A Criação da Luz Suivre l'histoire

zephirat Andre Tornado

A paz estende-se por toda a galáxia. Após a derrota do Império Galáctico começa a desenhar-se uma era de prosperidade com a Nova República. A senadora Leia Organa, apoiada por Han Solo, participa ativamente na reorganização política dos sistemas planetários, enquanto Luke Skywalker viaja pelas estrelas em busca de respostas sobre o seu passado e a sua herança. No entanto, os tempos pacíficos não serão duradouros. Durante uma estadia no seu planeta natal Tatooine, Luke Skywalker encontra uma misteriosa mulher que não possui qualquer memória. Mais uma vez o jovem Jedi terá de contar com as suas extraordinárias capacidades e com o apoio dos seus amigos para libertar a galáxia de uma terrível ameaça…


Fanfiction Films Interdit aux moins de 18 ans. © Esta história é de minha autoria, escrita de fã para fã. Star Wars não me pertence.

#Filme #Star Wars #Luke Skywalker #Guerra das Estrelas #Épico #Ficção Científica #Estrelas #Força #Jedi #Aventura #Guerra #Novo episódio Star Wars #Fantástico #Criação da Luz #Inédito
2
6857 VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

I - A Súbita Consciência do Ser


"Como duas sombras que trespassam furtivas o telão do mundo e as suas horas,

a leve cortina de tule que separa o ontem do hoje (...)"

in As Lágrimas de Karseb, Llerda, J. M., Ésquilo, 2006



O início de tudo.


Era eu… Era eu que ali estava.


Uma experiência estranha, pois não me recordava do que tinha havido antes de estar ali… Podia-se designar por amnésia ou pura e simplesmente de inconsciência, mas o facto era que não conseguia perceber onde tinha começado antes daquele momento em que uma estranha perceção de estar viva, de existir, de ser alguém ou alguma criatura, se apoderou de mim.


Tratava-se de uma questão pertinente, e de certo modo urgente, saber a razão da minha total falta de memória, do que tinha sucedido antes de me aperceber que era eu que ali estava, mas como todos os seres que procuram a autopreservação em face de um perigo que eventualmente lhes roubaria a vida, estava mais preocupada em superar aquele estado de inação, aquela postura completamente indefesa, aquela confusão de espírito e sobretudo aliviar a parte física que sofria.


Sim, o meu corpo estalava de dor. Uma dor imensa que me cobria por completo, que me tornava a respiração difícil, que me impedia de abrir os olhos ou de mover os braços e as pernas.


Uma onda de calor e de frio assolou-me, fogo e gelo passando sobre mim qual cobertor estranho que zombava da minha ignorância, do que eu era, do que estava a experimentar. Não percebia nada. Estranhava, no entanto, não entrar em pânico. Aceitava a minha condição.


Estava doente e o corpo doía-me.


Queria ser capaz de mover as pálpebras e de contemplar o que me rodeava, classificar o sítio, se me ajudaria a recordar de algo, nem que fosse a razão de eu estar doente e com o corpo a doer-me. Mas não conseguia abrir os olhos, que mantinha fechados contra a minha vontade.


Descobria, aos poucos, que tinha um corpo, com braços e pernas. Um rosto com olhos que estavam fechados, uma boca que desejava falar, de lábios ressequidos pela febre e que soltaram um gemido num tom baixo. Uma cabeça onde estava um cérebro que conhecia uma linguagem, que conseguia articular pensamentos e entender estímulos, como a dor, o calor e o frio. Uma pessoa com uma alma.


Perdi-me num segundo que foi mais longo do que todos os segundos em que eu não estava ali. Uma nesga de tempo que me arrebatou essa alma recém-descoberta, ou recém-adquirida, o que tornava o mistério ainda mais assustador, para recônditos desconhecidos do Universo…

10 Mars 2018 11:06:45 0 Rapport Incorporer 3
Lire le chapitre suivant II - Segundo Momento

Commentez quelque chose

Publier!
Il n'y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 49 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuitement!