Fantasia Progect Suivre l’histoire

hakunon Hakunonxxx

Após ser executado um homem velho com um sonho utópico desperta em um lugar desconhecido. Compreendendo sua situação descobre seu milagre resultou ser bem sucedido, agora esse homem tendo um a vida de uma criança de doze anos, vai usar sua segunda vida para se vingar dos seus executores nem que tenha que destruir um império junto com ele.


Aventure Tout public.

#ação #aventura #fantasia #medieval
1
3.3k VUES
En cours - Nouveau chapitre Tous les 30 jours
temps de lecture
AA Partager

VOLUME 1

Capítulo 1 - Despertar

Em um amanhecer como qualquer outro, seus raios tocam e iluminam toda a grande cidade imperial de Auréola. Os seus raios principalmente sem ser convidado, penetravam as janelas da grande igreja da cidade. Esse igreja, tem uma função muito especial para o império, de que tinha que recolher crianças sem pais e cuidá-las até que façam 12 anos e sobre algumas circunstâncias levá-las para ser mão de obra do império. Mas estes raios de sol além de não terem permissão de entrar o interior da igreja, estes raios despertaram um garoto que jaz deitado na parede de pedra gelada, com um livro de couro na mão, um livro pesado, mas não sendo difícil de um criança carrega lo por aí na igreja. A criança de cabelo curto, cabelo negro, também de pele negra e olhos marrons, teve seu sono perturbado pelos feixes de luz que batem em seu rosto.

O garoto que sente os raios do sol o acertando sem mínima vacilação, isso é claro trouxe incômodo ao garoto, pois seu sono foi perturbado por esta luz que tanto é uma benção como também uma perturbação para aqueles que não querem sair da cama. Logo, não demorou muito para que o garoto se levantou com certa dificuldade. Já não bastando ser despertado a força pelo sol, ainda sente uma forte dor de cabeça.

  • MEMORIAS - MEMORIAS - MEMORIAS -

Junto com sua dor de cabeça, uma onda de memórias e cenas misteriosas preenchiam sua mente. Como uma cena de um longo filme, frames e mais frames, nomes mais nomes e muitas imagens e sons invadem sua cabeça. O que era um garoto negro com própria personalidade, teve toda sua mente invadida por memórias de uma outra pessoa, ocupando 100% de sua consciência. Não demorou muito para que este garoto se tornasse uma outra pessoa, com uma idade mental muito mais avançada do que uma criança em seus 12 anos.

Desconhecido - Eu consegui transferir minha alma e mente ? Meu feitiço deu certo ?

Agora, essa nova personalidade recobrou a conciência nesse pequeno corpo. O mesmo se olhava vendo que é uma criança negra em seus 12 anos de idade, pequeno, magro, pouca massa muscular, quase nenhuma massa muscular que possa ser destaque de admiração por olhos de terceiros. Ficando ali olhando ao seu redor, notou que sua localização parecia ser uma igreja, vendo livros de couro em estantes de madeira e nenhuma outra pessoa. Pelo canto dos pássaros e o cacarejo dos galos, é bem de manhã cedo. Enquanto registrava essas novas informações uma pessoa apareceu a passos rápidos.

Desconhecido - Oliver, pela DEUSA Gaia, te procurei por todo canto.

Oliver - Uma freira ?

A freira ao ouvir o que parecia ser uma pergunta, ficou desconcertada com isso. “Ele tá em dúvida se sou uma freira”

Freira - Sim, sou uma freira. E o que faz aqui ? só falta você para começar o desjejum, tenho um a anúncio a fazer.

Sem perder tempo pegou Oliver pela mão levando ele às pressas para uma espécie de refeitório. Assim como a biblioteca, esse lugar também construído em pedra, não tendo muitas decorações. A refeição já está servida na larga mesa de madeira, estando ocupados por crianças de aparência fraca e magra. A freira então colocou sua mão no ombro de Oliver, se abaixando ao ponto dele sentir a respiração da mulher em seus ouvidos.

Freira - Vá ali naquele lugar vazio e sente, espere meu anúncio para depois comer.

Ainda absorvendo novas informações, segui as instruções da freira, indo em direção aonde foi apontado o lugar vazio na longa mesa de madeira. Nesse lugar vazio tem como vizinhos, um menino a sua direita bem magrinho, pequeno, de pele moreno estando entre ⅞ anos. Já na esquerda do assento vazio, uma menina também magrinha, de cabelos longos, branca com suas bochechas rosadas e olhos azuis. A mesma garota fuzila com seus bonitos olhos.

Oliver ( Pensamento ) - Essa, pela memórias do garoto deve ser Megue.

Com alguns passos rápidos chegou em seu destino, ainda sendo fuzilado pelo olhar da garota.

Megue - Onde você estava Oliver ? A freira procurou você pela igreja toda e só faltava você para podermos comer.

Oliver - Desculpa, desculpa. Parce que cai no sono lendo um livro.

Megue - Não duvido muito de você, tem carregado um livro estranho tem um tempo. Mas, o livro foi bom ?

Oliver - Sim, foi um bom livro. Aprendi muito com ele.

Megue - Depois se puder, me fale sobre o que você leu nele.

Oliver - Tudo bem, quando tivermos tempo livre, vou falar um pouco dele.

Megue assentiu feliz com a resposta de Oliver. Apesar de não ser muito de leitura, adora ouvir as explicações dele, já que é um dos garotos mais inteligentes do orfanato. Se tiver sorte, pode conseguir um emprego bom em algum comércio da capital.

Enquanto conversavam alegremente, a freira subiu num púlpito para fazer um anúncio que ela falará que ia fazer. Dito e feito, começou a dizer o aviso de grande importância para essas crianças.

Freira - Crianças todos sabem do grande evento anual da capital, não é mesmo !?

Todos assentiram em confirmação.

Freira - Pois bem. Como já sabem então, mas não custa falar novamente. Em março teremos o exame nacional de entrada para a Academia Real Mágica do Império . Ano passado durante as aulas te passei a todos que fizeram 12 anos três runas para treinamento. Como vocês vão conseguir isso, vocês estão por conta própria, os recursos devem ser conseguidas por vocês. Sei que nossos alimentos não fornecem calorias suficiente para fornecer magia, mas espero que se esforcem para entrar na academia mágica, caso não passem, serão levados para trabalhar nos campos agrícolas do império. Aqueles com notas mais altas, terão a oportunidade de fazer parte de algumas empresas associadas a nossa igreja. Então, aqueles com 12 anos, peso total esforço de todos.

Ao dizer isso, o clima entre as crianças ficou pesado. Pois sabiam como é difícil se tornar magos, fora que as notas de muitos membros do orfanato tem baixas notas. O que significa que só alguns punhados tem a chance de ao menos, ser selecionado para fazer parte de alguma empresa.

Freira - Logo, comam rápido e vão encontrar meios de conseguir calorias e treinem suas magias para o exame.

Terminando o que teve que dizer, as crianças comeram e foram dispensadas pela freira.

Com as crianças saindo da igreja indo resolver seus próprios problemas, Oliver ficou ainda olhando a cidade que um dia ele viu décadas atrás. Agora, estando como uma criança de 12 anos, recebeu uma nova perspectiva. Com 2 meses de sobra, tinha que encontrar um jeito de conseguir recursos para conseguir calorias e assim praticar suas magias.

Oliver - Fome.

Megue se aproximou próximo de Oliver ouvindo o que ele disse.

Megue - Verdade, mingau e pão duro, não vai durar até a janta tarde da noite. 3 Magias que consomem grandes calorias e nenhuma outra forma de conseguir qualquer alimento.

Oliver - Vou fuçar algum restaurante por aí e pegar restos.

Megue - Bem, vou optar por me prostituir por aí.

Oliver ficou espantado com a informação que recebeu. Apesar de ter sido um homem de muitas décadas, ouvir de uma menina ( levando em conta que em uma fantasia medieval que se preze, 12 anos praticamente já é maior de idade) .

Oliver - Tome cuidado, nunca se sabe o que esses pervertidos podem querer fazer.

Megue - Eu sei me virar, se preocupe com seus negócios.

Tomando seu rumo ao centro comercial do império. Não pode deixar de soltar suspiros e admiração. Pode ter se passado décadas, mas esse centro comercial ficou ainda mais vivo e cheio. Seus olhos mostrou muitas lojas, gente com grandes barracas, escravas sendo vendidas a céu aberto, homens escravos trabalhando carregando grandes mercadorias. Crianças também faziam parte da população desse centro comercial barulhento, elas levavam em suas mãos bandejas de produtos como sucos, salgados e doces.

Atravessando essa multidão de pessoas, decidiu primeiramente procurar sua antiga mansão que fica nesse centro comercial, estando distante dessa ala mais de classe média alta. Após bastante esforço, sofrer empurrões e alguns xingamentos, conseguiu chegar em seu destino.

A grande casa em questão, tem 4 andares, sendo feita de madeira com seu gramado seco. Suas janelas bem trabalhadas foram seladas por placas de madeiras e avisos velhos avisando que é proibido qualquer forma de entrar. Não havia guardas impedindo as pessoas entrarem, mas poucas pessoas se atrevem a passar próxima a grande casa.

Enquanto Oliver ficou encarando como a localidade mudou muito após décadas de sua morte . Notou que um guarda se aproximava dele.

Guarda - Garoto, por que encara esse lugar proibido ?

Oliver - Por nada não, só um pouco curioso. Aliás, por que é proibido ?

Guarda - Oras, como não sabe desse lugar. Tudo bem, vou falar de uma forma rápida de entender.

Esse lugar foi residência de um servo do mal que veio com idéias profanas, violando os ensinamentos da deusa, criando um tal de alimentos sintéticos, coisas feitas por magias e a alquimias. O lugar foi lacrado faz décadas e ninguém se atreveu a entrar até hoje. Se ficar encarando muito, terei que te prender por suspeita de heresia.

Oliver - Ok, muito obrigado pelas informações senhor.

Partindo satisfeito, agora sabia que boa parte de seus recursos estão bem guardados, sua residência comercial não foi violada. Se os discípulos conseguiram levar seu trabalho adiante, sua obra pode ter chegado a um novo patamar de descobertas. Agora seguiu seu rumo aos restaurantes do centro comercial. Há uma ala especial na cidade imperial só para restaurantes.

Viu um dos fundos do restaurante, várias lixeiras de madeira espalhadas pelo lugar. Lentamente se aproximou verificando o conteúdo delas, se tinha algo que pudesse ser usado como comida. Antes dele entrar no fundo do restaurante pelo beco, uma certa princesa o viu junto com suas amigas em outro restaurante, que dá de frente para ele.

Desconhecida - Princesa Catharina, a senhorita viu isso ?

Princesa Catharina- Sim, eu vi. Um ratinho buscando lixo, certamente levará algumas pauladas.

Desconhecido - Espero que esse ratinho não venha para nossa preciosa academia.

Princesa Catharina - Ele é só um mero plebeu, jamais um rato como ele vai conseguir entrar. Nem quero imaginar de ver ele no exame em março.

Enquanto a princesa e suas amigas se divertiam rindo da possível cena do rato fugindo entre as pernas.

Por outro lado, Oliver teve sorte de encontrar algumas panelas enferrujadas e alguns restos com uma parte que ao menos podia ser aproveitada. A porta que dava a esse fundo, foi aberta grosseiramente por um trabalhador do restaurante carregando restos do dia anterior. Quando viu Oliver,tomou um susto pois não esperava ter alguém fuçando esse lugar.

Trabalhador - O que você faz aí moleque, quase morro de susto. Saia daqui antes que eu chame o guarde.

Oliver - Senhor me desculpe, mas poderia me dar um pouco desse resto. Tenho alguns irmãos para alimentar e seria bom trazer um pouco de comida boa para ele.

Trabalhador - E depois nos fazer queixa, nem pensar.

Carregando a panela de ferro com muita carne e legumes simplesmente jogo em uma outra grande caixa de madeira, sendo misturada com a comida que está ali faz dias.

Trabalhador - Vá embora antes que eu chame os guardas, se eu ver você aqui em 10 minutos, não reclame depois.

Foi indo batendo a porta com truculência.

Oliver - Maldito seja, vou colocar esses restos na panela velha. A floresta aqui perto é o melhor lugar disponível para conseguir cogumelos e ervas comestíveis. O gosto não vai ser lá essa coisa, mas dá pro gasto.

Pegou uma panela e talheres velhas, juntamente com comida velha e nova. Usando sua caloria vai poder suprimir qualquer mal estar que pode aparecer. Umas das boas em saber usar magia, é controla o fluxo de mana sanando doenças, feridas e reforçar seu corpo. Claro que isso é algo que um iniciante sem orientação como as crianças do orfanato não vão conseguir fazer. Como o garoto Oliver, que já não é mais Oliver, tem uma carreira como mago capaz de dominar facilmente alguns atalhos para o avançar novos caminhos da magia.

Desconhecida - Princesa Catharina veja, o garoto tá saindo com uma panela cheio de comida e talheres enferrujados.

A garota o qual foi dirigida como princesa Catharina, olhou com decepção uma cena o qual ela ansiou. Suspirou mais uma vez pela derrota de sua aposta que tinha feito com sua amiga.

Princesa Catharina - Que tédioso, o ratinho saiu com uma pequena fortuna para seus pobres olhos. Perdi a aposta, o que você quer ?

Desconhecida - Eu quero …..

Carregando a panela com comida e talheres velhos, foi para a floresta rapidamente. Usando uma das suas magias de baixo consumo calórico, atravessou a multidão do distrito comercial com passos ágeis.Nem os guardas foram capazes de ver um garoto andando pelo distrito com uma panela em mãos, e assim pode encontrar um ponto na floresta em que não será perturbado por estranhos.

Deixando a panela no solo escondido próximo a arbusto. Usou o básico de um mago para escanear o ambiente ao seu redor, rastreando ervas comestíveis e cogumelos que podem ser colocados com essa comida velha e nova e gerar uma refeição que possa fornecer muita caloria.

Oliver - Agora vou tratar esses talheres e tirar a ferrugem e tirar qualquer chance de infecção que isso pode causar. Vou usar pouco da minha magia para purificar essa comida. Depois vou colocar água e ferver tudo por alguns minutos.

Realizando essa pequena tarefa, algo passava pelos arbustos da floresta, mostrando sua posição. Rapidamente esse ser teve sua presença rastreado por Oliver facilmente, o ser se aproxima a uma velocidade humana e não de uma pequeno ou grande animal. Pelo fluxo de magia no corpo, já notou sem muito trabalho que é um homem velho se aproximando.

Desconhecido - Graças a deusa, consegui encontrar comida.

Oliver olhou com uma guarda levemente levantada, já que o poder mágico desse velho apesar de estar fraco, ainda percebe que o mesmo tá escondendo seu verdadeiro poder. O homem bem abatido, anda de quatro com um olhar suplicando pela comida que Oliver está preparando.

Desconhecido - Por favor, poderia dividir essa refeição comigo.

Oliver olhou bem esse homem, apesar de notar que o mesmo escondia seu poder, ele necessita de ao menos algumas calorias para despertar esse poder novamente.

Oliver - Tudo bem, mas quero que responda minhas perguntas primeiro.

Desconhecido - Ok, o que deseja saber.

Oliver - Quem é você ?

Desconhecido - Um professor.

Oliver - Professor de que e de onde.

Professor - Professor de biologia da Academia Real Mágica do Império .

Oliver - Em que você trabalha na academia com biologia ?

Professor - Trabalho desenvolvendo alimentos sintéticos. Pra ser mais exato, legumes, verduras e frutas, animais alterados geneticamente. Aumentando o nível calórico que eles forneceriam caso fossem feito pelo processo normal da vida. Seguindo um desejo que o antigo mestre do meu pai inicio século atrás .

Posso comer agora ?

Oliver - Mais algumas perguntas e vou aumentar a porção.

Professor - Tudo bem, me pergunte rápido.

Oliver - Quem foi esse mestre ?

Professor - Seu nome é algo que não pode ser pronunciado em público, apesar de que seu trabalho já seja conhecido por muito e o império já não tem como nos censurar, muito menos a igreja da deusa gaia. Seu nome é Merlin, último mestre da família Avalon.

Oliver(Pensamento) - É meu nome e pensar que meu trabalho continuou mesmo após minha morte, significa que meus aprendizes levaram meu trabalho até mesmo para seus filhos. Que bom, quem sabe eu encontre esse homem na academia.

