anarchy Marcela Almeida

Quem nunca sentiu os tremores e as contrações musculares involuntárias que um calafrio causa? Para Harry esta é uma sensação constante em sua vida. Harry perdeu os pais que se sacrificaram para salvar sua vida tão nova no mundo. Criado e maltratado pelos tios, ele buscou nos diários de sua mãe um conforto para sua solitária vida. Encontrou registros sobre o melhor amigo de sua mãe, Severo Snape e a fim de se livrar da convivência com os tios, ele vai em busca de emprego na editora O Príncipe Mestiço, o que inclusive serve de fachada para a Ordem da Fênix, uma organização contratada pelo governo para combater o tráfico de drogas e humano. Ah! ele ainda tinha que esconder seus estranhos poderes, ele as vezes tinha visões de coisas ruins que poderiam acontecer, mas que eram impedidas por seus calafrios, a troca de energia que ele fazia, o permitia evitar esses acidentes e também livrar algumas dores.


Fanfiction Livros Para maiores de 18 apenas.

#poderes #pwp #universo-alternativo #drarry #harry #draco #HarryxDraco #Pinhão #lemon #yaoi
0
400 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Sábados
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo

Notas da autora:


Os personagens dessa história pertencem a JK. Rowling!

Mas eu peguei eles emprestado para escrever minhas ideias doidas haha!

Feito de fã para fã!

Se não gosta do tema abordado não leia!

Mais uma fic Drarry! Eeeeee

Dessa vez vou tentar escrever uma maior! hehehhe espero que eu consiga!

Estou escrevendo e tentando organizar as ideias para ficar bem divertido!

Kissus!



***


O dia estava ensolarado, uma leve brisa fazia com que as folhas das árvores dançassem nos galhos e algumas se desprendiam e se insinuavam no ar antes de cair no chão. Um menino muito determinado rumava para uma grande construção no centro da cidade, um prédio alto com os vidros espelhados, daqueles modernos que refletem o céu, admirou rapidamente as nuvens refletidas, quase se distraindo de seu objetivo em estar ali!


Passou por uma grande porta e seguiu em direção a recepção, agarrou firme uma das alças de sua mochila e soltou um longo suspiro, era agora, daria tudo certo, com toda certeza seria aceito, precisava ser, não aguentava mais a casa dos Dursleys, ali ele tinha esperanças de que se encaixaria, só restava arriscar agora, meses de pesquisa para encontrar aquela pessoa, para ter certeza de que era ele mesmo, um grande amigo de sua mãe, não estava aguentando de ansiedade.


Harry era seu nome, um jovem de 19 anos, que perdeu os pais quando muito novo e fora criado pelos tios, que sempre contaram histórias de como seus pais eram irresponsáveis e desnaturados, além de claro, sofrer maus tratos de seus parentes, agressão física mesmo, fora a humilhação psicológica. Mas aos 11 anos, Harry encontrou no antigo quarto de sua mãe embaixo de uma tábua solta, uma caixa com diários, relatando a juventude de Lily, Harry ficou feliz e passou a conhecer um pouco de seus pais e dos amigos deles e ele se agarrava a estes relatos de felicidade para viver com a família que lhe negava o amor e carinho que toda criança deseja.


Em seu aniversário de 18 anos lhe foi entregue sua herança pelo banco, assim como um baú contendo alguns objetos e um caderno de sua mãe, que registrava seus últimos meses de vida. Harry achou uma passagem em que sua mãe contava de seu grande amigo Severo Snape e de como ambos conversaram sobre os passos de Lord Voldemort e a possibilidade de que ele roubaria seu filho que havia nascido com curiosos poderes premonitórios e curativos.


Rapidamente Harry entendeu que os pais se sacrificaram para que ele pudesse viver, agora ele queria achar Snape, não sabia se ele seria aceito, mas era o mais próximo de família que ele sentia que tinha, ele precisava se encontrar com Snape.


Se desfazendo de seu pequeno devaneio com um chacoalhar de cabeça, se dirigiu até o funcionário da recepção.


— Bom dia! Eu gostaria de falar com o senhor Snape por favor!


— Bom dia! O senhor tem hora marcada?


