nicolas-soouza1634774602 Nicolas Rocha

Dacre Castelli, é um vampiro condenado a viver durante séculos nas sombras. Até chegar a pequena cidade de Glenford e conhecer Duncun... Mesmo Duncun sendo o garoto mais popular e idolatrado da escola, ele sente um vazio difícil de explicar, vazio esse que só pode ser completado por Dacre sua alma gêmea, ele sente uma conexão incomum com ele. E sabe que o teria, de qualquer forma ele o teria.


LGBT+ Déconseillé aux moins de 13 ans.

#18 #gay #sangue #suspense #crime #misterio #bruxas #amor #lgbt #vampiro
0
602 VUES
En cours - Nouveau chapitre Tous les samedis
temps de lecture
AA Partager

Capítulo 1

Duncun


Querido Diário, neste exato momento eu estou sentado na pequena Cadeira Eifel branca na frente da minha escrivaninha escrevendo coisas aleatórias aqui. É realmente muito estranho estar de volta nessa casa, nessa cidade principalmente por ter fotos de minha mãe espalhadas por toda a casa. E já se fazem mais ou menos uns 5 meses que ela se suicidou, ontem assim que cheguei com papai e Jason, eu larguei as malas no canto da parede e me joguei na cama e não consegui dormir direito com a diferença de fuso horário entre a Alemanha e aqui. Não havia nenhuma chance de eu comparecer na escola agora, principalmente por eu estar extremamente cansado da viagem e de tudo, graças a Deus Isabella, uma de minhas amigas pegou os horários das aulas para mim...


- Bom dia, como você está? - papai parou de braços cruzados na porta


- Estou melhor papai


- Certeza? - ele ergueu uma sobrancelha


- Sim eu tenho certeza! - respondi revirando os olhos.


Não que eu não estivesse bem, mas a morte de minha mãe ainda era recente, e tantas coisas aconteceram em um intervalo muito curto e eu ainda estava confuso


- Que bom filho, te espero para o café lá embaixo


Papai fechou a porta do quarto e eu pude escutar seus passos até o corredor pisando lento e a cada passo era um ranger diferente da madeira velha. Olhei em volta e imediatamente várias lembranças invadiram minha mente, tudo estava exatamente igual e em seu lugar assim como eu havia deixado a 5 meses atrás, ainda havia a marca de madeira queimada no piso de quando Bianca e eu fumamos maconha escondidos na 8 série, a pequena árvore enfrente a minha janela que agora estava sem folhas e com galhos tão secos que pareciam que cairiam a qualquer segundo. Havia também as marcas na calha de quando Eliel e Peter subiram para invadir a minha festa de 16 anos quando meus pais estavam fora da cidade. Senti falta disso - sussurrei.

Abri meu armário e peguei uma camisa de linho branca e uma calça cargo bege e me vesti. Virei-me para o espelho e pensei - Nada pode abalar Dunucun Belmoth, hoje vai ser incrível e eu vou ficar bem! Suspirei fundo, peguei minha mochila e desci as escadas para ir em direção a cozinha onde papai queimava algo pela centésima vez, Jason meu irmão mais novo estava sentado na mesa enquanto comia algumas panquecas enquanto eu não sentia fome alguma. Peguei uma jarra de suco na geladeira e servi em um copo e tomei rapidamente


- Coma alguma coisa filho... Eu posso fazer ovos com Bacon como você adora! - Disse Robert


- Obrigado mas, estou sem fome papai- respondi ajeitando minha mochila


- Mas você precisa comer algo


- Tchau papai - depositei um beijo sobre a testa de Jason e sai da cozinha


- Mas Duncun...


Antes que papai continuasse a falar sai pela porta a fechando e não pude ouvir uma palavra se quer do que ele disse depois, olhei para o céu e estava como sempre, nublado e as ruas vazias, embora não estivesse sol e o céu estivesse completamente fechado não estava frio, o clima estava agradavel. Segui meu caminho até parar em frente a casa do Sr Rocket e observei a frente da casa e pude perceber que ele ainda continuava cuidando das roseiras mesmo depois do divórcio com sua esposa, e ao lado havia uma pequena árvore com galhos e folhas secas assim como a de minha casa, mas essa era diferente, parecia não ter vida alguma e de alguma forma me assustava, embora eu estivesse completamente sozinho na rua eu me sentia completamente atordoado e observado, olhei novamente para a árvore e avistei um corvo... ele me fitava com aqueles olhos escuros e perturbadores, era quase um olhar humano. De repente dei um pulo para trás e me abaixei quando o corvo soltou um forte grasnado e começou a me rodear


- Sai! Sai... Sai daqui seu bicho maldito! - gritei enquanto tentava proteger minha cabeça com a mochila.


