valrodrigs Valkiria Rodrigues

Sasuke nutre uma paixão secreta pela mulher do atual HoKage e seu melhor amigo. A doce Hinata Hyuuga, nunca imaginou que seria o objeto de desejo do Uchiha, mas algumas doses de saquê na companhia dos amigos fizeram com que ele tomasse a iniciativa e resultado não poderia ser outro.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#sasuhina #Hinata-Sasuke-romence-traição-paixão-desejo-hentai-harém-naruto-boruto-sakura-narusaku
1
808 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Sextas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Sucumbindo à Tentação


Eu não me orgulho do que estou fazendo, sei que é errado, posso levar a destruição da minha família e também da família dela.

Naruto, seu marido, foi meu único e verdadeiro amigo ao longo da minha maldita vida, mas o que eu posso fazer se a situação foi mais forte do que eu?

Eu sei que é hipocrisia e me sinto a pior pessoa do mundo por ter feito o que eu fiz, e talvez nunca haverá perdão para mim.

Tudo começou quando comecei a treinar o seu filho mais velho, Boruto. Frequentava a sua casa todos os dias, e na maioria das vezes o Naruto, não estava. Ele é o Hokage, geralmente está trabalhando e quase não tem tempo para sua família e esposa.

Hinata é a esposa que qualquer marido gostaria de ter, e não entra na minha cabeça como ele não dá atenção que ela merece. Dedicada, carinhosa e está sempre preocupada com tudo e com todos, até mesmo comigo que nunca fui próximo a ela. Toda vez que saímos para treinar, ela faz questão de levar algo de lanchar para nós.

Sua beleza atrai qualquer homem, e eu simplesmente fico babando naquela mulher toda vez que ela aparece na minha frente. Seus cabelos pretos, seus olhos perolados, suas curvas... tudo nela é perfeito. Sua gentileza e doçura, sua força e determinação, Hinata é simplesmente perfeita.

Lembro-me de quando frequentava a academia, ela era a garota mais tímida da turma, nunca tivemos nenhum tipo de aproximação, ela não era do tipo de ficar em cima de mim como as outras garotas loucas. Ficava na dela, se envolvia, mas com seu time, sempre focada nos estudos e nos treinamentos com seu primo Neji. Muita coisa aconteceu depois que eu fui embora de Konoha e quando retornei para vila, ela já estava com Naruto, nos encontramos poucas vezes mas foi o suficiente para notar o quanto ela havia crescido, fisicamente e mentalmente, não era mais uma menina e sim uma mulher.

Naruto e Hinata se casaram e a minha tara pela mulher do meu melhor amigo, sempre ficou em oculta, apesar de todas as noites ela vir me visitar em meus sonhos. Sempre acordo suado e tendo que me banhar assim descarrego todo meu desejo em homenagens ao nome dela.

Hinata Hyuuga, minha obsessão tem nome e sobrenome, e por mais que eu lute contra esse desejo infame, acabo sendo consumido por ele todos os dias. Eu vivo na sombra dessa paixão proibida e obscura, sofro e não nego o quão cruel é desejar alguém proibida, como a mulher do Hokage sempre foi para mim.

Um dia desses Naruto, Shikamaru e eu saímos no final do expediente, para tomar saquê e conversar. Geralmente reclamamos do trabalho, ouvimos o Shikamaru chorar porque a Temari o deixou por outro, mas naquela noite passamos da conta. Naruto bebeu tanto que desmaiou e tivemos que levar ele embora carregado. Eu pensei que a Hinata até ficaria brava e nos expulsaria por levar o marido para o mal caminho, mas como sempre ela foi amável.

Shikamaru foi embora para casa, pois Shikadai, seu filho estava sozinho e já era muito tarde, eu fiquei e ajudei Hinata a colocar o Naruto na cama. Ele parecia estar morto, nem se quer notou que toda aquela movimentação.

Hinata parecia preocupada, mas me acompanhou até a porta gentilmente e abriu a mesma.

— Obrigada, Sasuke-kun. - Com seu sorriso meigo me agradeceu encarando meus olhos.

Eu engoli a seco, tentando não mostrar o nervosismo, encarando aquela boquinha linda a fim de beija-la e não sabia como faria, mas eu faria de qualquer forma naquela noite.