— Eu, não! Eu só – começou a embolar as palavras.


— Receio que sem hora marcada não poderá subir – O funcionário já estava pronto para mandá-lo embora e voltar ao trabalho mas um outro empregado se aproximou com alguns papéis tirando sua atenção do garoto, ignorando – o completamente.


Irritou-se por ser tão prontamente ignorado, começou a se afastar e sentou em uma das poltronas que havia no grande salão, começando a pensar em uma forma de conseguir ver Snape, até que um jovem de terno descendo as escadas com duas caixas grandes nas mãos chamou sua atenção, ele era simplesmente lindo, os cabelos loiros tão bem penteados, bem essa era a única parte de seu rosto que conseguia enxergar, devia estar pesado.


Levantou-se quase sem perceber indo em direção ao homem, curiosamente tentando ver algo mais nele, além dos cabelos quase brancos, pode ver as mãos pálidas que amparavam as caixas com um completo domínio, não parecia ter nenhum problema em descer as escadas sem ver nada, era até engraçado como aquilo parecia elegante, usava um terno azul petróleo que ficava perfeito. Definitivamente precisava ver seu rosto.


Seus olhos admiravam aquela postura altiva, fitou seus sapatos e percebeu que ambos estavam desamarrados, viu o pé direito pisar no cadarço do esquerdo e ao erguer o pé, acabou por se desequilibrar e rolar os dez últimos degraus da escada acabando por no final bater a cabeça no blindex que fazia parte do corrimão. Imediatamente os músculos do garoto se contraíram enrijecendo e sentiu um calafrio, o loiro ainda descia cuidadosamente, sorriu levemente e pigarreou quando o outro terminou os degraus.


— Com licença, seus cadarços estão soltos – o outro parou, virou em direção a voz que ouviu, baixou o olhar e fez um gesto simples com a cabeça.


— Obrigado – não parou seu caminho, seguiu até a recepção e entregou as caixas para o recepcionista com quem falara a poucos minutos, deu algumas instruções sobre o que fazer e abaixou-se para amarrar os cadarços.


Certamente era um homem lindo aquele loiro, viu que o mesmo voltou pelo mesmo caminho e pode sentir um delicioso perfume de damasco, algo sutil e envolvente.


— Posso ajudá-lo?


— Ah sim, por favor! Eu preciso falar com Severo Snape, você pode me ajudar?


— O que você quer com o Snape? - franziu o cenho ligeiramente


— É um assunto pessoal, mas muito importante, por favor!


— Hum, pessoal é? - colocou a mão no bolso e pegou seu celular – e qual é o seu nome?


— Meu nome é Harry, Harry Potter.


Arregalou os olhos, voltou com o celular no bolso e começou a subir as escadas pedindo para ser seguido, Harry o acompanhou sem reclamar, feliz por finalmente estar prestes a conhecer o grande amigo de sua mãe.


Pegaram o elevador e seguiram por alguns corredores que o moreno tentava decorar, finalmente chegaram a um corredor que continha apenas uma grande porta branca trabalhada com bonitos desenhos feitos na madeira. O coração de Potter estava pronto para sair pela boca seca pela ansiedade e o nervosismo, viu o loiro bater na porta e ser autorizado a entrar


— Draco, achei que você já tivessesaído – Snape falou calmamente e estranhou a figura morena que entrava em seu escritório – quem é esse com você?


— Ele disse que tem um assunto pessoal a tratar com o senhor – Snape abriu a boca para repreender seu funcionário – o nome dele é Harry Potter!


— Entendo, deixe-nos a sós por favor Draco, obrigado! - o loiro fez uma breve reverência e se retirou.


— Senhor Snape eu…


— Sente-se senhor Potter – indicou a cadeira a sua frente - imagino que tenha muitas perguntas.


***

Notas Finais:


Ai que divertido!

Espero que eu consiga escrever essa fic bonitinha, to nervosa, mas vou me esforçar!

Deixem seus comentários e me digam o que acharam!

Beijinhosss



7 de Julho de 2020 às 11:38 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo De volta ao lar

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 13 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Mais histórias

Éramos Éramos
Chance Chance
Christmas Miracle Christmas Miracle