O Corvo então parou seu grasnado e voou sobre a árvore novamente, eu me recusei a olhar novamente mas senti, ele ainda estava me observando... Arrumei meus materiais de volta e levantei-me devagar, encarei a minha volta para me certificar que ninguém teria visto tamanha vergonha e voltei meu olhar para a árvore novamente e o corvo voou por dentre as nuvens brancas e sumiu completamente deixando a penas suas penas pretas reluzentes caindo lentamente pelo céu. Mas que droga! - pensei - era apenas uma ave, talvez não tivesse necessidade de tanto escândalo da minha parte.

Suspirei fundo, arrumei o cabelo e continuei em passos lentos até chegar na escola, paralisei por alguns segundos e lembrei o quanto eu adorava vir aqui, antes era como uma diversão para mim chegar e todos pousarem os olhos em mim e ser desejados por todas as garotas e até alguns garotos, ser também o que dita as regras e as modas no colégio. Mas agora eu já não tinha mais essa mesma animação - Quer saber? Vou voltar a ser quem eu era, quem eu nunca devia ter deixado de ser, serei Duncan Belmoth novamente!

Isabella e Bianca estavam no estacionamento junto com Eliel e Peter, dando gritinhos e rindo das piadas bestas dos jogadores de futebol.


- DUNCUN - Bianca gritou e correu em minha direção, e Isabella veio logo atrás - Que saudade de você - a garota de Estilo hippie e cachos vermelhos tingidos me abraçou de forma calorosa


- Linçenca Bianca, eu também quero um abraço dele! - Disse Isabella


- Se acalmem meninas, tem abraço para as duas - soltei um riso e abracei as duas


- Como é estar de volta a Glenford St. School rei Belmoth? - perguntou Isabella


- É bom estar volta, embora a Alemanha seja um pouco melhor que essa cidade, eu precisava voltar, não sei o porque mas algo me prende a esse lugar e papai acabou de voltar ao trabalho - respondi


- É bom ter você de volta, a Grace tem tentado ser a nova rainha da escola e roubar sua coroa de popularidade. Ela têm feito um inferno por aqui - Bianca revirou os olhos


Grace e eu éramos amigos na infância, mas por mais que ela fosse mulher eu comecei a sentir que ela aparentava ter inveja de mim, e sempre tentava fazer de tudo para me atacar, até conseguiu ficar com meu Ex namorado Dereck depois que eu me assumi abertamente gay


- A pessoa que eu não desejo ver no meu primeiro dia de aula é ela, e nem na minha turma! - respondi - Mas vamos até o estacionamento também estou com saudade dos meninos respondi


Após uma recepção calorosa de Eliel e Peter Bianca nos interrompeu com um assunto que eu sinceramente não acredito nem um pouco


- Eu não acredito em você! - Soltei ao ouvir os boatos


- É sério, meu pai diz que eu sou uma bruxa assim como minha vó, e que a nossa família tem descendências em Druidas celtas, por isso ele sempre ne condena - disse ela com empolgação


- Por isso você tingiu os cabelos de vermelho Bianquinha - debochou Eliel


- Ah dá um tempo, se vocês não acreditam o problema é de vocês, mas eu estou falando a verdade, sou uma Bruxa, minha familia vem de Salem e eu também sou descendentes dos Druuidaas - Disse Bianca em um tom de piada


- Tá bom acreditamos em você Bruxinha, mas as aulas já vão começar e eu não quero me atrasar! Vamos - respondi guiando todos até o corredor da entrada. Grace estava logo a frente e eu torci para que ela não viesse até mim...


- Ora, se não é o principezinho de Glenford que voltou, como você está? - perguntou ela em um tom de deboche


- Estou bem Grace, obrigado por perguntar - respondi sendo Simpático


Grace apenas soltou um pequeno riso e saiu andando pelo corredor com alguns de seus materiais, e eu nem sei o porque ela criou essa rivalidade idiota entre a gente, sendo que eu nunca fiz nada de mal a ela. Peter, Eliel e Isabella seguiram para os seus armários enquanto Bianca e eu seguimos para o outro lado do corredor, coloquei alguns de meus livros dentro do armário e virei de volta para o corredor quando de repente eu senti aquele olhar sobre mim novamente, era como se alguém pudesse ver atrás de mim, eu não sabia explicar


- Olha só, esse é o novato que entrou recentemente, um GATO - Disse Bianca


Observei o garoto alto e magro enquanto ele passava pelo corredor, seus cabelos eram castanhos escuros perfeitamente ondulados e ele usava uma jaqueta de couro vintage, como se acabasse de sair de uma turma de motoqueiros dos anos 80, eu queria poder ver os olhos dele e torcia para que ele tirasse os óculos escuros e foi quase uma sensação estranha, quase como um alívio quando ele os tirou, seus olhos eram verdes, tão escuros e frios que parecia que ele podia olhar além de meu interior, senti cada centímetro do meu corpo tremer e meu sangue esfriar ao ver o garoto parar do meu lado e guardar alguns materiais no armário e senti uma pontada de furia por estar ali quase encima dele e ele nem se quer chegou a olhar para mim.


