2minpjct 2Min Pjct

Yoongi não tinha se dado conta de quando começou a ter mais roupas suas no AP de seu namorado do que no próprio. Eles estavam completando três anos de namoro, mas mais parecia que eram casados informalmente. Suas rotinas eram boas; mesmo com um estudando e o outro trabalhando, sempre tinham tempo um para o outro. Até mesmo arriscariam dizer que eram almas gêmeas. Porém, uma mulher misteriosa apareceu no caminho do casal, não só se interessando por Yoongi, como também pretendendo fazer qualquer coisa que deixasse seu caminho livre para ter o Min para si.


Fanfiction Groupes/Chanteurs Interdit aux moins de 18 ans.

#suspense #perseguição #stalker #jimin #suga #yoongi #yoonmin #suji #jimsu #sujim #2min #miniminiz #minimini #minmin #2minpjct #2minproject
0
1.0mille VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Até breve

Escrito por: girl_daegu / girl_daegu



Notas Iniciais: Espero que gostem dessa nova fic e boa leitura ♡


~~~~

Yoongi se considerava um homem comum; não se achava um completo garanhão, mas ainda assim sabia que tinha seus charmes. Senão, não estaria namorando com um cara lindo, interessante e com trocentas outras qualidades como Jimin.

Ele se considerava sortudo, talvez fosse isso. Afinal, amava o que estudava na faculdade, tinha um bom apartamento e sem dúvidas se considerava bastante feliz.

Tão feliz que quase saltitava pelas ruas em plena segunda-feira, só por se lembrar que naquela semana ele e Jimin completariam três anos de namoro. Não chegava a ser um casamento, óbvio, mas se sentiam como em um.

Tinha saído mais cedo de casa naquela tarde, antes da faculdade, no intuito de procurar algum presente que estivesse à altura do Park, mesmo que ainda não soubesse o que comprar.

Morando em Seul, a maior metrópole do país, já era esperado uma rotina cheia e várias trombadas com pessoas desconhecidas. Acostumado com isso, mesmo com os fones de ouvido, Yoongi desviava automaticamente das pessoas.

Mas nem sempre.

— Oh! Perdão! — O moreno retirou os fones do ouvido rapidamente assim que sentiu um corpo trombar em seu ombro.

Sendo educado, parou seu caminho para pedir as devidas desculpas, junto à outra pessoa; era uma mulher de cabelos negros com algumas curvas nas pontas, um vestido justo vermelho midi que batia no meio de suas canelas e um salto preto que Yoongi achou que seria impossível uma pessoa andar sobre ele. A pele da mulher também era impecável, não parecia ter um pingo de base sobre a pele, somente o batom vermelho e uma maquiagem sutil nos olhos.

Claramente parecia uma atriz de cinema.

A mulher ficou parada por alguns segundos, com uma expressão confusa, até olhar para o rosto de Yoongi. Sua expressão clareou um pouco mais.

— Com licença? — disse Yoongi quando não recebeu resposta da mulher, esta que logo saiu de seu transe, dando um curto sorriso em compreensão.

— Eu que peço desculpas, estava desatenta — respondeu, ainda com um curto sorriso.

— Tenho que ir agora. Com licença — Yoongi pediu, já começando a andar para e ir em busca do presente de Jimin.

— Claro! Até breve.

Yoongi naquele momento já estava um pouco distante, entrando dentro de uma loja de bijuterias.

Talvez Jimin gostasse de algum cordão… Era isso.

[...]

Estava tudo perfeito!

Yoongi tinha encomendado um cordão que tinha um design moderno e delicado que unia as letras Y e J. Sim, era muito piegas, mas eles gostavam daquele tipo de coisa. Também tinha encomendado bombons trufados de doce de limão, os favoritos de Jimin.

Após resolver tudo aquilo no mesmo dia, voltou para casa — AP de Jimin, sua segunda casa — com um sorriso contido, tentando ao máximo ser um bom ator e fingir que até mesmo tinha esquecido a data.

Deixou seus sapatos ao lado da porta, logo ouvindo o barulho de chuveiro ligado e concluindo que Jimin já tinha chegado do trabalho. Esperaria o mais novo sair do banho para lhe dar um beijinho e finalmente tomar seu banho para prepararem algo para o jantar.

