TKO Suivre l’histoire

cammis Cammis Silva

Quando erros do passado afetam o seu futuro, nem mesmo o arrependimento pode lhe salvar.


Fanfiction Anime/Manga Interdit aux moins de 18 ans.

#drogas #songfic #álcool #snschurch #violência #sasunaru #naruto #lemon #assassinato #yaoi #suspense
Histoire courte
8
7.8k VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Dez anos


Notas:


- Fanfic inspirada no vídeo clipe da música TKO, Justin Timberlake;

- Os personagens não me pertencem, e sim ao Kishimoto, mas a fanfic é de minha autoria;

- A história não foi betada, então desculpe se houver erros.



~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~--~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-








Grand Canyon, Arizona, 25 de maio de 2017.

5:24 AM.


Sentia seu corpor ser movimentado ao despertar. Parecia que estava sendo arrastado e de fato estava. Fechou os olhos temporariamente com o latejo em sua cabeça, uma dor absurda castigava a lateral de sua testa. Levou uma das mãos a região e percebeu algo molhar seus dedos.

Sangue.

Sasuke olhou ao redor vendo a paisagem desértica passar rapidamente diante de suas íris negras. Suas pernas estavam amarradas por uma corda de espessura grossa em uma caminhonete que acelerava e arrastava seu corpo por aquele grande deserto.

O que havia acontecido?


[...]


Phoenix, Arizona, 24 de maio de 2017.

Escritório Uchiha Company

18:37 PM.


Sasuke controlava a vontade absurda de desligar o telefone na cara daquele homem. Hyuuga Hiashi tinha o dom ilustre de lhe irritar. Agradecia mentalmente por estarem se falando a distância, assim não tinha necessidade de controlar sua expressão áspera quando ouvia Hiashi falar.

- Você realmente está capacitado para representar minha empresa na audiência rapaz?

Seu tom desdenhoso e cínico tirava Sasuke do sério. Aquele velho deveria lhe agradecer por ter aceito o caso; Um ex-funcionário processava as indústrias Hyuuga Beauty, por uso de substâncias ilícitas em seus produtos.

- Senhor Hyuuga posso assegurar que ficará satisfeito com os meus serviços, afinal eu faço parte da Uchiha Co e nós somos os melhores no ramo de advocacia.

Detestava ser cordial com ele, ou com qualquer outra pessoa fora de seu círculo familiar. Porém, precisava conseguir aquele acordo para seu pai, Fugaku ficaria satisfeito ao ver como sabia ser competente. Depois de inúmeros deslizes em seu passado conturbado, devia isso ao patriarca.

- Quero uma reunião para avaliar melhor sua competência, passo no seu escritório na terça ás 8hs. – desligou antes que Sasuke pudesse responder.

- Filho da puta.

Suspirou passando a mão nos fios negros de seu cabelo. Talvez devesse cortar a franja que tapava parte de seu rosto. Itachi dizia que estava velho demais para parecer um emo. Velho... ainda não nem aos quarenta, não era tanto assim. Deu de ombros. Conhecia o irmão o sufiente para saber que ele arrumava qualquer motivo para implicar consigo.

Olhou para o rolex de ouro em seu pulso. Quase 19h, era sexta à noite e já havia passado o horário de seu expediente.

Precisava sair para relaxar. Vestiu seu terno que estava pendurado em um cabide no canto de sua sala e pegou as chaves de sua Range Rover com a intenção de se divertir em seu lugar de costume.


[...]


Phoenix, Arizona, 24 de maio de 2017.

Valley Bar.

21:46 PM.


Já estava na quinta dose de uísque e acenou para o garçom pedindo a sexta.

Deveria ir para casa, mas o cansaço causado pelo estresse e o peso que a bebiba trazia ao seu corpo, reduzia á zero sua vontade de dirigir, talvez ligasse para um táxi. Tinha sorte de não precisar ir para o escritório no dia seguinte.

