kalastrias Kalastrias

Se entregou ao sono, descansando melhor do que qualquer outra noite. Era a primeira vez que ele dormia em outra posição.


Fanfiction Anime/Mangá Todo o público.

#fluff #fluffy #mahoutsukai-no-yome #elias-ainsworth #Chise-Hatori #the-ancient-magus-bride #mahou-yome
Conto
0
452 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Came Here

Elias observava as costas de Chise, sentada na escrivaninha do quarto dela, estudando. Vê-la quieta e segura fazia algo dentro de si se aquecer. Pousou a mão no peito. Essa sensação surgia desde época que voltaram do reino dos gatos.  Entendia que tinha a ver com a Chise, mas não conseguia entender o que era aquilo.

— Elias? — A voz de Chise surpreendeu o filho das sombras. Estava de costas ainda, concentrada nas anotações que fazia. — Eu consigo te ver. —  Apontou para a parede na frente dela com o lápis que segurava. Uma sombra de Elias se projetava para dentro do quarto devido à luz exterior.

Soltou uma risada baixa e entrou no quarto. Colocou uma mão no ombro da garota e se curvou para ver o que ela estava lendo.

— Há algo que não entenda? — Estava lendo um dos livros sobre ervas medicinais.

Chise esticou a coluna e levantou uma mão, puxando o rosto de Elias para perto do seu enquanto escondia suas anotações embaixo do livro para que ele não as queimasse de novo. Ele fez o carinho que se acostumou demais a fazer no cabelo dela com seu rosto.

— O que você quer? — Chise perguntou, olhando no brilho dos olhos de Elias.

— Hm… — Elias olhou de novo para os livros. — Quero que me ajude em algo.

— Diga. — Virou o corpo na cadeira.

Não era nada que ele estivesse muito interessado, mas queria passar um tempo com ela por alguma razão.

— Quero que você julgue meu glamour. — Falava tecnicamente.  — Venho reparado alguns olhares dos humanos que procuram os medicamentos que fazemos. Me fez pensar que talvez eu estivesse fazendo algo errado. — Apoiou os cotovelos nos joelhos.

A clareza do pedido chegou à mente de Chise.

— Ah... — Passou da cadeira para o lado dele. Cruzou as pernas em cima da cama com os pés calçados apenas com meias, ficando de costas para a porta. — Acho que posso te ajudar com isso. — Ela tinha um sorriso torto nos lábios.

Chise observou atentamente o mago a sua frente tomar a forma de um gentleman inglês. Loiro de olhos azuis e nariz alongado. Tinha um sorriso que dançava entre zombeteiro e gentil, o deixando com um ar amigável e superior. Daqueles que você admira de longe.

— Como estou? — Ele perguntou, puxando mais sorriso de lado.

Era estranho como suas feições se tornavam menos fáceis de ler estando com o rosto humano. Como se ele as forçasse a ficarem daquela forma.

— Hm… Como sempre? — Curvou as sobrancelhas, não notando nada de diferente.

— Hm… Talvez seja algo físico. — Ponderou, cruzando as pernas e colocando uma mão no queixo. O sorriso nunca saindo de seu rosto.

Voltou sua atenção para Chise e puxou uma das mãos dela, levando ao seu rosto.

— A textura está diferente? — Encarava os olhos verdes de Chise.

— Hm… — Acariciou o rosto de Elias, realmente checando a textura. Apertou a bochecha dele, puxando a pele.

— Ai. — Elias reclamou.

— Desculpa. — Acariciou a parte que havia apertado, pensando que poderia estar dolorido.

Chise viu o sorriso de diversão genuíno no rosto dele. Inflou as bochechas, acreditando que estava fazendo parte de algum experimento dele. Ele curvou as sobrancelhas num sorriso culpado, confirmando os pensamentos da garota. Havia soltado a reclamação apenas para ver a reação da garota.

A mão dela ainda estava no rosto de Elias, ocasionalmente fazendo uma carícia com o dedão. Franziu o cenho de curiosidade, olhando para os fios loiros longos. Subiu a mão até o cabelo dele, se surpreendendo com a textura.

— Oh... — Deixou escapar baixinho.

— O que? — A olhava de novo.

— Seu cabelo… É macio. — Comentou, enfiando os dedos nas mechas douradas.