Fazia muito tempo que estava me segurando pra não fazer nenhuma loucura, mas a bebida me deu a coragem necessária para arriscar então...

— Você pode me dar um copo de água gelada, por favor? - Que cara de pau a minha!

Era óbvio que eu tinha segundas, terceiras e quartas intenções naquilo, mas acho que ela não notou a forma com que eu encarei os seus olhos e a sua boca. Não estava conseguindo disfarçar, aquele sentimento fervilhava, me massacrava como se uma katana em chamas estivesse atravessando meu peito e partindo-o em dois.

Como pode haver um tesão tão incompreensível?

— Sim, claro. - Ela me respondeu.

A porta já estava entre aberta, ela então a fechou e me deu as costas, caminhou em direção a cozinha, e eu a segui.

Meu Deus que tortura ver aquele corpo coberto por uma camisola branca de cetim. Suas curvas eram moldadas por aquele tecido levemente curto na parte de trás. Sua bunda grande, a pele das suas costas expostas e seu cabelo curto sobre os ombros, tudo nela me deixou tão excitado que eu mal podia respirar.

Quando chegamos na cozinha, ela abriu a geladeira e pegou uma jarra com água e gelo, eu me movi e peguei um copo que estava no balcão e esperei que ela me servisse. Ela segurou na alça da jarra, aproximou-se e derramou o líquido no copo, eu a encarei vendo seu rostinho ficar todo vermelho.

— Você está a cada dia mais linda. - Eu disse a ela francamente.

Hinata ficou ainda mais vermelha, e não ousou me encarar apenas me deu as costas e colocou a jarra sobre o balcão. Um suspiro profundo quebrou o silêncio depois de alguns minutos, ela espalmou a madeira marrom parecendo buscar um equilíbrio para seu corpo antes de esboçar alguma reação.

Certamente ela ficou confusa com meu elogio repentino, nunca me atreveria a dizer tal coisa se não fosse pelo álcool, que àquela altura já estava na minha cabeça, assim como ela que ocupava todo o espaço da minha mente imunda.

— Obrigada, Sasuke-kun. — Ela agradeceu falando bem baixinho, quase como se estivesse sussurrando.

Aproximei-me, quebrando o pouco espaço que havia entre nós, tomei toda a água do copo de uma só vez e coloquei no balcão ao lado do jarro. Ela estava de costas e permaneceu desta forma, quando meu corpo roçou no seu, ela deu um pequeno salto, tentando escapar, mas eu a empurrei contra o balcão, fazendo-a bater com a barriga na lateral do móvel. Hinata suspirou aflita, uma de suas mãos tocou a minha que estava agarrada persistentemente na sua cintura, quando a ponta do meu nariz tocou o seu ombro e deslizou até a pele fina do seu pescoço fazendo-a se arrepiar toda, um pequeno gemido escapou por entre seus lábios fazendo-me sorrir convencido.

— Esse cheiro vindo da sua pele me excita, Hinata!

Ela pareceu tentar dizer algo, mas não conseguiu mediante ao meu toque firme, minha mão deslizou por sua cintura ultrapassando o limite do seu abdômen, ameaçando chegar em sua virilha, mas em vez disso passei pela lateral da sua coxa e então a apertei. Eu estava tão excitado, deixei guiar-me pela nuvem de desejo que pairava em mim, estava cansado de me esconder, deixei cair a máscara do bom amigo e tornei-me o cretino que necessitava aliviar todo aquele tesão.

Naquele instante eu não passava de um maldito traidor egoísta e estava arrastando Hinata comigo, de todos meus erros esse foi o pior, não conseguir me controlar.

— Devo confessar que, qualquer gesto seu me deixa de pau duro, Hinata! - Disse rouco em seu ouvido, sem nenhuma vergonha expus minha tensão esfregando meu corpo contra o dela. — Está sentindo?

— S-Sasuke-kun? - Ela disse me baixinho, quase em um sussurro, parecendo confusa.

Pressionei meu membro contra seu quadril, e ela soltou um leve gemido de aflição, mas desta vez não tentou fugir, seu corpo começou a tremer e a sua respiração estava tão falha que seu coração poderia parar por um instante.