Essa era sua rotina, trabalhar além da conta durante toda a semana e extravasar na bebida no fim dela. Não chegava a ser um alcoólatra. Sasuke sabia se controlar. Porém, não negava que abusar do álcool era a forma que havia arranjado para ficar longe de seu antigo vício.

Cocaína.

Seus pensamentos foram interrompidos quando um moreno sentou ao seu lado na mesa que o Uchiha estava sozinho no fundo do rústico bar.

O rapaz colocou um copo de uísque em sua frente e sorriu faceiro.

- O garçom me disse que pediu outra dose, então pensei em trazê-la para você. – mordeu o lábio lhe encarando com certa malícia. Sasuke sorriu de canto. Sempre atraía as pessoas por sua aparência vistosa, já estava acostumado e tirava proveito disso.

- E por quê? – ergueu a sobrancelha escura.

- Para ter um pretexto para falar com você. – ele piscou e o Uchiha admirou os olhos verdes. A pele era bronzeada e o cabelo espetado para todos os lados. Bochechas salientes e uma boca sensual. Ele vestia uma calça preta com botas – da mesma cor – que chegavam à metade da batata da perna e trajava uma camisa gola V cinza.

Espontaneamente gostoso.

- Estou emagrecendo de tanto que está me secando. – debochou fazendo Sasuke resmungar acanhado – Prazer, Hatake Natsu. – estendeu à mão para o outro que apertou com firmeza.

- Uchiha Sasuke. – dava para sentir a arrogância em seu tom de voz. Sasuke não negava o orgulho que sentia de seu sobrenome.

- Da Uchiha Co? – Natsu questionou curioso.

- Como sabe? – cerrou os olhos pegando o copo de uísque para ingerir a bebida.

- Sua família é muito famosa no país todo, impossível não saber. – bebeu um gole de seu Martini de cor azul chamativa, até demais se Sasuke pudesse opinar. – Então... você vem sempre aqui? – jogou a cantada completamente clichê no ar, fazendo o outro rir com escárnio.

- Sério isso? Se quiser transar é só dizer, não precisa se humilhar assim.

- Quem disse que quero transar com você? – foi à vez de Natsu erguer a sobrancelha.

- E não quer?

- Quero.


[...]


Phoenix, Arizona, 25 de maio de 2017.

Apartamento de Sasuke.

01:23 AM.


As pernas de Natsu estavam ao redor da cintura do Uchiha que penetrava o canal dele com veemência. Os utensílios de cozinha balançavam com a frequência dos movimentos bruscos encima da bancada onde a ação carnal ocorria. Sasuke chupava seu pescoço deixando marcas na pele amorenada, em contra partida, Natsu puxava seus cabelos com força cada vez que seu pau acertava a próstata dele. O cheiro de sexo e suor estava em todo o cômodo, assim como na sala, onde haviam transado anteriormente.

Era a terceira trepada que davam naquela noite. Sasuke estava cansado, sentia que estava no limite, mas não conseguia se afastar daquele corpo pecaminoso. Os olhos verdes entorpecidos pelo prazer hipnotizavam sua mente e arrepiavam sua pele pálida. Acelerava os movimentos só para ouvir os gemidos roucos do parceiro que apertava as pernas ao seu redor.

- Isso, me fode Uchiha, com força porra! – ordenava com um misto de raiva e excitação. Sasuke apertou as coxas firmes e escondeu o rosto no pescoço suado do rapaz enquanto seu orgasmo escorria para o preservativo que estava usando. Sentiu seu abdômen molhar e sabia que o outro agarrado a si também havia gozado.

O corpo ainda estava trêmulo pelo prazer intenso quando se afastou de Natsu. O advogado apoiou uma das mãos na parede e respirou fundo.

- Isso foi..

