosse tempo de se conhecer… ate então.
Como victorine gostava bastante de ir numa feirinha que tinha perto da sua casa, sempre ia de bom humor, ela gostava bastante de brincar com as crianças que ficavam no meio da rua, cantar por aí era algo que ela amava fazer também, Já Antony era mais caseiro, discreto e neutro, maioria das vezes ajudava o seu pai no trabalho de construtor.
Certo dia, enquanto voltava para a sua casa, Victorine estava tão distraída que acaba por se esbarrar em Antony.
— Sinto muito, eu estava meio distraída… Fala victorine enquanto tenta se justificar.
Antony coça a nuca e suspira.
— Não, tudo bem não precisa se desc.…
Ele perde a fala ao ver o rosto da pessoa a sua frente, ambos se encaram por um tempo, ela já escutou falar deste rapaz pelas pessoas, que ele só andava de mau-humor e que era difícil de conversar, mas surpreendentemente ele demonstrou que sentiu uma palpitação, ele não mostrou nenhum sinal negativo, pelo contrário, ele sentiu-se completamente cativado com a beleza daquela mulher a sua frente, ao trocarem olhares ambos tiveram a mesma sensação, a atração que também pode ser chamado de sentimento.
Eles se apresentaram timidamente e tão formalmente, ambos estavam confusos, sem mais palavras partiram cada um para o seu lado, mas, a partir daquele dia, eles passaram a se ver bastante, Antony era completamente diferente da sua própria natureza ainda desconhecida, dessa atração que ambos tinham, algo a mais estava surgindo, algo diferente da atração, talvez fosse o amor, um sentimento tão forte, quente e reconfortante, assim como Victorine.
Amar, amei e amo, até mesmo o tal chamado amor tinha suas fraquezas, como todos sabem, nem todo o amor é só flores.....
Depois de anos juntos, cada dia que se passava Victorine notava uma mudança no seu marido. Antony mesmo sendo um bom marido e mesmo demonstrando o quanto gostava de Victorine, acabou que se tornou agressivo com as palavras, impulsivo, negativo, mesmo que não quisesse, era como se sua verdadeira natureza estivesse vindo a tona, ou talvez fosse mais que a sua natureza lhe mostrava no passado, algo feroz, perigoso e destrutivo, o ódio era algo que poucos conseguem controlar.
Ambos não sabiam de onde surgia aquilo que os queimavam por dentro, buscavam entender, compreender, mas não conseguiam, eles então resolveram deixar de lado por um tempo, até que um dia enquanto Victorine lia alguns livros, ela achou um que se encaixava perfeitamente nas descrições dela e de Antony, nesse livro antigo, falava que os humanos vinham de uma mistura de emoções, e que cada emoção criou um sentimento do mesmo jeito que cada sentimento se tornava aquela mesma emoção, Victorine era o sentimento do amor, por sua calmaria, carinho e paz e Antony vinha do ódio, por sua ira e nervosismo, pelo que estava escrito no livro, o amor e o ódio não podiam permanecer juntos, pois, podem acabar criando uma emoção, a do sofrimento que também é uma emoção perigosa, ambos temiam o que poderia acontecer caso criassem uma emoção, já que para eles, tal história era completamente desconhecida, era algo desconhecido pela humanidade, apenas uma mistura de emoções foi capaz de criar um sentimento capaz de decifrar e por tudo num livro, um livro que sumiu a milhares e milhares de anos, esse sentimento da surpresa. No tempo ainda não tinha ninguém que lhe desse a imortalidade, ele veio a falecer. Ele foi o único capaz de entender do que eram realmente formados aqueles humanos com o seu jeito único. Porem algo raro aconteceu, depois de muito tempo, quando uma pessoa foi classificada como deus maior e aderiu o poder de dar imortalidade entre outros, uma menina nasceu. Sua reencarnação.
Porém, algumas folhas daquele livro foram arrancadas, e no final do livro estava escrito que existiam outros livros capazes de contar mais sobre isso, mesmo eles não querendo, ambos teriam que ir atrás desses livros para poder decifrar esse mistério, então assim como pedia no livro, foi feito, ambos decidiram se afastar para evitar que uma nova emoção nascesse, mas..... mal sabendo eles que o sofrimento não vinha só da junção, mas também da separação. E assim nasceu uma nova emoção, o sofrimento, mas será que o sofrimento da separação era maior que o sofrimento de estar juntos… Quem sabe.

28 de Setembro de 2020 às 14:01 7 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo Em busca de respostas

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 20 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!