Eram fios finos, extremamente lisos, formando uma maciez de cabelo recém-lavado.

— Hm… — Elias não viu o gesto que fez, nem som que emitiu.

Seus olhos se fecharam e seu rosto se inclinou na mão de Chise, como quando um cachorrinho pede carinho. Um som baixíssimo saiu de sua garganta, aprovando os dedos em sua cabeça. Chise passou a alisar o cabelo dele, entendendo que ele nunca deveria ter sentido esse toque antes.

Elias não estava ciente que estava acontecendo. A sensação na sua cabeça era tão entorpecente que o fez esquecer-se da realidade. Era algo tão indescritivelmente bom e confortável, algo que nunca havia sentido antes. Era tão novo que sua mente havia se agarrado a sensação com todas as forças, como se ela fosse embora a qualquer segundo. O corpo de Elias foi deitando aos poucos, até se encontrar com os ombros de Chise.

Sentiu um vago cheiro de grama que identificou como sendo o cheiro dele. Passou o outro braço no ombro dele e encostou o nariz nos fios loiros, inspirando o cheiro devagar, fechando os olhos como se fosse a fazer sentir melhor. Passos os dedos na nunca dele e sentiu ele estremecer. Sorriu, sabendo que ele havia arrepiado.

Admitia, estava se divertindo. Ver ele não entender o que acontece consigo era um tanto divertido… Quando não se tratava de algo mais complexo de se explicar. Ele soltava um som constante contra a clavícula dela. Chise pensou num gato ronronando. Sentiu o braço esquerdo dele apertar a roupa nas suas costas.

— Não sabia que você gostava tanto assim de cafune. — Comentou bem baixo, sorrindo, no pé do ouvido dele.

O som confortável no seu ouvido silenciou. Elias abriu os olhos e encarou o casaco avermelhado de Chise. Se afastou rapidamente, os olhos assustados.

— O que você fez? — Elias segurava a mão da garota e analisava, procurando sinal de magia.

— Ahm… — Corou levemente. — Ca… Cafune… É apenas carinho na cabeça. Minha mãe fazia muito em mim quando eu ia dormir. — Disse rápido.

— Hm… — Ele largou a mão da menina, como se absorvesse a informação dada.

Chise esperou ele alinhar aquela informação com algo que ele já tinha. Observava os olhos vagos dele, enquanto ele apoiava o queixo com uma das mãos.

— Obrigado, Chise. Você me ensinou algo novo. — Desfez o glamour e acariciou o cabelo dela com sua cabeça normal.

— Desistiu do meu julgamento? — Perguntou ela, quando ele começou a se levantar, um pouco desapontada por ele ter se afastado.

— Hm… Acho que estou satisfeito com o que você me deu. — Passou a mão na cabeça dela, saindo do quarto logo em seguida.

Elias saiu do quarto lembrando da sensação dos dedos da garota.

Chise subiu para seu quarto para arrumar uma muda de roupas e tomar um banho depois do jantar. Ainda sentia a sensação dos fios em seus dedos. O cheiro dele havia ficado no seu nariz o resto do dia, fazendo a garota sorrir sozinha às vezes.

Passou a mão dos próprios cabelos enquanto os lavava, eles eram finos e lisos também, mas não com a mesma maciez que-

— Chise? — Elias bateu na porta e a chamou, interrompendo os pensamentos da garota.

— Oi? — Se levantou, dando o banho por terminado.

— Estou indo me deitar. Você vem?

Não era raro ele pedir que ela dormisse com ele, e não houve uma única vez que ela havia recusado.

— Claro. Já estou saindo.

E não seria agora que iria recusar.

Ouviu os passos dele se afastarem e tratou de vestir seu pijama. Apenas uma blusa larga branca que ia até seu quase seu joelho. Passou a toalha na cabeça e a jogou na divisória de madeira para que secasse. Saiu do banheiro a passos rápidos.

— Elias? — Deu uma espiada no quarto que estava com a porta aberta antes de entrar.

— Hm? — Estava se deitando, um dos braços já embaixo do travessei enquanto tomava sua posição quase inalterada de dormir.

Chise rodeou a cama e se enfiou debaixo das cobertas, deitando no travesseiro e soltando um suspiro longo.

— Seu cabelo está molhado? — Perguntou, se apoiando na cama com os cotovelos, reprovando a ação da garota com os olhos.