- Demais? É eu sei. – Natsu o interrompeu com um sorriso convencido ainda sentado na bancada. Os cabelos morenos bagunçados, o corpo suado e os olhos verdes arrogantes, faziam Sasuke ter vontade de tomá-lo mais uma vez. Porém, conhecia as limitações de seu organismo, não aguentaria mais uma transa.

- Você parece bem acabado, Uchiha.

- Cala boca. – Mostrou o dedo do meio para o idiota e foi até o banheiro no corredor descartando a camisinha no lixo. Tomou uma chuveirada por uns dez minutos esperando que Natsu o acompanha-se, mas ele não apareceu.

Talvez tivesse ido embora, pensou um tanto decepcionado. Deveria ter pego o telefone dele, adoraria repetir noites como essa.

Saiu do banho e vestiu somente uma calça de moletom azul. Retornou á sala enxugando os fios negros com uma pequena toalha e de fato não havia nenhum rastro do rapaz de olhos esverdeados.

Somente as roupas de Sasuke espalhadas pelo chão, resultado da afobação sexual de quando chegaram ao apartamento. Deu de ombros e jogou a toalha no sofá indo para a cozinha. Abriu sua geladeira e pegou uma garrafinha de água.

Precisava dormir, seu corpo implorava por descanso.

Deixou a garrafa na pia e começou a recolher suas roupas do chão. Sentiu uma pancada forte na lateral de sua cabeça e caiu com tudo. Sua visão ficou meio turva, conseguia visualizar dois morenos parados na entrada da cozinha, até que a tontura diminuiu minimamente e Sasuke constatou que havia apenas um homem. Era Natsu com um taco de beisebol na mão. Ele estava só com a camisa gola V e sua boxer preta.

E tinha um sorriso maldoso com resquícios impiedade.

- Po-or que fez isso? – sua pergunta saiu como um sussurro, sua voz estava falha.

- Porque você não deveria trazer estranhos para sua casa, Sasuke. – Natsu sentou no grande com o taco ainda em mãos. – Isso é muito perigoso sabia? Ainda mais para uma pessoa com um passado como o seu. – olhou frígido para o advogado ferido no chão.

Sasuke estava com seu corpo estirado na sala e não conseguia movimentá-lo.

- Não se esforce, não vai conseguir se mexer, coloquei um brinde na sua água enquanto você tomava banho Sasuke-kun. – o deboche no promone de tratamento era nítido.

- O-oo que v-você quer? Dinheiro?

- Eu quero você Sasuke. Só você. E sabe por quê? –  a resposta foi negativa. – Vou lhe contar uma história Sasukezinho. – se acomodou melhor no sofá olhando para Sasuke com uma falsa paciência.

- Era uma vez, há treze anos um jovem chamado Uchiha Sasuke que havia acabado de entrar para a firma Uchiha Company, ele era muito inteligente e brilhante. Formou-se com louvor em Harvard e todos estavam orgulhosos do prodígio que era o jovem Uchiha. Muito eficiente e dedicado obtinha as maiores notas e melhores resultados. Sempre se esforçando para alcançar o irmão mais velho, Itachi. – Natsu pausou sua narração colocando a mão sobre o peito como se estivesse emocionado com a história do outro. – Mas, tudo nem sempre são flores não é Sasuke-kun? – zombou com a voz pingando sarcásmo. – O que muitos não sabiam era que Sasuke não era esse menino de ouro o tempo todo. Ele tinha um pequeno probleminha chamado, Cocaína.

Os olhos do advogado dobraram de tamanho e seu coração acelerou de forma dolorosa. Como aquele cara sabia sobre seu passado daquele jeito?

