Nuvem de Sangue Suivre l’histoire

fanny_odadmayan Fanny Odadmayan

Obito era um detetive que levava uma vida dupla, adorava servir a lei mas também o prazer de matar. Isso vai ser ameaçado quando Kakashi, o mais novo detetive começa a trabalhar com ele. Os dois são amigos de infância, ao mesmo tempo que o Uchiha vê aquele homem como alguém a ser superado também tem uma fascinação sendo desperta. Agora ficará em um beco sem saída, como falar do seu segredo sujo? Será que Kakashi o aceitaria mesmo com os erros?


Fanfiction Anime/Manga Interdit aux moins de 18 ans.

#universo-alternativo #naruto #kakaobi #obito #kakashi #yaoi
1
1.5k VUES
En cours - Nouveau chapitre Tous les 15 jours
temps de lecture
AA Partager

Novo colega de trabalho

Obito dormia esparramado na cama, a baba saía da boca, mesmo assim continuava ignorando o despertador tocando. O barulho irritante persistiu até ele se levantar, seus cabelos escuros bagunçados e olhos sonolentos não faziam boa imagem do homem. Caminhou lentamente para o banheiro molhando sua face com água fria.

Fritou dois ovos enquanto via o noticiário na televisão, ainda dormindo em pé escuta alguém bater na porta. Vai atender tropeçando nos móveis, precisava calcular melhor as horas de sono.

A mulher de cabelos curtos encarou emburrada, suas bochechas levemente vermelhas revelou que tinha feito algo grave para ela estar assim.

- Você esqueceu!

- Do que? ........ Ah nosso jantar.

- Fiquei plantada no restaurante por três horas! - expressou Rin nervosa.

- Desculpe eu realmente estava cansado.

- Poderia ter me avisado antes.

- Eu sei. Te recompensarei.

- Acho bom. Nossa olha para você parece um mendigo. Vai se vestir eu termino o café.

Ele nem discutiu e foi para o quarto, vestiu sua camisa azul claro, calça jeans preta. O distintivo brilhando na cintura revelava a posição de detetive no Distrito de Konoha.

Desce novamente para comer, recebe um prato e café. Se alimenta rapido, com certeza estaria atrasado. Em dias normais Tobirama Senju já pegava no pé imagine caso não chegasse dentro do horário.

- Acho melhor tomar cuidado tem um assassino por aí - comenta ela dando um longo gole daquele líquido quente.

- A polícia tem pistas?

A mulher ri alto e ele fica sem entender.

- Obito VOCÊ é a polícia.

- Ah é mesmo.

- Parece que seu cérebro ainda não está na ativa. Escuta não faz dez minutos que deveria ter saído daqui?

- Vem me dizer isso só agora? - questiona pulando da cadeira - Tranca tudo aí para mim.

.........

Chegou correndo, andou pelas mesas tentando não chamar atenção, porém seu chefe Fugaku Uchiha o chama com uma voz de autoridade. Ele passa as mãos nos cabelos pensando tentando transmitir um ''não fiz nada de errado''.

- Está sem parceiro e sua missão com Itachi foi um fracasso - pronunciou logo que vou o outro entrar.

- Eu sei.

- Você não conseguiu trabalhar com ninguém até mesmo com Deidara que só quer saber de fugir do serviço.

- Eu sei - repetiu.

- Precisa se encaixar rápido.

- Eu sei.

- Pare de dizer isso!

- Desculpe.

- A Central me enviou uma ficha muito boa talvez se dê bem com ele.

Obito franziu as sobrancelhas, o novo colega de trabalho viria de fora? Foi instruído à esperar enquanto o sujeito não chegava.

........

Passou na casa da mulher que o criou depois que sua avó morreu. Kushina uma ruiva temperamental tinha um profundo amor pelo filho de sangue Naruto e o apenas de criação.

Os dois homens se davam bem faziam tudo juntos, pareciam em muitas coisas o jeito de falar, até para andar. Além disso Naruto queria ser da polícia como Obito.