Professor - Agora eu posso comer ?

Suas mãos já estão quase pegando a grande caneca com uma mistureba de arroz, feijão carne, cogumelos e ervas comestíveis.

Oliver - Claro. muito obrigado pelas informações. Aqui está.

O homem velho com sua grande barba grisalha, seu jaleco sujo de terra lhe dava uma imagem de alguém que foi demitido e ficou sem rumo na vida vagando pela cidade tentando de alguma forma fugir da realidade.

Oliver - Posso fazer uma outra pergunta ?

Professor - Sim, me de outra caneca por favor.

Oliver pegou a caneca vazia e a encheu rapidamente entregando para o velho professor.

Professor - Vá e pergunte.

Oliver - Por que um professor de uma academia tão renomada como a sua, está de um jeito bem lamentável. O que deixou em um estado tão terrível ?

Professor - Apesar desse um professor de tal academia, não sou muito de sair da academia. Passo até mesmo alguns anos sem sair fazendo pesquisas, alguns dias atrás resolvi fazer um pesquisa de campo buscando frutas, plantas, ervas e entre outras variedades que esta floresta dá e leva-los para estudar. Só que fui roubado e desacordado, pode rir de mim, mas como não sou muito de usar minha magia para lutar, nunca imaginei que fosse ser atacado de primeira.

Oliver - Realmente é muito azar de sua parte.

O professor velho terminou de comer deixando sua caneca no solo. Limpou a boca junto com sua barba suja, usando sua manga branca como pano. Se levantou e se ajeitou para partir.

Professor - Pequeno amigo, muito obrigado, foi de grande ajuda esse almoço. Espero que possamos nos encontrar na academia. Vejo que tem um grande potencial pela frente.

Logo partiu sem levantar uma folha sequer.

Oliver - Esqueci de perguntar o nome dele. Tudo bem, em março temos chance de nos encontrar.

Dando o fim na panela e talheres. Pelo céu que já está vermelho, tava na hora de voltar para a igreja. Se levantou dando algumas alongadas, partindo também sem deixar folhas se levantaram.

Quando chegou na igreja, já é início da noite. Apesar dos seus passos rápidos, o caminho da floresta até a igreja, levava horas para se chegar a pé, mas voltando usando magia chegou em 1h de corrida. Como a tarde o movimento nas ruas é alta, teve que fazer muitos desvios enquanto pulava aqui e ali.

Na entrada da igreja, muitas crianças voltavam em grupos, outras sozinhas, outras estando sujas de fumaça, poeira e até mesmo fedendo. A freira da igreja, fazia o registro de entrada das crianças, anotando o nome delas e seus horários. Passou pela freira deixando seu registro de entrada, e viu já dentro da igreja, Megue. Contudo, ela mostrou alguns sinais de hematomas e pequenas feridas em seu pescoço, mãos e ombros. A freira parece não ter se importado, uma vez que, ela prefere acreditar que foi de algum trabalho que ela conseguiu.

Oliver - Megue boa noite.

Megue - Boa Oliver.

Oliver - Tudo bem ?

Megue - Eu pareço bem ?

Oliver - Desculpe, se vocẽ não tiver bem, eu posso te deixar bem.

Megue ficou um pouco vermelha.

Megue - Não é nada de mais, só um pouco dolorida.

Oliver - Então, seu dia foi bom pelo menos, conseguiu ganhar alguma coisa com se negócio.

Megue apesar de vermelha, mostra um sorriso travesso.

Megue - Lógico que tiver, apesar do preço que paguei. Tenho algumas coisas de qualidade. Vocẽ que uma parte ? Quer fazer algo ?

Oliver - Posso preparar algo bom, mais tarde após lanche da noite, me leve aonde você escondeu suas coisas.

Megue - Beleza.

Terminando de conversar, foram para o refeitório comer o lanche da noite, que consistia na mesma coisa que comeram de manhã. Oliver terminou devagar sua refeição enquanto conversava com Megue sobre o livro que ele leu. Não exatamente o livro que fez Merlin possuir Oliver, mas algum outro que ele tinha em mente. Ensinando a Megue algumas coisas básicas.

Agora que estão na floresta, Megue levou Oliver aonde ela escondeu suas colheitas. Praticamente foi carne, legumes e algumas verduras. Apesar de estar um pouco sujo pelo fato de ter sido mal escondido, ainda continua sendo bem aproveitável. Esperaram passar umas duas horas a mais, já que a freira após as 10 horas encerrava sua atividade. Quem quisesse ficar acordado, que pudesse ficar perambulando pela biblioteca e sala de recreação. Rapidamente entrou na cozinha, pegou panela limpa e talheres, com isso fez o grande cozido. Através do seu controle de magia, fez um fogo e Megue que via a cena, abanava a fumaça para frente.

Megue - Oliver, isso aqui tá muito bom. Já pensou trabalhar em um restaurante ?

Oliver - Quem sabe, vou fazer isso na academia caso não tenha outro modo de fazer dinheiro e conseguir recursos. Aliás, quer que eu cure suas feridas.

Megue - Não precisa, você vai gastar calorias comigo. Use as suas para vocẽ treinar as magias que a freira ensinou.

Oliver - Conheço magias de cura que consomem nem se quer 100 calorias.

Megue ficou espantada com revelação. Sabia que seu amigo é inteligente ao ponto de conseguir ler livros bem complexos, mas nunca imaginou conseguir aprender magias com ele. Se tocou que suas feridas além de estar um pouco amostra, elas também estão por baixo de suas roupas, sendo o suficiente para deixar vermelha.

Oliver que aguardava alguma resposta da garota, viu o rosto da menina branca ficar vermelho igual um tomate, não soube que tipos de pensamento entrou na cabeça da moça para deixar ela desse jeito. Mas não deixou de se divertir com tais atos da moça. Sua mente apesar de ser um homem com décadas sente curiosidade com um corpo de uma jovem como ela, afinal teve poucas oportunidades para colocar mulheres em seus braços, já que passou uma boa parte de sua vida se dedicando a criar alimentos sintéticos para as pessoas e também guiando seus discípulos para seus ideias.

Megue ainda lutava consigo mesma sobre tirar ou não sua roupa, fazendo muitas caras e bocas. Quem sabe a jovem tem uma imaginação muito acima do normal.

Oliver - Se você não tiver bem em mostrar seus ferimentos que estão por dentro da roupa, vou usar uma magia de cura que vai fazer efeito nas suas feridas, mesmo usando roupa. Mas vou ter que gastar minhas calorias para isso. Tudo bem para você ?

Megue - Me desculpe Oliver, vou te dever uma.

Oliver - Tudo bem, não precisa disso, só quero que você não se arrisque muito com esses seus clientes. Nunca se sabe que tipo de pervertido vai querer passar do limite.

Megue - Vou ter mais cuidado, esses clientes que peguei foram dicas de algumas moças veteranas do império

Oliver ficou espantado em como o mundo da prostituição pudesse ser tão violento. Mesmo que ela não mostrasse suas sérias, usou seus sentidos com magia para ver as feridas que se estendiam por todo seu corpo, da barriga com queimaduras, nas costas com machucados de cinto. Como um antigo nobre, pouco se inteirou sobre a vida de pobreza dos plebeus se entregando completamente as pesquisas teve alguns contatos com plebeus o qual ele tornou discípulo seu na academia, ali soube de algumas histórias tristes. Seus discípulos eram desde plebeus e nobres que se maravilhavam com o sonho de Merlim.

Oliver - Vou usar minha magia então.

Megue - Certo.

Estendendo suas mãos para Megue, Oliver logo recitou a magia de cura.

Oliver - Cure Plus

Ao recitar essa magia, um tecido verde se materializou sobre a cabeça de Megue, cobrindo ela como se fosse um pequeno lençol, suas feridas começou a ser curar. Seus chupões no ombro, suas feridas nas costas, seus machucados na barriga foram sanados milagrosamente.

Megue que estava sentindo dores no seu corpo, ardência , trazendo incômodos recebeu o lençol de cura vindo de Oliver. Já tinha visto a freira da igreja fazer alguns exemplos de magias como as três entregues para serem treinadas, mas ver uma sem ser dela foi uma nova experiência para ela. Sentiu um conforto gélido em seu corpo. Essa sensação durou mesmo depois da magia já ter feito seu trabalho de cura.

Megue - Oliver muito obrigada , realmente te devo uma.

Oliver - Já disse que não precisa, se quiser me pagar passe no exame da academia. Faça isso por mim, e já estarei bem satisfeito.

Megue - Farei isso.

Ficando ali juntos, passaram a conversar sobre monte de coisas. Megue contou que seu maior sonho é de poder viajar ao mundo, conhecer as maravilhas e perigos fora do império. Sempre leu os livros de aventuras da biblioteca , criando em seu coração o desejo de explorar o mundo.

Megue foi dormir se despedindo de Oliver após uma longa conversa a dois. Terminando seus afazeres, foi rumo para sua antiga mansão recuperar seus antigos recursos que deixou guardado e selado, antes de ser preso pelo império. Esses recursos tão especiais nem mesmos seus discípulos sabem da sua existência, aliás muitos deles certamente já morreram deixando seu trabalho para novos herdeiros ou tomando outro rumo.

Com passos ligeiros, seus pés atravessaram a cidade que por incrível que pareça tem uma atividade ainda bem maior do que de dia. Viu que aventureiros circulavam pelas ruas em grupos, sentados nas mesas de madeira dos bares conversando e bebendo. As escravas se ofereciam para os que passavam por elas, foi uma bela tentação, mas que vai ser aproveitada depois de terminar o que tinha pra terminar na mansão.

Chegou sem muitos problemas no local. Sua mansão do mesmo vazia, abandonada e lacrada, notou a ausência de guardas e pessoas. Talvez o fato do lugar ter sido morada de um servo do mal, assusta as pessoas de passarem no local a noite. Olhou só para se garantir que não tinha ninguém por perto. Agora que certificou de estar seguro para a entrada, pulou num salto só para dentro do terreno da mansão. Sua pintura desgastada, seu azul velho e com suas madeiras caindo aos pedaços marcam bem a residência. Circulou sua casa para enfim, encontrar a passagem secreta que também só ele conhece. Na verdade, tinha muitas passagens de fuga e entrada pela mansão, alguns seus discípulos sabiam, outras só ele mesmo tem conhecimento e foi uma delas que ele decidiu usar.

Oliver - Agora devo usar a senha de acesso : O MAGO É IMPLACÁVEL!

Ao dizer isso, um som de uma música soou e uma série de mecanismos se mexeram, liberando uma porta no solo da mansão. Satisfeito que suas memórias estão funcionando em pleno vapor, abriu a porta e depois fechando ela.

A porta conduziu a um corredor que levou diretamente a sua sala de trabalho. As estantes de livros permanecendo intactas com seus livros bastantes empoeiradas. Um relógio de areia tendo modelos de 1,2,3 e 4 horas sobre sua mesa de trabalho. Um grande baú de madeira que não só decorava o ambiente, mas que guardar recursos valiosos deixados por Merlin antes de ser levado a prisão e depois a execução. Recursos esses que serão necessário para seu avanço.

Ficou ali olhando para suas coisas com nostalgia e tristeza, nessa sala muitas vezes debatia com seus discípulos sobre muitas questões, ali organizou expedições para que eles fossem atrás de recursos para a pesquisa. Sua rotina foi alternada entre trabalhar na academia e seu outros trabalhos em sua mansão neste distrito comercial. Realizou acordos com muitas empresas, sendo financiado para ser um grande fornecedor de alimentos, seus produtos em outros reinos era até mesmo disputado com muitas ofertas. Mas tal coisa acabou quando império e sua corte e juntamente com o clero passou a temer e desejar sua morte, pondo o fim em seu milagre.

Abriu o baú com outra senha , e lá muitas poções de avanço que infelizmente já passaram do prazo e não tinham mais seus efeitos de fazer magos avançarem. Nos tempos antigos, usaria isso pra incentivar a produtividade dos novatos, dando a eles como recompensa pelo esforço e nos resultados. Agora, estragado pelo tempo, só pode pegar a receita do produto com sua mão colocando na mesa de trabalho. Em seguida, seu manto grande de mais para uma criança de 12 anos usar, ele deixou dobrado também em cima da mesa. Outro item muito valioso foi seu Ring Space. Com um comando, seu conteúdo foi liberado aparecendo pela mesa de forma organizada.

Seu conteúdo consistia em armaduras e espadas mágicas para magos, cajados de várias formas, poções suplementos de mana, 30k de moeda de ouro do império que ainda valem no mercado. Comida, mantos, papiros com as mais diversas runas de magia o qual ele vai passar para Megue.

Resumindo, não podia usar nada daquilo sendo uma criança de 12 anos, teria que ao menos passar 3 a 4 anos para poder vestir os mantos, armaduras e carregar uma espada de forma decente, mesmo que usasse magia para usar uma espada pesada, não lhe deixava confortável. Ao menos usando sua adaga GREENEDGE, adaga essa essa que aumenta a potência de magias do elemento terra, é perfeito para iniciantes que possuem poucos recursos. Colocou tudo dentro do anel, colocando o mesmo numa linha e pondo no pescoço.

Usando ao menos um grande manto, mas que com suas habilidades lhe permitia usar Cloak Of Protection para poder fazer algumas coisas nas sombras. Tudo pronto para sair, olhou suas estantes de livros que agora faz parte do seu arsenal de coisas do seu Ring Space.

Atravessando as ruas do distrito comercial, ficou passeando pela cidade com seu manto escondendo seu rosto. Seu pequeno tamanho chamou a atenção de algumas pessoas, inclusive de guardas que passavam pelo lugar.

Desconhecida - Princesa Catharina, olhe aquele pequeno sujeito de capuz bonito.

A estranha que fazia companhia para a princesa apontou para o pequeno ser de grande manto.

Princesa Catharina - Verdade, seu manto é muito bonito. Será que vem de uma família de magos ? Tenho dois meses para fazer o exame de entrada da academia, será que está livre ?

Desconhecida - A senhorita é princesa do reino, o seu desejo é uma order, tenho certeza que nem este mago vai recusar seu pedido de ser seu professor.

Princesa Catharina - É verdade, vai lá e fale com esse mago.

A desconhecida recebendo a ordem da princesa foi em direção a pequena figura de manto grande, correndo até o mago gritou lhe chamando atenção das outras pessoas na rua. Aqueles que sabem quem é a figura que chama o mago, todas a conhece como Talya Magno seguidora fiel da princesa Catharina, onde a princesa ia, sua seguidora a seguia para cima e para baixo na capital. Às vezes causando problemas com aqueles que não prestam o devido respeito a princesa mesmo que o calor do trabalho não tenha permitido notar a princesa. As duas são bem vistas no distrito comercial, comprando coisas para mulheres, comprando livros, passando tempo nas lanchonetes.

Talya - Eiiiiiii vocẽ de manto, você mesmo, espere ai.

Enquanto andava ouviu uma garota chamando ele. Oliver olhou para trás e viu uma menina um pouco cheinha cabelo liso, olhos marrons, rosto longo. Usando um manto da nobreza do império, a menina ficou na sua frente arfando, buscando ar para voltar a respirar.

Talya - Senhor mago, a princesa Catharina requisita sua presença.

A forma grosseira da garota o deixou bem incomodado. Se pudesse corrigiria sua forma de falar, mas como é algo da alta nobreza, não faria algo suicida.

Oliver - E se eu me recusar ?

Talya ficou braba com a forma grosseira que ele se dirigiu a ela. Desde do dia que virou seguidora da princesa, seu status aumentou altamente, tal poder permitiu a ela gerenciar até mesmo que podia ou não cortejar a princesa em dias próprios para isso.

Talya - Que audácia, a grande princesa do império o convida gentilmente para conhecê la e ainda pensa em rejeitar ?

Oliver vendo as reações histéricas da seguidora da princesa, se divertiu um bucado. Seu rosto mudou em vários tons de vermelho. Seu pé pisava forte no chão de pedra. Aqueles que viam a cena do estranho brincando e desafiando a seguidora, se divertiram com as reações da garota. Nunca viram alguém desafiar sua autoridade. Ou ele é louco, ou tem poder suficiente para desafiar a autoridade do reino.

Tayla - Audaz e sem vergonha. Tem coragem de me responder desse jeito.

