taechan TaeChan

Depois de finalmente se livrarem do Miguel do mundo apocalíptico, o Team Free Will 2.0 vai ter que se atualizar com o presente deixado pelo arcanjo Gabriel para eles. Defender o mundo da criança ou ela do mundo? Trocar fraldas? Até quando? Inevitavelmente, a família cresceu... E eles gostaram dessa ideia.


Fanfiction Seriados/Doramas/Novelas Para maiores de 18 apenas.

#personagemoriginal #rowena #supernatural #destiel #castiel #deanwinchester #samwinchester #jackkline #teamfreewill2-0 #teamfreewill #gabriel
0
675 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 30 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Surprise!

Miguel havia acabado de ser, finalmente, derrotado por Jack. O bunker ainda estava uma bagunça. Os corpos ainda queimavam em meio a estrada vazia, numa despedida de caçador, como bem eram. Sam ainda estava desolado por perder tantas pessoas e Jack parecia perdido em seus próprios pensamentos... Mesmo vencedores, sentiam-se derrotados.

As labaredas subiam enquanto queimava os corpos e Sam só conseguia pensar em cada um deles, se desculpando mentalmente por não ter os protegido devidamente. Dean mantinha-se em silêncio ao lado do irmão; não conhecia aquelas pessoas tão bem quanto o mais alto, mas prometeram juntos que os ajudariam. Castiel, um pouco mais atrás, apenas mantinha-se cabisbaixo; estava preocupado com a alma do seu precioso “filho” naquele momento. Rowena finalmente resolveu romper o silêncio, e logo se aproximou dos irmãos.

—Devemos voltar agora... não há mais nada que possa ser feito aqui. —sua voz é serena ao falar com os três mais próximos às chamas.

—Rowena tem razão. —Castiel concorda, se aproximando lentamente. —Suas almas estão em paz agora...

—Eles tem razão, Sammy... Vamos pra casa. —Dean dá um leve toque no ombro do irmão mais novo antes de começar sua caminhada em direção ao que chamavam de lar.

Todos os seguiram em um silêncio fúnebre, esse que só foi cortado quando adentraram no velho bunker.

—Será que teremos um pouco de paz agora? —Dean jogou suas palavras ao vento, recebendo olhares preocupados da bruxa e do anjo.

Os olhos da ruiva brilharam num roxo cintilante por alguns segundos, seguido de um sorriso de canto de boca, antes dela finalmente poder responder a pergunta do loiro.

—Eu acho que é meio cedo para pedirem uma folga... —suas palavras foram seguidas de batidas na porta.

Os quatro rapazes se entreolharam antes de encarar a ruiva novamente, e então Dean, já pegando a sua arma da cintura, andou cautelosamente até a entrada. Todos o acompanhavam com olhares preocupados e já prontos para se defenderem de qualquer tipo de criatura. Dean respirou fundo, fechou os olhos com força por um segundo, e vagarosamente abriu a porta.

O loiro perdeu o fôlego. Fechou a porta e guardou a sua arma, deixando os outros três confusos. Rowena parecia já saber o que estava por vir. Mesmo com o anjo chamando pelo seu nome, um pouco nervoso, Dean abriu mais uma vez a porta.

—Posso te ajudar? —o mais velho apenas questionou a figura do lado de fora, recebendo em resposta uma outra pergunta.

—Castiel..? —Cas ficou confuso ao ouvir seu nome ao longe. A voz feminina logo pode ser ouvida por mais uma vez. —Castiel está por aqui?

—Olha, moça... —Dean arqueou as sobrancelhas. —Acho que você está procurando a pessoa errada. Eu tenho certeza que...

—Gabriel me disse que eu deveria vir pra cá encontrá-lo. —a mulher o interrompeu, deixando-o ainda mais confuso.

Dean a analisou de cima a baixo antes de resolver finalmente o que deveria fazer. Abriu espaço para que a moça pudesse passar, revelando aos que aguardavam, uma mulher jovem, aparentando já estar em seu nono mês de gestação. Sam olhou confuso para Castiel, que parecia saber tanto quanto ele sobre aquela desconhecida. Recebendo apenas um olhar de Dean, Jack logo correu até a cozinha e pegou um copo de água benta, oferecendo para a estranha, que agora se encontrava sentada.

—Obrigada. —a moça agradeceu e tomou todo o conteúdo do copo. Haviam todos os tipos de olhares direcionados a ela naquele momento. Nada aconteceu... —V-você deve ser Castiel... Gabriel me falou algo sobre andar sempre com um sobretudo.

—Gabriel não pode ter te mandado vir aqui. —Sam franziu o cenho. Lembrava-se bem que o arcanjo havia morrido naquele mundo apocalíptico.