- Como foi hoje?

- Igual aos outros dias.

- Não andou aprontando né? - disse ela puxando a orelha dele.

- Ai ai ai.

- Rin não parecia feliz quando veio aqui.

- É que - enrolava ele tentando desviar o olhar - Esqueci do nosso jantar.

- Você o que?!

A mulher já ia para cima quando o celular dele tocou.

- Detetive Uchiha Obito...... hã certo já estou indo.

- O serviço chama?

- Até mais - falou ele a beijando na testa.

..........

Retorna a delegacia depressa, Itachi o atualiza parecia que tinha acontecido um homicídio. Um homem acordou e se deparou com a horrível cena da mulher mutilada.

Chegam na mansão dos Hyuga, o patriarca queria segurar suas lágrimas ao mesmo tempo as duas filhas choravam muito.

Se aproximou da família com a caderneta de anotações.

- Oi sou o detetive do caso gostaria de fazer algumas perguntas.

- Vocês vão achar quem fez isso né? - indagou a garota mais velha de longos cabelos azulados.

- Nós empenharemos em procurar o culpado. Hiashi Hyuga conte como foi tudo.

- Eu..... ela estava normal ontem, dormimos e quando amanheceu não estranhei porque minha esposa sempre levanta antes. Fui procurá-la, pois não parecia estar em lugar algum. É comum dela ficar na cozinha tomando café nesse horário. Então fui no hall de entrada e..... estava naquele estado.

- Não ouviu nada?

O senhor balançou sua cabeça negativamente.

- Obrigada por enquanto é apenas isso.

Distancia indo de encontro com Itachi que pegava informações dos empregados.

- Estranho isso.

- São podres de ricos tem muita gente querendo fazer mal a eles.

- Verdade e o chefe da família não tem rosto de muitos amigos.

- Aquele velho consegue ser tão frio numa situação dessas que da até arrepios.

Finalizam tudo, sem muitas pistas coletam possíveis evidências na casa.

- Ei vocês fizeram tudo direito né? - questionou Tobirama.

- Sim - respondeu os dois sem paciência.

- Checaram os depoimentos dos vizinhos?

- Aham - asseguraram.

- Acho bom - resmunga e se afasta deles.

Os dois homens encostado no carro tentavam compreender um motivo para tanta amargura, afinal o Senju tinha vida estável e não aparentava passar por problemas.

No caminho voltando para a delegacia passam numa loja de rosquinhas, os dois adoravam doces comiam que se lambuzavam. O estabelecimento era muito bom no ramo de café da manhã. Localizado no meio do centro comercial de Konoha, muitas pessoas passavam ali.

O Ichiraku era administrado por Teuchi juntamente com sua filha Ayame.

- Ei já conheceu seu novo parceiro? - perguntou Itachi dando uma mordida enorme na rosquinha de morango.

- Ainda não.

- Quanto mistério.

- Também acho.

- Será que demora anunciar.

- O chefe já tem a ficha da possível pessoa.

- Já pensou ser uma mulher?

- É bem melhor, aquele departamento está precisando de um toque feminino.

........

A noite escura trazia um certo sossego, abriu o guarda roupa contemplando aquele traje escuro, tinha uma personalidade alegre e sorridente porém ninguém sabia que por trás das risadas tinha alguém sujo e louco por matar. Sua compulsão era para se estar na cadeia, simplesmente não conseguia parar.

Vestiu o manto escuro estampando nuvens vermelhas depois vinha as luvas. Colocou a toca e sumiu entre as ruas silenciosas.

Sentia uma certa liberdade assim, não mais alguém reprimido a cumprir ordens de quem se achava melhor. Caminhava entre os becosdecidido a se divertir procurandouma vítima.