Oliver - Respeito aqueles que me respeitam. Se sua princesa quer ter uma conversa comigo, que venha ela pessoalmente, ela não sequer vale meu tempo.

Prontamente todo distrito se calou por alguns minutos, até as prostitutas, bandidos e gente de mau caminho ficou desnorteado a tamanha ousadia do mago. A princesa que de longe ouviu bem o ato desrespeitoso ficou assombrado que alguém teria coragem de além de negar receber seu convite, ainda a chama para que ela fosse até ele. Ainda dizendo que se quer ela não vale seu tempo.

Estranhos - O sujeito tá pedindo uma pena de morte. Virei fã dele.

Algumas pessoas olharam para a princesa, vendo que ela também não esperava em seus mais terríveis pesadelos tamanha grosseria. Um grupo de guarda que ficou observando a situação, estão de prontidão para o chamado da Talya, de vez em quando ela importuna guardas para prender pessoas que não agradem a princesa.

Oliver - Se me tratasse com alguma cortesia, ao menos poderia tratar o pequeno problema de sua princesa, mas pelo visto os nobres são gente de visão cega.

Talya ouvindo isso ficou desconcertada. Apenas algumas pessoas próximas a princesa como ela e algumas das suas outras seguidoras sabem do pequeno problema da princesa. O problema em questão é de fácil tratamento quando se tem um controle de magia muito avançado. Oliver com seus olhos, observou a princesa enquanto fazia sua seguidora ficar com raiva dele, nesse momento pode observar o problema que aflige ela.

Tayla - Co..co..co..como você sabe disso, ninguém deveria saber disso a não ser eu e algumas outras seguidoras da princesa.

Oliver - Como eu sei, não te interessa. Agora, que eu posso resolver isso, eu posso. Mas pelo visto, não vale meu tempo.

Partindo, seguiu seu rumo andando devagar querendo ver que tipo de reação e atitudes essa pequena garota grosseira vai ter. Se deixou levar por uma pequena grosseria, agora ela vai ver o resultado de ser grosseira com qualquer pessoa. Uma oportunidade de agradar a princesa apareceu nos seus olhos, mas a mesma não aproveitou.

Deu uma leve olhada para trás, a garota ficou em choque por alguns minutos, tentando absorver as informações que acabou de receber.

Talya ( Pensamento) - Ele não só sabe o problema da princesa, como também sabe tratar. Inúmeros médicos foram consultados, mas nenhum deles deu a cura definitiva para sua doença. Eu...eu...não vou deixar de perder essa chance.

Correu desesperada para o pequeno mago.

Talya - Senhor mago, peço desculpas pela minha falta de educação.

Dizendo isso, o público viu uma pequena tirana conhecida pela maioria das pessoas pedir desculpas para alguém. Nunca em seus mais loucos sonhos, pensariam em ver essa tirana abaixar sua cabeça para um estranho. Ainda mais sendo um aparente mago de alguma família desconhecida. Nunca viram esse tipo de mago frequentar esse distrito, então seu fundo sequer é conhecida.

Oliver - Vejo que sua atitude mudou. O que fez mudar tão rápido ?

Talya desconcertada, tremulou suas palavras tentando dizer o porquê da sua mudança de atitude tão rápida.

Talya - É que….que….que…. realmente a princesa tem um pequeno problema a ser resolvido, nem que eu tenha que baixar minha cabeça ao senhor mago, por favor aceites meus pedidos de desculpa.

Oliver ficou encarando a garota que baixou sua cabeça no chão de pedra clamando clemência. As pessoas incluindo os guardas ficaram sem compreender a cena que passava em seus olhos, a princesa que a distância não pode ouvir o tema da questão, viu sua seguidora se abaixar sua cabeça. Ela não entendeu nada do porquê ela fazer isso, mas a deixou desconcertada por bastante tempo. Oliver então só pode suspirar, nunca imaginou que a mesma faria tal cena em público pela princesa, de fato, essa garota é leal a princesa.

Talya - Senhor mago, se quiser, vou jurar em nome de minha família, que o recompensarei com o que o senhor desejar.

E pensar que a mesma usou o nome da sua família na sua promessa. Quando nobre usam o nome de suas famílias em promessas, mostra o quão comprometidos elas estão com alguma coisa, colocando a honra de sua família em jogo.

Oliver - Certo, não precisa fazer isso tudo, não sou tão cabeça dura. Sei que esse tipo de coisa é comum entre os nobres. Vamos, levante e me leve até sua princesa.

Ficando em choque novamente, as palavras do mago entrou em seus ouvidos. Enchendo seu coração de alívio e felicidade. Rapidamente se levantou agarrando o braço dele, e assim guiando até onde está a princesa. As pessoas que estavam à sua frente, foram ordenadas a abrir espaço, não pensaram duas vezes e saíram do caminho.

A princesa Catharina viu sua seguidora trazendo o mago segurando seu braço firmemente, o mago com o seu manto, cobria seu rosto impedindo de ver com clareza. Talya ordenou aos funcionários trazer mais uma cadeira e ajudou o mago a sentar no banco elegante. Sem que Oliver falasse, pediu o garçom alguns doces e café para que pudesse deixar o mago mais confortável possível.

Talya - Senhor mago, deixe eu apresentar. Está é a princesa do glorioso império de Aureola, princesa Catharina do império Aureola.

Oliver faz continua mostrando qualquer mudança de atitude ao ser apresentado a princesa, deixando Talya um pouco desconcertada. Olhou para sua princesa vendo que ela está incomodada com a falta de emoção da mago.

Oliver (Alterando a voz) - Majestade, soube por sua amiga que a milady tem um problema que a aflige. Isso é verdade ?

Catharine olhou para Talya esperando alguma resposta dela, diante da pergunta de Oliver. Já tinha confiado em muitos médicos e nenhum tratou seu problema, ficar fazendo mais pessoas saber de seu problema é um tanto problemático para sua reputação, não querendo ser tratada como uma deficiente.

Talya - Majestade, pode confiar nele, dessa vez conseguiremos resolver o problema da milady.

Catharine apesar de estar desconfiada, olhou para o homem à sua frente, tentando ver seu rosto por baixo do seu manto.

Catharine - Senhor mago, desculpe minha desconfiança e algum mal estar que minha seguidora possa ter deixado. Meu problema foi avaliado por inúmeros magos, mas nenhum pode dar uma cura definitiva. Será que dessa vez, o senhor pode ser minha esperança ?

Oliver ( Alterando a voz) - Não sou de fazer de milagres, mas seu problema é tão fácil de tratar, tão fácil como respirar.

Catharine ( Alterando ) - Que arrogante!

Catharine ouvindo isso, franziu a testa em desaprovação com sua forma de falar com ela. Muitos que se tivesse uma oportunidade de estar ao lado dela, mediriam cada palavra. Mas vendo esse mago do tamanho de uma criança, direcionava a ela forma grosseira de fala. Sua forma bela de uma dama, aos poucos foi sendo destruída.

Respirou levemente e continuou.

Catharine - Senhor mago, posso realmente confiar em sua palavra ?

Oliver (alterando a voz) - Se a senhorita não confia em minhas palavras, não há nada que possa fazer. Não gosto de pessoas desconfiando de minhas palavras. Se não se importam vou me retirar.

Quase que levantando, Talya foi desesperadamente agarrar o manto do mago suplicar clemência. Catharine mordeu os lábios em frustração, pois nunca em sua vida pensou que alguém não colocasse ela em seus olhos. O mago a sua frente além de grosseiro, foi arrogante, não sendo delicado com suas palavras, se pudesse voltar no tempo, não tinha nem sequer pensado em pedir pra Talya chamar o mago para conversar.

Talya - Por favor senhor mago, a princesa já ouviu tantas certezas de tantos médicos que é normal ela desconfiar do senhor. Ela não faz por mal, por favor.

Oliver viu que a garota praticamente suplicava para que ele não fosse embora. Observou a princesa vendo o desconforto e a sua cara também é difícil para que ela suplique a sua não ida dali. Talya prometia muitas recompensas, usando até ela mesmo como prémio caso consiga tratar a doença da princesa.

Oliver - Talya, sua lealdade a princesa é algo que mais falta nos dias de hoje, continue junto a ela, pois lealdade só é para alguns. Princesa, como disse, não gosto de como as pessoas desconfiam de minhas palavras.

Talya - Senhor mago, existe alguma outra forma que possa servir para que o senhor trate a princesa ?

Oliver olhou para Talya quase às lágrimas, ela facilmente caiu em seu jogo, mas a princesa resistia até o fim, sem se rebaixar para pedir ajuda a ele. Ficou admirado o quão cabeça dura é uma alta nobre, talvez tenha sido por isso que quando suas pesquisas ganharam adeptos e seguidores, foi com esse tipo de cabeça que sentiram de alguma forma ameaçados. Já em pé, falou para as duas.

Oliver - Senhorita Talya, princesa, vou apresentar uma proposta. Existe um orfanato aqui na capital, lá muitas crianças precisam de recursos para poder treinar e fazer o exame para entrar na academia. Caso a princesa queira ser tratada, lhe dou a proposta, contribua para o orfanato, forneça alimentos a eles e alguns instrutores para preparar eles para o exame. Caso isso aconteça, vou tratar todos os seus problemas que a senhorita tem. O que acha ?

A princesa ouvindo a proposta, ficou mordendo o lábio, apertando seu manto elegante, mostrando incômodo, seja lá o que passa na cabeça da princesa, ela luta para não se render diante de tal avanço. Mas surpreendentemente, ela assentiu timidamente, deixando a Talya aliviada e feliz pela aceitação da princesa.

Talya - Viu senhor mago, tudo foi questão de uma pequena insistência. Amanhã de manhã, vamos mandar doações e pessoas para cuidar das crianças do orfanato que o senhor falou. Onde o senhor deseja nos encontrar amanhã ?

Oliver - Aqui mesmo tá de bom tamanho. Se me derem licença, tenho outras coisas a observar.

Quando as duas moças piscaram, o mago já havia desaparecido, deixando seus doces e café na mesa sem nem mesmo tocá-los. Mesmo que a princesa não mostre em sua expressão felicidade, seu coração batia com intensidade. Apesar de mostrar a típica arrogância dos nobres, por dentro é uma menina descobrindo muitos sentimentos e este sentimento que está no seu coração parecer ser o amor. Seu rosto ficou vermelho com tais pensamentos e Talya como uma boa seguidora, notou as mudanças da princesa. Nunca esperou que em seu primeiro encontro com o homem misterioso, fosse se apaixonar após ser desafiada e tratada como uma qualquer.

Oliver chegou bem tarde da noite, faltando apenas 3 horas para amanhecer. Cansado e com sono, foi para seu dormitório. Lá viu muitas outras crianças dormindo, inclusive Megue que dormia com um sorriso no rosto. Ficou aliviado que nenhum outro mau apareceu para perturbar. De manhã cedo, ela vai ter uma das suas maiores surpresas, não só ela como também todo o orfanato. Caiu em sua cama e dormiu profundamente.

Passada as horas necessárias para o amanhecer, todos despertaram como outro dia qualquer dia. Se levantando, indo lavar o rosto no banheiro para iniciar o desjejum. Contudo, antes que pudessem realizar seus afazeres, a freira veio entrando no dormitório com a cara pálida.

Freira - Crianças, rápido, arrumem a cama e lavem o rosto. A princesa Catharina irá fazer uma visita ao orfanato.

Demorou alguns minutos para que todos absorveram o que acabara de ouvir. A princesa do império virá para visitar o orfanato, o quão louco isso poderia ser ? . Ficaram confusas, até que a freira voltou novamente para orientar as crianças, apressando aqui e ali. Oliver ficou vendo a ação da freira se contendo para não dar risada. Megue que viu Oliver tendo essa atitude estranha, ficou curiosa se ele sabia de alguma coisa.

Megue - Sinto que de alguma forma Oliver está envolvido. Mas quais chance disso ?

Descartando a possibilidade de sua cabeça, arrumou sua cama e foi lavar seu rosto.

Passando outros minutos de muita agitação dentro da igreja, as crianças foram alinhadas em frente a igreja para receber a princesa. Não demorou muito até que um funcionário do império se apresentou a freira dizendo que a princesa está vindo com uma grande comitiva. A freira ficou muda, ainda não compreendendo porquê que uma princesa tão poderosa do reino vinha visitar um mero orfanato.

.

.

.

Logo, um funcionário do império veio com um rolo de papiro em sua mão, fez posição de sentido e leu falando os motivos da visita da princesa.

Freira - Simplesmente a princesa veio fazer caridade para nossa igreja, a fim de ajudar as crianças a poderem passar no exame de entrada da academia. Por que ?

O funcionário também não sabia dizer as atitudes da princesa.

A comitiva da princesa é composto de funcionários públicos como cozinheiros, outras freiras de hierarquia alta, professores e mestres magos da academia. No meio da comitiva a princesa protegida por sua guarda e suas seguidoras, suas vestes é um manto branco com decoração dourada, sua franja não tampava seu rosto, exibindo a beleza de uma moça da nobreza. Talya também está ao seu lado, vestindo um manto branco com menos detalhes, mas exibindo sua beleza própria. As crianças começam a murmurar, tendo todo tipo de reação. Megue que também está desconcertada, viu Oliver bem calmo, como se isso não fosse de qualquer importância.

A princesa chegou, ela agora está inspecionando as crianças, seu olhar observou criança por criança, vendo crianças magras, outras crianças magras. Fracas e bem fininhas, às mais jovens têm o mesmo aspecto magro. Contudo, seu olhar acabou indo em Oliver que mantinha uma expressão normal, sem sentir qualquer assombro por sua vinda. Olhou para as outras crianças e elas tinham todo tipo de expressão, mas Oliver continuou sereno e suave, sem mostrar qualquer outra reação esperada.

O coração da princesa ficou batendo forte, como se ele passasse a mesma sensação que o homem da madrugada lhe passou. Ele também sequer teve reações típicas de alguém que está vendo pessoalmente alguém da realeza. Megue notou onde seu olhar estava fixo, não só ela Talya e a freira também.

Talya - Algum problema princesa ?

Catharina - Talya, olhe aquele garoto ali, ele não passa uma sensação familiar ?

Talya olhou Oliver, realmente ela sentiu que já tinha visto ele em algum lugar. Esse comportamento adulto de mais para uma criança já tinha a incomodada desde o início, mas vendo de perto, sentiu ser semelhante igual do homem que conheceu na madrugada de hoje.

Talya - Parece o homem de madrugada. Será que ele está nos observando ?

Catharina - Acredito que sim, mas a voz do homem é de um adulto, apesar do seu tamanho podia ser um meio hobbit.

Tayla - Verdade. Aliás, princesa, gostaria de visitar a igreja ?

Catharina olhou para a igreja, depois para Oliver, uma ideia passou na sua mente e ela gostaria de confirmar sua intuição feminina.

Catharina - Freira, gostaria de ver a igreja e dar um passeio, posso escolher alguém como guia ?

A freira ficou muda por um momento.

Freira - Claro princesa Catharina, quem majestade quer como seu guia ?

Catharina com seu dedo aponta para nada mais nada menos que Oliver. Até ele mesmo ficou surpreso ao ser escolhido por ela, por pouco tempo mostrou estar desnorteado, o suficiente para se entregar a Catharina, que em seu coração confirmou ainda mais seus pensamentos.

Megue desconcertada, não pode acreditar no que seus olhos mostraram.A princesa do grande império Auréola, escolheu logo Oliver. De manhã cedo viu como ele agiu de forma estranha e agora a princesa escolhe justamente ele para ser seu guia, não queria pensar na possibilidade disso ter dedo dele, já não basta ele ter aprendido magia através dos livros da biblioteca, mas também os consegue usar com tanta facilidade que a curou com magia tão profunda. Pensamentos e mais pensamentos entravam em sua mente.

A freira, conhece bem Oliver, um jovem sem pais que foi colocado no orfanato bem cedo. Passando boa parte do seu tempo na biblioteca ou vagando pela cidade. Uma das coisas que tinha notado de estranho, foi ele estar absorvido em um livro estranho por dias foi o fato mais anormal, agora, a princesa do império aparece do nada trazendo uma comitiva de freiras superioras, funcionários públicos e professores magos para ensinar as crianças até que elas passem no exame de entrada para academia. Nunca em seus sonhos mais loucos já mais imaginou algo tão doi acontecer. A freira viu a princesa se colocar à frente de Oliver, às crianças que estavam do lado dele se mantiveram bem distante, dando espaço para que os dois ficassem cara a cara. Viu que o garoto sequer mostrou desconcerto, espanto ou assombro por alguém tão poderoso estar cara a cara com ele, é como se tivesse vendo um gato na rua como qualquer outro.