Minha mão deslizou entre suas coxas, meus dedos traçaram um caminho tortuoso pela parte interna delas até chegar na sua calcinha. Ela estava tão encharcada, puta que pariu, só Deus sabe o quanto eu desejei naquele instante ter duas mãos, para rasgar aquele pequeno tecido ao meio e assim chegar rápido ao local que tanto desejava.

— Você me deixa maluco, Hinata! - Eu dizia seguidas vezes enquanto explorava suas curvas por cima da sua camisola insistentemente, deixando-a cada vez mais atônica.

Seus gemidos baixinhos eram como murmúrios, um verdadeiro deleite para meus ouvidos, estava sendo exatamente como havia imaginado tantas e tantas vezes sozinho na minha cama.

Minha mão traçou um caminho certeiro até um de seus seios, eu o toquei bruscamente apertando-o mantendo minha boca próxima a sua orelha, não me contive em dizer alguns palavrões chulos a ela. Hinata se rendeu, e como sinal de sua rendição esfregou sua bunda contra meu pau, que estava tão latejante chegava a babar dentro da minha calça.

Minha mente deu tantas voltas buscando um jeito de resistir aos meus impulsos primitivos, mas parecia impossível dada as circunstâncias, já havia chegado tão longe, o que eu poderia fazer?

Abaixei as alças da sua camisola, a visão privilegiada que minha altura dava foi extasiante, um par de seios enormes com os bicos rosados de dar água na boca, que enfim minha mão pôde tocar da maneira certa.

— Pretendo saciar o meu desejo de você, nesse exato momento. - Disse-lhe rouco após morder o lóbulo da sua orelha. — Já esperei muito tempo por isso, não vou aguentar nenhum segundo a mais.

— Esperou? - Ela questionou. — Você bebeu tanto assim Sasuke-kun?

—Talvez! — Suspirando pesado, respondi a maldita questão levantada por ela para não lhe deixar nenhuma dúvida. — A bebida foi apenas um gatilho.

Com um impulso rápido girei o seu corpo e tomei os seus lábios, minha língua foi de encontro com a sua com fome e desejo, iniciamos uma pequena batalha em busca de espaço na boca um do outro. Os seus lábios eram tão doces que poderia passar a noite toda beijando-os, saciando a bendita necessidade de fode-la a minha maneira. Nossos corpos estavam tão próximos, que por um instante senti que Hinata era minha. Só minha!

Eu queria acreditar nisso, mesmo sabendo que não era verdade. Ela pertencia a outro, ao Hokage.

— Não se engane comigo, Uchiha! — Ela me encarou com ar de seriedade. — Eu sou a esposa do Hokage, mas em primeiro lugar sou uma Hyuuga. Eu notei seus olhares, e também sei que usou seu Sharingan para me ver nua.

Ela era mais esperta do que eu imaginava, talvez eu tenha me deixado levar pela carinha de anjo que possui, mas afinal ela tinha toda razão, os Hyuuga são conhecidos não só por sua força, mas também por sua inteligência.

Minha boca desceu percorrendo seu pescoço, passando por seu colo indo de encontro a um de seus seios, chupei e lambi um e depois o outro, me deliciando. Minha mão agarrada a sua cintura pressionava seu corpo contra o meu, embalamos um beijo selvagem, ambos investindo, sugando e entrelaçando as línguas até que não houvesse mais ar em nossos pulmões. Eu encarei seus olhos perolados, mergulhando fundo neles, Hinata estendeu a mão e acariciou meu rosto, tirando a franja da frente do meu rinnegan. Ela sorriu e meu coração disparou, quase saltou pela boca, aquela voz doce fez com que cada centímetro da minha pele se arrepiasse.

— Fica melhor assim, Sasuke! - Ela sussurrou em frente aos meus lábios.

Seus toques se estenderam por meu rosto, suas delicadas e pequenas mãos deslizaram por meu peitoral, passaram por minha barriga, aquela maldita camisa que vestia não impediu que sentisse o seu calor. Ela parou na cintura da minha calça, pressionando minha virilha com suas palmas, acariciou meu membro sem tirar os olhos dos meus e seus lábios sendo umedecidos por sua língua me fez delirar.

Um gemido áspero escapou da minha boca, como se conter diante daquela tortura deliciosa?

— Você é tão safado, Sasuke-kun! - Um sorriso malicioso pintou seus lábios.

