u15715377901571537790 Gláucio.

"Diferentemente de alguns livros eróticos que só arranham a superfície dos encontros humanos, aqui o escritor vai muito mais além; a narrativa do livro, aliás, bem construída, chamativa do início ao fim, prende o leitor a cada estrofe e linha, fazendo com que o mesmo percorra caminhos impossíveis de serem previstos; ali, ao percorrê-lo, suas emoções são testadas ao nível máximo; e por que não dizer, até às entranhas do ser?! Quanto ao estilo de escrita do autor; a impressão que temos ao lermos, é que ele garimpa fluidez a todo instante e, para ser mais exato; a cada palavra, frase e vírgula, destacando-se com a maestria de quem sabe conduzir uma narrativa em estilo poético, intercalando-o com o realístico. Para os amantes de literatura de qualidade, este livro, apesar de possuir poucas páginas, (248 páginas aproximadamente), com toda a certeza do mundo logo se tornará leitura obrigatória, pelo menos para quem é fã de romance adulto" * Dekassegui é um termo formado pela união dos verbetes na língua japonesa (deru, sair) e (kasegu, para trabalhar, ganhar dinheiro trabalhando), tendo como significado literário "trabalhando distante de casa" e designando qualquer pessoa que deixa sua terra natal para trabalhar temporariamente em outra região ou país. Wikipédia.


Drama Para maiores de 18 apenas.

#nova-vida #fortaleza #fortalecimento #pobreza #riqueza #divórcio #mentira #auto-engano #sonhos-eróticos #marginalidade #drogas #dependência-química #problemas #finanças #mendicância #insatisfação #arrependimento #religiosidade #religião #engano #doença-terminal #fuga #intimidade #namoro-conturbado #fugir #ciúme-doentio #ciúme #descobertas-da-puberdade #namoro-escondido #cumplicidades #sexo-selvagem #música #dança #danceteria #juventude-desvairada #difuculdades-financeiras #almas-gêmeas #reencontro #viagem #mudança-de-país #traição #história-de-amor # #coisas-do-coração #asiático #relacionamento #conto #amizade #drama #romance #erótico
2
3.4mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 15 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo 1 - Maycon

Um quarto de motel, cigarro e bebidas fortes. Isso era tudo, ou pelo menos parte do que Maycon, quando se sentia solitário, necessitava nas noites insones. E junto a ele, dentro do mesmo quarto do motel, prostitutas diversas; uma, e às vezes duas ou três garotas, todas angariadas nos becos escuros da cidade, seduzidas pela beleza ímpar daquele garoto que, às vezes, elas insistiam em entregarem seus corpos a preço de nada. À noite pela noite, só isso. E enquanto a vida na cidade de São Paulo avançava a largos passos, com a lua no céu brilhando intensamente, fazendo coro com as luzes dos outros corpos celestes ao redor, o desejo ardia em seu peito, incendiando seu corpo moreno, viril e forte, ainda que ora e outra o quarto fosse molestado pelas correntes dos ares covardes que, divorciados do vento forte que sopravam lá fora, insistia denunciar que o mês de agosto chegou para ficar.

Diferentemente dos irmãos franzinos, tímidos, estava claro que Maycon só podia ter nascido em outra ninhada. Na ninhada dos brutos, dos potros, dos lobos alfas com fortes garras, ainda que solitários, no entanto, de uma forma sombria que ninguém conseguia explicar direito; Maycon era estranhamente belo, e apesar daquela tristeza sempre encalçando seus olhos, sua firmeza nos gestos, nos atos e decisões, emergia nele uma aura doce e sensível, sempre gentil com todos à volta.

Mas Maycon tinha uma alma antiga, por isso sentia-se solitário. E o refúgio para tanta solidão era o sexo. Mas não um sexo frouxo, insonso, ou feito de qualquer jeito, como aquelas transas rápidas por que alguém precisa logo partir. Pelo contrário, havia intensidade em tudo que ele fazia. Como um relógio suíço que perfeitamente funciona, seus sentimentos sempre sincronizavam com os desejos da sua carne, ou seja, aonde sua pele, seu membro duro, ou mesmo sua boca carnuda tocava, conseguia exaurir todo e qualquer tipo de sensação daquele lugar, e os metamorfoseava em estímulos com poder vital de virar os olhos. Se com prostitutas ou não, isso era só um detalhe. Desde que em consenso, para Maycon, mulher era mulher. E naquela noite de agosto, no quarto escuro daquele mesmo motel barato, duas garotas nuas, sedentas por sua presença, aguardavam deitadas sobre um lençol. Estavam ansiosas para logo o amarrotarem.

Saído do banho, totalmente nu e rente à cama, Maycon lhes lançou um olhar de felino que as fez sentir como duas presas indefesas: com o membro ereto apontado para elas, elas ficaram extremamente úmidas por baixo, enquanto grossas gotas de água escorriam pelos seus cabelos negros, vertia pelo seu pescoço, se estabilizando na tabori negra tatuada em seu peitoral firme.