Talya assim que viu sua princesa dizendo que queria Oliver como seu guia, entendeu bem as intenções de sua princesa, uma vez que, ela mesma sentiu certa familiaridade entre o jovem e o mago de manto que ela conheceu e conversou na madrugada de hoje. Sua falta de reação a uma autoridade alta mostra que ele possui uma maturidade muito elevada para um mero plebeu, já que até os mais grandes nobres do império, ficariam alegres e maravilhados em receber a visita da própria princesa em sua morada.

Catharina - O senhor, poderia me dizer seu nome ?

Oliver - Claro majestade, meu nome é Oliver, 12 anos.

Catharina - Conhece bem a igreja em que vive ? Poderia me mostrar ela ?

Oliver - Sim, com prazer majestade. Jamais recusaria o pedido da bela princesa do império.

Todos puderem ver com seus olhos e ouvidos, o quão irônico foi esse garoto chamado Oliver. Das grandes autoridades do reino, até eles não pensariam em ser irônicos ou sarcástico com a princesa, nem mesmo seus irmãos e o próprio imperador de Auréola. Na mente de Talya, sentiu a grande similaridade desse rapaz com o mago. Na sua mente tinha 100% de certeza que eles tinham uma forte ligação. Nas duas hipótese, uma era que esse jovem foi treinado por algum mestre às escondidas enquanto vivia no orfanato, a outra é que elas possuem uma imaginação muito fértil. Só precisavam perguntar o que esse rapaz fez durante a madrugada para por fim em suas dúvidas.

Catharina - Então por favor, nos mostre a direção.

Oliver assentiu guiando a princesa e sua seguido juntamente com outras seguidores da princesa com ela. Todos sendo conduzidos perfeitamente pelo garoto, onde o mesmo contou a história da igreja, quem a fundou, quem foram suas primeiras freiras e seu padre responsável. Mostrou o refeitório, a biblioteca, falou sobre alguns livros que ele leu ( na verdade o antigo dono do corpo leu) e assim por diante. O tour durou algumas horas chegando então a hora do almoço, para os nobres é claro. Levou os convidados para o refeitório onde Oliver viu as crianças almoçando. Por incrível que pareça, os magos professores comeram ao lado das crianças, os funcionários públicos encontraram seu canto e as freiras superiores conversavam com a freira responsável.

O pessoal da princesa logo arrumou um espaço para ela e suas seguidoras servindo um almoço mais elaborado para as moças. Quando Oliver planejava se afastar e ver Megue, Talya segurou Oliver pela borda de sua roupa.

Oliver - Senhorita, o que deseja ?

Olhando Talya segurando a borda de sua camisa e olhando para ela esperando notar sua atitude.

Talya - Me desculpe, na verdade gostaria de fazer algumas perguntas, poderia se juntar a nós ?

Apontando para perto da princesa.

Oliver - Tem certeza ? um plebeu como eu estar ao lado de sua majestade ?

Talya - A princesa acordou bondosa de mais hoje, considerou que vocẽ se sentar perto dela é a maior honra que um plebeu poderia ter.

Oliver ficou pensativo, sabia que não tinha como escapar dali, seria descortês além da conta. Existe um limite que se pode provocar um nobre.

Oliver - Tudo bem, é uma honra aceitar o convite da princesa.

Talya pode sentir sarcasmo vindo dele. Agora só falta confirmar algumas coisas.

Catharina - Senhor Oliver, poderia me ajudar a refletir com algumas questões.

Oliver - Tudo bem, pode mandar suas dúvidas.

Catharine não se segurou, fazendo perguntas que ela já aprendeu com seus professores no palácio, os temas envolveram desde ciência mágica, química, biologia, história. Não há tema que ela não saiba, mas os temas que ela dominava com perfeição foi respondido com total segurança. Não acreditavam que um menino de 12 anos tivesse tanta inteligência. A distância, os magos professores, as freiras superiores, a freira, e as crianças tinham ficado quietas ouvindo o mar de perguntas da princesa, seus olhos e ouvidos ficaram bem atentos com as respostas de Oliver. A princesa muitas vezes teve que tomar seu chá molhar a garganta que ressecam de tanto falar, nunca viu alguém tão inteligente. Agora, não lhe resta dúvidas de que este poderia ser a pessoa a que ela acha ser.

Catharine - Agora, minha última pergunta. Onde esteve pela madrugada de hoje ?

Com esse ultimato, Oliver entendeu que a mesma sentiu que suas atitudes não disfarçadas de hoje, são similares a forma que ele a tratou na madrugada de hoje. Na verdade, trataria da mesma forma outras pessoas, mas cometeu esse leve deslize não disfarçar seu comportamento entre o disfarce e ele.

Oliver fingiu espanto com a pergunta da princesa.

Oliver - Fiquei dormindo a madrugada toda princesa, não há nada a se fazer na capital para uma criança pobre como eu.

Catharine - Alguém pode comprovar isso ?

A princesa olhando para as crianças, viu que seus olhos se desviavam quando ela focava em um canto específico. Megue logo notou que ela fosse escolher alguém aleatório e resolver paga sua dívida agora com Oliver.

Megue - Princesa, Oliver dormiu toda a noite no orfanato.

Catharine - O seu nome é ?

Megue - Meu nome é Megue, princesa.

Catharine - Obrigada, com isso minhas dúvidas foram sanadas.

Oliver - O que houve princesa ? Como sua dúvida está relacionado a mim ?

Catharine - Não é nada de mais, só que alguém que conheço é um pouco similar a vocẽ, apesar de eu não saber sua real identidade.

Oliver - Se eu fosse essa pessoa, numa situação hipotética. O que a senhorita faria ?

Uma leve tensão surgiu no ar, as seguidoras da princesa que tomavam seu chá pararam com suas xícaras presa a seus lábios. Talya congelou não esperando essa pergunta ousada dele. Já tinha tiradas as suspeitas dele, mas veio com uma bomba dessas. A princesa que tomava seu chá quase deixou seu conteúdo cair na mesa, tendo que se recompor rapidamente. Olhou com uma expressão séria, mostrando que ela aceitou seu desafio.

Catharine - Simplesmente se você fosse esse homem, te levaria a força para ser meu professor e ser quem sabe meu candidato a noivo.

Catharine falou ficando levemente ficando vermelha .Com essa outra bomba explodindo, o salão do refeitório ficou num silêncio mortal. Viram uma grande princesa ser desafiada, mas nunca esperaram uma resposta de tal magnitude, sabiam da implicância dessa declaração. Seja qual for a relação entre esse homem o qual a princesa veio atrás e esse garoto chamado Oliver, uma notícia desse nível iria movimentar a capital.

Oliver - Então é uma pena, por não ser esse homem sortudo. É realmente uma pena.

Catharine - Sim, mas é também um alívio para mim, se eu saísse com um plebeu como candidato a noivo, creio que meu pai o imperador não aprovaria. Muito obrigada por nosso guia de hoje. Tenho outros compromissos pela tarde, adeus.

Talya - Princesa espere.

Talya,a princesa e as outras seguidoras saíram, junto com alguns funcionários. O restante vai ficar prestando apoio ao orfanato/igreja até que as crianças com 12 anos consigam passar no exame. Megue viu a princesa sair, mas sentiu que muitos mistérios envolvem Oliver lhe dão um certo charme. As freiras superiores parecem que vão conseguir mais recursos do santuário do templo da deusa Gaia. Isso é bom, agora as crianças vão poder ter um futuro para sonhar.

Capítulo 2: Tratando a princesa

Com a saída da princesa pela tarde,uma parte das freiras superiores levaram uma leva de crianças que já foram adotados por elas em nome do templo da deusa Gaia, já os professores magos continuam na igreja/orfanato com o intuito de treinar pessoalmente seus novos filhos que irão participar da seleção da academia em março. Esses vão poder sair com seus pais no final de semana e voltar no domingo a noite, sendo liberados oficialmente após o dia do exame.

Megue que foi uma das várias crianças adotadas foi liberada por seus novos pais, membros da família Libertina, para absorver melhor essa onda de eventos que aconteceu com ela. Primeiro foi a vinda da princesa, depois foi a princesa requisitando que Oliver fosse seu guia e por fim ela sendo adotada por uma família de mago. No centro de todos os eventos mais loucos que sua mente sequer pode imaginar, Oliver que no momento não era possível encontrar, mas sabia que o local em que ele podia ser encontrado. Na biblioteca lendo um livro sem a presença de nenhum adulto perto dele, ficou preocupada dele estar ali isolada. Com um aperto em seu coração, foi buscar saber dele estar isolado.

Megue: Oliver, tudo bem ? seus pais estão por perto ?

Oliver saindo de sua meditação na leitura, colocou o grande tomo na mesa, olhando para ela relaxado.

Oliver: Bem, com certeza eu estou, mas sobre esses tais pais, sintom muito mas recusei a adoção de algumas famílias.

Megue ficou pasma com o que Oliver falou para ela.

Megue: Por que Oliver ? eles não foram suficientes para você ?

Oliver acenou em negação.

Oliver: Todos foram suficientes para mim, mas não estou disponível para adoção.

Megue então se lembrou do homem o qual a princesa está atrás.

Megue: Tem haver com esse homem que a princesa está buscando ?

Oliver sorriu em aprovação.

Oliver: Sim, tem haver com ele. Na verdade, ele é meu mestre tem algum tempo, mas não quer se expor vindo para me adotar.

Megue: Desde quando vocês se conhecem ? Como conseguiu se encontrar com ele ?

Oliver: Tem um bom tempo que me encontro com ele. Foi aqui mesmo na biblioteca, enquanto eu lia alguns livros, vi ele de repente. Simplesmente começou a fazer muitas perguntas sobre magia e teoria e no fim, resolveu fazer seu pupilo.

Megue ficou impressionada com tamanha sorte dele. Sabia que ele é bem inteligente, tendo tirado boas notas. Mas ter a sorte de se deparar com uma pessoa tão misteriosa como esse homem, que faz a própria princesa tentar encontrar ele, é de se admirar.

Megue: A freira ao menos sabe disso ?

Oliver: Não e espero que continue assim. Ela vai estar bem ocupada recebendo os pedidos dos magos e as freiras. Logo, não terá tempo pra se preocupar comigo.

Megue ficou triste com essa frase dele.

Megue: No caso, não quer que meus pais façam a sua adoção. Poderíamos ser irmãos no papel…..

Ela ficou vermelha ao chegar nessa parte.

Oliver sentiu um calor imenso no coração, a atenção e cuidado que esta garota tem com ele, é de ter admiração. Mesmo que se tenha passado décadas do tempo que ainda vivia, esse sentimento de calor humano, foi poucas vezes sentida.

Oliver: Não precisa, magos não fazem nada de graça, eu teria que pagar um preço por isso. Já tenho meu mestre e sempre que posso, me encontro com ele por ai na capital. Agradeço a oferta, de verdade, mas não vai ser necessário.

Ela ficou tristonha com a recusa dele, mesmo ele sendo o mais educado possível. De fato, nada é de graça no mundo dos magos, um preço de alguma teria de ser pago. A caridade no mundo da magia é extremamente rara. Ela mesmo sabe que vai ter que pagar um preço por ter se juntado com a família Libertina.

Megue: Pode pelo menos, vir comigo para casa dos meus pais no final de semana ? Estou bastante nervosa sobre o que me espera, você comigo me deixará mais aliviada. Posso contar…..contigo….?

Oliver dar uma brilhante sorriso.

Oliver: Claro que sim, sempre pode contar comigo.

No fim da tarde, dentro do palácio do império, uma notícia está na boca da nobreza e seus funcionários. O personagem principal dessa notícia nada mais nada menos que a própria princesa da capital. Sobre ela ter levado consigo funcionários públicos, magos professores e freiras para um orfanato/igreja da capital. Ninguém sabe o porquê dessa ação dela, mas esse foi o ponto mais quente de se falar sobre, já que teorias não deixaram de se feita.

Com ela chegando na madrugada de hoje, a princesa ordenou a convocação de pessoal para uma comitiva dela que ia de manhã para o orfanato/igreja. Muitos foram pegos de surpresa sendo acordados pelos soldados, recebendo a ordem de virem ao palácio. E quando souberam que foi uma ordem da princesa, essas pessoas vieram ao palácio imediatamente, logo de manhã cedo partindo para seu destino. A academia de magia do império.

No salão do imperador, o mesmo ouvia o relatório do seu Primeiro Ministro. O mesmo ouvia atentamente sobre todo o acontecimento da madrugada,manhã e tarde. Não pode acreditar que sua filha fez tamanha bagunça sem qualquer explicação, logo quis saber também, a origem desse problema.

Imperador: Caro ministro, em meio a todo esse acontecimento, sabe o que poderia ter causado essa ação sem lógica de minha filha ?

Primeiro Ministro: Sim majestade. No caso, testemunhas que foram interrogadas no Centro Comercial, relataram a seguidora da sua alteza, Princesa Catharina, entrando em contato com um homem encapuzado que parece ser um mago. Durante a conversa entre Talya e este homem, parece que houve um desentendimento entre eles, que no fim, resultou em ela suplicar para que o homem fornecesse algum tipo de auxílio.

Imperador: Sobre esse homem, também investigaram sobre ele ?

O Primeiro Ministro ficou sem jeito, de alguma forma é constrangedor falar sobre.

Primeiro Ministro: Nas verdade majestade, não conseguimos encontrar nada sobre este homem. É como se ele fosse um fantasma.

O imperador não acreditava no que ouvia, nunca pode imaginar que alguém fosse capaz de não deixar rastro, muito menos algum fundo no seu império. Tudo no império ele tem conhecimento, se algo passou por sua rede de inteligência, o mesmo deve ter figuras muito poderosas que podem acabar ameaçando seu reino.

Imperador: Tem alguma chance de ser o Império Verde dos elfos ?

O Primeiro Ministro acenou em negação.

Primeiro Ministro: Não majestade, estamos monitorando suas atividades, mas até o momento, nada que possa ter alguma relevância.

A testa do imperador franziu. Agora, uma enorme preocupação perturba sua mente calma e serena. Saber que sua filha entrou um contato com alguém que conseguiu atravessar sua rede de inteligência. E pra piorar, não é nem sequer seus vizinhos do Império Verde.

Imperador: E que medidas tomaram ?

Primeiro Ministro: No caso no envia……

Sem ser anunciado, um homem de manto preto com uma faixa vermelha em sua cintura entrou com um ar de autoridade no local, sua barriga coberta pelo manto chama bastante atenção. Com ele, um garoto em seus 12 anos também tem a mesma roupa e a mesma barriga chamativa. No império, uma grande barriga é sinal de prosperidade e fortuna.

O imperador que ia ouvir seu ministro é interrompido pela chegada súbita desta pessoa. E o mesmo então nada mais era que o próprio Papa do Templo da Deusa Gaia e seu filho Pedro.

Papa: Imperador desculpe minha intromissão, creio que já esteja a par dos acontecidos.

Imperador: Desculpas aceitas santidade, e sim, estou a par dos acontecidos. Estava prestes a saber quais medidas meu Primeiro Ministro tomou para de alguma encontrar esse homem, até mesmo capturá-lo.

Papa: Oh, mais uma vez peço desculpa. Mas vi exatamente trazer uma medida eficiente.

Ouvindo isso, o imperador franziu a testa.

Imperador: Conte-me.

Papa: Bem, como sabe, meu filho e a princesa Catharine estão com compromissos matrimoniais firmados, mesmo que ela ainda não saiba. Gostaria de manter meu filho próximo a princesa daqui em diante para que ambos mantenham uma relação que vá se estender até o fim da graduação na academia. Com isso ambos sairiam magos e logo casados. Se esse homem que teve contato com a princesa tentar ter novo contato, meu filho vai servir como uma barreira, e claro, se possível capturar ele na mesma oportunidade. O que acha ?

Imperador: Dois coelhos numa cajadada só. Pois bem, sua proposta me agrada, é bom que os jovens criem um laço ante de introduzir um casamento planejado.

