kanaeyy kanaey

Fumito não sabia quando, mas em algum momento, deixou de ver Saya apenas como algo que lhe proporcionaria sucesso e passou a admira-la como um homem adimira uma mulher.


Fanfiction Anime/Mangá Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#saya-e-fumito #fumito #saya #blood-c
Conto
0
745 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

A ilusão cobre a realidade

Havia uma delicadeza sútil na forma como Kisaragi Saya manejava a espada, em como ela a girava no ar sempre acertando seu alvo. A forma como impulsionava o corpo para pular, os olhos atentos a tudo ao redor, os cabelos negros que vez ou outra lhe cobriam a face, tudo isso era digno da admiração de Fumito, que não deixava o mínimo detalhe sobre ela passar despercebido por seus olhos.

Em algum momento, aquela garota deixou de ser um demônio astuto e valioso, para se tornar uma linda mulher de personalidade forte para ele. Olhar para ela, conversar, tocar, acariciar, tudo era tentador à sua sanidade, aos seus objetivos — os quais nunca deixou de lado. Tinha uma meta em mente, venceria aquele jogo de fingimento e, independente de qualquer sentimento, usaria Saya para seu lucro pessoal.

Mas enquanto o clímax não se aproximava e a jovem continuava a acreditar que era apenas uma garota normal, com uma missão única e essencial para aquela pequena cidade, Fumito continuaria a observa-la, a ser o amigo que sempre estava lá quando a mesma vinha tomar seu café.

Muitas vezes se perdia em seu papel de simples dono de um comércio em uma cidade pacata, se esquecendo que era um mera ilusão e a vida real ainda estava lá. Meus caros, quem nunca — uma vez sequer na vida — se deixou levar por aquela felicidade de aquecer o peito, de nos fazer sorrir sempre, mesmo que fosse falsa? Que tivesse uma data de validade expressa?

Era por isso, sabendo que ser irredutível a vida toda é impossivel, que se permita aqueles pequenos momentos felizes ao lado de Saya, onde os dois não passavam de duas pessoas normais que eram muito amigas. Como se o ódio dela por ele nunca existisse, a ambição dele também.

— Bom dia, Fumito. — A voz dela veio junto ao tintilar do sino à porta.

— Bom dia, Saya. —Disse, um sorriso espontânio tomando seus lábios.

Ela se sentou de frente para o balcão como sempre fazia e pediu o mesmo de sempre. Talvez fosse um pouco monótono tudo aquilo, mas os dois pareciam não se importar com isso.

— Veio sozinha hoje?

— Sim, papai tinha muita coisa acumulada para fazer, por isso resolveu passar aqui mais tarde.

Serena, era assim que Saya se encontrava. Os olhos fechados enquanto bebia o café quente e as bochechas coradas, como podia um demônio ser tão encantador? Fumito se perguntava sempre.

Naquele dia não parecia muito disposta a conversas, pois tão logo acabou com sua bebida e a pagou, foi embora. Fumito apenas a observou ir e sumir pelas ruas, esperando ansiosamente o momento em que ela voltaria para contar a ele o que a afligia.


27 de Maio de 2020 às 18:46 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

kanaey ⠀⠀⠀⠀⠀⠀𝙋𝙇𝙐𝙎 𝙐𝙇𝙏𝙍𝘼! -'ღ'- ⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Mais histórias

Photograph Photograph
A linguagem das flores A linguagem das flores
Protect your e-mail Protect your e-mail