Avistou a rosada andar cautelosa naquele horário não tinha ninguém circulando. Ele seguiu os passos dela que logo percebeu e correu o máximo possível porém aquele homem tinha grande capacidade em alcançar seus alvos. Rapidamente puxou o braço da garota fazendo esta soltar um grito.

A arrastou para onde estava com pouca luminosidademas ela o chuta entre as pernas e foge, quem diria que uma pirralha teria tanta força.

Retornou à sua residência tirando toda sua roupa. Foi para debaixo do chuveiro deixando a água percorrer o corpo cansado.Já era a segunda vez que alguém escapava, estaria perdendo o jeito?

..........

Acordou atrasado como sempre, empurrava a calça pela perna enquanto pulava para vestir. Seu gato de estimação que parecia estar se divertindo da situação. Encarava com seus grandes olhos verdes o homem abotoar estressado os botões da camisa.

Correu até seu carro e partiupara a delegacia, chega querendo passar despercebido mas Tobirama já esperava na porta com um olhar nada amigável.

- Sr. Uchiha sabe que prezamos pela pontualidade não é?

- S-sim senhor.

- Então porque raios você chega todo dia atrasado?

- N-não é todo dia, teve aquela vez que....... que..... bom.....

O homem apertou os olhos esperando alguma resposta.

- Não pegue pesado com o garoto - expressou Hashirama gentil.

- Você sempre passa pano para eles.

- Obito o chefe está te chamando - fala Deidara chegando de repente.

- T-tá bom.

Ele sai correndo antes que levasse mais uma repressão.

Na sala Fugaku tomava um chá e conversava com outra pessoa sentado na frente dele. Quando Obito chega vê o sujeito de cabelos platinados.

- Sente - manda e o outro obedece engolindo em seco - Esse é Kakashi Hatake será seu novo colega de investigação.

O homem da uma olhada, tinha cabelos espetados como os seus, olhos caídos parecia estar com sono. Ele acabou rindo da descrição mental que fez, contudo o mais estranho era a máscara de médico no rosto. Será uma doença contagiosa?, refletiu.

- Vocês podem começar com o caso dos Hyuga.

- C-certo - murmurou Obito.

Eles saem dali quietos, o Uchiha apresentava algumas coisas mas seuouvinte não parecia estar interessado.

- Por onde começamos?

- Hã..... bom essa é a pasta do caso, todas as informações estão reunidas aí.

Ele analisou cuidadosamente cada linha.

- Acho melhor conversarmos com o legista primeiro.

- Ah sim vai gostar da Sra. Tsunade.

Caminham até o necrotério onde a loira com sua estagiária Shizune estavam. Abriram a gaveta no qual repousava o corpo da Sra. Hyuga.

- Ela foi violentamente mutilada, tem cortes por toda parte e pelo estado dos ferimentos ainda estava viva.

- Que crueldade - comentou Kakashi.

- A morte aconteceu durante às 2:00 e 5:00.

- Isso bate com a descrição do marido que a encontrou pela manhã.

- Sabe qual tipo de arma pode ter sido usado? - perguntou o detetive Hatake.

- Uma lâmina bem afiada, talvez alguma faca.

- Alguém estava com muito ódio para fazer isso, procuraremos por inimigos da família - disse Obito.

- Obrigada doutoras.

Eles entram no carro para interrogar novamente os Hyugas, quando o policialia dar partida é interrompido.

- Vai me ignorar até quando Obito?

- Desculpe mas......

- Não se lembra mesmo? De quando brincávamos juntos. Meu pai era amigo do Minato , sempre fazíamos coisas juntos.

- Ahhhh! Agora me recordo, caramba como pude te esquecer.

- Fui embora de Konoha bem criança é normal você não se lembrar.

- Bom então o trabalho vai ser melhor, pois vai ter dois amigos.

- Espero - falou rindo.

Ele acelerou o carro e partiram para a mansão

17 Septembre 2019 10:29:40 0 Rapport Incorporer 0
Lire le chapitre suivant Aviso do assassino

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 4 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!