- Você viu isso Bianca? Ele nem se quer olhou para mim


- Da um tempo Duncun, ele ainda é novo aqui, e por que ele deveria olhar para você? Só porque você é popular não significa que qualquer novato já te conheça - Respondeu Bianca


- É... mas isso é algo tão fora do comum, as pessoas sempre me olham nem que seja por um segundo - respondi


- Mas ele é lindo, e dizem que veio da Itália - Disse Bianca com uma cara instigante


- Ele realmente é muito bonito, mas me assusta sei lá, mas um italiano é o que essa escola precisava, já chega de garotos atelticos do terceiro ano - respondi convincente


Mas de qualquer forma, eu senti um medo e desejo incomum que percorreu toda minha espinha só de olhar para ele, foi como aquele corvo... perturbador e agonizante somente de estar sobre o mesmo ar que aquela ave. Peguei meus horários e segui com Bianca até a sala do Sr Smallwood o professor de sociologia mais irritante que eu conheço, melhor eu ficar em silêncio e agir de acordo com as aulas dele, porque eu não estou nem um pouco afim de passar duas aulas ouvindo sermões, sobre como nós somos alienados e mimados. Sentei- me com Bianca em uma daz carteiras do fundo e fiquei mexendo no meu celular enquanto o professor falava algo sobre os fundadores da cidade... algo passado e que eu já estava cansado de saber pois nasci na família dos fundadores da cidade


- Ele está olhando para você - Disse Bianca pelo celular


Virei- me para o lado e o novato estava me encarando de uma forma totalmente estranha, como se quisesse me dizer algo, mas ao mesmo tempo como se quisesse fugir dali. E eu nem teria percebido a existência dele ali se não fosse Bianca me avisando pelo celular...


[...]


Dacre


Todas as aulas passaram lentas demais, e eu não estava aguentando mais um segundo daquela tortura, olhar para ele, sentir o cheiro dele, estar perto dele, tudo me lembrava o Benjamin, Como eles podem ser tão parecidos? E se... E se forem a mesma pessoa? - me perguntei Isso seria completamente impossível, Benjamin tinha os cabelos loiros e era até um pouco mais baixo do que Duncun, e talvez eu esteja me equivocando de eles serem a mesma pessoa, Benjamin morreu em 1890 e por minha culpa, estar perto de Duncun me lembra de como nos dois nos amávamos e de como eu o matei sem a menor intenção. Assim que as aulas acabaram eu saí da escola o mais rápido possível para evitar de que Duncun viesse atrás de mim perguntar sobre a forma de comi eu o olhava mais cedo. Segui meu caminho até a floresta e apanhei uma pequena raposa e matei minha sede, minha gengiva formigava e minha fome aumentava cada vez mais que eu pensava em Duncun, seu cheiro me atraia e sua pele branca e macia era tão convidativa como um doce para uma criança, nem me lembro mais a última vez que me alimentei de sangue humano e pensar no gosto dele me deixava incapaz de parar, bebi até a última gota de sangue, limpei a boca e deixei a pequena raposa ali mesmo sobre um montinho de folhas e voltei para a casa. Estava prestes a subir a escada quando a Senhora Harpen me parou


- Rapaz? Eu já não havia lhe falado que ir a escola era perigoso ? - perguntou ela com a voz falha


- Sim, senhora Harpen, mas... Eu.. Eu precisava conhece-lo, eles são tão parecidos!


- Mas não são a mesma pessoa, você tem que superar que Benjamin morreu naquela noite! - Respondeu ela


Eu apenas assenti com a cabeça e subi para o meu quarto, deitei na cama e observei o entardecer pela sacada, eu sei que não são a mesma pessoa e acho aquele garoto talvez nem se pareça com Benjamin e eu esteja procurando ver ele em alguém, talvez eu só esteja com saudades do meu eterno. Por minha culpa ele foi levado para aquela tumba na antiga igreja e sabe lá Deus o que aconteceu depois... Como a Senhora Hapern disse, eu preciso acertar que Benjamim se foi. Larguei o colar de pedra da lua sobre a escrivaninha e deitei sobre a cama, a noite já estava estrelada e fria... Então eu me levantei e fui até a Bliblioteca da casa para ler algum livro, a Senhora Hapern que na verdade é minha descendente já se recolheu para seus aposentos e eu podia ler qualquer livro no maior silêncio e paz...


