Contagem regressiva para a Copa dos Autores 2020. Registre-se agora e tenha a chance de ganhar prêmios!. Leia mais.
josiane-rodrigues1514 Josiane Rodrigues

Acho que todos nós passamos por situações na nossa vida em que nos vemos perdidos, acontece que comigo era á todo momento. Sou Sophie apenas mais uma garota tentando se encontrar nesse mundo, alguém que nunca vivenciou experiências consideradas normais, já que nunca foi vista como tal. Perdida nesse mundo tentando ao máximo me enturmar, sem conseguir calar as vozes da minha cabeça. Ouvi dizer que não adianta você tentar encaixar uma peça à parte em meio a um quebra-cabeças, pois ela simplesmente não se encaixa, e bem esta sou eu. Eu esperava que esse vazio em meu peito sumisse, mas não foi o que aconteceu, acabei perdendo muitas coisas tentando esconde-lo. Nunca gostei de mudanças, mas a questão sobre mudanças é que elas acontecem sem que você perceba. E assim como todas as coisas são, um dia precisei acordar ou melhor eu fui acordada


Ficção adolescente Todo o público.

#258 #301
0
1.1mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 10 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Nascimento

"Você gostaria de ouvir a minha voz.
salpicada de emoção.
Inventada em seu nascimento."
— Nirvana - Oh me


Sophie Martins

Minha vida está totalmente uma bagunça ultimamente. Umas coisas dando certo e outras errado...

Não gosto de parar pra pensar nessas coisas, mas quando paro um segundo são muitos pensamentos que para mim, não fazem sentido algum e assim, acabo me desligando completamente de mim mesma, ficando farta de tudo e sem forças para continuar.

Já que estou contando a história de minha vida, nada mais justo que saibam quem eu sou e o início dessa história.
______________________________________________________________

Glenda Martins

— Droga, droga! Atende, por favor! — gritei comigo mesma.

— Alô, quem fala? — perguntou uma voz preguiçosa, do outro lado da linha.

— Droga, Robert! Sou eu; a nossa filha vai nascer!

— Aí, meu Deus! — disse assustado.
— Eu estou indo imediatamente. Aguente firme, querida! — desligando o celular e me deixando sem reação.

As contrações estavam muito fortes e a bolsa estava para romper. Ele demorou apenas alguns minutos, porém o suficiente para me deixar nervosa.

Dores tomavam conta de mim, eu não aguentava mais. A bolsa iria se romper a qualquer momento.

Precisava ir para o hospital agora!

— Pega a minha mala da maternidade! — Gritei ofegante, me segurando para não chorar.

— Ok, ok. — Disse pegando rapidamente, a grande bolsa com roupas e utensílios.

O caminho para o hospital não foi demorado e sim, bem dolorido. Por sorte, a bolsa estava aguentando e eu, me esforçando para não chorar ainda.

Chegando lá, Robert levou meus documentos e foi me registrar enquanto, dois enfermeiros me socorriam em uma cadeira de rodas e me encaminhavam para a sala de parto.

Robert, infelizmente, não pôde entrar comigo; ele ficou alojado na sala de espera.

Eu sabia que ele queria ver o nascimento da nossa filha, mas por normas da sociedade ele não era nada meu definitivamente porque não tínhamos casado no papel. Então, o hospital não permitiu sua entrada.

Eu estava dando o meu melhor no trabalho de parto, mas já estava me sentindo derrotada e não sabia se teria forças para trazer a minha menininha à vida. E foi quando eu estava prestes a desistir que o médico me disse que ela tinha nascido.

Era tão linda

No momento em que a vi, me apaixonei completamente e senti medo... Medo dela crescer, de ser machucada de alguma forma. Eu queria protegê-la e escondê-la do mundo; queria preservar sua inocência para todo o sempre.

Então, me dei conta de que o médico e os enfermeiros já estavam de volta a seus afazeres como se aquilo, aquele momento fosse comum, o que realmente deveria ser com suas rotinas.

Avistei Robert entrar correndo na sala e parar bem ao meu lado. Não sei explicar a sua expressão ao ver nossa filha — ele sempre me disse que queria uma menina — eu nunca o vi tão feliz.

— Ela é tão linda. — Disse enquanto encarava a pequena menina em meus braços.

— Igual a mãe — Ele disse.

— Ela tem os seus olhos! — Exclamei baixo.

Ele sorriu radiante, amando toda aquela situação.

Nunca imaginei que estaria, algum dia, aqui nesse momento. Mas hoje não consigo ver as coisas diferentes... O destino reservou algo diferente para mim, para nós...

Eu odiei isso de primeira; odiei ver meus planos indo por água abaixo. Não planejei me apaixonar, muito menos por Robert... Foi algo instantâneo e repentino, tão intenso e arriscado.

Mas agradeço por ter arriscado tudo e, hoje vejo que minha vida é mil vezes melhor que a vida que eu planejei ter. Planejei tanto uma vida perfeita, que esqueci que a felicidade está nas coisas mais simples e imperfeitas; porque a felicidade é inevitável.

Levantei um pouco a cabeça e perguntei a ele:

— Como você soube que estava apaixonado por mim?

Ele olhou nos meus olhos e sorriu de lado.

— Não sei como nem porque... Mas soube que você era diferente e... Oh, Deus! Como eu agradeço ao meu amigo Lucca por ter me obrigado à ir aquela bendita festa... Onde nos conhecemos. — ele sorriu ainda mais.— Então, a partir dali eu sabia:

Eu estava apaixonado!

Eu já me encontrava aos prantos.

Ele passou as mãos pelos cabelos, como fazia quando estava envergonhado. As suas palavras flutuavam na minha mente enquanto eu tentava absorvê-las mas, por algum mísero motivo, um nome em si veio à tona em meus pensamentos e eu já sabia seu objetivo.

— Sophie. Deixei escapar.

— O quê?

— O nome dela — Olhei para aquela bebezinha em meus braços. — Será Sophie.

Sophie era o nome da minha avó. Quando eu era pequena, sempre ia visitá-la e nós conversávamos muito enquanto tomávamos uma boa xícara de chá; sempre disse à ela que um dia encontraria meu príncipe - encantado e casaria com ele, íamos morar em um lindo castelo onde ela, minha avó, seria a rainha e viveríamos felizes para sempre.

Infelizmente, ela morreu antes de conhecer meu príncipe e nunca conhecerá a minha princesinha. Mas ela continua sendo minha rainha e, por isso homenageei minha filha com seu nome.

Robert conhecia a história de minha avó porque eu falava muito dela e amou o nome; mesmo não a conhecendo pessoalmente, ele a considerava como se conhecesse.

Um tempo depois, nossos familiares chegaram para conhecer Sophie. Todos a adoraram.

-----------------------

Primeiro livro! Espero que gostem e se gostarem deixem seu gostei e comentários. Obrigada!

10 de Julho de 2020 às 22:59 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Momentos passageiros

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!