atila-titi-senna Atila Senna

Momentos antes, durante e pós sexo. Todos os desejos por teu corpo.


Érotique Déconseillé aux moins de 13 ans.

#carinho #corpo #nu #mulher #homem #tara #amor #desejo #sexo
Histoire courte
1
3.9k VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Corpo

Corpo


Todos os dias admirando-o nu a perambular pelo lar a atiçar sobre à luz natural e o clima fresco do dia delicado. Deliciosos jogos de sedução e amor. Desejando que o devoras-te, e idem, certamente tu há de ter por muitas vezes em um dia tal desejo por ser devorada. Exibicionista carece de ti, aplausos. Quer ser observado pelo corpo esculpido que tens, ser favorecido por ser tão belo o ser másculo, desejando que tu o ataque, cada músculo, todos os centímetros, acaricia-lo para excitar.


— O que fazes aí?

— Espero que venha devorar-me.


A grande janela redonda aberta de seu quarto os tornam expositivos, pois gostas do mundo, escondem-se ao fazer o bom que torna-se proibidos onde corra o risco de outros olhos, aquele que não devem vê-te excitada. Tal pensamento a exita. Começam o jogo íntimo do amor. E que se vê-te sintam-se curiosos, olha-te como tu gostas de ser dominada por seu corpo masculino devorador, mas que desapareça em segundos da vista de tal terceiro. Teu homem sob o tecido branco valorizar seu corpo nu, sorridente com lábios rosados e macios a esperar-te se abre para que domine-o primeiro. Tu aproximasses delicada a observar teus defeitos, teus acertos e, já duro, toca a mão para masturba-lo sentado-se em sua frente entrelaçando todas as pernas, observando a face repleta de desejo carnal enquanto o domina e toma para si. Gostas de deixa-lo louco, abrir tua boca na proporção do tesão até fazer contorce-lo jogado-o sobre o tecido para observa-lo se desmoronar em suspiros enquanto ainda toca-o. Pedindo a ti para fazer dele o que bem quiser com seu corpo masculino. Sim, seu corpo másculo. A prioridade de ter o controle de seu próprio corpo e ao mesmo momento ser por completo do parceiro, por vezes prazerosamente pacifico... Passivo. Na beleza nua e porosa a cada arrepio que provocada na pele de seu parceiro, enquanto o avalia e mau pisca diante as formas lascivas a produz saliva, beijando-o os volumes musculosos e face à face, freneticamente olhando-se em juras silenciosas de amor e sacanagens.


Nudista, retira suavemente e sem presa tuas peças, devagar admira teus seios deliciosos e chamativos. Tu levantas-te a frente e desce a calcinha elegante e ao expor, ele lascivamente sem permissão a chupa. Logo termina, só quer seu gosto, sente em sua mão o líquido que cria e novamente deita a espera de que com ele tu deite-se igualmente, pois quer teus toques firmes a controlar a pressão do tesão e, enchendo-o de adrenalina acelerando o coração repleto de emoção. Quem dera ser duradoura sensação, realizar o desejo que fique duro em ti por horas, dias e uma vida toda de trazer sem outra necessidade prevalecer. Nus. Tocando seu corpo com sua única tarefa: satisfaze-lo com tesão. Retrucando agradando-a ao entregar em ti seu corpo masculino, sentindo-o cada vez mais desejo por tê-lo fervente dentro de ti. Seus braços másculos impregnados de veias pegando-a de jeito, o pedaço de carne mais saboroso e valioso, chamada “meu amor”. Sentindo-se completa sexualmente e realizada, tocando-te profundo e abrindo-te sadiamente, dilatando suas corretes sanguíneas, deslocando as aurelas que se movimentam ao ir e vir. Alisando a barriga perfeita do seu corpo masculo repleto de gomos a comê-la, controlando a profundidade que a invade enquanto ele retribui na tara de alisa-la com o próprio suor que brota gotícula por gotícula. Quer sentir a cabeça rosa passar em dodo seu corpo mulher, em seu rosto, orelha e nariz, por todas as partes de tu corpo feminino.


— Ah, devorador safado e carinhoso, sinto seu cheiro.


Toca suas partes, não pesa, como os homens fazem, também passe sem permissão, és teu amado, teu segundo corpo desejado do qual não deves jamais negar sua própria tentação de ser bem comida por ele. Dotado. Ataque-o, frente e verso, use a boca, use as posições e admire seu corpo masculino. Branco como gostas, rosa ao se tornar íntimo, sonoro ao tocar das papilas que o degusta, frente verso, depois tua boca: beija-o com o sabor do próprio e aprecie o mento numa delicadeza. Belo movimento heterose sobre seu corpo penetrado, deixa-a como nenê de olhos fechados com as mãos sobre os próprios seios nu e volumosos a gemer por ser explorada abertamente em posse em que, a cada estoca, o impacto lento distribui pelo seu corpo. Dois apaixonados que se dão ao pecado. O roçar do busto másculo em seus seios femininos e os dos lábios carnudos sincronizam com movimento de comer-lhe e, mias a atiça, arranha-o levemente os músculos de toda suas costas largas. Sente cada um, o respirar ofegante do outro que a um belo custo seguram o gozar. Um para o outro no tesão de aguentar o maior tempo possível para em fim relaxar.


E em tu que fique o cheiro, delicioso odor do amor sem pudor que lhe come, ai então o morda, sinta a delícia suave de seu suor se misturar com a saliva de tua boca a sentir-se mais uma vez um nenê em seus braços fortes que a protege ao fim do devorar.


Ah, corpo masculino, dentro do teu feminino, entre as poupas rosa da origem do ser, agora da à luz ao maravilhoso prazer satisfatório. Dá-se. Se come. Saciassem da carne crua e fervente aliada ao desejo das formas em movimentos, do toque suave, não lento mais tão pouco veloz torna-se ideal no clímax do gozo a se olharem de bocas a bentas e quatro dentes amostra. Sentido por todas as fibras de seu corpo o desejo de ter um bem dotado, amando sentir o frescor de estar com as pernas bem abertas ao macho e o preencher que escorre de dentro. Tomada pela expressão masculina de comedor que a satisfez elevado-a ao estremo que sente vontade de gritar! Sente o forte desejo de gozar eternamente em seu corpo e, o qual bom foi vê-lo despejar entre suas pernas abertas, dentro de você, toda a porra em jatos quentes a desejarem-se ofegantes no fitar olhos nos olhos e tocar seus corpos molhados e claro. Sentir no peitoral másculo o bater dos sentimentos por ti: mulher. Feliz, pois foi forte dominando-o e dominador ao finalizar o momento encerrando com a frase que suaviza suas vidas.


— Lhe amo. ♥


Não retrucas, preferes tremer no descansar, enquanto ainda duro e enraizado de veias com moimentos suaves no interno de seu também descansa melado deliciosamente a escorrer e observa. Preenchida de tesão, chamando-o somente com movimentos de mão sobre as musculosas costas para um último abraço apertado a umidade de dois corpos que se envolvem com desejo, odor, forma, calor tentando se tornarem um só ser, denominado: prazer.

6 Décembre 2019 18:53:29 0 Rapport Incorporer 1
La fin

A propos de l’auteur

Atila Senna Imagino cenas, faço delas contos e histórias.

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~