1
2.1mille VUES
En cours - Nouveau chapitre Toutes les semaines
temps de lecture
AA Partager

Os gnomos malvados

Essa história é complexa então sugiro que prestem bastante atenção, durante a aventura vocês sentirão seus corações acelerados mas é totalmente normal. talvez até chorem mas vamos começar, A muito tempo certa cidade no interior, ali pertinho do vale de sangue. odiava animais, os animais eram tratados como lixo.

um dia uma bruxa passou por lá e obviamente ódiou essa repugnação por animais e decidiu fazer justiça com as próprias mãos.

transformol todos da cidades em animais, principalmente o rei que foi transformado em um leão e eles tentaram de todas as formas voltem a o normal mas já era tarde crianças, mulheres, homens.

todos transformados em diversos animais diferentes desde então essa cidade ficou conhecida como A CIDADE AMALDIÇOADA.

e anos depois desse acontecido um lobo que na época era só um bebê mas agora já vai fazer 25 anos! esse lobo está sentado na taverna do javali o porque desse nome? simples o Taverneiro é um grande javali

o lobo debruçado na mesa acorda quando o grande javali diz:

-o que vai querer garoto?

-ha qualquer coisa diz o lobo

-que tal uma sopa de legumes?

-pode ser, diz o lobo com uma voz cansada

de repente um grande estrondo ecoa no lugar a porta foi arrombada o lobo se vira e olha para a porta e vê um grande touro mas com um chifre quebrado.

-EU QUERO UMA REVANGE!!!

o lobo não entende nada mas o javali vai saindo pela porta do canto da taverna, e o touro logo atrás bufando todos se levantam e vão atrás dizendo:

-vai ter mais briga!diz um jácare com chapéu

tem razão! concorda uma pequena tartaruga, o lobo mesmo sem entender segue todos.

chegando num canto da taverna, como se fosse os fundos o lobo analisa em silêncio, todos fazem um círculo em volta do touro e do javali. o touro bufando começa a raspar o casco no chão, o lobo tampa os olhos para não ficar cego de tanta poeira que sobe no ar.

então o javali diz:

-está pronto?

quando ele diz isso o touro corre em direção do javali com os chifres apontando para o peito do javali, o lobo realmente começa a achar que aquilo não terminar bem.

de repente antes de os chifres acertarem o peito do javali o javali usa seu Marfim para bloquear o ataque! todos ficam imprecionados o jávali defende e logo em seguida ele diz:

-minha vez!

com os marfins preso ao chifre do touro o jávali o levanta com os chifres e seguido de um soco no estômago.

solta um pequeno grunido mostrando que sentiu dor, logo antes que o touro possa levanta a mão para um contra ataque o javali o golpeia com um soco no rosto.

o olho dele fica rapidamente roxo e fazendo-o cair no chão! com um grande estrondo e muita poeira e o jávali:

-que tal outro dia amigão?

o touro fica um pouco no chão por dor e se levanta:

-na próxima vai ser diferente!

pode realmente ter Cido a adrenalina mas o lobo disse bem alto:

-posso ser o próximo?

o javali surpreso e sem nenhum arranhão responde:

-tem certeza? pergunta o jávali com sua voz grossa

Claro que tenho! responde o lobo sorrindo, logo em seguida o jávali responde:

-tudo bem,pode me atacar primeiro!

o lobo Corre de quatro em direção ao jávali e morde sua perna, imediatamente um monte de sangue toma o chão

-essa foi boa! diz o jávali com expressão de dor

então o javali o segura pelo pescoço e joga-o contra a parede de tijolos, uma dor intensa nas costas o lobo nunca sentiu algo parecido.

e mal conseguia levanta, e tentou correr e morder o pescoço do javali, mas a última coisa que viu foi a mão do jávali se aproximando do seu rosto e derrepente tudo escuro.

o lobo acorda com um barulho de lareira, mas a mente dele estava pior do que seu corpo, porque esse apagão o fez sonhar com sua mãe, sim não foi nada bom e muito menos feliz.

mas ele estava num sofá de couro vinho, tão confortável que ele nem sentia tanta dor, no outro sofá identifico o sofá dele, estava o jávali sentado com um óculos de senhor de 40 anos e talvez o lobo tenha soltado uma pequena risada.

o jávali lia um livro que estava escrito:

HISTÓRIAS DO REINO DE GELO

mas o silêncio não durou muito:

-fianalmente acordou já estava preocupado, vc está bem?

-e eu eu acho que si sim

-que bom!

mas o lobo logo se levanta mesmo com dor, porque ele precisa ir desde de que seu pai foi em uma missão quando ele tinha 5 anos e nunca voltou ele ainda procura por ele.

-não vá agora garoto

-e eu precisoo i ir

- não tem nada que eu possa fazer?

-não! mas o lobo pensou melhor então- na verdade tem sim!

-eu preciso de dinheiro

-hmm

-eu vendo quests e posso te dar uma de graça

-quests? o que é isso?

-pessoas que não conseguem resolver seus problemas e precisam de ajuda, eles vem até mim. e eu arquivo a mensagem em pergaminhos.

-ha tudo bem eu aceito então.

O jávali vai até um pequeno guarda roupa e pega um pergaminho:

-aqui está!

o lobo abre o pergaminho e vê um mapa além do morro de grama depois do lago de jacarés.

-então um senhor está precisando de ajuda com gnomos?

-isso. o velho mate

-ele paga bem?

-o pagamento tem que combinar mas ele é bem honesto.

-espero mesmo!

o lobo disse um obrigado por ajudar ele com a dor, e partiu em sua missão, logo que saiu alguns minutos depois ele já estava no morro e conseguia ver a casa do senhor.

mas tinha que passar pelo lago, então foi isso que ele fez, estava atravessando quando sentiu algo se aproximando atrás dele.

ele ia atacar mas o jacaré que estava atrás dele se levantou e falou:

-eaiii bro

-há oi?

-você veio comprar?

-comprar o que? disse o lobo confuso.

-maconha ué

o lobo não podia acreditar no que ouviu, sua vontade era rir mas ficou sério.

-há não tenho grana cara.

-nunca comprou antes né?

-não!

-como vc é o primeiro eu te dou uma amostra.

o jacaré bateu o pé na água e derrepente uma mão surgiu da água com um pacotinho de maconha, o jacaré pegou e entregou ao lobo.

-a não quero não cara!

-pega broo depois me fala.

-ok então

o lobo já foi cavaleiro um dia então ele tinha uma espada gigante de decapitação, provavelmente isso deixou o jacaré um pouco intimidado.

então o lobo seguiu até a casa e já era tarde, mas a luz estava acesa então ele bateu na porta.

-doc doc

ele ouviu a porta destrancar, mas o que ele viu foi um senhor de uns 70 anos apontando uma espingarda para o fuchinho dele:

-calma senhor disse o lobo com a voz trêmula

-calminha você lobo! fique quieto se não te transformo em peneira!


continua...






















31 Juillet 2022 01:50:21 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
0
Lire le chapitre suivant O tão conhecido mate

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 2 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!

Histoires en lien