O papa ficou feliz com a aceitação do imperador, com isso é questão de tempo para que seu filho conquiste pouco a pouco os olhos da princesa. Não vai demorar muito para que ele possa ter poderes ilimitados no império, uma fusão entre clero e nobreza nada vai fazer frente com eles.

Imperador: Junior Pedro, posso contar com sua dedicação ?

Pedro: Sim majestade, se este homem aparecer, usarei minha autoridade para prender e interrogar com todos os meios a disposição.

Imperador: Ótimo, deixo minha filha a seus cuidados.

.

Na madrugada do dia seguinte o Centro Comercial preenchido por uma imensidão de pessoas de todas as raças, status e história. Nobres, aventureiros, guardas, funcionários públicos sentavam em suas cadeiras em cada bar e taberna disponível no local. Na mesa de madeira, suas canecas cheio de cerveja e vinho rapidamente se encontravam em suas barrigas, acompanhadas pelos pequenos lanches rápidos.

Tanto aqueles que fazem parte da nobreza quanto daqueles que são plebeus, discutiam um estranho evento em que a personagem principal, foi nada mais nada menos que a princesa. Segundo fontes de todo o canto, a mesma levou consigo uma comitiva de gente muito especial para um orfanato/igreja nos subúrbios da capital. Aqueles que puderem testemunhar um pouco de longe, puderem ver essa comitiva ficando no local, enquanto a princesa e suas seguidoras saíram de lá pela tarde. O que os atormentavam é saber o porquê do nada, ela ficar caridosa. O rumor mais forte foi o fato da sua seguidora ainda mais fiel a ela, Talya, ter suplicado a um homem do tamanho de uma criança para prestar algum serviço o qual a princesa necessitava muito. No fim, esse homem seguiu Talya e então teve seu contato com a pequena majestade, dali veio sua repentina de extrema caridade, o que teorizaram é que o pagamento que seria feito por ele seria uma caridade. O que também fazem pensar que este homem de alguma forma tem ligação com esse orfanato/igreja.

Nesse Centro Comercial a princesa e sua seguidora Talya, aguardam ansiosamente a chegada do homem estranho que conheceram no dia anterior. Cumpriram sua parte do acordo fornecendo toda ajuda para o orfanato/igreja, agora resta esperar que o mesmo venha cumprir sua parte. Se eles caíssem numa piada de muito mal gosto deste sujeito, seriam piadas em toda a capital, fazendo uma balbúrdia na capital por um sujeito de origem e fundo desconhecido.

Aqueles que podiam ver a princesa davam uma olhadinha rápida, curiosos para ver de perto a princesa dos eventos.

Talya: Princesa, a senhorita acha que ele vai vir mesmo ?

Com sua xícara em seus lábios, colocou a mesma na mesa para poder responder sua seguidora.

Catharine: Espero que sim, se não, vamos ser piada por toda a capital, nem sei que tipo de cara teria que fazer pra esconder tamanha vergonha.

Ambas ficaram num silêncio mortal. Contudo, seus arregalaram quando viram a imagem do homem com manto diante delas. Nem aqueles que seguiam olhando de vez em quando a princesa, conseguiram ver a chegada do estranho homem.

Talya: Senhor mago, realmente veio assim como prometido. Felicidade princesa.

Catherine suspirou aliviada.

Oliver: Vi que cumpriu parte do seu acordo, agora vou cumprir minha parte. Tem o local apropriado para o seu tratamento ?

Catharine: Sim, um hotel próximo daqui está com um quarto reservado para nós.

Oliver: Perfeito, quanto mais cedo terminamos melhor será para nos todos.

Catharine ficou decepcionada já que queria poder conversar ainda mais com seu benfeitor. Desde ontem este homem não sai de sua cabeça, atormentando sua mente até o momento. Se ao menos pudesse manter um tratamento em uma sessão larga estaria de bom tamanho, mas como o tratamento parece que vai se terminado no mesmo dia, isso a deixa ainda mais decepcionada.

Se aproximando do homem que andava ao seu lado, a mesma tomou coragem para pegar em seu braço. Para sua surpresa, o mesmo não recusou seu avanço, deixando ela bastante feliz. Talya que seguia ao lado dele, ficou impressionada com a ousadia da princesa, nunca viu ela ter tal intimidade com estranhos.

Talya(Pensamento): Seria o amor ?

Aqueles que frequentam o local e conhecem bem como a princesa passa parte do seu tempo relaxando suas em madrugadas em cafeterias de alto padrão. Agora puderam ver uma face nunca antes vista de uma das maiores nobres da capital ,andando pelas ruas com um sujeito com seu rosto coberto por seu manto. Suas vozes ressoam por todo canto, sendo bem ouvido pela princesa, mas que ela mesma não se importava.

Enquanto se aproximavam do seu destino, uma surpresa que não deixará qualquer sentimento de agrado em suas mentes.

Na sua frente, um garoto em seus 12 anos com vestes religiosas e um grupo de homens e mulheres também com vestes religiosas carregando espadas em sua cintura, olham com surpresa a princesa.

Desconhecido: Majestade que surpresa vê-la por aqui.

Catharine: Não posso dizer o mesmo santidade Pedro.

Pedro: Ora não seja assim, a deusa com certeza tem dedo sobre nosso encontro. Vejo que está em companhia.

Catharine: Sim, este gentil cavalheiro me vai prestar bons serviços, o que me deixou aberta a fazer agrados, se é que me entende.

Pedro franziu a testa.

Pedro: Como assim princesa, não compreendo suas palavras.

Catharine: Se não entendeu não perca tempo tentando entender, este cavalheiro tem pouco a disposição, se nos der licença temos que ir.

Ela firmou seus braços no de Oliver levando ele adiante atravessando os guardas que o acompanhava.

Pedro pensou rapidamente num meio de conseguir se juntar ao trio.

Pedro: Princesa espere.

Ela parou, virando um pouco sua cabeça mostrando aborrecimento em seu olhar. Deixando ele ainda mais cauteloso.

Pedro: Como sabe, o homem que a acompanha, não tem um fundo sequer, muito menos algo que possamos definir que ele é seguro para que a senhorita ande com ele em segurança. Como meu dever de proteger os fiéis da deusa Gaia, vou acompanhar junto com minha guarda para garantir sua segurança. Não podemos deixar que uma pessoa como ele por mais que vá prestar um serviço a senhorita tenha tamanha liberdade. Questões de segurança princesa.

Catharine: Mais que incomodo. Se eu, a grande princesa do império Auréola confio num homem, quer dizer que este homem é seguro o suficiente para fazer qualquer coisa que eu peça. Se eu dei tal liberdade, é direito dele fazer bem do uso de sua liberdade, minhas palavras são lei santidade Pedro.

Um suor começou a sair na cabeça dele, de fato conseguiu o desgosto dela.

Pedro: Alteza, me desculpe se deixei algum mal entendido, mas é que recebi ordens de sua majestade o Imperador, para que garantisse sua segurança. Entendo sua posição no império, mas garantir sua segurança é prioridade.

Ela agora está com bastante raiva de ser incomodada por este rapaz.

Catharine: Mas uma vez, não se preocupe por isso, se for necessário vou ao meu pai, o Imperador, para falar a ele que este homem é um homem pode ser confiado e um honrado Aureoliano. Fora que minha seguidora Talya está como testemunha, ela pode muito bem comprovar a veracidade de minhas palavras. Este homem é um sábio cheio de conhecimento e tem um excelente aprendiz.

Agora ficou curioso sobre esse tal aprendiz, se puder de alguma forma usar o aprendiz pra fazer ele aparecer em um momento sem a presença da princesa, não vai pensar duas vezes em usar métodos antiéticos.

Pedro: E quem seria este aprendiz ? Acredito que poderemos verificar a confiabilidade deste homem.

Já não suportando mais a intromissão dele sua aura mágica sai por seu corpo. Aqueles que estão vendo o bate boca sentiram a pressão de um mago na classe Aprendiz 5 Estrela. Mesmo que ainda tivesse no nível Aprendiz, sua força emanada bate de frente com muitos da sua idade e estando no mesmo rank que ela. Os que não tinham recursos para avançar estam na fase adulta no nível Aprendiz, mas o que tem, podem passar a um rank muito mais superior.

Os guardas de Pedro estão no mesmo rank que a princesa, mas a clara diferença de poder e talento pode ser sentido. Mal estar e tonturas são principais sintomas quando uma aura muito forte pressiona uma fraca. Se for uma diferença enorme, pode causar a morte do sujeito azarado.

Mago(Oliver): Princesa se acalme, este sujeito está perturbando sua mente. Não perdemos tempo com esta coisa, não é mérito de seu tempo.

Tomando um leve susto, sua mente voltou a normalidade e sua aura voltou ao normal. Assentindo feliz com o que o mago disse, ficando ainda mais colado a ele. Pedro que via a cena não pode deixar de morder os lábios em frustração, fora que acabou de ser insultado por este estranho. Se não fosse a presença dela, teria mandado encarcerar este homem e torturar tirando toda informação que desejar.

Catharine: Vamos, não tenho tempo a perder. Não se intrometa mais.

Saindo do local, as pessoas viram a princesa levar o homem e sua seguidora embora, deixando a santidade Pedro ali mesmo no local. Seus guardas estando aturdidos com a situação, esperam alguma ordem dele.

Pedro: Investiguem esse orfanato que a princesa teve contato. Verifique se a princesa teve alguma atitude suspeita ou estranha, se tiver alguém que ela teve contato, leve ele para o templo para interrogatório.

Agente: Sim senhor.

Sua expressão sombria esconde pensamentos ainda mais cruéis. De alguma ele vai ter que tirar a limpo esse insulto.

Enquanto no Hotel Royal da capital...

O quarto reservado pela princesa Catharine é praticamente uma grande casa empilhada em vários andares. Tendo uma decoração luxuosa, lâmpada que brilha através de magia de luz, tapetes feitos com muita técnica e runas feitas para permitir que o mesmo não seja destruída pelo tempo ou por ação humana Tem chuveiro com regulador de temperatura e uma piscina dentro. A temperatura do apartamento pode ser regulada também.

Oliver está impressionado com tamanho luxo. Entre sua vida acadêmica, suas pesquisas com seus discípulos, suas aventuras no Império Verde e entre outros lugares, não pode desfrutar de tais luxos como esse. E nem poderia mesmo com o todo dinheiro que pudesse reunir, afinal, esse é um luxo que uma família que atravessou gerações podem ter.

Talya está em seu canto esperando alguma instrução de princesa, enquanto que a princesa está sentada no sofá de luxo esperando também alguma instrução do mago. Ela ficou olhando o mesmo observar sua inspeção. Para ela, é como se ele nunca tinha visto tal luxo antes, talvez fosse ele alguém que treinou nas montanhas ou se isolou nas florestas para se abster do materialismo. De fato, esse homem lhe trazia muita curiosidade e se puder ter contato frequente com ele, quem sabe alguns segredos ele possa revelar a ela, assim aumentando a confiança entre ambos.

Catharine: Senhor mago, o lugar é bom para o tratamento ?

Oliver despertou do seu assombro, olhando para a princesa sorrindo.

Mago(Oliver): Sim, está perfeito. Para começarmos, peço que tire seu manto e fique de costas para o teto. Vou fazer uma análise e então iniciar o procedimento.

Ficando desconcertada, não imaginou que tivesse que tirar seu manto. Afinal, tinha alguma roupa bem fina para lhe cobrir seios e parte íntima. Desesperada, olhou para Talya buscando que ela pudesse intervir nisso, pois não tinha coragem de contrariar o mago.

Talya percebeu o olhar da princesa, entendendo o que a mesma queria. Ela também ficou surpresa e vermelha com o pedido do mago.

Talya: Senhor mago, a princesa tem mesmo que tirar seu manto. Não tem outra forma de tratar sem ser tirando seu manto.

Oliver ficou estupefato com as duas. As mesmas quase causam uma confusão no Centro Comercial, e na hora de realizar seu tão sonhado tratamento, está criando resistência com a forma eficiente de tratar seu problema. Já que seu manto tem bastante poder mágico, impedido que ele possa tratar com mais eficiência e sem gastar calorias em excesso.

Mago(Oliver): Tem, mas eu vou ter que gastar mais calorias para isso e não posso garantir a eficiência do tratamento. Pode ser que eu tenha que fazer mais sessões.

Ouvindo essa última parte muito bem, uma ideia travessa surgiu. Uma oportunidade que não podia ser perdida.

Catharine: Então que seja assim, não me importo de prolongar o tratamento.

Oliver ficou pasmo com seu erro.Vai ter que gastar mais poder mágico e ainda vai ter que fazer isso por mais tempo. Se for contrariar a princesa, vai deixar ela triste, o que ele não quer, uma vez que ela é acesso livre para o palácio e também para sua vingança contra o império. Ao menos, a compensação pela perda de calorias será algumas poções mágicas que ele vai pedir, mesmo que ela seja bastante cara.

Mago(Oliver): Meu preço não vai ser barato então, tudo bem ?

Catharine: Não me importa seu preço ou sua demanda para facilitar o tratamento, desde que cumpra sua parte não vou recusar suas demandas. Sou uma mulher bem generosa, não se preocupe.

Talya vendo a conversa dos dois pode notar a satisfação da princesa em desafiar o mago, não de maneira hostil, mas sim de uma maneira amistosa. Ela está desfrutando dessa conversa, criando uma relação com ele.

Mago(Oliver): Deite na cama e fique de costas como falei.

Catharine obedeceu, deitando na cama como pedido pelo mesmo. Tirou o capuz que cobria seu belo cabelo, revelando um pescoço bonito.

Talya: Precisa que eu faça algo ?

Mago(Oliver): Não, não vai demorar muito. Na verdade pode sim, peça comida, vou ter bastante fome quando terminar.

Assentindo ela usou uma espécie de telefone ligando para a recepção e fazendo o pedido da comida.

Sem tirar o manto de seu capuz, Oliver usou uma magia para analisar o fluxo de poder mágico dela. Pode notar que alguns pontos estão atrofiados, impedindo a circulação de magia. Esses pontos fazem que o organismo consuma mais calorias e também dor. O tratamento é bem simples, mas mesmo a medicina atual desconhece tal problema, partindo pra tratamentos que podem durar a vida toda. E lógico, é o que os médicos tanto desejam.

Mago(Oliver): Princesa, existem pontos em seu corpo que estão atrofiados, atrapalhando sua circulação de poder. Para acabar com isso, vou injetar uma quantidade pode mágica bem grande, vai sentir dor, mas peço que aguente. Pode aguentar ?

Catharine assentiu, também segurando a mão de Talya.

Mago(Oliver): Vamos lá, lá vai.

Injetando seu poder mágico, pode observar um fluxo de poder enchendo ainda mais seus vasos sanguíneos. Os pontos que estão atrofiados são forçados a se expandir, isso causou bastante dor na princesa, que gemia em resposta. Sua mão aperta de Talya com força, onde a mesma pode sentir a força do seu aperto. Levado alguns minutos, os gemidos terminaram e a forme em Oliver veio em cheio. Talya pegou uma toalha querendo limpar o suor que cai da testa dele, mas ele pegou de sua mão a toalha e limpou por conta.

Mago(Oliver): Abri alguns pontos que estavam atrofiados. Pode tentar circular seu poder mágico.

Catharine que arfava após a onda de dor, assentiu ao pedido do mago. Logo fechou seus olhos sentindo seu poder circular. Notou imediatamente a diferença.

Catharine: O tratamento deu certo senhor mago, estou sentindo meu poder circular muito bem. E mais uma coisa, acabei de avançar. Sou Aprendiz 7 agora.

Talya ficou surpresa com a notícia, jamais imaginaria ver alguém avançar com um tratamento médico. Se tal coisa fosse espalhada pela capital, haveria fila de magos querendo receber o tratamento milagroso dele. Mas, como Catharine quer monopolizar o mago, ela não vai deixar tal informação se espalhar pela capital. Certamente não haveria qualquer tempo para os dois se encontrarem após terminarem o tratamento.

Talya: Tudo bem princesa, quer que eu faça algo ?

Catharine: Tudo bem, estou bem. Só me deixe descansar um pouco. O senhor mago deve estar com fome, garanta que a comida seja farta para ele.

Talya: Tudo bem.

Foi verificar se seu pedido está pronto.