Seus dedos ágeis foram de encontro ao botão da minha calça e em seguida lentamente abaixou o zíper. Com a mesma tranquilidade, a desceu até a altura dos meus joelhos e fez o mesmo com minha cueca box. Seus joelhos tocaram o chão, suas mãos deslizaram sobre extensão do meu pênis, masturbando-me com lentidão, seu olhar foi de encontro ao meu na hora exata que eu soltei um gemido estrondoso.

— Ah! — Gemi prolongado, sem pudor algum.

Eu estava sendo masturbado por suas pequenas mãos, meu corpo todo estava em chamas, prestes a entrar em ebulição de tanto tesão. O vai e vem das suas mãos quentes com aquela carinha de anjo estampando um sorriso malicioso nos lábios, eu poderia gozar naquele instante se não tivesse me segurado.

O meu pré-gozo começou a gotejar, suas delicadas mãos já estavam molhadas, ela se aproximou tocando minha glande com os lábios, devagar ela colocou sua língua quente e úmida. Um gemido rouco saiu da minha garganta quando meu pau foi engolido lentamente, centímetro por centímetro sem pressa e retirado com certa pressa sucessivamente. Ela intercalou seus movimentos, entre chupadas violentas e masturbação suave, entre um toque ou outro gentil, sua língua trabalhou em meu freio me deixando entorpecido de prazer.

— Huh, Hinata. - Gemia seu nome feito doido.

Naquele instante por mais insano que pareça, pensei no Naruto. O filho da mãe era um sortudo, ele tem a mulher mais linda, a mais amável e gostosa de toda Konoha, sinto inveja dele, com certeza Hinata deve satisfaze-lo em todos os sentidos.

Estava prestes a gozar, minhas pernas tremiam, meus gemidos arranhavam minha garganta ao ponto da minha voz quase sumir. Meu corpo todo estava em chamas, prestes a explodir, mas ela parou no momento exato e se colocou em pé com a cara mais linda e deslavada ousou debochar de mim.

— Nunca provoque uma Hyuuga! — Disse ela ao tocar meu peito sutilmente.

Puta merda!

Caralho!

Filha da mãe!

Eu estava prestes a infartar, como ela me interrompe em um momento assim?

Estava nas nuvens e fui jogado bruscamente contra a terra. Ela me olhou intensamente, parecia ver através de mim, expôs seu Byakugan abalando todas as minhas estruturas. Hinata definitivamente era uma mulher surpreendente!

— Digo o mesmo a respeito dos Uchiha. - Rebati. — Digamos que a vingança é um prato que se come quente, muito quente para nós.

Agarrei sua cintura com força, erguendo-a sobre o balcão, beijando-a com certa violência. Prendia seus lábios inferiores com meus dentes e os soltava, depois sugava com força, arrancando assim gemidos fervorosos de sua garganta. Livrei-me da sua calcinha com um simples puxão, ao me deslocar por um minuto do seu corpo, segurei a base do meu pau e o guiei até a sua intimidade.

Hinata segurava a barra da sua camisola encarando-me com as bochechas coradas e os olhos brilhantes repletos de luxúria, ela estava pronta pra mim e eu não pensei duas vezes e meter com força. Com estocadas fundas e rápidas, fodendo-a em cima do balcão enquanto me deliciava com seus lábios e seus seios. Gemendo manhosa ela pedia por mais e chegamos ao clímax tão rápido, nossos corpos pegaram fogo juntos, nossos sexos tinham o perfeito encaixe.

Parece que nasci para foder essa mulher e ela para ser comida por mim.

— Sasuke-kun...

Hinata ofegou agarrada ao meu pescoço, eu voltei a encarar aquele rostinho lindo e beijei seus lábios pela última vez antes de sair de dentro dela. Toda corada e suada, permaneceu agarrada ao meu pescoço soltando suspiros profundos. Era tarde demais para arrependimentos, já tínhamos feito, fomos ao paraíso e provavelmente teríamos que encarar um inferno se Naruto nos pegasse.

— Por mim passaria a noite toda dentro de você Hinata, mas seu marido pode acordar, ou pior as crianças. - Disse-lhe ao me afastar.

Vesti minha calça rapidamente, enquanto ela desceu do balcão e agarrou sua calcinha que estava jogada no chão. Ela se aproximou arrumando as alças da sua camisola e colocou a pequena peça no bolso da minha calça e sorriu dizendo.