Enquanto mexia no celular, sentado no sofá, rendido à preguiça de um dia estressante após a faculdade, uma notificação apareceu no topo da sua tela indicando que tinha um novo seguidor.

"@pparkjimin.2785 começou a seguir você."

— Jimin, você criou um novo instagram? — gritou da sala, tentando fazer com que o namorado escutasse, mas não recebeu resposta.

Ao clicar na notificação, viu uma foto diferente da de Jimin. Aquele rosto lhe era muito familiar…

— O que disse? Novo instagram? — O loiro saiu do banheiro, já vestido e passando a toalha nos cabelos.

Não recebeu resposta, Yoongi permanecia focado no celular, revirando suas memórias tentando se lembrar quem era a mulher de cabelos negros da foto. Por isso, Jimin aproximou-se.

— Quem é essa? — perguntou curioso, talvez com uma pitadinha de ciúmes.

— Não sei. Essa tal Park Jimin começou a me seguir repentinamente. — Deu de ombros.

— Hum — murmurou, franzindo a sobrancelha. — Park Jimin?

— Park Jimin? — Desligou a tela do celular, virando-se no sofá e zombando do loiro.

— Park Jimin? — Jimin ficou ainda mais confuso, não entendo a zombação do moreno.

— Park Jimin… — Yoongi permaneceu em silêncio durante um tempo, soltando uma risada anasalada. — Vou tomar meu banho. — Levantou-se do sofá, passando pelo outro com um sorriso no rosto.

— Min Yoongi? — Jimin se virou para o namorado, com as mãos na cintura e um olhar julgador.

— Min Yoongi — confirmou.

— Min Yoongi, cadê meu beijinho de 'oi'?

O moreno caiu na risada, rendendo-se ao biquinho do Park e deixando um longo beijinho sobre os lábios do rapaz.

— Satisfeito?

— Vai tomar banho, não gosto de universitário fedorento na minha casa.

— Nossa casa!

[...]

Desde segunda-feira, Yoongi sentia uma mistura de sentimentos. Ele, desde pequeno, se sentia um pouco sensitivo, cheio de pressentimentos… aqueles que na maioria das vezes estavam certos. Naquele momento, sentia uma grande ansiedade — talvez por conta de sábado, seu aniversário de namoro —, mas ao mesmo tempo se sentia um pouco preso, como se estivesse acorrentado, mesmo estando livre para fazer o que quisesse. Talvez o nome daquele sentimento fosse angústia.

Contudo, na quarta feira, quando tinha um dinheiro extra e resolveu ir em uma cafeteria no intervalo da universidade para tomar um americano gelado, sentiu que as correntes estavam mais fortes envolta de si.

Sempre se sentava nos fundos da cafeteria, para poder rever as matérias que os professores passavam com mais calma, sem ter o choro de uma criança fazendo pirraça ou algum velhinho reclamando do preço da torta de frango. Porém, naquele dia, encontrou uma figura familiar olhando diretamente para ele.

A mesma pessoa que misteriosamente começou a lhe seguir em uma rede social: @pparkjimin.2785.

A mulher vestia um sobretudo bege, com os cabelos divididos perfeitamente ao meio, com ondas sutis e fios brilhantes, assim como tinha observado nas fotos. Ela, ao ser descoberta, deu um leve sorriso doce, fazendo a sua memória visual entrar em ativa.

Era a mesma mulher que esbarrara no centro da cidade naquela mesma semana. O mesmo sorriso, o mesmo olhar penetrante, a pele que não parecia ter uma espinha ou marca de expressão sequer… A mesma mulher.

E o pior. Não tinha dito seu nome a ela no dia em que se trombaram, não sabia como ela tinha achado seu instagram.

Seu maxilar estava um pouco travado enquanto pensava em como a mulher encotrara sua rede social, e Yoongi deu um pulo assustado quando seu celular tocou.

“Jiminnie ♡” brilhava na tela.

Atendeu imediatamente.

“Amor, você está em aula? Não, né?”

A voz perguntou direto do outro lado do telefone. Os dois eram melosos e grudentos, mas apenas pessoalmente, eles tinham a ideia de que o grude tinha que ser pessoalmente, na vida real. Por isso, eram diretos pelo telefone. Nisso, Yoongi murmurou brevemente.