—Bem, eu... —seus olhos azuis voltaram-se para o chão naquele momento. A moça parecia estar sem palavras.

—Como você se chama? —Jack a questionou, chamando a atenção de todos.

—Sinto muito... eu nem me apresentei... —a mulher se apoiou na mesa, segurou sua barriga com a mão livre e se levantou com dificuldade. —Meu nome é Emma. Eu sou a mãe do filho de Gabriel.

Suas palavras chocaram a todos. Parecia impossível que aquela mulher pudesse estar esperando um nephilim, levando em consideração a experiência que tiveram com Kelly Kline. Gabriel havia morrido há cerca de oito meses... um filho seu já teria nascido há tempos.

—É Emma, correto? —Sam perguntou apenas para tentar gravar o nome em sua mente, e ela concordou. —Emma, pode ser meio rude da minha parte dizer isso, mas... Você tem certeza que esse filho é do mesmo Gabriel que conhecemos?

—Samuel! —Rowena o advertiu pela sua pergunta e se aproximou da moça. Emma tinha a mesma altura que a bruxa. —Não se faz esse tipo de pergunta a uma mulher grávida! —ela apoiou as mãos nos ombros da morena, e a fez se sentar.

—Gabriel me disse que Castiel saberia a verdade se...

—Eu sentir a criança... —o anjo completou o que Emma estava dizendo.

—Você pode fazer isso? —Jack perguntou.

—Bom... Não sentir no sentido literário da palavra, mas se for mesmo o filho de Gabriel, eu irei saber. —Cas respondeu antes de caminhar em direção a Emma e se abaixar a sua frente. —Eu posso..? —perguntou tendo suas mãos já próximas a barriga da moça, que apenas concordou com um sinal.

O anjo finalmente encostou as mãos na barriga da gestante, respirou fundo e se concentrou. Todos estavam aflitos naquele momento; Sam e Dean ainda se lembravam bem do que havia acontecido com Dagon quando Kelly ainda tinha Jack em seu ventre. Por fim, Castiel abriu seus olhos e se levantou.

—O que você sentiu? —Dean se aproximou do seu amigo.

—Nada. —Cas o encarou. —Eu não pude sentir nada, Dean... ela está com um selo de proteção contra anjos.

—Bom, meninos. Acho que vão ter que cuidar da moça por um tempo. —Rowena aproximou-se dos rapazer e sussurrou. —Acho que não irá demorar muito para ela dar a luz.

—E o que vamos fazer? Dar uma de parteira? —Dean falou baixinho enquanto gesticulava, franzindo o cenho.

—Rowena, você vai ter que nos ajudar quando a criança estiver prestes a nascer. —Sam concluiu ao que a bruxa apenas bufou antes de lhe dar sua resposta.

—Tudo bem! Vou ser a salvadora da pátria mais uma vez... Mas vocês me devem essa! —a ruiva afirmou, ainda em sussurros.

Enquanto os três estavam de cochicho pelos cantos do bunker, Jack e Castiel continuaram com Emma. A morena de olhos azuis parecia não saber onde estava se metendo. O anjo ainda se perguntava como aquilo era possível, mas Jack apenas estava feliz por saber que haveria outro que o entenderia naquele mundo.

—Eu posso tocar? —Jack perguntou à gestante, sorrindo gentilmente.

—Claro! —ela concordou, guiando a mão do garoto até a sua barriga.

Jack fechou os olhos e sorriu. Sentiu a criança se remexer no ventre da mulher. Aquela sensação parecia o trazer uma enorme felicidade. Quando abriu novamente seus olhos, por um segundo eles ficaram amarelos, mas não era ele que o estava fazendo. Jack logo soube; a criança era com certeza um nephilim.

—Jack... —Sam se aproximou do garoto, tocando-lhe o ombro.

—Ela está chegando. —Jack se levantou.

—Quem está chegando, Jack? —Sam o encarou, confuso.

—A criança... Ela me disse. —o garoto sorriu alegremente.

Sentir aquela criança o fez se sentir menos sozinho. Não que Castiel ou os Winchester não estivessem sempre ao seu lado... Mas aquela criança saberia melhor do que ninguém como ele se sentia; não seria ele mais o único garoto especial do mundo.

Enfim foi decidido: Emma ficaria no bunker até a criança nascer. Os rapazes ainda estavam apreensivos com a ideia de ter mais um nephilim no mundo, mas eles teriam que proteger aquela criança de todas as criaturas... ou o mundo dela, talvez?! Uma coisa era certa: não iria ser nada fácil!

29 de Maio de 2020 às 17:39 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Congratulations, daddies!

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Mais histórias

Art Deco Art Deco
Jardim de borboletas Jardim de borboletas
You make it easy You make it easy