— Uma pequena lembrança minha. - Ela sorriu e depositou um beijo molhado nos meus lábios.

A sua aproximação e sua atitude ousada foi mais que suficiente para me deixar maluco, a agarrei, deslizei minha mão pela sua cintura, desci um pouco e apertei sua bunda, meus lábios buscaram insaciavelmente. Um beijo ardente foi embalado por nós dois, até perdemos a noção do tempo e do espaço.

Caralho eu não conseguia desgrudar dela, mas precisava ir embora antes que cometesse um erro pior que aquele, ela fez menção de me levar até a porta.

Eu realmente estava louco, eu não consegui resistir, só a beijar ou tocá-la não seria o suficiente depois de provar o seu melhor, precisava fode-la ainda com mais força.

Antes que ela abrisse a porta, puxei seu braço e a joguei contra a mesma, o estrondo das suas costas batendo contra a madeira rígida, fez com que ela levasse tremendo susto. Estava passando dos limites, se que existia algum para um pervertido como eu!

Encarei seu rosto ainda corado, vi sua expressão de medo mesclando-se com desejo, meu toque foi demasiado repentino e grosso, ela prendeu os lábios nos dentes gemendo o meu nome.

— Sasuke-kun!

— Não morda os lábios assim, Hinata. - Disse-lhe apertando seu braço com firmeza e completei. — Toda vez que você faz isso, eu perco o chão sob meus pés.

Meu nível de tesão por ela parecia só aumentar, minha mão deslizava sobre a pele macia do seu braço enquanto meus lábios percorriam seu pescoço, coloquei-me sobre meus joelhos e as suas bochechas migraram do rubro ao roxo, quando os meus lábios deslizaram sobre uma de suas pernas, percorrendo entre suas coxas fazendo um rastro de arrepios em sua pele.

Sua boca murmurava coisas sem nexo, quando enfim cheguei ao meu objetivo de desejo, deslizei dois de meus dedos sobre seus grandes lábios, separando-os, seu clitóris foi exposto. Hinata estava tão molhada, que meu desejo naquele instante era sugar até a última gota, e não deixar nada para o Naruto, afinal o mérito era todo meu. Somente meu!

Aquela libido, o cheiro inebriante do seu sexo e seu gosto que estava a provar naquele instante, por longos e prazerosos minutos.

— Ah. — Um gemido arrastado, alto escapou de seus lábios.

Hinata desmanchou-se entregue ao prazer na minha boca, seu corpo começou a tremer, enquanto minha língua explorava cada centímetro da sua pequena carne macia e a minha boca se encheu com seu fluido doce, me entorpecendo com seu prazer.

Não lhe dei chance alguma de recuperar, coloquei-me sobre meus pés, agarrando seu corpo com força, beijei sua boca fazendo com que ela provasse o seu próprio gosto. Suas mãos tocaram meu pescoço, deslizaram sobre meus cabelos tornando nosso beijo mais selvagem e implacável.

Ao me desprender de seu corpo, o girei empurrando contra a porta novamente e puxei seus cabelos antes que ela protestasse algo. Uma pequena gota de suor escorreu pela minha testa, ofeguei ao pressionar meu corpo contra o dela.

— Ah, Sasuke! - Ela exclamou em súplica.

Ela estava sob meu domínio e sabia o quanto eu era impetuoso, esfreguei minha ereção entre suas nádegas, fazendo com que ela implorasse por me ter lá dentro mais uma vez. Alguns gemidos foram abafados por uma de suas mãos, Hinata lutava contra sua ansiedade enquanto eu me preparava para tomá-la.

Sem aviso prévio, brusco e com ganas, deslizei meu pau até o fundo, ela empinou seu traseiro ajeitando-se da maneira perfeita para que eu pudesse me encaixar e atingir seu ponto G.

— Agora você é minha! - Exclamei enquanto a fodia com profundidade. — Toda minha. Você não sabe quanto tempo eu te desejei em silêncio, Hinata.