“Fiquei sabendo que vai ter um show do JB aqui na cidade, coincidentemente no dia do nosso aniversário juntos, acredita?! Vamos Já comprei seu ingresso.”

O tom de voz de Jimin era animado. Desde que conhecia Jimin como gente, sabia que o loiro amava k-pop, principalmente Jaebum, um idol solo super famoso. Não era fã ao ponto de ter vários posters no quarto, mas seu twitter era repleto do rosto do homem.

Yoongi não sentia ciúmes, sabia que ele era de Jimin e o mais novo era seu, mas não podia deixar engraçado como Jimin ganhava tanta energia quando recebia notícias boas do artista, principalmente em época de comeback.

“Mas você foi em um show do JB não faz nem seis meses. Por que não ficamos em casa no final de semana assistindo algum filme? Fiquei sabendo que vão liberar ‘Barbie – A Princesa e a Popstar’ na Netflix.”

“Vish, meu patrão está vindo. Tchau, Gi. Você dirige no sábado. Beijo!”

Desligou sem nem ao menos Yoongi se despedir. Bufando, olhou a tela do celular, que agora aparecia o papel de parede, que tinha ele, Jimin e Holy, sua cachorrinha, sentados no sofá de seu apartamento.

Seu plano era passar o final de semana assistindo filmes clichês, agarradinho com seu namorado e comendo uma pipoca bem docinha. Contudo, se o Park preferia ir ao concerto, ele não ia discordar, desde que tivessem seus momentos juntos.

Levou outro susto quando a mulher, que antes lhe observava, levantou de supetão e saiu do estabelecimento rapidamente, com seus saltos fazendo um barulho alto, indicando seus passos fortes.

Yoongi ficou alguns segundos confuso, junto às outras pessoas, que estranharam a atitude repentina da mulher.

Suspirou longamente, tentando agora focar em seu livro. Seu intervalo acabaria em pouco tempo; tinha que aproveitar ao máximo a folga e não se preocupar com pessoas estranhas que esbarrava na rua.

Por incrível que parecesse, por mais que estudasse robótica e fosse um curso consideravelmente entediante pela quantidade de cálculos, o restante de seu dia tinha se passado num piscar de olhos. Não se sentia mais observado assim como estava na cafeteria; de fato a mulher de cabelos negros tinha sido algo um pouco quanto estranho na sua tarde.

Além disso, tinha recebido uma mensagem do ourives — ou melhor dizendo, joalheiro —, que dizia que o cordão que ele tinha encomendado para Jimin estava quase pronto.

Estava tudo perfeito.

Menos o sorriso amarelo que Jimin lhe deu ao entrar no apartamento do Min.

— Tudo bem, Ji? — perguntou ao outro, que permanecia encarando seu prato de macarrão mais preocupado do que o normal.

— Oh! Sim, sim. — Sorriu sem mostrar os dentes, remexendo seu macarrão com a cabeça um pouco empenada para o lado. Yoongi sabia que ele não conseguiria ficar calado por mais muito tempo. — Sabe uma coisa que me deixa bravo? Pessoas sonsas.

— Você às vezes diz que eu sou sonso…

— Não, você não conta, Gi… — murmurou ainda com um biquinho nos lábios, largando os palitinhos em cima da mesa. — Hoje enquanto eu saía do trabalho uma mulher pisou no meu pé, até aí tudo bem, acontece. Mas não é tão considerável quando se tinha mais um espaço gigantesco na calçada, ainda mais quando ela me olha de cima a baixo e diz com toda lentidão e cinismo do mundo: “Olhe por onde anda, vai acabar machucando alguém dessa forma”. Nossa, que ódio!

— Você tá bravo até agora porque alguém foi mal-educado com você? Você mesmo me diz que não posso deixar coisas fúteis estragarem o meu dia.

— É porque você não viu o olhar daquela mulher sobre mim, era bizarro! Pior do que deboche.

Naquela altura, Jimin já tinha largado sua comida, indo direto para a pia a fim de colocar os hashis lá. Yoongi seguiu o Park, abraçando-o por trás e pousando sua cabeça no ombro do outro, que se aconchegou em seus braços.

— Que tal colocarmos aquela série que você gosta? — sussurrou no ouvido do namorado.

— Stranger Things? Grey’s Anatomy? — questionou o loiro, fingindo-se de confuso, mas já entendendo onde o outro queria chegar.

