1
992 VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Há muito o espírito está perdido, vergado pela dor, corroído dos sonhos mortos que arrasta, vastos pesares; grilhões. As lágrimas secaram, os soluços cessam, resta a areia na garganta,vaga certeza do passado, são as flores murchas que em livros leva. De sua só, a paz póstuma dos desejos saciados.


Eis a máscara diante de mim, cogito em pôr; ou não. Sei e sinto que o mundo lá fora arde,e somente pelos olhos dela posso enxergar.


Imortal, chama imperecível vagueia pelos campos sob a luz de estrelas já mortas, e o que é o céu se não um infinito cemitério?


A noite que tanto amas se perde toda manhã quando a luz do sol abrasa. Qual esperança em dias melhores apenas um dia quando também me for, então me juntarei a ti devotado fantasma, luz intagível mais amada que todas as gotas de orvalho.

22 Novembre 2022 19:29:37 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
1
La fin

A propos de l’auteur

Siph Ferreira Nerd de maquiagem, amante de música, livros e quadrinhos, amiga de Meia Noite e Qliph, viciada em podcast e buscando seu rumo nesse mundo.

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~