V
Vanessa Santos


Em um mundo onde as coisas não são como aparentam ser, pessoas nascidas no ápice da lua recebem habilidades especiais conforme a divisão do signo zodíaco. Quando nascem, suas habilidades ainda estão adormecidas, ao decorrer de suas vidas elas evoluem e seu controle aumenta. Ao completar a maioridade, suas habilidades já estão completamente desenvolvidas, assim como seu completo entendimento e controle. Nesse mundo não se deixe levar pelas aparências, as coisas podem ser atrativas e traiçoeiras, os nascidos sob a luz da lua sabem como manipular os recém chegados. Humanos, mantenham distância e se não puderem... Apenas tomem cuidado.


Fantasia Todo o público.

#ação #sangue #signos #rebeldes #lutas #258
0
367 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Quartas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo


Ismen observava a lua sentindo a brisa noturna bater em seus fios ruivos, a jovem geminiana estava nervosa, amanhã seria a grande reunião do tribunal do concelho onde seu melhor amigo seria julgado. Embora nada pudesse fazer para ajudá-lo, Ismen ainda tentava traçar um plano para que Plínio não sofresse com alguma punição tão severa.

Mesmo a alegria sendo característica dos geminianos, Ismen não estava feliz, ela estava aflita com o destino de seu amigo e isso a deixava triste.


A ruiva fechou a janela e estalou os dedos para que a chaleira se enchesse de água depois a levou até o fogão ascendendo o fogo.


Caminho até o pequeno banheiro e tirou suas vestes ficando completamente nua, bateu palmas e em segundos a banheira se encheu com água quente, entrou na banheira e se afundou completamente imaginando como seria exaustiva a sua noite.

Apesar de sempre defender os zodíacos no grande tribunal, dessa vez não poderia defender Plínio por ser sua amiga. Mas, por sorte, o grande tribunal permitiu sua entrada como observadora, não poderia interferir ou dar palpites, apenas observar o julgamento.

Os julgamentos costumavam levar dias ou até semanas dependendo da gravidade dos fatos, após cada reunião com a defesa e a acusação, o grande concelho se reunia com os representantes do sol e lua para debaterem como prosseguir, muitas vezes os julgamentos eram justos, mesmo que as punições severas.


Graças aos astros essa seria a última noite de julgamento, logo teriam o resultado e Ismen ansiava que fosse algo bom, mesmo sabendo que a probabilidade era mínima.


Ao terminar o banho, a geminiana prontamente colocou suas vestes formais costumeiras do tribunal do concelho. Cada vestimenta formal era composta pelas cores do signo do zodíaco e sua pedra.

Como geminiana, Ismen usava em seu pescoço uma corrente fina de ouro com sua Azurita na ponta, a pedra brilhava em contato com sua pele devido as suas habilidades. Colocou seu vestido amarelo com detalhes em verde e trançou seu cabelo.


Seis badaladas no sino da torre central da praça sinalizavam que em breve o julgamento se iniciaria.


Ismen tomou seu chá de camomila em busca de acalmar seus nervos, poucos minutos depois, já estava em direção a grande construção de pedra que a lembrava um Castelo antigo.


Mostrou sua pedra para o chefe dos guardas que a segurou sentindo sua energia, logo após isso sua entrada foi liberada.

Acompanhada de alguns guardas virginianos, ela andou até o grande salão, parecia de certa forma uma miniatura de um coliseu.

Os doze membros do concelho já estavam sentados em seus lugares, acima deles havia dois tronos vermelhos onde um homem e uma mulher estavam sentados.

O homem era bastante forte, seu cabelo loiro parecia brilhar e olhos laranjas lembravam o fogo. suas vestimentas eram laranjas com detalhes em ouro, em seus dedos estavam diversos anéis de ouro com pedras dos doze signos do zodíaco. Esse era o Sol.


Ao seu lado estava uma mulher com cabelos brancos que brilhavam, seus olhos eram cinzas e sua pele extremamente branca e refletia a luz da lua. Seu vestido era cinza e brilhava tanto que doía seus olhos, em cada pulso tinham seis pulseiras de prata e em cada pulseira as pedras dos doze signos do zodíaco. Essa era a Lua.


O tribunal estava finalmente cheio, todos haviam chegado e o julgamento final se iniciaria.

Plínio entra acompanhado de guardas que seguravam seus braços, suas vestes eram formais mas não usava sua pedra, era um direito negado aos acusados.


— Que comece o julgamento final.


A voz da líder do concelho ecoa pelo salão, ela usava suas vestes formais de librianas, um vestido rosa claro quase branco com alguns detalhes na barra em ouro e prata.

Em seu pescoço tinha uma corrente fina de ouro com duas pedras, Amazonita e Ônix.


— Vamos lembrar primeiramente nossas motivações de estarmos aqui.


Disse Azebet, a líder do concelho. Sem se levantar ela iniciou seu raciocínio.


— Esse Leonino é acusado de conspiração, ele planejou friamente com o grupo terrorista que se denomina : “a resistência” o sequestro seguido de assassinato de membros do concelho.


Plínio olhava com desdém para Azebet, para ele, ela era apenas uma peça em seu jogo. Mesmo que o punissem, tirassem suas habilidades ou até pior, Plínio sabia que a resistência não iria deixar isso impune, eles continuariam com o plano, mesmo que tivessem que mudá-lo um pouco.