— Aquela que a gente não assiste e só usa de fundo sonoro. — Deixou no ar, livre para as interpretações.

Jimin se virou para o outro com um sorriso maroto. Aquele sorriso abrigava diversas palavras, uma delas era ‘sim’.

[...]

Quinta-feira, Yoongi esbarrou novamente com a mulher de cabelos negros. Inquieto por sempre ocorrer situações atípicas quando encontrava com a mulher, resolveu trocar um pouco mais do que simples desculpas.

— Boa tarde. Com licença? — A mulher, ao ser chamada, direcionou seu olhar diretamente para Yoongi, com um sorriso grande no rosto. — Posso saber seu nome? Nos esbarramos tanto, parece até mesmo que somos conhecidos. — Yoongi soltou uma risada curta. Ele não tinha o intuito de se aproximar da mulher, apenas saber o porquê de suas atitudes serem tão estranhas.

— Prazer, pode me chamar de Jimin — continuou com o grande sorriso. Yoongi achou aquilo curioso. Realmente seu nome era Jimin.

— Então, Jimin, trabalha por aqui? Nos esbarramos tanto que estou começando a ficar envergonhado. — Riu novamente, tentando a todo custo tentar saber mais sobre ela. A mulher observou sua face durante um tempo, parecia estar pensando muito, até dar um tapinha no ombro do moreno.

— Não seja bobo, Yoongi. — Soltou uma risada anasalada. Yoongi ficou um pouco tenso, ela estava lhe chamando com mais informalidade do que o esperado. — Moro por aqui, a alguns metros — terminou a frase ajeitando seus cabelos, passando a mão calmamente pelas pontas. — Como foi o seu dia? — Ela mordeu o lábio levemente.

— Oh… — Ele não esperava que a mulher continuasse a conversa, muito menos daquela forma. — Bem… Um longo dia de estudos.

— Entendo, deve ser difícil mesmo, dizer que a faculdade de robótica é muito complexa.

Foi aí que a ficha caiu. Yoongi nunca, em momento algum, tinha dito que cursava robótica. Poderia existir a desculpa de que tinha essa informação em suas redes sociais, mas ele só tinha três fotos postadas: uma selfie de três anos atrás, uma foto de seu teclado novo e uma foto de mãos dadas com Jimin.

— Perdão, mas eu tenho que ir agora. — Apontou para trás. Sua voz estava um pouco trêmula, não sabia por que, mas até mesmo podia jurar que tinha visto um brilho vermelho nos olhos da mulher.

— Sério? Oh, tudo bem. — Deu um sorriso pequeno. — Até mais, Yoon.

Yoongi saiu andando lentamente, mas por dentro ele sentia que corria o máximo que podia. Quanto mais tempo passava com a mulher, mais se sentia constrangido.

Qualquer homem que recebesse flertes de uma mulher bonita como aquela investiria em algum relacionamento, sem dúvidas. Mas Yoongi tinha suas dúvidas se todo homem ficaria com aquela mulher depois de ver os olhos sedutores e medonhos.

Dela, ele queria distância.

[...]

— O que acha disso? — O Park se virou para o moreno, abrindo um pouco os braços e mostrando o look que tinha montado.

Yoongi podia jurar que desmaiaria de amores. Mesmo namorando o garoto há anos, já havia o visto de todas as formas possíveis, seja com os cabelinhos bagunçados e a cara amassada ao acordar, sua pele arrepiada e sensível quando estavam sob os lençóis e até mesmo de pijaminha do bananas de pijama; ele amava Jimin de qualquer forma. Mas seu coração falhava uma batida sempre que ele possuía aquele olhar brilhante em expectativa virado em sua direção.

— Yoongi?! Não gostou? — Jimin chamou-o, alertando o Min, que viajava entre as curvas no namorado. — Apostei por um pretinho básico, mas mesmo assim ficou ruim? — Deu uma pequena batida de pé no chão, que fez Yoongi sair do transe e ir até o loiro.

— Você tá perfeito. — Deixou um beijinho na testa do Park. — Cheiroso. — Depositou um beijo em seu pescoço. — Lindo, como sempre. — Direcionou-lhe um sorriso, que amoleceu o Park todinho.

— Filho da puta, você sabe que seu sorriso me desestabiliza. — Saiu dos braços do moreno, que riu na reação do outro. — Vamos ou não?

— Eu lhe dou beijinhos, e você me chama de filho da puta? Minha mãe não vai gostar muito disso! — repreendeu o outro, ainda rindo, nada bravo.