- Na adolescência ele usava só para se divertir junto de seus outros amiguinhos idiotas e viciados. Como se isso fosse diversão não é? – Balançou a cabeça negativamente para o Uchiha. – Porém, com o tempo Sasuke foi ficando cada vez mais dependente da droga á ponto de seu desempenho na empresa cair, fechou contratos errados, perdeu clientes... e seu pai, Fugaku, que não sabia o que se passava com o ele ficava cada vez mais revoltado com a postura do caçulinha Uchiha. Então ele cortou sua mesada e ameaçou despedi-lo se Sasuke não voltasse aos seus eixos. Sem a mesada gorda que recebia do pai e com seu pouco rendimento no trabalho, Sasuke se afundou em dívidas com traficantes. Ele não sabia o que fazer, o desespero tomou conta de si, o vício e a dependência não o deixavam raciocinar direito, então Sasuke tomou a pior decisão que poderia ter tomado, roubou dinheiro do caixa da empresa da família.

Natsu olhou para Sasuke que tinha os olhos arregalados e uma expressão de pânico. Sorriu satisfeito.

- No começo Sasuke conseguiu esconder isso perfeitamente. Então ele fez um caixa 2 e passou a tirar dinheiro da empresa para manter seu vício. Conseguiu manter esse ritmo por quase três anos, até que o mercado de ações teve uma queda brusca naquele ano e Fugaku ordenou que o setor financeiro fizesse uma revisão nos bens da companhia para o caso de precisarem de um plano B. Sasuke sabia que assim que os balancetes reais saíssem descobririam o que vinha fazendo. Seu pai o mataria. Não podia deixar que aquilo acontecesse, seria um escândalo na mídia. Então o pequeno Uchiha tomou outra decisão, a decisão que traçou o seu futuro.

Natsu pegou o taco de beisebol e usou para acariciar o cabelo do outro que permanecia imóvel no chão. Sasuke fechou os olhos esperando a pancada, que não veio.

- Calma Sasuke-kun, ainda não terminei a historinha. Voltando... Sasuke achou que seria uma boa ideia colocar a culpa em outra pessoa, um verdadeiro filho da puta não é? – Revirou os olhos. - Então pegou o nome de um funcionário qualquer da área financeira e forjou todas as provas contra ele. Uzumaki Naruto um jovem de origem pobre, que havia conseguido uma chance na Uchiha Company depois de estudar a vida inteira e ser aceito como bolsista na universidade de Princeton. Seu currículo era excelente, bom aluno, notas boas, um ótimo rapaz que teve o azar de ter seu nome escolhido por Sasuke que nem ao menos sabia quem ele era. Apenas pela foto de seu currículo e pelas imagens do garoto mostradas no noticiário – enquanto era preso sob a acusação de roubo e lavagem de dinheiro pela Uchiha Co. – que Sasuke viu o rapaz loiro de ingênuos olhos azuis e cicatrizes nas bochechas levando a culpa que era dele.

O advogado não saiba mais o que pensar.

- Naruto foi condenado á sete anos de prisão por um crime que não cometeu. E Sasuke seguiu sua vida envolta em mentiras como se nada tivesse acontecido. Com medo de que seu vício o levasse aquele tipo de situação novamente, ele secretamente se inscreveu em uma clínica de reabilitação. Trocou a cocaína pelo álcool, grande mudança né? – jogou azedo. – O que Sasuke não sabia era que Naruto dependia de seu emprego na companhia para pagar o tratamento de sua mãe Uzumaki Kushina que tinha câncer e estava internada.

Sasuke prendeu a respiração.

- Como todos sabemos que o que manda no mundo é o dinheiro, sem o pagamento, o tratamento de Kushina foi cancelado e seus remédios suspensos, não demorou muito para que ela viesse a falecer. Naruto ainda estava preso e não pode se despedir de sua mãe. Quando foi liberado um ano mais cedo por bom comportamento, a primeira coisa que ele fez foi visitá-la em seu túmulo. E sob sua lápide enquanto chorava sozinho, Naruto jurou se vingar do culpado pela morte de sua mãe. Mesmo que levasse dias, meses ou até mesmo dez anos. – Natsu finalizou a história e Sasuke viu quando ele deixou o taco no sofá e começou a puxar os fios morenos de sua cabeça, logo revelando ser uma peruca e os cabelos loiros ficaram livres. Ele pegou a toalha que o Uchiha havia deixado sobre o sofá e passou em suas bochechas retirando um espécie de maquiagem, revelando as cicatrizes exóticas. Por último, levou os dedos aos olhos retirando as lentes de contato verdes mostrando suas belas e límpidas íris azuis.