Duncun


Querido Diário... estou escrevendo para terminar o dia de hoje, papai e Jason saíram para ir ao cinema e eu preferi ficar sozinho em casa assistindo TV, e preparando meu psicológico para o dia de amanhã, sem ânimo mais uma vez eu mal consegui jantar, meu pai anda muito preocupado comigo e eu nem sei o porque estou assim, é um coisa que nem eu consigo entender e não sei quando conseguirei. Isabella e Peter estão comigo esta noite, pois vamos nos arrumar para a festa de retorno na floresta e eu não estou nem um pouco afim. Peter diz que eu não posso deixar de comparecer e deixar Grace tomar meu lugar e talvez ele tenha razão... Uma festa pode me fazer bem agora.


Segui para o meu quarto e vesti uma calça jeans azul clara, uma camiseta branca e por cima apenas uma camisa com listras formando um xadrez, Isabella Peter e eu seguimos para a floresta pelo caminho mais curto e eu esperava encontrar o novato por lá, mas acho que não ia rolar, eu ainda queria perguntar o porque de ele me olhar tão feio e não gostar de mim. Bianca estava aparentemente bêbada e veio até mim


- Eii, vou te mostrar que eu não estava mentindo em dizer que eu sou uma bruxa - Disse ela


- De novo essa história? - perguntei irritado


- É sério Duncun - Bianca tocou em minha mão e de repente e garota baixinha ficou mais branca do que um papel


- O que houve? O que você viu? - perguntei espantado


- Eu vejo, um homem.. um homem alto, branco, magro e misterioso atrás de você, tem muita névoa também... - Respondeu ela em um tipo de transe - Também tem um corvo


- Um corvo? - senti meu corpo todo arrepiar


- Esquece.. eu estou bêbada, vou pegar o Jake e é isso! - Disse ela correndo


- Bianca espera! - gritei


Sem que eu pudesse perguntar mais alguma coisa Bianca fugiu em um piscar de olhos me deixando confuso e cheio de dúvidas, eu então segui meu caminho pela floresta até chegar em uma árvore, sentei-me lá e pensei por alguns segundos por que é que eu sempre estou sendo seguido por um corvo, levantei em um pulo e totalmente assustado após ouvir um grito desesperado e decidi seguir o grito, caminhei durante uns 5 minutos e cheguei até Savannah, uma das líderes de torcida da escola e pasmem ela estava totalmente ferida e desmaida, peguei ela no colo e a levei até onde a festa estava rolando e gritei por socorro


- Como foi que isso aconteceu? - perguntou Dereck meu Ex namorado


- Eu não sei, eu estava caminhando pela floresta e ouvi um grito, eu decidi ir atrás e ela estava assim jogada no chão e atacada! - respondi com a voz trêmula


- Eu vou chamar a polícia - Respondeu ele.


Alguns minutos depois o local estaca cheio de polícias interrogando todo mundo e a ambulância se preparava para levar savannah, um bando de jovens bêbados sendo interrogados, eu tinha certeza que isso não iria dar certo. Olhei de longe e avistei uma figura estranha na colina, parecia ser um homem e aquilo realmente me assustou demais, mas eu não pude enxergar muito pois também estava bêbado e talvez fosse somente minha mente me pregando uma peça, Bianca, Isabella e Peter me esperavam no carro enquanto eu falava com Dereck


- Já sabem o que aconteceu? - perguntei


- Disseram que ela foi atacada por um animal e perdeu muito sangue! - respondeu ele desanimado


- Ela vai ficar bem, eu sei que muita coisa aconteceu entre a gente, mas ainda tenho muito carinho por você, sua irmã vai ficar bem! - abracei ele e me despedi


Logo em seguida entrei no carro e em menos de 30 minutos eu já estava em casa, tirei os tênis e subi em passos lentos para que meu pai não escutasse e nem soubesse que eu estava voltando aquela hora. Fechei a porta do meu quarto com o maior cuidado e também fechei a janela, por onde entrava um vento extremamente forte - Ué, eu não lembro de ter deixado ela aberta - pensei

Eu estava cansado demais para lembrar disso também, então simplesmente coloquei meu pijama, escovei os dentes, deitei na cama e adormeci...



28 Septembre 2022 21:43:10 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
0
Lire le chapitre suivant Capítulo 2

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 4 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!