Contagem regressiva para a Copa dos Autores 2020. Registre-se agora e tenha a chance de ganhar prêmios!. Leia mais.
dissecando Edison Oliveira

Microconto, rápido como uma lembrança. Uma lembrança estranha que faz arrepiar até hoje.


Conto Impróprio para crianças menores de 13 anos.
Conto
2
5.2mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

OLHOS SECOS



Era sobre um garotinho estranho, magro e de cabeça grande, que tinha dificuldades para brincar. Ele mastigava com a boca aberta (levava um tabefe da mãe como forma de repreensão) e limpava o nariz escorrendo com algum dos pulsos.
Na hora de brincar, preferia permanecer sentado sossegado em algum canto, mexendo nos próprios dedos e pensando sabe Deus em que.
Já o tinha visto cair de sua bicicleta (coisa medonha, o pneu frontal entortou e o tombo foi doloroso só de olhar), a cabeça dele bateu e quicou no chão pedregoso, e quando seu rosto se ergueu havia uma mancha feiosa de sangue cobrindo seu nariz, boca e queixo. O esquisitinho nem sequer chorou. Ele não era de chorar. Ninguém nunca o vira derramar uma lágrima.
As pessoas da região diziam que seus olhos eram tão secos quanto o lago local em época de verão. O braço dele certa vez quebrou, — parecia que possuía dois cotovelos na ocasião — ficou num ângulo torto horroroso, e aquele garoto nem careta fez. Ele me dizia que sentia dor o tempo todo, que seu corpo doía como se milhares de agulhas quentes o espetassem, e saiba que este velho aqui acreditava nele, talvez o único que tinha esse sentimento de proximidade. Não éramos amigos (longe disso, o esquisitinho preferia o silêncio a dar um olá), mas vez que outra, os olhos dele caíam sobre os meus e decidíamos jogar conversa fora por alguns minutos. Falei conversa?
Não, nada disso. Quem falava era apenas eu. Ele só escutava e prestava atenção. Dizia que as palavras faziam sua garganta arder. Contou isso e vi seu pomo-de-Adão subir e descer como se estivesse engolindo algo grande demais para a própria boca. Ainda naquela época, por volta de um inverno chuvoso e gelado demais para explicar em detalhes, fomos ao velório daquele garoto acompanhados de uma estranha sensação que com meus oito anos não sabia o que era, mas que hoje com meus noventa sei muito bem. Estávamos aliviados. Aliviados por ele. O garotinho que possuía apenas dor vivendo dentro dele, e ela era tanta que tinha sede e bebia suas lágrimas. Por isso era incapaz de chorar. Naquele velório a cidade inteira estava presente, alguns fazendo orações enquanto outros batiam papo como se estivessem em um bar. A mãe do menino não saía do lado do pequeno caixão coberto de flores, os olhos fechados e uma das mãos sobre a testa fria e pálida do pobrezinho. Por isso digo até os dias de hoje que fui o único a ver aquilo, e mesmo tantos anos depois, ainda sou capaz de lembrar.
— Ver o que, vovô?
— Que aquilo que escorreu por debaixo da pálpebra fechada daquele menino esquisito e morto, era sim uma lágrima.

24 de Maio de 2020 às 17:14 1 Denunciar Insira Seguir história
10
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Leandro Severo Leandro Severo
Eita. Gostei. Curto, rápido, mas com sua marca de estranheza e ideias curiosas. Parabéns.
May 27, 2020, 16:29
~