— Necessito de uma toalha, meninas — sua voz era grave, mas ele disse de forma suave e gentil. Petrificadas com a sua presença, as duas garotas não o responderam. Vidradas elas estavam no corpo definido, rígido a sua frente. Só após algum tempo as duas disseram:

— Deite aqui, Maycon, que nós te enxugaremos...

Assim ambas serpenteavam suas línguas naquele corpo viril e forte, sorvendo para dentro de suas bocas todos os resquícios líquidos, até ver a última gota secar. Por fim, só o que sobrou na superfície explorada foi a cor morena de uma pele já seca, mas jorrando feromônios carregados de promessas de êxtases diversos, através das gotículas de suor que imperceptivelmente evaporava-se no ar. Depois disto, de uma só vez, elas abocanharam a base dura, inundada por grossos nervos. Suas línguas se tocando, as mãos acariciando o resto do corpo de Maycon; elas estampavam olhares vorazes enquanto o membro saltitava entre seus lábios; a ponta rosada e dura resvalando seus rostos angelicais.

Uma era ruiva, a outra loira. Não eram prostitutas. Muito menos garotas fáceis. Pelo contrário, por causa de uma disputa que ninguém venceu, ambas combinaram de o compartilharem em uma única noite. Ele foi o prêmio. Pelo menos assim ficou definido nas regras.

— Meninas, vão com calma, — ele disse, acariciando os cabelos de uma das garotas — temos toda a noite...

Naqueles breves instantes de sexo, Maycon não se sentia sozinho. Ele sentia-se livre. Livre como a águia quando percorre a imensidão de um céu só dela, alcançando horizontes longínquos com seus olhos sábios, plainando acima das nuvens brancas sobrepujando tudo abaixo.

Ainda que exaustas, a duas garotas permaneciam arrancando suspiros silenciosos, discretos, enquanto sentiam a enorme mão de Maycon conduzir suas cabeças por de trás, à partir dos seus cabelos. Com o cigarro à boca, fumaças subiam em espirais no quarto. As mãos de Maycon subiram e, por alguns instantes, apoiaram sua cabeça já recostada no dossel da cama. E embaixo, as duas se acabavam excitadas, ainda mais úmidas, as mãos acariciando o membro já angustiado para libertar-se da angústia prazerosa de não ter mais que conter-se.

— Por favor, Maycon, goza tudo dentro das nossas bocas... — Elas imploraram.

— Não — Foi o seu veredicto. Depois, silenciou-se. Seu olhar permanecia firme, devorando os corpos das duas presas inundadas de suor, em parte descabeladas. Logo Maycon levantou-se e, com as duas já ajoelhadas, permanecendo com as bocas ainda grudadas em seu membro, ele as colocou sobre a cama, deitada de costas, uma ao lado da outra, segurando as próprias pernas entreabertas.

Um gole de vinho, uma tragada. Visão do paraíso. Ou melhor, paraísos. Maycon verteu seu rosto para perto daqueles doces lábios que, desde o início dos tempos, como sempre foi e será eternamente, a vida humana entrava no mundo. A única luz que reincidia no quarto era a luz da lua, sem contar às das estrelas. Ainda assim era visível perceber a deformação dos rostos das duas garotas. Estavam angustiadas, loucas por aquele prazer, por isso deram-se as mãos.

Como um trovão que anuncia a tempestade que logo vai chegar; logo aqueles lábios úmidos se encontraram com uma respiração pulsante, forte: ao passear sobre elas, alternando as coxas, sua boca era doce, suave e gentil. Excitadas com o resvalar de sua barba cerrada, as duas garotas começaram-se a se beijar. Mas não foi um beijo gentil, sofrível. Pelo contrário, foi voraz e intenso, nem deixando pausas para que respirassem. E enquanto Maycon passeava a língua sobre o clitóris da ruiva, mantinha dois ou três toques no clitóris da outra. Em seguida, momentos após, chupava-as com intensidade, seu rosto entremeio as nádegas já coladas, as duas garotas naufragando-se em beijos. Um gole de vinho, outra tragada. Depois Maycon voltava com a mesma intensidade sobre a superfície daqueles sexos rosados, inchados de prazer, devorando resquícios da vibração de uma língua dançando enérgica. Mas não demorou muito. Deveras. Maycon ainda degustava os odores das carnes, bebendo de tudo que elas vertiam sobre sua boca, foi quando ele ouviu-as gemer:

— Maycon, nós vamos gozar...

A lua ainda brilhava no céu. Sobre a cama, dois corpos nus, inertes, descansavam exaustos, acumulando energias para a próxima rodada. Instantes de solidão no quarto; Maycon permanecia nu, largado em uma poltrona de frente à janela, o olhar fixo no horizonte além dela. Um vento mais forte soprou ali pertinho, sobre as árvores, fazendo os vidros estremecerem. Um gole de vinho, outra tragada. E antes de apagar a chama cintilando no Zippo, seus olhos afogaram-se na imensidão daquele vermelho alaranjado que chamuscava à frente; no silêncio reinante à volta, enquanto aguardava as garotas se levantarem, Maycon conversava com o fogo.

30 de Outubro de 2020 às 23:38 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo Capítulo 1 - Fúria

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 22 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Mais histórias

Noite Escura Noite Escura
Skull Skull
Lost Lost