Um Aniversário Fantástico Suivre l'histoire

valdieblack Valdie Black

O Doutor leva Rose até um parque de diversões para comemorarem o seu aniversário. Lá eles admitem como realmente se sentem um pelo outro.


Fanfiction Série/ Doramas/Opéras de savon Déconseillé aux moins de 13 ans. © Doctor Who não me pertence. Fanfiction escrita sem fins lucrativos.

#fanfiction #fluffy #ninerose #ninth-doctor #rose-tyler #doctor-who
Histoire courte
2
4203 VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Um Aniversário Fantástico

Rose Tyler foi a primeira a sair da TARDIS quando ela pousou. Estava ansiosa para saber onde o Doutor a tinha levado desta vez. Ele havia dito que seria “um lugar especial” para o seu aniversário mas não especificou onde… nem quando. Rose olhou em volta, era noite e o lugar estava cheio de gente rindo e fazendo barulho. Viu objetos que conhecia, como um carrossel e uma roda gigante.


- É um parque de diversões. - ela concluiu. - Estamos na Terra.


O Doutor encostou-se na TARDIS e cruzou os braços.


- Que preconceituosa! Você acha que só a Terra têm parques de diversão?


- Bem, então que planeta é?


- Estamos no… hum… certo, estamos na Terra mesmo. Satisfeita?


- Do jeito que você falou pensei íamos visitar um lugar totalmente diferente. - ela disse, pouco impressionada. Colocou as mãos dentro dos bolsos da jaqueta pois estava fazendo frio.


- Mas é diferente!


- É só a Terra! Eu já moro nela.


- Ah, mas não aqui.


Ele aproximou-se dela com um sorriso estampado no rosto. 


- Será que você consegue adivinhar qual cidade é essa?


Rose aceitou o desafio. Não conseguiu notar nenhuma diferença das coisas que ela já tinha visto em Londres.


- As pessoas… elas tem um sotaque diferente… - observou. - Elas são americanas, não são?


- Me diga você.


Ela mordeu os lábios, refletindo. Andou até uma lata de lixo e retirou de dentro dela um jornal.


- Ah, estamos em New Jersey! - disse, lendo o que estava escrito.


- Muito bem!


- Ah, meu Deus… estamos em 1986!


- Isso mesmo.


- Mas esse é o ano em que eu nasci.


Rose não conseguiu tirar os olhos da data no jornal. Não apenas era o ano em que ela nasceu, mas o dia exato.


- Doutor…


- Feliz aniversário.


Ela ergueu o olhar. O Doutor sorria carinhoso, até um pouco tímido.


- Por quê New Jersey? Por quê não Londres?


- Você quer mesmo ver a Jackie em trabalho de parto?


Rose teve um calafrio imaginando a cena. Na verdade, ela não havia pensado em sua mãe mas sim em seu pai. Entendia porque o Doutor não queria levá-la até ele novamente. Rose colocou o jornal de volta no lixo. Era estranho imaginar que ela estava em New Jersey, completando 20 anos, e ao mesmo tempo também estava nascendo em Londres. Viajar com o Doutor deixava tudo mais confuso.


- Você gostou? - ele perguntou, preocupado.


- Sim. Eu adorei.


O sorriso do Doutor se alargou.


- Sei o que está pensando, mas tecnicamente você não existe. Quer dizer, a Rose recém-nascida existe mas você é só uma anomalia temporal enquanto estiver por aqui.


- Doutor, uma dica: Nunca chame uma garota de “anomalia temporal”, especialmente no dia do aniversário dela.


Ele segurou a mão dela e juntos foram explorar o parque. Encontraram uma barraca com um jogo de tiro ao alvo que o Doutor foi praticamente forçado a participar pois Rose queria muito o prêmio (um urso de pelúcia marrom), ele perdeu na primeira tentativa mas conseguiu na segunda vez quando usou sua chave de fenda sônica para fazer o dardo acertar o alvo. 


Rose criticou a trapaça dele, mas aceitou o urso mesmo assim. 


- Sempre quis vir aos Estados Unidos. - ela comentou.


- Por quê? Não me diga que você gosta da Disneylândia…


- Não. Queria ver Los Angeles, sabe? Hollywood. A Calçada da Fama.


- Ah, um bando de gente de plástico… aqui é que existem pessoas de verdade.


Rose olhou de lado para um garoto vomitando no chão depois de ter comido muito doce.


- Pessoas de verdade são nojentas. Queria conhecer o Harrison Ford.


- Já o conheci. - o Doutor falou com a boca cheia, tinha arrumado um pacote de pipocas enquanto Rose não estava olhando. - Ele é um invejoso, roubou o meu “look”.


- Seu “look”?


- Sim, minha jaqueta. Ele nem pediu permissão.


- Do que está falando?


- Indiana Jones! Ele usa uma jaqueta igual a minha.


Ela começou a rir quando percebeu o que o Doutor queria dizer.


- São totalmente diferentes!


- São exatamente iguais, e ele sabe disso.


- Bem, ele é mais bonito do que você.