Acelerei meus movimentos, batendo minha virilha conta suas nádegas enquanto a mantinha presa pelos cabelos, distribuía mordidas e sugadas na parte de trás do seu pescoço. Sua pele branca e delicada foi ficando vermelha, sinal que ela não poderia prender os cabelos tão cedo ou o Hokage notaria os chupões. No meu mais profundo íntimo desejei que Hinata não voltasse a ser dele, que se ele ousasse tocá-la seus pensamentos e desejos fossem voltados a mim, então somente dessa forma ela continuaria sendo minha.

— Só minha! - Repeti várias vezes até que pudesse acreditar nessa loucura.

Entrava e saía de dentro dela, com força deixando suas pernas bambas e seu corpo cada vez mais trêmulo. Sentindo que o ápice estava cada vez mais próximo, soltei seu cabelo e segurei firme na sua cintura enquanto ela mantinha sua bela bunda empinada, usei toda minha força em meus quadris e investi estocando violentamente.

— Ah Hinata, como você é gostosa! - Eu dizia a ela enquanto delirava de prazer.

Os efeitos que Hinata causava em mim, eram tremendos, jamais estive tão entregue e desesperado por uma mulher como estava por ela. Estava pronto para gozar, mas desta vez teria que ser olhando em seus olhos, só assim estaria satisfeito.

Minha saída repentina a deixou confusa, ela se virou e me encarou com os olhos brilhando feito duas luas. A puxei pelo braço, caminhamos lado a lado em direção ao sofá da sala, Hinata com os cabelos revoltos depois que arrasei com ela, definitivamente era a coisa mais linda do mundo, essa cena ficará gravada na minha memória para sempre. Poderíamos ser pegos, mas aquela sensação de adrenalina a todo vapor em minhas veias me deixou ainda mais excitado.

— Vem! — Estendi a mão e capturei a sua, sentei-me e puxei ela junto de mim. — Mova-se em cima de mim, Hinata. Não ouse fechar os olhos, pois eu quero gozar olhando para eles.

Obedecendo minha ordem ela sentou de frente de maneira que meu corpo se encaixasse entre suas coxas, segurando em meu ombro começou a se mover lentamente com o olhar fixo no meu. Seus dentes prenderam seus lábios a fim de se conter, nossos gemidos começaram baixos e logo se tornaram estrondosos. O barulho dos nossos sexos se esfregando um contra o outro buscando de alguma maneira apagar de uma vez por todas aquele fogo, que insistia em queimar nossas peles a cada toque, a cada beijo.

Minha mão deslizava sobre seu corpo, explorando suas curvas, descobrindo seus pontos fracos, com os olhos atentos observava os efeitos que causava sobre ela. O seu ritmo foi aumentando gradativamente, seus movimentos estavam mais precisos fazendo-me perder o pouco de ar que havia em meus pulmões, minha virilha queimava enquanto meu pau era esmagado por ondas vindas da sua intimidade. Ela começou a gozar, seus olhos tomaram profundidade, as veias grossas da lateral do seu rosto ficaram evidentes, seu Byakugan foi exposto e naquele exato momento eu também me entreguei.

Gozei com os olhos fixos nos seus, expus meu Sharingan por alguns segundos e um lindo sorriso estampou o seu rosto. Mesmo ofegante beijei seus lábios por necessidade de senti-la mais perto.

— Você sempre usa seu Sharingan nessas horas? — Ela sussurrou ao me abraçar forte.

— Foi só para você! - Exclamei com dificuldade. — Isso é para você não se esquecer de mim, minha doce Hinata.

— Você precisa ir agora!

Naquele instante, por mais que meu corpo ainda precisasse do dela havia muitos impercilhos, seus filhos e seu marido. Sem nenhuma despedida calorosa, apenas me recompus e sai pela porta sobre o olhar dela.

A culpa passou martelar a minha mente depois daquele dia, e mesmo assim meu desejo por ela só aumentava. Passei a sonhar todas as noites com a mulher do Hokage, ao ponto de enlouquecer de aflição e desejo, tentei de tudo para evitar vê-la, mas a verdade é que eu não queria, eu não poderia deixar de vê-la, desejá-la com todo meu ser.

Noites tortuosas, dias insuportáveis passaram a fazer parte da minha rotina ao imaginá-la feliz nos braços do seu marido.

O que eu poderia fazer?

Ela é a mulher do Hokage, a quem sempre foi proibida para mim.

3 de Agosto de 2020 às 01:22 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Continua… Novo capítulo Todas as Sextas-feiras.

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~