— Foi sem querer. Eu estava distraída, quando percebi já havia molhado. — Curvou as sobrancelhas.

Elias esticou o braço e tocou a cabeça dela. Chise fechou os olhos e sentiu o calor secar seu cabelo e arrepiar enquanto uma última gota gelada escorria na sua nuca. Mas a mão dele não saiu de sua cabeça. Abriu os olhos e conseguiu detectar o brilho de curiosidade no vermelho dos olhos dele. A mão dele correu pelo lado de seu rosto e ela o sentiu acariciar o lado de sua cabeça, imitando o que havia feito com ele mais cedo. Fechou os olhos, aprovando o carinho.

— Você realmente gostou, não é? — Chise soltou, sua voz saindo baixa.

— Você também parece gostar.

— Uhum. — Concordou com um gemido do fundo da garganta.

Comparava sua vaga lembrança de sua mãe fazer isso com essa. Definitivamente preferia que ele fizesse.

Corou de leve quando o pensamento passou rápido por sua mente.

Segurou a mão dele e abriu os olhos.

— Posso fazer de novo se quiser.

Elias manteve sua mão no cabelo dela enquanto ponderava sobre o assunto. Teria que manter a forma humana caso dormisse, e não queria passar por esse tipo de incomodo. Mas… queria sentir as mãos da garota de novo.

Chise sorriu quando viu ele mudar sua forma.

— Venha aqui. — Esticou um braço e o chamou para mais perto.

Viu ele hesitar por alguns segundos, depois se deitar lado mais próximo a ela, colocando um dos braços dobrado sob cabeça. Riu silenciosamente, apenas balançando os ombros, da expressão de desconforto dele.

— O que é tão engraçado? — A olhou nos olhos.

— Você. — Pousou uma mão no rosto dele. — Você realmente não gosta de dormir em outra posição. — Não era uma pergunta.

— Estou acostumado. — Não estava exatamente feliz na posição em que estava.

Chise passou os dedos nos fios dourados, jogando a franja para o lado para que saísse de olhos dele. Sua mão ficou pouco acima da nunca dele, acariciando a raiz dos fios devagar. Elias relaxou o corpo, sentindo um pouco mais confortável, mas não totalmente. Seus olhos se fecharam em resposta ao toque, ele achou intrigante. Não conseguia deixá-los abertos por muito tempo enquanto ela fazia carinho. Não demorou muito até que começasse a cochilar.

A garota sorriu, observando o corpo dele pesar no colchão e sua respiração ficar mais leve. Chise aproveitou que ele estava dormindo e chegou seu corpo um pouco mais perto, deixando seu rosto bem próximo ao dele, sem tirar sua mão dos fios loiros. Sentiu a respiração quente dele e fechou os olhos, se mantendo naquela posição para poder dormir.

Elias acordou pouco depois quando sentiu o carinho em sua cabeça parar. Abriu os olhos e viu Chise muito próxima de si, dormindo profundamente. Tinha planejado mais cedo voltar para sua posição usual quando ela dormisse, mas… não queria se mexer agora. Viu os dedos da outra mão dela se mexerem em reflexo ao sonho que deveria estar tendo. Com cuidado, tomou a mão dela. A garota apertou sua mão em resposta, sem acordar, e puxou para mais perto de seu rosto. Sentia a respiração dela bater na pele de sua mão.

— Elias. — Disse bem baixinho. Sorriu minimamente ainda dormindo.

Seu plano de voltar para outra posição foi completamente derrotado. Cedeu a vontade de ficar naquela, sua mente a classificando como melhor que a outra posição… Dessa vez. E apenas por que Chise estava ali.

Se entregou ao sono, descansando melhor do que qualquer outra noite.

Era a primeira vez que ele dormia em outra posição.



2 de Junho de 2020 às 04:58 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Kalastrias Bem-vindo ao meu cantinho. Eu nunca sei o que falar em apresentações. Sempre entro em panico quando me pedem para falar sobre mim. Não vou entrar em detalhes sobre as minhas inseguranças, não é importante. Então, vou simplificar de uma forma que importa para a internet: Ela/Dela; Sagitariana; INTP; Café; Gatos e noites sem dormir. Sim, eu sei que é clichê, mas lide com isso.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~