— Puto de uma boa mãe! Cruzes, nunca vou xingar a sra. Min. Deus me abençoou me dando uma sogra tão boa.

Yoongi apenas riu enquanto pegava a chave do carro para acompanhar Jimin ao show do seu ídolo favorito.

Ele dirigiu até o lote que era exclusivo para o show, assim como tinham combinado. Depois de uma curta viagem de vinte minutos, já podiam ouvir de longe músicas tocando, provavelmente para aquecer o pessoal para o show. Ainda nem havia entrado na pequena área para estacionar, mas Yoongi já conseguia ver o palco e a grande área destinada a plateia, próximo a algumas barraquinhas — local no qual ele planejava dar o cordão de presente para Jimin —, e seu coração dava pequenos tropeços do de pensar em toda a adrenalina que teria que lidar naquela noite.

Não era um show em um estádio, mas ainda assim era completo de regalias, com direito a pulseirinhas VIP, camarote e tudo o que quem tivesse muito dinheiro quisesse. Os dois, no entanto, iam somente aproveitar o show, comer alguns petiscos e namorar. Jimin proibiu Yoongi de beber, já que ele iria dirigir mais tarde e o Min concordou, desde que o Park não bebesse ao ponto de entrar em uma euforia maior do que a de Yoongi por conta do álcool.

Jimin parecia radiante e comia um petisco no espetinho como uma criança. Ele fingia não ser fã do idol, mas Yoongi sabia que, por mais que ele negasse, tinha mais fotos do artista do que de si mesmo no telefone. O Min pensava que talvez Jimin tivesse vergonha de acompanhar um idol, mesmo já estando com vinte e cinco anos. Yoongi não ligava para o namorado ser fã de alguém. Desde que Jimin estivesse feliz, ele também estaria.

O terreno estava repleto de pessoas, seja dançando ou conversando. Jimin tentava chegar o mais próximo que conseguia do palco, porque ele sabia que as pessoas que realmente aproveitavam o show geralmente estavam lá na frente, cantando juntos.

E de fato, Jimin estava certo.

O Min se sentia desnorteado em meio aos fãs, todos cantando as músicas fielmente, enquanto ele só sabia três músicas do artista. Mas ver o sorriso de Jimin fazia aquilo tudo valer a pena.

[...]

— Nos vemos logo! Amo vocês! — foi a última coisa que o idol disse depois de finalizar o show, emocionado. Jimin batia palmas eufóricas, mas em questão de segundos se virou para o namorado, que o abraçava por trás,

— Como ele consegue cantar tão bem? Ah… — Jimin suspirou, e Yoongi conteve um sorriso bobo.

— Você canta bem que eu sei, Ji. Você cantando nos dias de faxina é como se fosse um show particular. — Amava puxar o saco do namorado e não perderia a oportunidade. Óbvio que o elogio fez com que as bochechas do Park ficassem vermelhas, mesmo ele tentando disfarçar.

— Vamos comer um algodão doce antes de irmos embora, sim? — o loiro chamou, e Yoongi concordou, ainda sorrindo, achando engraçado como o Park desviava dos assuntos quando ficava com vergonha. — Se apaixonou de novo, foi? Vamos. — Puxou o namorado pela mão entre a multidão de pessoas.

De fato, Jimin estava com vontade de comer o doce. Quando tinham terminado de pagar um algodão doce — que era gigante e por isso eles decidiram comprar apenas um —, o loiro andava um pouco saltitando enquanto saíam da barraquinha e caminhavam em direção ao estacionamento.

Eles pareciam adolescentes, quando na verdade já eram adultos.

— Oh! Minha nossa!

Uma mulher esbarrou nos dois, mais especificamente em Jimin, que segurava o algodão doce, mas o deixara cair no chão pelo choque. Era a mesma mulher que encontrava Yoongi quase todos os dias, a mesma que sabia informações que Yoongi nunca contou.

— Perdão, não foi a minha intenção — Olhou diretamente para Yoongi, ignorando a presença do loiro. — Parece que nos esbarramos muito por aí. — Soltou uma pequena risada.

— É… — O Min não podia dizer mais do que aquilo. Bem dizendo, ele não conseguia dizer mais, sua mente tinha entrado em turbilhão.