— Vossa senhoria, esses planos chegaram a suas mãos através de fontes não confiáveis. Estamos julgando um zodíaco inocente como se fosse o pior dos rebeldes, sequer sabemos se esses planos são reais, podem ser motivados por alguma desavença pessoal, sabemos que o senhor Tunsusk tem bastante inimigos por ser um comerciante conhecido.


— De fato, poderia ser uma denuncia falsa. Mas eu vi o futuro do senhor Plínio Tunsusk e em todas possibilidades possíveis ele estava executando seu plano.


A voz de Zanceber ecoa o salão e os zodíacos presentes na bancada de observação ficam chocados, um burburinho se inicia mas logo tem fim com o pedido de silêncio feito por Azebet.


Zanceber usava as vestimentas formais de virginianas. Seu vestido era azul escuro, na barra tinham detalhes em ouro e prata.

Em seu pescoço, uma corrente fina de ouro com uma selenita.


Plínio tenta atacá-la mas é parado por uma nuvem de poeira feita por Zanceber, os guardas o seguram forte arrastando Plínio até seu lugar.


— Viram? Nem precisei prever seus próximos passos. Sinto muito em declarar isso, senhor Tunsusk, mas vejo seus sentimentos e o senhor só tem um objetivo : acabar com o concelho e matar os líderes.


Ismen estava chocada como os demais zodíacos que observavam o julgamento. Por Plínio ser uma pessoa conhecida de todos que observavam o julgamento, ninguém imaginaria que ele tinha planos tão sórdidos.


— Cale-se sua meretriz!


Plínio grita e para a surpresa de todos, o Sol se levanta do trono e sua voz grave ecoa todo o salão deixando os zodíacos com um zumbido no ouvido.


— Cale-se Leonino! Seu comportamento não será tolerado!


Sua irmã segura sua mão tentando lhe deixar calmo, o Sol olha calmante para Lua que concorda com a cabeça, pareciam ter conversado telepaticamente, uma conversa que os zodíacos jamais saberiam inteiramente.


— Já está claro o suficiente as intenções desse Leonino. Guardas, levem-no para a câmara de remoção de habilidades e depois para o calabouço.


— Você não pode fazer isso comigo!


Plínio esbraveja se debatendo nas mãos dos guardas. A Lua se levanta e começa a falar calmamente.


— Senhor Tunsusk, você não tem mais a confiança desse tribunal e de todos os zodíacos. Pelo poder dado a mim pelo cosmos e pela Lua, o declaro culpado de conspiração e tentativa de assassinato do grande concelho.


O burburinho se inicia assim que Plínio é arrastado para fora do salão aos berros.

Para um zodíaco, a pior punição era perder suas habilidades e ser trancafiado em um calabouço, onde a vida perde o sentido e se adoece a cada dia.


Ismen estava abala com toda a confusão, chateada, caminhou até a praça onde chorou em frente a fonte durante horas perguntando qual era o problema do cosmos.


Choro de geminiana é algo raro, assim como seu sangue, seu choro pode ser usado como um veneno mortal e ao ver a cena, zodíacos da resistência se aproximaram furtivamente. Um homem alto cobre os lábios da geminiana e com um pequeno vidro coleta suas lágrimas.


Perto dali, um dos guardas voltava para casa, ao se deparar com a cena, sacou sua espada e correu até a fonte.


— Se afastem dela!


Sua voz era firme mas os zodíacos riem desacreditados de sua petulância, os rebeldes eram em total de seis e como aquele único homem poderia salvar aquela pobre geminiana?


— Volte para casa antes que você seja meu lanchinho da noite.


Enfurecido, o jovem guarda corta com um único golpe a cabeça do rebelde que o desdenhava, sua cabeça rola até o outro lado da rua e o pequeno vidro nas mãos do homem alto e magricela cai no chão devido ao susto. Os rebeldes sacam suas armas e correm em direção ao guarda que desviada de todos os golpes cortando os membros dos inimigos. Alguns perderam a mão, outros o braço, outros sangravam até a morte.

Os rebeldes feriados correram até o beco de onde saíram, os que estavam feridos demais para fugir receberam seu último golpe de espada.


Ismen estava suja com respingos de sangue, o guarda desconhecido a ajuda a limpar o líquido vermelho de seu rosto.

Era um virginiano, isso a ruiva podia afirmar com certeza, seus golpes deixavam claro o seu signo e seu uniforme de guarda do grande concelho afirmava sua hipótese.


— Senhorita, você está bem?


— Estou... Obrigada por me ajudar com meu pequeno problema.


Embora o guarda que tivesse os poderes de sedução, ele que se sentia atraído pela forma que aquela jovem geminiana se comportava.


— Ismen, Ismen Santovisk.


Ela estende sua mão para que ele a aperte e assim o guarda faz.


— Aaron, Aaron Veiga.


O sorriso de Aaron faz o coração de Ismen bater rapidamente, voltando a sua postura confiante, a jovem limpa suas lágrimas com a barra de seu vestido temendo que os rebeldes pegassem do chão de alguma forma.

Com a ajuda de Aaron, Ismen chegou em segurança a sua pequena casa, mesmo que os rebeldes retornassem, não teriam as lágrimas de tristeza, apenas um coração ferido poderia fornecer lágrimas venenosas e graças as habilidades de Aaron, ela se sentia tranquila, ele havia mudado seus sentimentos enquanto conversavam no caminho de sua casa.


Embora isso fosse de certa forma ruim, Ismen preferia assim, pelo menos poderia ter uma noite de sono tranquila.


16 de Setembro de 2020 às 07:11 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Continua… Novo capítulo Todas as Quartas-feiras.

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~