Novo app: Inkspired Writer! Escreva, publique e gerencie suas histórias no seu celular!!. Leia mais.
1
3.6mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

A Filosofia De Um Soldado Caído

Steve Rogers corria pelas ruas, exibindo seu histórico de atleta para as moças que encontrava no caminho. Quando finalmente chegou em seu apartamento no Brooklin, comprado graças ao seu dinheiro de militar aposentado, o ex-asmático respirou com dificuldade, sentindo todo seu corpo doer, como todo bom idoso.


Ignorando as dores causadas pela idade avançada, logo tratou de procurar suas chaves para abrir a porta. Ansioso, pois em breve começaria sua novelinha favorita e descobriria se Joselvo é, ou não é, o pai de Betinho e Mariazinha, entrou em casa e, ao pisar os pés na sala, não pôde acreditar no que seus olhos viram.


Bucky estava imóvel no chão, com sua camisa que, antes era branca, suja de vermelho.


— B-Bucky… — o Capitão gaguejou. Seu coração idoso não aguentou, e teve um treco. Revirando os olhos, o loiro caiu no chão com um baque.


— Me chamou? — Bucky questionou, abrindo os olhos, e notando o loiro caído perto da porta. Franziu o cenho e, virando o rosto, encarou Sam que estava sentado no sofá, lendo e cheirando uma revistinha da Avon. — O que deu nele?


— Sei lá. — Samuel respondeu confuso, e levantando, foi até o Capitão apagado. — Ste? Steve, cê tá bem? — questionou, dando três chutes fracos no loiro, que estava ficando pálido, e moscas já voavam ao redor do corpo, e uma delas, entrou dentro da boca do falecido, morrendo imediatamente ao sentir o bafo de onça do velho. — Cara, você tá bem? Capitão? — franziu o cenho, e pegou um gralho de árvore, cutucando o rosto do loiro com ele. — Steve, cê tá vivo?


— Morri! — Rogers exclamou, voltando a vida por um segundo, e falecendo de novo, em seguida.


— Tá.


Após dizer isso, Sam caiu de joelhos, chorando e socando o chão desesperadamente.


— NÃO! POR QUE, ODIN?! POR QUÊ?! — gritou desesperado, e abraçou o corpo que estava fedendo a suor. — Ai, que nojo! Credo! — resmungou, ao sentir os litros de suor na roupa do amigo, e jogou o corpo no chão como se fosse qualquer coisa inútil. Respirou fundo, voltando a chorar. — ELE ERA TÃO JOVEM! TINHA APENAS 103 ANOS! POR QUÊ?! ISSO NÃO É JUSTO! QUEM IRÁ PAGAR AS CONTAS DESSA CASA AGORA?!


— Tá chorando por que, idiota? — Barnes questionou, ainda deitado no chão, do outro lado do cômodo. — Vamos vender o escudo dele, na OLX, e a gente fica rico.


— Ata. — Wilson se levantou imediatamente, espanando a poeira das roupas. Com um sorriso no rosto, pegou o celular pronto para criar uma conta no site de vendas online.


— NINGUÉM VAI VENDER MINHAS COISAS, NÃO! — Rogers ressuscitou no mesmo instante, e se colocou de pé, roubando o telefone das mãos do Falcão. — Me dá isso, seu abusado!


E caminhou em direção a cozinha, deixando Sam com cara de paisagem. Porém, o loiro parou de andar, ao se lembrar de algo, e deu uma volta em 180 graus, indo até o Soldado que permanecia no chão.


— O que houve com...


— O abestado aí, derramou tinta na minha camisa. — Bucky interrompeu o amigo, sem paciência para ouvir sermões.


— Certo... — Steve murmurou, mas resolveu não perguntar de onde eles haviam arranjado e, porque estavam brincando com tinta. — Mas por que você está deitado no chão?


Com um suspiro pesado, Bucky fixou os olhos azuis no amigo, e disse sabiamente, em um ar filósofo:


— A vida não irá me derrubar mais, se eu já estiver no chão.


— Nossa, que profundo, amigo! — tanto Sam, quanto Rogers, foram profundamente tocados por tais palavras, e estavam a beira do choro. — De onde você tirou essa linda conclusão.


— Google.


— Ata.

25 de Julho de 2020 às 15:28 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Tudo Em Chamas

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 9 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!