Oliver procurou um papel e pena para escrever algo. Achando prontamente o que procurava, logo escrevendo que queria nele. Colocou o papel ao lado da princesa para que a mesma olhasse ele.

Mago(Oliver): Aqui estão minhas demandas, creio que uma princesa poderosa como a senhorita, não vá ter dificuldade em conseguir o que quero em pouco tempo.

Ela tentou levantar, mas seus braços não tinha muita força ainda, mesmo que seu poder mágico está circulando quase bem, a parte física foi bem deteriorada. Oliver então ajudou ela mudar de posição, permitindo que a mesma pegasse o papel e ler suas demandas.

Catharine: Isso é fácil de conseguir, tenho meus contatos. Mas esses itens são para fazer ascensão de aprendizes. Seria pra esse seu….aprendiz ?

Oliver assentiu.

Ciúmes é o que não está faltando no coração desse princesa. Mas uma vez esse garoto tá na mente deste homem, e não ela.

Catharine: Bem que você podia pensar mais em mim.

Mago(Oliver): Disse algo princesa ?

Catharine: Nada…..idiota.

Capítulo 3: Pedro causa problemas

Após terminar de tratar a princesa, comer vigorosamente a comida requintada que Talya pediu, os maravilhosos sabores preencheram profundamente suas memórias, partiu para o orfanato descansar o resto da noite. Combinou com a princesa que o próximo tratamento se dará na segunda feira, já que no final de semana vai com a Megue conhecer a casa da sua nova família.

Chegou rapidamente em seus aposentos, sem seu manto e coisas que carregava, colocando tudo no seu Space Ring. Viu muitas camas que estão disponíveis, uma vez que boa parte das crianças foram adotadas e o restante podia ser contado com os dedos. Viu que Megue dormia tranquilamente, isso deixou ele aliviado, já que agora, ela não vai precisar sequer usar a prostituição para ganhar a vida.

Apesar de poder compreender certos detalhes, sua mente já cansada e sua barriga cheia dizia que ele devia dormir imediatamente. Como viu Megue dormindo na cama dela, seu corpo foi até ele automaticamente, logo caiu no mais profundo sono, acordando ela que tomou um susto.

Megue que dormia tranquilamente sentiu um peso morto caindo nela fazendo-a despertar assustada. Seus olhos cansado tentaram compreender a origem da perturbação do seu sono, e então viu quem a perturbava.

E diante dos seus olhos está Oliver dormindo pesadamente sobre ela. Não pode acreditar no que está vendo no momento. Seu amigo simplesmente caiu sobre ela, e num sono profundo. Queria saber exatamente o que no mundo, ele fez pra ficar desse jeito.

Megue: Oliver, psiu, acorde. Com você em cima de mim não vou conseguir dormir, você é pesado.

Sem respostas.

Megue: Céus, não vou conseguir te levar para outra cama com você desse jeito.

Fazendo um esforço para tirar suas pernas que ele fazia peso, Megue saiu de sua cama, e com bastante esforço colocou Oliver na cama dela. Na mente dela, tudo que queria era dormir em paz na sua cama, mas como tinha alguém impedindo medidas tinham que ser tomadas. Por algum motivo, em sua mente, um desejo de querer dormir com ele atravessou sua consciência.

Megue: Não deve ter problemas…. eu acho. Não tem jeito, vou conceder esse privilégio.

Passando umas duas ou três horas, logo veio o amanhecer do dia. Para sorte dos dois, a comida sempre está disponível em qualquer horário da manhã até o início da tarde que é alternado para o almoço. E como Megue deu um jeito de ficar com Oliver embaixo dos lençóis sem chamar atenção, as crianças restantes não se importaram muito, indo direto para o refeitório e se encontrar com seus pais que também são seus professores. O mesmo vale para Megue.

Oliver por instinto despertou do seu sono, já que suas mãos, ao tatear seu redor como se fosse uma ação comum durante seu sono, sentiu algo que não parecia ser uma fronha ou lenço. Logo com seus olhos muito bem abertos, viu Megue vermelha. Sua mão deu uns apertos em algo macio e ela reagiu ao seu aperto.

Megue: Idiota….quanto tempo vai ficar me apertando ?

Oliver num susto percebeu o que estava tocando, prontamente se afastou mas caindo no chão.

Megue: Bem feito seu tarado, já não basta dormir em cima de mim na madrugada e ainda fica me apertando onde não deve.

Então, ela saiu de sua cama e foi andando para o refeitório vermelha.

Oliver sem entender muita coisa, só tinha lembrado que chegou no orfanato/igreja viu ela deitada na cama dele e fim.

Oliver: Deixa pra lá. Tenho que dar uma olhada no laboratório, ver minhas pesquisas particulares e começar a colocar elas pra frente. Tenho dinheiro pra comprar a mansão, vou falar com a princesa pra que ela compre por mim, só que com o meu dinheiro. Claro contratar empregados e pesquisadores para trabalharem. Não deve ser muito difícil a princesa conseguir atender minhas demandas.

Com isso em mente, saiu do chão de pedra da igreja e foi para o refeitório fazer sua refeição. Mesmo que tenha comido bastante na madrugada, sua barriga deseja ainda mais comida, claro que os sabores que sentiu da comida do hotel não serão o mesmo, o nível do padrão culinário entre os cozinheiros do hotel com os da igreja trazidos pela princesa são bem distantes.

Rapidamente chegou em seu objetivo. Poucas crianças no local, mas elas acompanhadas de seus pais. Não sendo diferente de Megue que também está acompanhada pelos seus, a família Libertina. Queria poder falar com eles, mas vai deixar isso para quando ela for ir para a casa deles no final de semana.

Pegou sua bandeja e com uns três pratos colocou frutas, doces, pães e queijos e presuntos. Claro, não pode faltar bolos para preencher sua barriga. Com tudo ordenado foi para uma mesa vazia. Seu olhar seguiu aonde Mege está e ela percebeu o olhar dele, dando uma resposta que ainda está enfadada pelo ato dele na alojamento.

Oliver: Depois vou conseguir falar com ela e compensar meu erro. Apesar de que ela fazendo essa birra faz ela fofa.

Com sua comida agora em mente, foi devorando tudo com satisfação. Por mais que a comida do hotel fosse boa e bem requintada, a comida desses cozinheiros também são muito boa para um plebeu como ele. As palavras “sentir vivo” estão piscando no seu estômago.

Enquanto ele se concentrava na sua refeição, um grupo de homens e mulheres de vestes religiosas, na verdade, vestes do pessoal da inquisição adentrava na igreja. Sendo cumprimentados pelos magos professores, pelos funcionários públicos, pelas freiras superiores e inclusive a própria Freira que cuida do orfanato/igreja, o qual ela foi convidada a ter uma palavrinha com eles.

Freira: Então senhores, o que vocês desejam ?

Inquisidor: Irmã, me desculpe pela nossa presença repentina essa manhã. Mas temos ordens de conduzir uma investigação a mando do imperador e sua santidade, o Papa.

Ela ficou desconcertada, não tem como imaginar que tipo de coisa faria um imperador e o grande Papa para fazer uma investigação na igreja dela.

Freira: E o que seria o motivo dessa investigação ?

Inquisidor: Se ouviu as histórias, uns 2 dias atrás, a princesa entrou em contato com um homem na madrugada no Centro Comercial. Após esse contato, na manhã ela trouxe uma comitiva para essa igreja. O problema é que este homem não tem nenhum fundo, histórico ou conhecidos, acreditamos que ele seja algum espião, ou alguém com fins que podem colocar a princesa em perigo. Queremos saber, quem ela teve contato e fazer algumas perguntas.Podemos ter sua colaboração ?

Ela ficou um pouco receosa, mas no fim, aceitou o pedido do inquisidor. Afinal, são uma autoridade ligada ao próprio Papa.

Freira: Podem ter acesso a qualquer coisa que possa ser útil na investigação. Podem falar com todos no local.

Inquisidor: Muito obrigado, a deusa Gaia certamente está feliz com sua colaboração. Vamos procurar conversar com todos de maneira amistosa, se tivermos suspeitas, vamos levar para o templo a fim de conseguir mais detalhes.

Concordando, ambos se despediram e foram cumprir sua missão.

Oliver fazia pilhas e pilhas de prato ao ponto de todos olharem para ele surpresos com sua fome. Megue que no momento estava enfadada, ficou pasma com o que via, inclusive seus pais Enquanto todos olhavam, um grupo de homens com vestes religiosas dos inquisidores chegaram no local.

Inquisidor: Bom dia.

Família Libertina: Bom dia senhor inquisidor. O que deseja ?

Inquisidor B: Gostaria de poder conversar com vocês sobre os acontecimentos de 2 dias atrás, que é a chegada da princesa. Gostaria de saber o que a princesa fez durante a madrugada e a chegada vocês nessa igreja, estamos em uma investigação e necessitamos da colaboração de todos. Posso ter isso ?

Família Libertina: Sim, não há problema algum falar sobre isso.

Inquisidor B: Ótimo, assim acelera nossa investigação. Está pequena com vocês, é filha de vocês ?

Família Libertina: Sim, nossa filha adotada. Adotamos Megue tem dois dias.

Inquisidor: Interessante. Me contem com detalhes de como vocês foram chamados para vir ao palácio e o que fizeram e o que viram a princesa fazer até a saída dela desta igreja. Por favor, não poupe detalhes.

Família Libertina: Tudo bem.

Megue que também está ouvindo o depoimento de seus pais, senti que algo muito ruim vai acontecer. Seus olhos foram para Oliver que comia fervorosamente mais um prato, totalmente despreocupado com a chegada dessas pessoas. Então viu que uma pessoa com as mesmas vestes, se aproximava dele.

Inquisidor C: Olá jovenzinho, posso ter um momento seu.

Ele olhou para uma moça de vestes religiosas, só que bem diferente do que os monges vestem. Praticamente uma roupa religiosa de combate. Ainda mastigando a comida ele olhava para esta moça incomodado, pois ainda sua refeição não acabou. Levando o tempo mastigando, prontamente levou tudo para sua barriga.

Oliver: Agora sim, o que deseja senhorita ?

Inquisidor C: Um jovem bem educado para sua idade. Na verdade, gostaria de saber o que houve aqui na igreja dois dias atrás com a chegada da princesa pela manhã, pode me dizer o que ela fez, o que falou, se a mesma agiu de alguma maneira estranha ?

Oliver: E por que alguém do templo de Gaia está investigando tal coisa ? algo aconteceu para fazerem isso ?

A inquisidora franziu a testa. Nunca esperou que uma criança de doze anos fosse ser tão perspicaz.

Inquisidor C: Nesse ponto mesmo. Pod me dizer que a princesa fez, falou e como agiu na manhã de dois dia atrás ?

Oliver: Claro, porque não…..

.

.

.

.

Esclarecendo todo o evento da vinda da princesa, não hesitou em contar os detalhes. Entre eles o fato dela querer ele como ser assistente, o fato dela estar procurando um homem que havia conhecido faz pouco tempo e que sua ação pode ter sido influência dele e por ai vai. Falou sobre seu passado(no caso do corpo do garoto Oliver), o que faz e o que deixa de fazer, claro, omitindo o fato de ter conhecido um professor da academia de magia do império. A inquisidora ouvia tudo atentamente sem questionar ou procurar esclarecimento em algum ponto que ela ache necessário, ficou ouvindo, somente ouvindo.

Inquisidor C: Muito obrigada por seu depoimento. Para uma narração tão detalhada, você deve ter um talento muito bom. Caso queira, venha se juntar a nós. A deusa necessita de pessoas capacitadas para lutar contra o mau.

Oliver: Agradeço a oferta senhorita, vou pensar muito bem sobre.

Sorrindo, a moça se levantou da mesa e foi se reunir com seus companheiros, indo para outro lugar onde cada um vai fazer seus respectivos informes e apontar suspeitas. Oliver que viu o grupo de inquisidores sair, ficou pensativo por um instante. Se as suspeitas apontam para ele de alguma forma, terá que sair do orfanato.

Certamente de madrugada, vai ter que buscar a princesa e pedir para que ela compre a mansão dele no Centro Comercial e assumir uma nova identidade até mesmo entrando na academia como uma nova pessoa. Para ele, é uma boa ter que sair do orfanato e assim vai ter mais liberdade para agir. Uma pena que Megue não vai poder saber muito.

Determinado, terminou de comer o que restava e foi para sua mansão. Organizar as pesquisas particulares da vida passada dele e vender projetos para a academia a fim de conseguir mais dinheiro.

.

.

.

.

.

Sendo bem tarde da noite, praticamente madrugada, Oliver saiu da mansão da sua forma disfarçada e partiu para encontrar a princesa. Para a sorte dele, a mesma sempre se encontra no mesmo lugar ficando boa parte da madrugada no Centro Comercial. Com ela ali, vai ser fácil falar sobre o ocorrido.

A princesa em sua cafeteria preferida, tomava seu delicioso café, junto com isso, comia bolos de chocolate, biscoitos de sabores diferentes e outras maravilhas a sua disposição. Seu humor está muito bom, após receber tratamento do seu benfeitor, seu fluxo de magia circula sem dificuldades que antes, tinha tais problemas de circulação. Fora que, ela também ascendeu no processo indo para Aprendiz 7. Um notícia que vai abalar o imperador, já que na idade da princesa, ninguém sequer chegou a tal nível.

Enquanto tomava seu café, Talya fazia as fofocas do dia, relatando os acontecimentos dos nobres, os escândalos entre eles, o casal do momento, o casamento mais esperado, coisas românticas. Essa última parte a princesa se interessou, ouvindo atentamente cada detalhe sobre a vida romântica dos nobres. O coração da princesa palpita com tantos casos e situações românticas, que ela precisou tomar mais algumas doses do seu café.

Surpreendeu-se, quando notou a presença do mago na sua frente.

Mago(Oliver): Boa noite princesa, desculpe te incomodar.

Ficando altamente vermelhar, já que sua mente está preenchida por situações amorosas. E com a presença do mago, a cabeça da princesa colocou a imagem dele em sua mente. Sendo o suficiente pra deixar ela em choque momentâneo.

Talya que também percebeu a presença do mago, viu sua princesa estar tão desajeitada e pasma. Sua conversa com ela de certa forma, mexeu com sua mente, e sua ação desordenada reflete muito bem isso.

Catharine: Sen...senho...senhor…. senhor Mago, booa...bo...boa noite. O que traz sua agradável presença…. até aqui.

Ela tá completamente vermelha ainda.

Mago(Oliver): Acredito que a princesa está ciente sobre a movimentação dos servos do templo Gaia na igreja, na manhã de ontem, está ciente ?

Ela voltou os seus sentidos, e de fato, não ouviu nada sobre.

Catharine: Não, não ouvi tal coisa. O que houve senhor Mago ?

Mago(Oliver): Um grupo de Inquisidores do templo parecem ter ido a igreja onde meu aprendiz vive, para fazer uma investigação. Queriam saber se a senhorita deixou alguma pista sobre alguém ter influenciado a senhorita e feito você a fazer generosidades que não são do seu feitios. Certamente estão querendo me pegar.

Ela ficou parada levando um tempo pensando. Mas na sua mente ela adivinhou o resto por conta.

Catharine: Certamente é coisa do meu pai e do Papa. Agora compreendo o que eles podem ter feito. Pedro chegar nos atrapalhando não foi coincidência, tem dedo do Papa. E pelo que conheço meu pai e esse maldito Papa, já devem planejar meu casamento com aquele porco imundo. Senhor Mago, o que posso fazer por você ? Me diga suas demandas que vou atender. Mais tarde vou falar com meu pai, explicar pra ele a situação entre nós dois.

Ela ficou ainda mais vermelha.

Era o que Oliver queria ouvir.

Mago(Oliver): O que eu quero, é que a senhorita me consiga uma identidade, compre uma certa mansão no Centro Comercial e faça registro de adoção do meu aprendiz. Se ele continuar no orfanato, ele pode ser pego por ter associação a mim. De Preferência quero que ele assuma a mansão e essa identidade seja para ele. Tudo o que desejar, pode ser consultado a ele.

Catharine: Tudo bem, conseguir identidade nova para ele é fácil. Comprar a mansão mais fácil ainda, não importe o preço eu posso pagar. Vou mandar alguém fiel a minha pessoa e adotar ele. Após isso, um novo documento vai ser entregue para ele e a mansão vai estar com esse registro.