— Se me dá licença… — Curvou-se brevemente antes de dar um sorriso para o moreno e sair entre os dois.

Jimin estava calado, mas sua expressão dizia tudo o que sentia. Tinha suas sobrancelhas um pouco franzidas e os lábios abertos, enquanto intercalava o olhar entre o algodão no chão e a mulher que sumia entre a multidão.

— Você acredita nisso? — questionou chocado, rindo de descrença e negando com a cabeça. — Acredita que essa é a mesma mulher mal-educada da qual te falei outro dia? — Yoongi arregalou os olhos. Não era possível… — Seriamente, a cada dia que se passa as pessoas estão ficando cada vez mais mal-educadas!

O moreno queria comentar sobre a frequência com a qual via a mulher, aquilo já estava lhe preocupando. Contudo, não queria preocupar o namorado, não em um dia que ele estava tão radiante. Por isso, decidiu dar o colar que tinha encomendado quando chegassem em casa, quando tudo estaria mais calmo e tranquilo.

O sorriso de Jimin tinha diminuído um pouco depois do incidente. Eles caminhavam lado a lado até o carro que tinham deixado na vaga mais distante do show.

Jimin tinha as mãos nos bolsos, pensativo, enquanto Yoongi via no celular qual era o posto de gasolina mais próximo dali.

O que ambos não esperavam era que um carro preto que estava saindo do estacionamento um pouco atrás deles acelerasse e fizesse um barulho extremamente alto em alta velocidade.

Jimin, que estava muito disperso, não ligou para o barulho e continuou seu caminho. Yoongi, que andava próximo ao canteiro, só conseguiu puxar o braço de Jimin para si antes de um carro passar de raspão pelo loiro.

— Porra! — Jimin murmurou quando estava agora entre os braços de Yoongi, que tinha lhe puxado, e via o carro passar como um foguete pelo estacionamento vazio. — Que dia tá sendo esse? Primeiro aquela mulher mal-educada esbarra comigo de novo, agora…

— Quando me virei para trás, eu vi o rosto de quem estava dirigindo — Yoongi disse um pouco sem voz.

— Hum? Quem era? — Yoongi permaneceu em silêncio. — Quem era, Yoongi?!

— Park Jimin, a mesma mulher que me seguiu no instagram, a mesma que você encontrou e pisou no seu pé, e a mesma que encontrava comigo todos os dias.

— O quê? Como assim todos os dias? — Jimin perguntou ainda mais confuso.

Foi naquele momento que Yoongi tinha se dado conta da situação. Tinha que contar para Jimin, precisava contar sobre como a mulher lhe tratava. Aquilo já estava passando dos limites, ela havia colocado em risco a vida de uma pessoa, a vida de seu namorado.

Nisso, decidiu contar tudo para Jimin, que ficava a cada fala ainda mais surpreso. Ele lhe deu a resposta de que deveriam fazer uma ocorrência o mais rápido que pudessem. Não conheciam a mulher, mas, depois de Yoongi ver os olhos frios da mulher indo com o carro em direção ao seu amado, o Min percebeu que deveriam que ir a polícia imediatamente.

[...]

Yoongi não queria que seu aniversário de namoro terminasse daquela forma.

Não queria às duas da madrugada estar sentado em frente a um policial explicando toda a situação.

O estranho foi que o policial, depois de anotar as descrições da mulher, pegou uma pasta, com outras denúncias.

— Nessa pasta tem denúncias de uma mulher com a mesma descrição que vocês apresentaram. — Colocou-a sobre a mesa, e o casal se olhou, espantado. — As vítimas, se assim posso dizer, sempre são casais.

— Casais? — Yoongi ainda não entendia onde ele queria chegar.

— Todas as pessoas que vêm fazer ocorrências são casais, sempre um relatando que a mulher flertava com ele. Enquanto o outro era perseguido, recebendo ameaças de morte. — Encostou-se na cadeira, pensativo.

— E vocês nunca conseguiram prender ela? Sabem por que ela faz isso? — Jimin perguntou, sua mão suava frio.

— Infelizmente não… Nunca chegamos perto — lamentou, mas, depois de alguns segundos em silêncio, soltou um suspiro. — Existe uma lenda de que essa mulher sempre se interessa por caras com traços semelhantes… — Observou Yoongi com cuidado antes de continuar: — E, aliás, os seus batem muito com os descritos, senhor Min. Olhos engatinhados e pele pálida. Sempre o desejado tem essas características.

