nollaun Gamtan Nollaun

A atração sexual entre Nath e Tadeu os consumia. Mas era possível que eles conseguissem manter tudo só no campo do sexo, sem maiores compromissos? Mesmo que um deles quisesse se apegar e outro tivesse seus motivos pra fugir? Crossover de Jamais Vu.


Romance Erótico Para maiores de 18 apenas.

#romance #hot #superação
0
691 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Domingos
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo

*Você também pode encontrar essa história no Spirit e no Wattpad (user: @nollaun).*

-- Pensei em uma c...

-- Iiiiihhh, olha lá de novo ele olhando feio pra mim.

Nath parou de prestar atenção no que Beca falava quando seu olhar cruzou com a carranca de Tadeu que passava por elas, a alguns metros de distância, indo em direção ao corredor que dava para os banheiros e o escritório.

-- Eu vou lá falar com ele!

-- Nath, deixa pra lá... -- Beca tinha confirmado que ele tratava a amiga diferente dos demais mesmo.

-- Eu não vou arranjar confusão.

-- Nath...

-- É sério! Já volto. -- E a amiga foi atrás do rapaz.

Tadeu tinha acabado de destrancar o escritório quando sentiu um toque em seu ombro direito. Se virou, dando de cara com Nathália. Essa não...

-- Você poderia me dizer qual é o seu problema com a minha pessoa?

-- Nenhum. -- Foi a resposta simples, enquanto guardava a chave no bolso da calça, apesar do cenho franzido.

Mas Nath não aceitou aquela resposta.

-- Como nenhum? Se toda vez que me olha, faz essa cara horrível? -- Ela disse com os braços cruzados, avançando o espaço pessoal dele e o encurralando contra a porta, somente destrancada a chave. Ela era muitos centímetros mais baixa que ele, que media cerca de quase 1,80m, mas da perspectiva de alguém olhando de fora, ela parecia estar intimidando-o. Ela mesma achou isso, até que, de repente, tudo mudou. Tadeu, em um movimento rápido, segurou a nuca dela, o que a fez soltar um gemido de surpresa, abrindo em forma de um O redondinho, tanto os olhos quanto a boca, esta que logo em seguida foi sugada pela boca de Tadeu.

Ela não teve tempo de ter uma reação, pois logo o beijo acabou e ele a soltou, colocando as mãos sobre os olhos:

-- Perdão... Eu... Eu... -- Ele não sabia o que dizer. Porém, quem acabou sendo pego de surpresa foi ele, ao ser puxado por Nath para a continuação bem mais profunda do beijo que ele iniciara. Eles se encostaram contra a porta do escritório, a mão direita dela na nuca dele o puxando o quanto mais podia e a esquerda apoiada em seu peito, equilibrando o corpo na ponta dos pés. Tadeu, por sua vez apertava o corpo dela contra o seu pela cintura. Quando ela soltou os lábios dele e começou a lhe beijar o pescoço e cada centímetro de pele exposta que ele tinha, ele conseguiu voltar a raciocinar minimamente.

Caralho, eles iam acabar transando ali naquele corredor e sem uma porra de uma camisinha..."

Foi aí que lembrou do escritório e da gaveta de camisinhas. Soltou a mão esquerda da cintura dela e apalpando atrás de si encontrou a maçaneta da porta. Abriu-a entrando logo em seguida e levando Nath consigo. Fechou a porta atrás deles, agora trocando de lugar com Nath e prensando-a contra a porta. Voltou a beija-la na boca, colocando o joelho esquerdo entre as pernas dela. Achava que assim estaria no controle da situação e poderia impor o próprio ritmo.

Só não contava que Nathália começasse a roçar a vagina, coberta pela calça jeans, é verdade, contra o seu joelho.

Aquilo o enlouqueceu de vez. Então, escorregando as mãos da cintura dela para as duas nádegas, a ergueu e ela por sua vez enlaçou as pernas na cintura dele.

Naquela posição agora Nath se roçava contra a coxa dele, muito mais perto da virilha, enquanto ele tentava em vão abrir o primeiro botão da camisa dela com uma das mãos trêmulas.

Nath, agora gastando o batom no pescoço dele, tirou sua mão direita da nuca de Tadeu e pegando a mão esquerda dele a fez passar por debaixo da camisa dela que estava somente presa na parte da frente.

-- Por aqui. -- Disse com a voz rouca na orelha dele.

Tadeu entendeu logo o recado e encontrou o caminho para o seio esquerdo dela, o apertando primeiro por cima do sutiã, mas depois afastando a peça e sentindo o mamilo duro de encontro a sua palma.

Droga, quero isso na minha boca e...

Tadeu pensava em um modo de tirar a blusa dela, quando sentiu um puxão em sua orelha:

-- Aí! Por que puxou minha orelha? -- Enfim olhou nos olhos de Nath, que se desempuleirou dele logo em seguida.

-- Xxxxxuuuuuu! -- Ela fez um sinal de silêncio pra ele. -- A música parou. -- Disse em um sussurro.

Nath abriu a porta logo em seguida e se deparou com Beca no corredor, só então pensou minimamente que a situação da sua aparência não devia estar nada boa...

-- Nath? Ta tudo bem? -- A amiga perguntou, enquanto ela percebia que não seria uma boa hora para Tadeu sair do escritório também, mas foi justamente o que aconteceu.

-- Aaaaaahhhhh... -- Foi só o que Beca disse ao ver os dois.

-- Vamos embora Beca. -- Nath a pegou pelo pulso e a puxou pra fora do corredor.

-- Até sábado. -- Tadeu disse as duas, mas somente Rebeca olhou uma última vez pra ele.

Ainda atordoado e excitado, não se deu conta da própria situação deplorável.

-- Eita! -- Roberto, que se dirigia com a pasta de partituras para o escritório, parou ao vê-lo. -- Que que te aconteceu Tata?

-- Hum? Como assim? -- Ele ainda queria entender o que tinha acontecido.

-- Isso na sua cara e camiseta é batom? -- Então Roberto ligou uma coisa na outra e começou a rir. -- Você estava se pegando com a Nathália?

-- Eu... -- Como explicar o que tinha acabado de acontecer?

-- Quem se pegou com a Nathália? O Tata? -- João se aproximou e ouviu o fim da conversa, começando a analisar também a aparência do agora amigo.

Tadeu revirou os olhos. Lá vinha...

-- Sabia que aquelas caras feias dele eram tesão reprimido. -- Roberto falou.

-- Quem está com tesão reprimido? O Tata? -- Por fim, Oliveira se juntou ao grupo, que começou a zuar Tadeu sem dó.

-- Eu vou ao banheiro...

Mas os outros nem ligaram quando ele se afastou e continuaram a rir muito dele.

Levou um susto ao se olhar no espelho do banheiro: o batom de Nathália não estava só na sua camiseta, mas nos seus lábios e pescoço também. O cabelo estava todo desgrenhado. Nem se recordava que ela tivesse passado a mão por eles...
Foi realmente uma má idéia puxar a memória recente, pois sentiu seu membro enrijecer de novo, somente a menção da lembrança do que tinha feito com Nathália a poucos minutos atrás.

Abriu a torneira ao máximo e começou a lavar o rosto e pescoço pra aplacar o fogo que o consumia novamente.

-- Inferno de mulher!

23 de Maio de 2020 às 21:35 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo Sem Convite

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 6 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!