Mago(Oliver): Gosto da sua eficiência princesa. Como excedida minhas demandas, gostaria de equilibrar as coisas. O que deseja ?

Sua mente instalou em muitas ideias.Entre elas estavam encontros, massagens, cortejos, passeios pelos lugares mais bonitos do império. Seu rosto ardia em vergonha com tantas imagens em sua mente. Talya vendo as reações loucas da princesa não pode deixar de rir baixinho.

Catharine: O que eu …..desejo….? são tantas coisas.

Ela olhou para o rosto coberto pelo capuz. Sem hesitar, ela expôs seu desejo.

Mago(Oliver): Um desejo complicado princesa. Isso virá com o tempo, no momento para minha segurança não posso expor meu rosto.

Catharine: Você pode mostrar seu rosto para mim em lugares que podemos nos encontrar sem a presença dos outros. Vamos manter sua aparência em segredo, pode contar comigo senhor. Quero que tenha encontros comigo, não precisa mostrar seu rosto quando estivermos em público, vou falar com meu pai e vou pedir para que ele não interfira nas minhas coisas. E a terceira é que seja meu mestre. Só com suas técnicas de medicina, cheguei a Aprendiz 7, ninguém em minha idade foi capaz de chegar nesse nível, mas você me fez conseguir. Essas são minhas demandas.

Mago(Oliver): Então irei aceitar princesa.

Capítulo 4: O tráfico de elfos

Após princesa ter sua reunião com seu querido benfeitor, seu humor passou a ficar bem elevado. Onde ela tratou todos com muita cortesia, causando estranheza para seus servos no palácio. Os boatos logo se espalhou por todo o palácio e círculo dos nobres.

A princesa logo pela tarde foi rumo a seu pai explicar sua situação com o Mago. Ela quer deixar claro qual sua relação com ele e exigir que nem ele e nem mesmo o Papa se intrometa com seus assuntos. A intervenção de Pedro e novamente dos Inquisidores na igreja causou verdadeiro incômodo a seu benfeitor.

Imperador; Boa tarde minha filha, o que lhe traz aqui ?

Catharine: Pai, vim falar sobre o homem que o senhor e o Papa estão buscando por minha causa.

Ele franziu a testa.

Imperador: Por favor, me conte. Quero saber quem é esta pessoa que tem te perturbado. Tenho minhas desconfianças e investigações foram necessárias.

Catharine: Atualmente, ele é meu mestre.

Seu rosto mudando de expressão, mostra o quão pasmo ele está agora. Realmente quer saber o porquê disso tudo.

Imperador: Como assim mestre ? Como você decidiu simplesmente que ele seria seu mestre ? O que ele fez com você ?

Catharine: Ele tratou minha doença, que nem mesmo os melhores médicos foram capazes de tratar e ainda avancei para Aprendiz 7.

Seu queixo caído ao chão, sua mente gira em vários pensamentos confusos e inexplicáveis. A filha dele dizer que um homem estranho sem fundo algum tratou uma doença, que nem mesmo os melhores médicos do império foram capazes de conseguir. Ele não sabe que tipo de segredos este homem tem, mas sabe que vai precisar fazer um édico da confiança dele verificar sua filha e com isso determinar se este homem não usou outra magia oculta contra ela.

Imperador: Nível 7? com 12 anos ? Como ele fez isso ? Tem certeza de que ele não fez algo que pudesse te enganar ?

Catharine: Não pai, não fez nada, a não ser me tratar. Talya estava de testemunha e pode ouvida pelo senhor se quiser. Pode chamar um médico e ver minha situação. Aliás, o senhor mesmo pode ver meu nível.

De fato, o Imperador pode fazer isso, afinal o nível de é de um Doutor 3. Sendo o mais alto do império, estando lado a lado do Papa e de seu General de guerra.

Logo, usou seus olhos para ver ainda mais profundo o poder mágico de sua filha fluindo. Os pontos que ele já tinha visto atrofiados, estão abertos e circulando com mais vigor. Pode notar um volume ainda maior de poder. O que indica uma elevação de nível que vai ser regulada pelo corpo, com o passar dos meses.

Imperador: Realmente, alguns pontos atrofiados estão agora aberto e seu poder flui com mais vigor do que antes. O volume de magia é ainda maior. Seja quem for este homem, produziu um verdadeiro milagre. Então me diga, planejam se encontrar com esse homem em algum outro momento ?

Catharine: Fiz um acordo com ele, iremos manter contato em tempos em tempos, como parte da minha demanda. Ele precisou que eu atendesse demandas urgentes e logo acrescentei as minhas.

Imperador: E que demandas seriam essas ?

Sobre o aprendiz do seu mestre, ela prefere omitir a parte da adoção de Oliver, essa parte para ela, ele não precisa saber.

Catharine: Ele quer comprar uma mansão no Centro Comercial, parece que ela está selada tem décadas. Seu antigo dono causou certo problema no império e seu preço é bem barato. Ele me deu o dinheiro para comprar a mansão.

Imperador: Ele disse o que vai fazer com a mansão ?

Catharine: Ainda não, mas como qualquer mago, ele deve fazer um laboratório, realizar alguma pesquisa quem sabe. Quando puder, vou falar com ele.

Imperador: Quando possível, traga ele para uma audiência, quero saber quem é esse homem milagroso. Quem poderia imaginar, minha filha Aprendiz 7. Nunca na história isso aconteceu no império. Quando todos souberem, a família real terá amplo respeito de todos.

Catharine: E tem alguma que eu queria que o senhor fizesse.

Imperador: O que seria ?

Catharine: Falara para o Papa e seu filho não se intrometerem nas minhas coisas. Soube que a igreja o qual beneficiei como demanda do meu mestre, foi alvo de investigação dos Inquisidores. Sei que o senhor quer me deixar segura, mas eles não tem boa fama no império. Seus métodos são bem conhecidos. Por favor, fale com eles.

Imperador: Isso vai ser difícil. Desfazer um acordo com ele pode causar problemas. Se você puder de alguma forma compensar com Pedro. Imagine as complicações que teriam caso o clero viesse a não dar mais apoio a nós. Seria um desastre.

Catharine: Que tipo de trato o senhor fez com ele ?

Imperador: Acredito que é melhor saber agora. Você e Pedro vão casar após se formarem na academia. A intervenção do Papa e seus inquisidores se deu justamente por isso. Pelo bem do império, essa união é importante, se eu voltar atrás das minhas palavras falando para ele não intervir, vai gerar desconfianças.

Ela ficou em choque, só de imaginar ser noiva daquele pessoa que os que conhecem tem desprezo, lhe causa mal estar. No coração dela, só aquele homem está. Qualquer ação dela que cause desgosto a Pedro, pode ser o fim do império, e uma guerra civil pode acontecer de dentro pra fora.

Catharine: Mas….pai...não tem outro jeito ?

.

.

.

.

.

Na madrugada do dia seguinte, a Oliver foi saber se a princesa comprou mansão que ele queria. Como sempre, a mesma está no seu lugar favorito junto com sua seguidora Talya. Contudo, ele notou que a mesma parece estar um pouco abatida. Sua seguidora Talya a consolova.

Mago(Oliver): Princesa, senhorita Talya, boa noite.

Talya ficou feliz pela vinda dele. Logo tratou de animar ela.

Talya: Princesa veja, seu amado está aqui.

Ela ficou vermelha quando Talya falou isso. Vendo que o mago está sentado em sua cadeira que elas estão deixando vaga para que o mesmo sentasse. Seu rosto vermelho igual tomate, fez com que ela baixasse seu capuz a fim de escondê lo.

Catharine: Talya, não fale essas coisas grosseiras para o Mago. Agora somos aprendiz e mestre, nunca existiu tal relação.

Talya: Princesa, não era você que agora pouco fazia declarações, desejos de poder estar com ela. Princesa precisa ser mais honesta, já que infelizmente, aquele desprezível Pedro pode começar a nos atrapalhar.

Catharine voltou ao normal e novo sentimento de tristeza se abateu sobre ela.

Mago(Oliver): O que houve princesa ? o que tem a deixado nesse estado ?

Catharie: Posso...chamar…. de mestre ?

Mago(Oliver): Sim pode, essa é nossa atual relação.

Um pouquinho de decepção se abateu sobre ela.

Catharine: Infelizmente mestre, meu destino foi traçado com aquele porco. Pode ser que ele venha a se intrometer mais ainda. Talvez na academia ele venha a ficar meloso comigo. Me dar pesadelos só de imaginar. Coisas de nobre mestre, duas grandes figuras do império se casando e continuando o ele entre duas grandes forças. Nunca esperei que fosse feito tão cedo.

Mago(Oliver): Uma pena mesmo princesa. Mas, quem sabe eu possa dar um jeito nisso.

Talya saltou de surpresa. Para ela, seria loucura alguém afrontar o clero.

Talya: Que tipo de ajuda o senhor Mago vai prestar a princesa ? Se o senhor ousar desafiar esta pessoa, pode ser perseguido pelo resto da vida.

Mago(Oliver): Tenho meus meios senhorita Talya, mas como você ver que ando disfarçado, não tenho problemas em desafiá lo. Tenho algumas magias para dificultar em encontrar minha presença. Darei um golpe certeiro, que o mesmo não vai ter coragem de se meter com a princesa por um bomtempo. Mas quando chegarem na academia, vou deixar sua proteção a cargo do meu aprendiz.

Talya: Nossa, senhor Mago é tão valente,a princesa é muito sortuda ter alguém pronto para enfrentar perigos em seu nome.

Ela ficou vermelha pelas provocações de Talya.

Catharine: Talya...por favor, pare de me provocar. Se continuar não terei mais cara para olhar ao senhor Mago.

Oliver não pode deixar de rir por dentro com essa situação. No seu desejo de vingança, já tem a princesa na palma de sua mão. Pode parecer cruel da parte dele descontar sua raiva pelas atrocidades que o império cometeu contra ele e seus seguidores em suas aventuras, negócios e pesquisas. Apesar dos seus sentimentos mostrar algumas vacilações, ele decidiu o caminho a seguir.

Mago(Oliver): Princesa seja qual for seus sentimentos, estarei aceitando ele .

Seu rosto vermelho mais que um tomate.

Catharine: Senhor Mago até o senhor me provoca, céus. Se continuarem me burlando não falarei com vocês por um bom tempo.

Com uma dessa, Oliver e Talya não puderam deixar de rir. Catharine ficou encantada ao ver seu mestre rindo, é a primeira vez que ver ele mostrando uma expressão de felicidade diante dela. O coração da princesa palpitava em emoção.

Mago(Oliver): Agora que a princesa está Com muito bom humor, creio que esteja na hora do assunto principal. A mansão e a adoção estão tudo acertado ?

Catharine: Sim senhor Mago, a mansão foi comprada e Oliver adotado. Talya fez sua adoção, de manhã cedo se quiser posso pedir a ela um carruagem que leve ele aonde o senhor desejar. Com ele não estando mais no orfanato/igreja, os inquisidores não vão encontrar ele tão cedo, acredito que o senhor tenha meios para proteger eu aprendiz.

Mago(Oliver): Sim tenho meu meios. Me dee as chaves da mansão e o documento dela. Deixe meu aprendiz nela de manhã cedo, que o resto estará por minha conta.

Catharine; Sim mestre, no caso, eu….posso ir….visita-lo?

Mago(Oliver): Sim pode, mas tem que me avisar antes, posso não estar na mansão e me aprendiz estar fazendo minhas pesquisas. Também te encontrarei para pode te ensinar até o dia do exame. Para o treinamento, aonde vamos nos encontrar ?

Catharine: Se possível nesse mesmo lugar, indo para o palácio de madrugada, que praticamente é menos agitado a noite e tenho liberdade pra fazer o que bem entendo.

Mago(Oliver): Perfeito, já estamos com tudo acertado. Na segunda, me entregue meus itens que pedi e sobre dar um jeito em Pedro, pode ter certeza que ele não vai mexer na senhorita por um bom tempo.

Com tudo pronto partiu para sua mansão com a chave e os documentos com nome falso registrado. Na tarde, vai procurar alguns assistentes e empregados para limpar a mansão e dar continuidade a seus trabalho com décadas paradas, talvez, muitos dos seus ingredientes já estejam extintos no império, tendo que buscar algumas coisas no Império Verde.

Chegado próximo em sua mansão comprada com nomes falsos, está da mesma forma, selada, suja e precisando de muitos reparos. Como a princesa vai frequentar de vez em quando sua casa, ela precisa ser bem recebida para que seus vizinhos comecem a querer ter contato com ele.

Contudo sua madrugada foi perturbada ao ver alguém de manto velho correndo descalça, cobrindo completamente seu corpo, pelo que podia ser visto, parecia ser uma mulher na sua adolescência. A mesma parou no portão de sua casa e logo um vento fez seu corpo levantar pulando o muro, e assim se escondendo no fundo de sua mansão.

Logo depois, um grupo de homens com mantos negros vieram correndo na mesma direção que essa pessoa veio. Também pararam na frente do seu portão.

  • A elfa certamente passou por aqui. Não há muito lugares que ela possa e esconder, certamente alguém viu ela passar mais a frente. Se espalhem e procurem, se perdemos a mercadoria nossos clientes vão nos caçar. VÃO! -

Recebendo a ordem do possível lider, o grupo se espalhou por vários cantos da cidade, enquanto o mesmo ficou parado olhando a mansão. Oliver percebeu que o mesmo de alguma forma sabe que essa elfa está ali mesmo. Seja qual for as intenções dele com o ela, sabia que não é coisa boa.

O homem rapidamente pulou a cerca da mansão, também seguindo seu rastro. Oliver logo seguiu o mesmo. Não demorou muito para que esta pessoa encontrasse a elfa que foi sendo derrubada no chão grosseiramente, tendo seu manto tirado, mostrando seu belo corpo.

  • Macaca do mato, tinha que ter fugido logo antes de podermos entregar você para os nossos clientes, agora minha cabeça vai estar a prémio se eu não levar você com algum outra compensação. Vou ter que te punir como tal. -

A garota de uma beleza que ultrapassa a princesa Catharine começou a lacrimejar e chorar, suplicando piedade ao seu agressor. A mão do verme se divertia com seu desespero e lamentação, lhe provocando sons constrangedores. Oliver que via de cima, com certo desgosto pela covardia desceu no local onde os dois estão.

  • Desculpe atrapalhar, mas vou pedir que saia de cima desta garota, antes que eu decida lhe castrar. -

Ouvindo alguém dando ordem a ele, o mesmo ficou furioso com tamanha ousadia, prontamente deixou de molestar a elfa nua e se virou para quem lhe dava orde.

  • Não lembro ter ofensas com você, prontamente vem me atrapalhando e me dando ordens. Deve estar procurando a morte. -

Com essa sentença sacou uma adaga de sua mão indo com tudo em Oliver, com clara intenção de apunhalar em sua barriga. Mas para seu devido azar, seu alvo já tinha algo pronto para defender de uma agressão, resultando em sua faca quebrando.

  • Você, seu maldito, é um mago !? -
  • Nossa, devia ter percebido pelas minhas vestes. Eu não sei que tipo de coisas você tem com essa garota além de molestá-la, mas sua decisão vai render uma castração. -

Sacando sua GreenEdge, seu ataque foi em direção na virilha do seu agressor, que prontamente gritou em agonia ao sentir a lâmina entrando com tudo.

  • Seu maldito! Você não sabe com o que está se metendo, essa garota é mercadoria para alguém muito importante. Perder ela significa o fim de muitas pessoas. Vale a pena…. mexer com algo que nem você sabe com que ….está …..se metendo ? -
  • Vou saber depois que te castrar e depois te matar, a mocinha trás vai me contar bem o que está acontecendo. Se bem que estou precisando de uma empregada, e ela vai ser um bom atrativo para receber meus hóspedes. Faz décadas que não me deito com uma elfa -

O homem que está sendo quase castrado pode ver a imagem do seu agressor, sendo um garoto negro nos seus 12 anos com um sorriso sombrio e sentindo deleite por sua dor. Só ver seus olhos cruéis, sentiu arrependimento de ter mexido com essa garota, ao menos seria poupado de ser castrado. Mas para o devido azar dele, entendeu que nesse mundo, existem demônios muito mais cruéis do que ele.

