cherylbombshell Fascist Barbie

A força vem das veias, de acordo com um vampiro. Christoffer tem uma forte ligação com seu irmão Alexander; lhe deve uma vida e tem toda uma história obscura por trás do belo sorriso. Séculos depois, ele jura esquecer tudo aquilo que viveu um dia, mas quando seus olhos se encontram com os de Ann-Marie, a caloura, tudo aquilo que ele tenta repreender explode como um vulcão em erupção. O vampiro tenta ao máximo se aproximar, contudo seu irmão insiste em tentar impedi-lo. Apesar disso, nem Alexander é o suficiente para segurar o homem e vampiro que agora se envolvem com Ann-Marie. Aqueles olhos, ele já conhecia aqueles olhos, e aquele sorriso também. Seria tão cruel o destino para tirá-la dele novamente? Nem tudo é tão fácil, nem tudo é tão difícil e tudo pode se tornar obscuro em um passe de magia negra. Um movimento em falso pode acabar com até a última gota de sangue que corre nas veias de cada um. Vampiros, bruxas, lobisomens... Nada disso são apenas histórias. O sobrenatural é real.


Fantasia Épico Todo o público.

#suspense #amor #romance #lobo #lobisomens #227 #vampiros
0
392 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 15 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo - Unidos para sempre

Prólogo

📷

Unidos para sempre

O que é sangue?

Sangue é aquilo que partilhamos com a família. Mas, além disso, sangue mostra união em laços fortes.

Família! Vai muito além de um sobrenome. Família são pessoas que se importam com você, que te amam, que dão a vida para te salvar.

Durante a sua longa vida, Christoffer acreditava que estava eternamente conectado com quem partilhava o sangue. No seu caso, ele podia escolher a pessoa com quem iria partilhá-lo. Essa ligação era a sua maior força, ao menos pensava assim. Ligações podem trazer grandes arrependimentos com ela. Essa verdade o assombrava...

Christoffer balançava o copo de whisky, fazendo com que o gelo batia no vidro, causando barulho. O bar tocava uma melodia agitada ao fundo. Pessoas sentadas nas mesas conversavam animadas sobre diversos assuntos: música, política, negócios, sexo. Bastava um pouco de concentração da parte de Chris, e conseguia ouvir qualquer conversa que quisesse. O bar tinha uma beleza rústica, bancos de madeira próximos ao balcão. O cheiro de álcool estava impregnado no local.

— O que te traz à cidade? — A ruiva, intrigada com o belo homem à sua frente, questiona por trás do balcão do bar onde trabalha.

— Costumava viver aqui… — A voz do moreno ecoava de forma sedutora, música para os ouvidos da garota.

— Jura? Quando?

— Parece que faz séculos. — Piscou ele.

— Eu me mudei há alguns anos… Por que voltou?

— Meu irmão quis voltar. Não iria deixá-lo só. Temo que se meta em confusões. Ele é complicado… Competidor, grosseiro. Pouco impulsivo? — Finalizou com deboche. — E ele tem um longo histórico de meter-se em confusões.

— Parece ser comum para ele. E você sempre tem que tirá-lo delas… — A ruiva se apoiou no balcão para chegar mais perto. — Que tipo de problema ele se meteu agora?

— Ele acredita que existem pessoas que estão atrás dele.

— Narcisista e paranoico, nossa! — O moreno olhou surpreso para a ruiva. — Desculpe-me. Atendente aspirante a psicóloga. Típico clichê de quem precisa trabalhar para manter a Universidade.

— Escute, Olivia. — Christoffer leu no crachá da moça. — Agradeço pela atenção, mas preciso encontrar o meu irmão.

— Certo. Volte sempre. — Sorriu a ruiva.

— Será um prazer. — Piscou, deixando o dinheiro em cima do balcão.

— Espera, — A garota chamou sua atenção. — Não me disse qual é o seu nome.

— Christoffer Bloodyeye.

📷

— Olá, amor. Não pude deixar de notar que está lendo sobre anatomia humana. Em que parte está?

— Estou lendo sobre sangue e afins. — A garota olhou confusa para o homem à sua frente.

— Posso sentar-me? — A morena apenas fez um gesto com a mão. — Você sabia que apenas 40 pessoas no mundo tem Rh nulo? Mais conhecidos como sangue de ouro? — A garota olhava fixamente para o moreno. — E que a água de coco pode substituir o plasma, composições parecidas...

— Você é médico?

— Quase isso… Alexander Bloodyeye. — O homem de cabelos loiros e pele branca se apresentava sedutoramente para a moça que estava à sua frente. — Satisfação em conhecê-la.

— Meu nome é Eileen!

— Bonito nome.

— Espere até ouvir meu número de telefone. — A morena riu. Reciprocidade.

— Gostei de você. Você vem sempre por aqui?

— Durante à tarde eu estudo. À noite aproveito e fico para estudar, aqui é mais tranquilo que a república onde moro.

Prestando atenção no ambiente à sua volta, Alec imaginara como seria essa república, já que o café onde estava era barulhento demais para um estudo. Pessoas rindo, falando alto, aquele entra e sai com frequência. A cidade estava bem diferente de como costumava ser há mais de 100 anos quando ele e seu irmão moravam por ali.

— Certo. Preciso ir agora, irei encontrar o meu irmão. Nos vemos depois, pelo visto sei onde te encontrar.

Ele saiu, deixando-a suspirando. Nunca havia visto um homem tão sedutor como ele, algo prendia a atenção das pessoas a ele, como se estivessem sendo hipnotizadas.

— Estava procurando por você. — Alec disse a seu irmão assim que curvou a esquina.

— Sabia que me encontraria, irmão.

— Por onde andou? Estou procurando você por horas.

— Tenho telefone, lembra? — O moreno debochou, fazendo o irmão o repreender com o olhar. — Estava conhecendo o novo café. Da última vez que estivemos aqui, existia apenas um bar e era de péssima qualidade.

— Hoje tem vários. Como está sentindo-se ao saber que irá para a universidade novamente?

— Não vejo a hora de passar logo mil anos, para envelhecer um pouco mais e livrar-me deste fardo. Universitários mesquinhos querendo a vida com um pedaço de papel escrito o seu nome. Não posso ficar mais à vontade? — Sugeriu.

— Pare com isso. Você ama universidades. Todas as festas, bebidas, garotas… — Instigou o moreno.

— Tudo bem. É o que faz aturar as chatices do restante dos estudantes que não fazem nada além de reclamar da belíssima vida que carregam. Convenceu-me. Mas, essa será a última. — Estendeu a mão, para fechar o acordo.

— A última, irmão!

16 de Setembro de 2020 às 02:38 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Continua… Novo capítulo A cada 15 dias.

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Histórias relacionadas