— Desde quando ela persegue esses caras? — Jimin perguntou novamente, estava muito preocupado.

— Temos essa denúncia se repetindo há 80 anos.

— Mas ela não parece passar dos 30. Tem algo que não está certo. — O moreno franziu o cenho.

— O que é curioso é que nem mesmo temos registros dela, seja bancário ou nome que bate com as descrições… — Fez um pausa drástica. — No mês passado tivemos uma denúncia quase idêntica à de vocês, só que nela a mulher se apresentava como Seo Joohyun, O mesmo nome da esposa do homem pelo qual a mulher estava interessada.

A cada palavra que o policial dizia, os dois ficavam ainda mais confusos, não sabiam muito bem o que fazer, nem mesmo o que pensar.

— Não vou prometer que vamos dar um jeito na situação… Mas estamos tentando.

— Ela de fato já matou alguém? — Yoongi interrompeu, mas não recebeu resposta, o silêncio já dizia tudo.

— Alguns casais tiveram a sorte de conseguirem viver suas vidas normalmente, mas nem todos. — O silêncio pairou pelo local. — Mas estamos tentando capturar ela, não vamos desistir.

Yoongi e Jimin permaneceram algum tempo sentados nas cadeiras, mesmo depois do policial se retirar. Estavam sem reação, e murmurinhos sobre a lenda já começavam a ser comentados entre os policiais.

O Park e o Min se entreolharam sem dizer nada, somente sabiam que tinham que ir pra casa. Ficar longe daquilo tudo.

[...]

O casal decidiu ir para casa junto, mas dessa vez para o apartamento de Yoongi. Ele seriamente cogitava se aquele era um bom dia para entregar o presente de Jimin.

Quando finalmente estacionaram, ficaram um tempo em silêncio. Antes que o moreno terminasse de retirar a caixinha com o colar, Jimin saiu do carro, batendo a porta fortemente e fazendo o mais velho suspirar cansado. Era informação demais para uma noite.

Ao sair do veículo, Yoongi não avistou o namorado, o que o trouxe estranheza, já que de onde ele estava era possível até mesmo ver a entrada no prédio. Achou suspeito, mas continuou andando. Até ouvir a voz de Jimin.

— Yoongi!

Seguiu rapidamente em direção à voz. Não tinha ninguém no estacionamento, somente alguns carros estacionados e uma van.

A mulher prensava Jimin na porta da van, sua mão apertava o peito do loiro contra o veículo. Era estranho que o loiro não conseguia sair de perto da mulher, parecia que não tinha força alguma. A mulher parecia muito mais forte do que seu namorado, mesmo possuindo um corpo magro e aparentemente sem muitos músculos.

— M-me… solta…! — Jimin estava um pouco sem voz.

— TIRE SUAS MÃOS DELE! — Yoongi correu até os dois, mas, antes que tentasse retirar as mãos da mulher do corpo de Jimin, ela usou a mão livre para segurar as de Yoongi. — SOLTE A GENTE!

— Sério que você prefere ele? — disse em um tom de desprezo e decepção. — Ele nem mesmo tem como lhe proporcionar o devido prazer que você merece, você merece uma mulher, uma mulher como eu.

Yoongi não entendia nada. Não sabia ao certo se ela era uma stalker, uma pessoa homofóbica ou talvez até alguma louca.

— Yoongi… — Jimin sussurrou um pouco sem voz, mas foi interrompido.

— Cale a boca! — Os olhos da mulher estavam vermelhos e, aos poucos, era possível ver veias pretas aparecerem sob seus olhos. — Morando naquele mísero apartamento com esse garoto... Você merece mais, Yoongi. Você me merece!

— Como sabe meu nome? Eu nem lhe conheço! — defendeu-se, e a mulher soltou uma risada.

— Eu sei tudo o que você faz, Yoon. Sei até mesmo em quantas e em quais matérias você é ruim na faculdade. Sei o nome do seu cachorro, sei o dia em que você conheceu esse garoto! — Apontou com o olhar para Jimin.

— Você é louca… — Yoongi negou com a cabeça. — Solte a gente e nos deixe em paz.

— Achava que você estava interessado em mim, Yoon — disse com uma voz manhosa, apertando um pouco mais os pulsos do moreno e o peito de Jimin.