Sem demorar muito fez a castração assim como ele mesmo declarou e colocou fim na vida do mesmo. Tirando sua GreenEdge do corpo do morto, limpou o sangue da faca. Com tudo terminado, resolveu dar atenção devido a garota elfa na sua frente, que tremia em pavor pelo olhar que ele mostrava.

  • Jovem dama boa noite, por favor coloque esse manto meu em você, vai lhe cobrir o corpo melhor e dar conforto. Venha para minha mansão e darei toda segurança a meu dispor. -

A elfa sem poder resistir, recebeu o manto do seu salvador, que mais parecia um demônio.

Oliver levou a garota para dentro através da entrada secreta e também trouxe o corpo com ele. Deixou o corpo num canto, indo acomodar a garota na sua poltrona em sua área de trabalho. Sento na sua outra poltrona e foi direto o assunto.

  • Desculpe não poder oferecer melhor conforto, deve ser estranho uma pessoa como eu, sendo uma criança ser tão cruel. Mas tive que agir assim, se não, uma batalha poderia ser alongar e seus capangas chegar. Mas enfim, posso saber porquê eles estão atrás de você ? Falaram que você é uma mercadoria. -

A garota com o manto cobrindo seu corpo vacilava em responder a pergunta do salvador dela. Tomando um pouco de coragem, colocou força para falar com claridade,

  • Meu nome é Luluna, sou uma das princesas do império Verde. Tenho mais três irmãs e por algumas questões ideológicas, fui levada e vendida como escrava. As coisas no Império Verde não estão muito boas. Eu muitas vezes havia sugerido que houvesse paz entre o império Aureola e o império Verde, contudo a geração mais velha e os nobres elfos querem uma resposta a altura diante das agressões que no povo tem sofrido. Minha mãe a imperadora, tem feitos muitos esforços para apaziguar, mas em alguns anos pode haver uma grande guerra. Certamente meu povo vai perder. Choro só de imaginar voltar para casa e ver meu lar em chamas. -

Um situação complicada sobre o que Oliver realmente se meteu, uma pessoa tão importante como ela se tornar escrava, uma mercadoria ambulante pronta para satisfazer o desejo de alguém, tendo tal destino por ter uma ideia em que propunha a paz entre os impérios, Agora essa princesa Luluna, está em sua casa sem qualquer ajuda ou apoio, somente Oliver pode fornecer algum apoio. Como Oliver tem o objetivo de se vingar do império, deve ser vantajoso para ele fazer essa princesa tomar o poder.

  • A situação realmente é complicado para você. No momento não tenho como levar você de volta ao seu império, e mesmo que eu leve você lá, tenho certeza que será morta quando souberem que voltou ao império. Mas….tenho uma proposta. -

Luluna ficou em silêncio pensativa. Ela sabia que as palavras desse garoto é verdade, uma vez que ela estando de volta no império, aqueles que querem sua vida não pouparam meios para que ela seja eliminada. Mordendo seus lábios em frustração, ela olhou para ver o olhar do seu salvador, vendo uma expressão calma e serena, como não se importaria, caso ela negasse. Mesmo que ela tivesse que se tornar escrava dele, é melhor do que estar com seus antigos captores.

  • Estou ouvindo meu senhor. -

Oliver ficou feliz com o que ouviu, agora possuirá uma bela empregada a sua disposição. Mesmo que ele tenha décadas em vida, seu corpo é de uma criança que está na puberdade, certos desejos estão transbordando cada vez mais. Se não fosse uma pessoa com uma mente muito bem experimentada, teria cedido ao desejo da carne.

  • Certo, a proposta é o seguinte, quero que seja minha empregada. Como pode ver a sujeira do local, ele precisa de uma boa arrumação se puder durante o fim da madrugada e o início desta manhã, fazer uma boa limpeza na casa. Tenho duas identidade, uma de um garoto que foi adotado e vai ter que sair agora, chegar no orfanato e voltarei aqui através de uma carruagem. E outra sou um mago que é mestre da princesa Catharine. -
  • Princesa ….Catharine, já ouvi falar dela, mas como uma criança como você conseguiu tal proeza ? -
  • Não interessa no momento, só me escute com atenção. Eu vou vir de manhã para esta mansão sendo um criança recém adotada, venha me receber como seu jovem mestre. Quando eu estiver usando este manto o qual você usa, serei o mestre da princesa e o mestre da pessoa o qual você deve tratar como jovem mestre. Hora serei o jovem mestre, hora serei mestre. A princesa vai vir de vez em quando, logo use toda a suas técnicas de nobre e a trate como tal, entendeu ? -

- Sim mestre, eu ouço e escuto. Farei uma limpeza na casa o máximo que puder e receberei o senhor como tal. Posso tirar as tábuas da entrada e das janelas ? -

- Sim pode, como você vai me receber, pelo menos quero que seja apresentável aos vizinhos quando despertarem de manhã. Só espere um pouco e veja se seus perseguidores não estão mais na área. Vou deixar algumas moedas de ouro para alguma necessidade urgente. De tarde vou comprar empregadas para trabalhar sob suas ordens. Como uma princesa, já esteja acostumada em mandar, correto ? -

- Sim meu mestre, tive educação na área militar, vou usá-las de maneira que hoje até de madrugada a casa esteja limpa e pronto para seu uso total. -

- Ótimo posso contar com você. Vou voltar agora, veja seus seguidores ir embora e então comece a limpeza. Adeus! -

Saindo num pulo, já se encontrava na igreja. Sem demorar muito foi para sua cama dormir um pouco, dessa vez não cometendo o erro de molestar Megue que dormia tranquilamente. Essa manhã vai ser bem agitada.

Capítulo 5: Oliver se despede de Megue

Acordando assim que os raios de sol atrapalham seu sono, levantou rapidamente pegando suas coisas que são poucas levando elas numa mala simples. Megue ficou confusa já que ele não foi adotado, e mesmo que fosse ele não poderia ir para outro lugar com seus pais só sendo permitido nos finais de semana. Mas como ele não foi adotado, nada impede dele ir ficar andando pela cidade. Ela decidiu ficar de olho em suas ações quem sabe que tipo de coisas ele está tramando.

Oliver foi com sua mala para o refeitório tendo um bom desjejum pois seu dia será bem agitado. Comeu tudo que tinha a disposição indo direto para saída, quando sua saída foi interrompida por Megue.

  • Oliver, aonde você vai com essa mala ? o que está tramando ? -
  • Vou embora Megue. Meu mestre acertou minha adoção e conseguiu autorização para me levar com ele em um treinamento. -

Ela ficou em choque com a notícia, nunca imaginou a ida repentina dele. Achou que poderiam ficar juntos até poderem entrar na academia, fora que ele garantiu que iria com ela conhecer sua nova casa.

  • Embora ? tão rápido ? e a nossa promessa Oliver ? -
  • Infelizmente meu mestre tem urgência em começar a me treinar logo. Não poderei cumprir minha promessa. No dia que entrarmos na academia vou compensar um jeito. -

Megue começou a tremer só de imaginar estar distante dele até esse dia; Ela conhece Oliver desde muito pequena e sempre brincavam e estudavam juntos apesar dele ser um garoto reservado estando focado nos livros, ele lhe explicava as matérias que não entendia. Esses momentos são verdadeiros tesouros para ela e saber que esse garoto que fez parte de sua infância vai deixá-la, trouxe um vazio enorme até mesmo lágrimas começaram a sair dos seus olhos.

  • Por...que….estou chorando ….? …...não tem …. porque….eu … chorar….por você -
  • Não fique assim Megue quando menos esperar já vai me ver em pouco tempo. -
  • E quem disse que estou chorando…...por … você, idiota. Não tem como cumprir a promessa ?
  • Não Megue, meu mestre convocou e usou seios meios para conseguir me fazer ir com ele definitivamente. Mas vou deixar um presente de despedida. -

Limpando suas lagrimas ela ficou curiosa sobre esse tal presente, não pode imaginar o que ele poderia lhe dar. Viu algo aparecer do nada na mão do Oliver sendo uma garrafa de vidro com algum tipo de líquido dentro.

  • Eu pretendia usar isso como para ajudar a acender, mas como meu mestre tem muitos recursos vou deixar esse aqui para você. Use quando puder e cultive esse final de semana. Deve ascender 2 níveis nesse tempo. -

Ela ficou em choque com o que acabou de ouvir, nunca imaginou como Oliver conseguiu obter tal item. Mesmo que ele tenha lido muitos livros e compreendido seu conteúdo ainda sim, conseguir o material e produzir são coisas diferentes e complicados. Ela passou a duvidar que a relação dele com seu mestre tem muito mais tempo, não seria possível alguém como Oliver produzir isso por conta. Mas sem questionar recebeu com prazer o presente dele, nunca havia recebido um, mas esse vai ser o mais precioso presente dela que faz ela pensar duas vezes em usar.

  • Oliver, essa coisa é muita valiosa para me dar, mesmo que de alguma forma tenha pago um preço caro pra conseguir isso, é demais para mim. -
  • Não recuse, se você for muito dependente de sua família eles vão cobrar depois. Família de magos quando adotam crianças órfãs, não adotam por caridade eles sempre vão querer algo em troca. Por isso vou te dar isso, quando menos dependente deles melhor, entendeu ? -

Sem tem como lutar pela lógica dele, recebeu com receio o item valioso.

Oliver se despediu dela saindo do orfanato/igreja indo em direção a saída, assim que saiu da frente do local uma carruagem parou na sua frente.

  • Lembra de mim senhor Oliver ? -
  • Como poderia senhorita Talya, jamais poderia esquecer tamanha beleza. -
  • Louco, para sua sorte você aprendiz do mestre da princesa. Se não fosse por ele nem mesmo viria até aqui por você. -
  • Mas o que a senhorita quer dizer que a princesa é aprendiz do meu mestre ? -
  • Ele não disse nada a você ? -
  • Não, tem momentos que não vejo a dias. Estou surpreso que meu mestre tenha feito da princesa sua aprendiz. -
  • A princesa tem seios meios, se não fosse por sua presença ela poderia monopolizar ele a vontade. Quem diria, a princesa ter que dividir um mestre tão maravilhoso com um plebeu como você, só de te ver me dar nojo. -

Oliver manteve seu olhar inocente diante das ofensas que recebe de Talya. Apesar de não haver qualquer inimizade entre eles, tem que ser lembrado que um é um plebeu e a outra parte uma grande nobre. Ele sabe muito bem a hierarquia entre eles, mas enquanto ele estiver como mestre da princesa o tratamento dado por Talya vai será educado.

  • Agora entre, tenho que deixar você na mansão do seu mestre no Centro Comercial. -

Oliver subiu sem mostrar qualquer incômodo de estar perto de Talya mesmo após algumas ser tratado de forma descortês. Mas para o azar dela, os itens que serão dados a ele pela princesa vão se importantes demais para fazer sua ascensão. Enquanto ele nota que ela está no nível Aprendiz 5, já semana que vem vai poder estar bem mais a frente pois os itens necessitados tem um grande potencial para magos de nível baixo. Resultando numa rápida ascensão

Partindo sem demora, a carruagem andou pelas ruas do império sem qualquer obstáculo já que a carruagem do decorado com os emblemas da família real são importantes demais para serem impedidos de circular. Cada pessoa que via a carruagem se afastava o máximo que podia, quem sabe esteja a princesa dentro dela.

Por fim finalmente, chegaram na frente da mansão de Oliver. Para a surpresa dele todas as tábuas das janelas e entrada já estão mais presentes, o que deixou ele curioso para saber como a elfa foi capaz de fazer isso.

Assim que pararam, uma elfa vestindo um manto com um capuz cobrindo sua cabeça veio receber os ocupantes.

  • Então senhorita Talya, eu me despido por aqui foi bom poder te conhecer melhor. -

Ela ficou confusa com a forma sarcástica dele, mas não se deixou abalar pelas provocações de um mero plebeu. Sua curiosidade agora é saber sobre esta pessoa que foi receber eles. Na verdade, qualquer pessoa que saísse da carruagem. Talya não lembra do mestre da princesa de ter alguma empregada ou ter notado que alguém estava na mansão quando ela comprou. Enquanto Oliver saiu e foi na direção da pessoa, ela notou que esta é uma garota estando na adolescência se ela for alguma serva do mestre da princesa, ela não vai gostar de saber que seu amado está morando com uma garota.

  • Eu preciso avisar a princesa sobre isso -

Deu ordens para o cocheiro partir rapidamente deixando a dupla a so.

  • Jovem mestre boom dia, deixei a mansão pronta para seu uso. -
  • Como você conseguiu deixar tudo em ordem ? -
  • Eu usei uma magia de criar clones de terra Ela se chama Minion Maker, me consome 900 calorias e posso criar 6 a 20 deles todos iguais a minha imagem. Usei eles para fazer a retirada das tábuas e limpeza interna da mansão, -.
  • Muito bom, gostei da sua eficiência. Os seus sequestradores, eles vieram a aparecer após eu ir ? -
  • Aparecerem um pouco depois e logo partiram. Como não encontraram seu líder, possivelmente acharam que seus clientes foram caçar eles como retaliação. -
  • Ótimo sejam quem for eles, agora que vão ter que prestar contas com seus clientes não vão ter tempo para ir atrás de você. Agora, venha comigo, deixe seus minions trabalhando e vamos comprar comida e uma roupa de empregada que tenha no seu conjunto algo para esconder suas orelhas. -
  • Obrigado mestre, seus cuidados são graciosos. -
  • Não há de que. Depois da janta me fala exatamente quem são seus captores aqui no império e se eles tem outras vítimas. -
  • Sim mestre, ouço e obedeço. -

Saindo com tranquilidade,Oliver usou Luluna para dizer a ele quais são os frutos com melhor qualidade fazendo uma seleção minuciosa dos melhores frutos,legumes e verduras. Como carne não é o forte dela, isso ele teve que fazer indo nos melhores açougues do lugar surpreendendo os empregados que viram uma criança saber as melhores carnes e cortes a ser feito. Satisfeito com o bom resultado de suas compras, ele deixou tudo guardado no seu SpaceRing. Agora partiram para um atelier que vende roupas de empregadas da melhor qualidade.

Selecionando a primeira que veio na frente dos seus olhos levou Luluna para dentro. A mesma lutou um pouco não querendo ficar num lugar tão fechado e podendo ser exposta, mas Oliver prontamente a jogou dentro da loja. Uma moça com ar de nobre vieram receber eles.

  • Queridos clientes, temos os melhores produtos a venda, diga seus desejos e vamos atender com maior rapidez . -

Porém quando ele se tocou, viu que seu cliente na verdade é uma criança de doze anos de pele negra e uma moça muito linda atrás dele. A garota parece estar vestida com uma roupa velha e usando um manto bem elegante. Como se ela tivesse sido comprada no mercado de escravos do império. Mas o que ela não entendia é as vestes comuns do garoto, não parecia que ele é um nobre.

  • Por favor, quero uma roupa de empregada que seja a melhor dessa loja e que no seu conjunto tenha a possibilidade de cobrir a cabeça dela. -
  • Sim jovem mestre, venha e olhe o que te agrada. -

Sendo levados a uma área com vários modelos de roupas, eles possuem os mais comuns mas belos e ia para os mais ousados, sendo uns bem eróticos. Oliver se lembrou nos tempos em que ele em seu laboratório e seus discípulos fazia suas alunas vestirem roupas de empregadas quando falhavam, e quanto mais erravam mais os vestidos de empregadas iam tendo pouco pano.

  • Luluna escolha o que mais te agrada. -

Ela ficou parada levando um tempo para compreender as palavras de seu mestre. A funcionária ficou pasma pois viu que um jovem mestre, deu liberdade para uma escrava escolher suas vestes.

  • Mestre eu não posso fazer isso. É o senhor que deve escolher. -
  • Se eu escolher, vou escolher as roupas que deixem suas pernas mais amostra e só uma para receber visitas. Tem certeza que quer que eu escolher sua roupa ?
  • Mestre eu sou sua como bem usar, o que fez por mim é muito melhor do que sofrer um destino pior. -

Oliver coçou a cabeça não tendo como lutar contra a cabeça dura dessa garota. Ela praticamente se entregou a sua vontade, o que já era de esperar já que se destino seria muito pior do que estar nas mãos dos seus captores

25 Juillet 2019 03:23:33 0 Rapport Incorporer 1
À suivre… Nouveau chapitre Tous les 30 jours.

A propos de l’auteur

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~

Histoires en lien

Plus d'histoires