- Com aquela cara de batata? Não seja ridícula, Rose.


A aniversariante tentou apanhar uma pipoca mas o Doutor afastou o pacote dela.


- Ei, estou com fome!


- Arrume sua própria comida.


- É o meu aniversário…


O Doutor suspirou, cansado, e segurou a mão dela novamente. Andaram até uma barraca de comida onde Rose ganhou um cachorro quente.


- Satisfeita?


- Não muito. Está frio. - reclamou.


- Você parece bastante com a sua mãe, sabia?


Rose olhou feio para ele e o Doutor resolveu mudar de assunto.


- Olha! Uma roda-gigante. Sempre quis ir numa.


- Você nunca foi numa roda-gigante em toda sua vida?


- Ah, acho que minha avó me levou em uma quando eu era muito jovem. Tinha só noventa aninhos então não me lembro direito. Vamos!


O Doutor jogou fora o saco de pipocas e saiu correndo como uma criança e Rose não viu outra opção senão acompanhá-lo. Sentaram-se juntos e Rose segurava o urso de pelúcia em seu colo.


- Aqui não tem nenhum cinto. - ela notou.


- Por quê? Suas calças estão caindo?


- Não, seu palhaço, um cinto de segurança!


- Segurança?! Você fugiu com um alienígena dentro de uma caixa azul e agora está preocupada com segurança?


Rose não insistiu no assunto. Ele tinha razão, afinal. A roda girava devagar e o Doutor sorria animado, como se nunca tivesse experimentado algo igual. Rose ria com a excitação dele pois aquilo era muito mundano para ela. Será que era assim que ele se sentia quando ela se impressionava com as coisas do espaço?


A roda parou quando eles chegaram no alto.


- O que houve? - Rose perguntou, olhando para baixo.


- Hum… provavelmente um defeito.


- Doutor!


- Ah, não se preocupe. Eles vão consertar. Vamos admirar a vista por enquanto, quase nunca tenho momentos calmos assim.


Era uma noite bonita, o céu estava cheio de estrelas. Conseguiam enxergar o parque inteiro ali em cima.


- Doutor, já que estamos aqui, eu gostaria de agradecê-lo pelas coisas que tem feito por mim. Sabe, eu nunca pensei que fosse ver nada incrível em minha vida e é verdade que enfrentamos perigos às vezes mas tudo era muito chato antes de conhecê-lo.


- Ah, Rose, eu poderia dizer a mesma coisa. Você não faz ideia de como minha vida era chata antes de conhecê-la.


O Doutor sorria mas havia algo de sombrio em seu rosto, ela sabia que ele se referia à Guerra do Tempo. Uma vida mundana era tudo que o Doutor queria, mas não podia ter. Rose sentiu um calafrio.


- Ainda está com frio? Chegue mais perto.


Rose se aproximou dele e o Doutor a envolveu nos braços.


- Melhor assim?


- Muito melhor.


Ela não sabia se devia fazer aquilo, mas era o seu aniversário. O Doutor parecia pensar a mesma coisa pois inclinou sua cabeça e os dois trocaram um beijo. Rose sentiu-se mais aquecida depois disso. A roda-gigante voltou a funcionar.


- Acho que descobriram qual foi o problema. - disse o Doutor, olhando para baixo.


- É… acho que sim… - Rose falou, um pouco decepcionada.


- Ei, não fique assim. Eu não vou a lugar algum.


- É… eu também não.


Abraçaram-se com mais força até retornarem ao chão e precisarem descer.


- Desculpe por isso, senhor. - disse um dos funcionários. - Não costumamos ter defeitos assim aqui no parque.


- Sem problemas.


Rose viu que partes da roda-gigante tinham sido quase que completamente quebradas.


- Foi você quem fez isso! - ela concluiu.


- Hã?


- Com a chave de fenda. Sei que foi você.


- Não sei do que está falando.


Ela sorriu e lhe deu um abraço.


- Esse foi o melhor aniversário de todos.


O Doutor retribuiu o abraço.


- Melhor que Hollywood?


Rose ia lhe responder mas ouviram gritos assustados vindos de algum lugar. O Doutor virou-se, procurando a fonte daquilo.


- É ali! - Rose apontou para uma casa de sustos de onde as pessoas saiam correndo em desespero. - Deve ter algo aterrorizante lá dentro.


- Com certeza.


Os dois se entreolharam, sabendo muito bem que aquilo era mais do que algumas brincadeiras do parque.


- Quer dar uma olhada? - o Doutor perguntou, estendendo-lhe a mão.


Rose deixou o urso de lado e segurou a mão dele.


- Sim.


- Fantástico!


Ambos correram em direção a mais uma aventura que jamais esqueceriam.


12 Décembre 2018 04:01:06 2 Rapport Incorporer 2
La fin

A propos de l’auteur

Commentez quelque chose

Publier!
Andre Tornado Andre Tornado
Oi Valdie! Este aniversário foi bastante especial, não foi? Beijo!
22 Janvier 2019 12:25:07

~