— Desde quando?! Eu amo o Jimin, não você. O meu Jimin. — Tentou se soltar.

A mulher encarava os dois, ainda com os olhos vermelhos.

— Por quê? Por quanto?

— Por que o quê? — Yoongi perguntou, impaciente. Ele estava amedrontado, aquela mulher não era uma pessoa normal.

— Por que ninguém me quer? Por quantos nomes eu vou ter que passar para que alguém me ame? — a mulher disse em uma voz de choro. — Já me chamei de todas as formas, já me vesti de todas as formas possíveis, e nunca encontro algo recíproco!

— Vai ver é porque você é medonha — Jimin disse, em um pingo de coragem, mas se arrependeu quando a mulher aumentou o aperto.

— Sabe quantos anos eu estou esperando? 136 anos, com mais de 300 nomes diferentes. — Sua voz se tornou ainda mais chorosa e ela acabou por soltar os dois. Yoongi correu até Jimin para o segurar em seus braços. O garoto estava meio pálido e fraco, mas ainda assim atento a qualquer passo que a mulher desse. — Por que não eu, Yoongi? — A mulher não tinha veias sobre os olhos naquele instante, mas seus olhos continuavam avermelhados.

Os dois homens permaneceram calados; Yoongi abraçava Jimin com força, assim como o outro fazia.

A mulher bufou, tombando a cabeça para trás, desistindo de tentar entender. Seus olhos estavam repletos de lágrimas. Queria um amor como o dos dois rapazes, mas tinha medo de nunca encontrar. Medo de ninguém a aceitar, medo de a olharem da mesma forma que os dois a olharam assim que descobrissem que ela não era uma pessoa normal.

— Deixa a gente em paz, por favor — Yoongi disse baixo. A mulher os olhou com um olhar de tristeza. Queria aquele amor, mas não queria destruir um, não depois de ver aquela intensidade.

Do que adiantava ser imortal e ver o seu primeiro amor partir? Do que adiantava ter uma força inexplicável, sendo que o mundo era sobre convivência, e não sobrevivência?

— Até, Yoongi — falou, dando um passo para trás. Yoongi e Jimin estavam mais tranquilos, porém em alerta. — Ou melhor… Vou sair do caminho de vocês…

Antes que os dois se dessem conta, a mulher saiu do campo de visão de ambos. Dessa vez para nunca mais trombar com seus caminhos.

Os dois permaneceram alguns minutos juntos, calados, somente depois de alguns minutos conseguindo chegar a conclusões sobre a relação bizarra de Yoongi com a mulher e em como ela tinha conseguido puxar Jimin sorrateiramente até um lugar isolado, sem nem mesmo serem percebidos.

Yoongi e Jimin, depois daquele dia bizarro, continuaram firmes e felizes. Não sabiam o que a mulher era e muito menos por que ela era daquela forma, mas sabiam que tinha tristeza por trás daqueles olhares raivosos e sedutores.

Por mais que a polícia civil fosse muito séria e centrada, recebia denúncias como aquela, com a mesma descrição daquela mulher, há muitos anos e não levava mais aquilo a sério. Sabiam sim da importância, mas não sabiam mais o que fazer em relação à ela.

Para eles e muitas pessoas, a mulher era somente uma lenda.

~~~~



Notas Finais: Uepaaaa gostaram?

Foi desafio e tanto pra mim escrever essa fic, mas no final das contas deu tudo

certo e ela chegou perfeitinha nas mãos de vocês kkk.

Agradeço de coração a quem chegou até aqui, sério mesmo 💜

Eeeeeee créditos a minie_swag/ minie_swag que betou a fanfic e me deu uma

mãozonaaa no desenvolvimento e também à capista vitoriasifrid77 /

vitoriasifrid77 que fez a capa e esse banner perfeitos 🥺💜

E como já dizia a moça da fanfic: até breve kkk 💕

24 Juillet 2022 00:41:22 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
0
La fin

A propos de l’auteur

2Min Pjct Projeto de fanfics do shipp Yoonmin (Yoongi & Jimin) do grupo sul coreano BTS. Nos encontre também no Wattpad (https://www.wattpad.com/user/2MinPjct), Spirit (https://www.spiritfanfiction.com/perfil/suji05), ao3 (https://archiveofourown.org/users/2minpjct) e twitter.

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~