O advogado empalideceu.

- Olá, Sasuke. – Naruto sorriu com ternura, porém seus olhos se mantiveram gélidos.

- N-narut...

- Sim, eu mesmo, Uchiha. – o nojo ao pronunciar o sobrenome era extremamente perceptível.

- Eu sint..

- Sente muito? – O Uzumaki pegou o bastão em cima do sofá. – Uma pena, porque isso não trás minha mãe de volta. – acertou a cabeça de Sasuke em cheio.


[...]


Grand Canyon, Arizona, 25 de maio de 2017.

06:30 AM.


Agora Sasuke recordava-se do que havia acontecido. Não adiantava se arrepender. Seu vício egoísta havia destruído a vida de duas pessoas. Mãe e filho. Desistiu de tentar desamarrar a corda que prendia seus pés aquele carro. Não havia jeito. Deixou-se continuar a ser arrastado por aquele deserto.

Naruto dirigia a caminhonete com uma expressão vazia. Seus olhos estavam marejados, mas ele se recusava a deixar que qualquer lágrima caísse.

Era sua vingança. O momento pelo qual esperou por dez longos anos.

Quando o vasto penhasco chegou a sua linha de visão o Uzumaki acelerou. Faltavam poucos metros. Engatou a marcha e abriu a porta do carro se jogando dele. Seu corpo rolou pela areia, e ele usou os braços para se apoiar sentando para aguardar o grande show.

O carro andava sozinho e arrastava Sasuke a sua frente. O Uchiha olhou em seus olhos como se pedisse perdão por toda dor que havia lhe causado, mas era tarde demais para Naruto perdoar.

Viu o carro cair penhasco abaixo levando o corpo de Sasuke junto. Uma lágrima solitária desceu pelo rosto bronzeado e Naruto sorriu aliviado ouvindo o carro explodir no fundo do Grand Canyon.

Finalmente havia acabado.


9 Mars 2018 18:26:20 4 Rapport Incorporer 7
La fin

A propos de l’auteur

Cammis Silva Escritora (amadora); Leitora, apaixonada por fantasia e terror; Musica move meu mundo.

Commentez quelque chose

Publier!
Pekena UzUc Pekena UzUc
Caralhooooo Nossa marida, o que foi isso? Caralho, nossa cara eu nem tô sabendo o que dizer depois disso, nossa cara estou impactada neste momento aaaaaaah eu amo um Naruto vingativo, puta que pariu eu não estou sabendo lidar vc me pegou totalmete desprevinida, nossa cara isso foi muito... aaaah eu ameiiiii ♡♡♡
9 Mars 2018 13:23:06

  • Cammis Silva Cammis Silva
    Naruto vingativo é o meu eros 🍸 Sempre vou fazer esse loirinho entrar nos papéis que viso pra ele. Marida, não tenho nem palavras para agradecer seus comentários e apoio, você é a melhor ❤ 9 Mars 2018 19:47:42
Crazy Clara Crazy Clara
Eu estou em choque. Deus é pai, me apaixonei. Quase chego aqui pedindo "CONTINUA" como se Sasuke tivesse sobrevivido, mas enfim. Nossa. Essa dinâmica de narração e o próprio contexto foi de matar.
9 Mars 2018 13:14:56

  • Cammis Silva Cammis Silva
    Obrigada, sério, amei seu comentário. Que bom que gostou, fico muito satisfeita! Infelizmente o Sasuke não está entre nós para fazer uma continuação kkkkkkk Obrigada por comentar ❤ 9 Mars 2018 19:43:43
~